SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue2A new spermophagous species of Heilipus Germar from the Amazonian Region (Coleoptera, Curculionidae, Molytinae)Checklist of aedine mosquito species (Diptera, Culicidae, Aedini) occurring in Middle and South America (south of the United States) reflecting current generic and subgeneric status author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Entomologia

Print version ISSN 0085-5626

Rev. Bras. entomol. vol.49 no.2 São Paulo June 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0085-56262005000200008 

SISTEMÁTICA, MORFOLOGIA E BIOGEOGRAFIA

 

Gênero Colobothea Lepeletier & Audinet-Serville: novas espécies e sinonimia (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

 

Genus Colobothea Lepeletier & Audinet-Serville: new species and synonyms (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

 

 

Miguel A. Monné

Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Quinta da Boa Vista, 20940-040, Rio de Janeiro-RJ, Brasil. Pesquisador do CNPq

 

 


RESUMO

Novas espécies descritas: Colobothea denotata, sp. nov. (Brasil, Amazonas), C. caramaschii sp. nov. (Venezuela) e C. delicata sp. nov. (Costa Rica e Panamá). Nova sinonimia proposta: C. albobimaculata Zajciw, 1961 e C. pseudosubcincta Zajciw, 1961 = C. subcincta Laporte, 1840.

Palavras-chave: Cerambycidae; Colobothea; Colobotheini; novas espécies; sinonímia.


ABSTRACT

The following new species are described: Colobothea denotata sp. nov. from Brazil (Amazonas), C. caramaschii sp. nov. from Venezuela and C. delicata sp. nov. from Costa Rica and Panamá. New synonymy proposed: C. albobimaculata Zajciw, 1961 and C. pseudosubcincta Zajciw, 1961 = C. subcincta Laporte, 1840.

Keywords: Cerambycidae; Colobothea; Colobotheini; new species; synonym.


 

 

Colobothea Lepeletier & Audinet-Serville, 1825 apresenta distribuição Neotropical e engloba 118 espécies (Monné, 1995:8). Tavakilian (1997:135) considerou C. velutina Bates, 1865 sinônimo de Lamia macularis Olivier, 1792, reduzindo seu número a 117, das quais vinte se distribuem no México e na América Central (Giesbert, 1979).

Neste trabalho são descritas três espécies inéditas procedentes de Costa Rica, Panamá, Venezuela e Brasil (Amazonas) e é proposta a sinonimia de outra, amplamente distribuída no Brasil meridional, com base no estudo detalhado de 115 exemplares.

Abreviaturas utilizadas: JWCB, Jim Wappes collection, Bulverde, Texas, Estados Unidos; MNRJ, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil; MZSP, Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil; USNM, National Museum of Natural History, Washington, D. C., Estados Unidos.

Colobothea denotata sp. nov.
(Fig. 1 )

 



 

Macho. Tegumento castanho-escuro a preto. Pubescência predominantemente preta. Pubescência branco-amarelada: na cabeça, linha mediana longitudinal no occipúcio e margem dos lobos inferiores dos olhos. No pronoto, duas linhas látero-longitudinais, a externa mais larga que a interna e expandida junto à borda posterior. Lados do protórax, junto às cavidades procoxais, epimeros, episternos e lados do metasterno com linha amarelo-esbranquiçada ininterrupta. Em cada élitro linha longitudinal mediana em ziguezague, que se projeta para as margens no terço basal, no meio e no terço distal. As linhas branco-amareladas de cada élitro delimitam mancha preta cordiforme sutural no terço basal e mácula subtriangular mediana. A pubescência branca recobre: metade basal dos antenômeros III e IV, os três quartos anteriores do antenômero VI, anel mediano nas tíbias e os tarsos. Prosterno, mesosterno e centro do metasterno com fina pilosidade cinzenta.

As antenas alcançam os ápices dos élitros no extremo distal do antenômero VI; antenômero V munido de curto espinho aguçado na extremidade ápico-interna. Protórax com lados subparalelos, sem tubérculo látero-basal; pontuação restrita à fileira junto às orlas anterior e posterior. Élitros com úmeros proeminentes, oblíquos na margem anterior; ápices truncados, ângulo externo projetado em espinho agudo. Quarto basal com pequenos grânulos setíferos; pontuação escassa e dispersa nos três quartos anteriores.

Lados dos protarsos com densos pelos pretos. Últimos urotergito e urosternito truncados na extremidade distal.

Dimensões, em mm, macho. Comprimento total, 13,0 - 19,0; comprimento do protórax, 2,5 - 4,0; maior largura do protórax, 3, 5 - 5, 0; comprimento do élitro, 10,0 - 13, 0; largura umeral, 4,0 - 6,0;

Material-tipo. Holótipo macho, BRASIL, Amazonas: Rio Demiti "near little Homestead" (0º 35'N, 66º 41'W), 28.VIII - 10.IX.1978, G. E. & K. E. Ball col. (MNRJ). Parátipos, dois machos, mesmos dados. (MNRJ).

O Rio Demiti é afluente da margem esquerda do Rio Negro, próximo à fronteira com a Venezuela.

Discussão. Colobothea denotata sp. nov. tem em comum com C. brullei Gahan, 1889 a presença de espinho nas antenas dos machos, contudo em C. denotata está situado no antenômero V e em C. brullei no antenômero VI, além disso nesta última espécie o pronoto está ornado com três linhas brancas látero-longitudinais e C. denotata apresenta apenas duas linhas.

Colobothea caramaschii sp. nov.
(Fig. 2)

Macho. Tegumento preto. Pubescência predominantemente cinzento-esbranquiçada, com brilho sedoso. A pubescência preta, muito curta e densa, reveste: ápice do escapo e os dois terços distais dos antenômeros III-XI; três linhas longitudinais a cada lado do meio do pronoto, a intermediária com o dobro da largura da externa; mácula arredondada mediana e linha ínfero-lateral nos lados do protórax; escutelo (exceto margem); em cada élitro três linhas de contorno irregular, parcialmente interrompidas, a primeira da região subumeral, ascendente em direção ao meio da sutura, a segunda no início do terço distal e a terceira ante-apical, aproximada da margem; pequenas máculas arredondadas em toda a superfície elitral; anel ante-apical nos fêmures.

As antenas atingem os ápices dos élitros no terço distal do antenômero VI. Protórax com os lados divergentes para trás; pontuação do pronoto restrita às fileiras junto às margens anterior e posterior. Élitros com úmeros proeminentes, sub-retos na margem anterior. Ápices transversalmente truncados, com espinho aguçado no ângulo externo. Pontuaçao elitral muito pequena e dispersa, oculta pela densa pubescência cinzento-esbranquiçada. Último urotergito truncado; último urosternito semicircularmente emarginado.

Lados dos protarsos com pêlos longos e pretos. Coxas, centro do metasterno e dos segmentos abdominais, revestidos de densa e longa pilosidade amarelo-dourada, com brilho sedoso.

Dimensões, em mm, macho. Comprimento total, 19, 0; comprimento do protórax, 5, 0; maior largura do protórax, 3, 5; comprimento do élitro, 14, 0; maior largura umeral, 7, 0.

Material-tipo. Holótipo macho, VENEZUELA, Aragua: Rancho Grande (1100 m), 21.V.1980, J. A. Clavijo & A. Chacon col. (MNRJ). Parátipo macho, VENEZUELA, Aragua: Parque Nacional Henri Pittier (Estación Biológica Rancho Grande), 7-13.VI. 1999, Ratcliffe, Jameson, Smith & Villatoro col. (JWCB).

Discussão. A pubescência cinzento-esbranquiçada que predomina na superfície dorsal e a densa pilosidade amarelo-dourada que reveste a maior parte da superfície ventral permitem separar C. caramaschii sp. nov. de suas congêneres.

O epiteto homenageia o colega e amigo Ulisses Caramaschi (MNRJ), pela desinteressada colaboração na coleta e estudo de Cerambycidae.

Colobothea delicata sp. nov.
(Figs 3, 4 )

Macho. Tegumento preto. Pubescência predominante preta, aveludada. Pubescência branco-amarelada: na cabeça recobre os lados da fronte, uma linha mediana no vértice, bifurcada posteriormente; genas e faixa látero-longitudinal ininterrupta desde atrás dos lobos inferiores dos olhos até a margem posterior do metasterno; metade basal dos antenômeros III e IV e terço anterior dos antenômeros V, VI, VIII e X. Pronoto com uma linha estreita longitudinal a cada lado do meio e faixa lateral em cada lado do protórax. Desenho elitral como nas figuras 3 e 4. Lados dos primeiros urosternitos visíveis cobertos com densa pubescência branco-amarelada e máculas pretas arredondadas.

As antenas alcançam as extremidades dos élitros no ápice do quinto antenômero. Protórax com os lados apenas divergentes para trás, sem tubérculo látero-basal. Pontuação do pronoto restrita à fileira junto à margem posterior. Élitros com pontos setíferos esparsos em toda a superfície. Ápices elitrais transversalmente truncados, ângulo externo projetado em curto espinho. Último urotergito truncado; último urosternito semicircularmente emarginado. Protarsos densamente pilosos nos lados.

Fêmea. As antenas alcançam as extremidades dos élitros no ápice do antenômero VI; último urotergito levemente entalhado, último urosternito transversalmente truncado; protarsos com escassos pelos longos laterais.

Dimensões, em mm, macho/fêmea. Comprimento total, 10,0-11,0/11,0; comprimento do protórax, 2,0-2,1/2,0; maior largura do protórax, 2,0-2,1/2,0; largura umeral, 3,0-3,2/3,4; comprimento do élitro, 7,0-7,3/7,2.

Holótipo macho, PANAMÁ, Panamá: Cerro Campana (850 m), 17.V.1993, E. G. Riley col. (USNM). Parátipos. COSTA RICA, Puntarenas: Monteverde, macho, 4-6.VI.1980, J. E. Wappes col. (MNRJ). PANAMÁ, Canal Zone: Barro Colorado Island, fêmea, 29.I.1997, Pickering & Windsor col. (JWCB).

Colobothea subcincta Laporte, 1840
(Figs 5-7)

Colobothea subcincta Laporte, 1840:491; Bates, 1865:224; Redtenbacher, 1867:178 (distr.); Zikán & Zikán, 1944:40 (distr.); Zajciw, 1958:20 (distr.); Buck, 1959:607 (distr.); Zajciw, 1962:291; 1972:68 (distr.); 1974:47 (hosp.); Monné, 2002: 8 (cat.).
Colobothea albobimaculata Zajciw, 1961: 385, fig. 1; 1974: 79 (distr.); Julio et al., 2000: 34 (holótipo). Syn. nov.
Colobothea pseudosubcincta Zajciw, 1961: 387, fig. 2; 1962: 291; Julio et al., 2000: 34 (holótipo). Syn. nov.

Os caracteres listados por ZAJCIW (1961) para separar C. albobimaculata de C. subcincta, referentes às "genas mais longas que o diâmetro dos olhos" e "tubérculos laterais do protórax mais obsoletos", são apenas ligeiras modificações intraespecíficas que se diluem ao examinar 115 exemplares.

O padrão de desenho elitral varia consideravelmente; a mancha arredondada ante-apical de nítida pubescência branca aparece menos contrastante e entremeada com pontos pretos em exemplares da mesma localidade (Linhares, Espírito Santo).

As mesmas considerações podem ser feitas para C. pseudosubcincta, tanto em relação à proporção entre dimensões dos olhos e das genas, quanto ao desenvolvimento dos tubérculos laterais do protórax. A proporção entre área elitral ocupada por pubescência preta e branca varia consideravelmente, existindo exemplares quase totalmente brancos.

Material examinado. BRASIL. Espírito Santo: Linhares, 3 machos, 3 fêmeas. (Parque Sooretama), 5 machos, 3 fêmeas. Mun. de São Francisco (Córrego do Itá), 2 machos, 2 fêmeas (holótipo macho de C. albobimaculata). S. M. Jetibá, fêmea. Minas Gerais: Barreira do Piquete (Serra da Mantiqueira), macho. Poços de Caldas, 7 machos, 9 fêmeas. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, macho. (Corcovado), 11 machos, 10 fêmeas.( Estrada do Sumaré), fêmea. (Floresta da Tijuca), 2 machos, 3 fêmeas. Itatiaia, 3 fêmeas. Nova Friburgo, fêmea. Teresópolis, fêmea. São Paulo: São Paulo, fêmea. (Cantareira), 3 machos, 2 fêmeas. (Jabaquara), macho, 2 fêmeas. Peruíbe, macho. Rio Claro, macho. Paraná: Barigui, macho, fêmea. Curitiba, 2 machos, fêmea. Rio Negro, fêmea. Santa Catarina: Corupá, 2 machos. Joinville, macho. Mafra, 3 machos, 4 fêmeas (holótipo macho de C. pseudosubcincta). Nova Teutonia, macho, fêmea. Pinhal, macho. Rio Júlio, fêmea. Rio Natal, macho, fêmea. Rio Negrinho, 2 machos. São Bento do Sul, macho. (Rio Vermelho), macho.

Agradecimentos. A Jim E Wappes (JWCB) pela remessa de material para identificar e a Marcela L. Monné e José Ricardo Miras Mermudes (MZSP), pelas fotografias.

 

REFERÊNCIAS

Bates, H. W. 1865. Contributions to an insect fauna of the Amazon Valley. Coleoptera: Longicornes. The Annals and Magazine of Natural History 15: 213–225.         [ Links ]

Buck, P. 1959. Cerambycidae in der Sammlung des Instituto Anchietano de Pesquisas. Pesquisas 3: 577–609.         [ Links ]

Giesbert, E. F. 1979. A review of the Mexican and Central American species of Colobothea Serville (Coleoptera, Cerambycidae). The Coleopterists Bulletin 33: 415–438.         [ Links ]

Julio, C. E. A., Giorgi, J. A. & Monné, M. A. 2000. Os tipos primários de Cerambycidae (Coleoptera) da coleção do Museu Nacional - Rio de Janeiro. Publicações Avulsas do Museu Nacional 84: 1–54.        [ Links ]

Laporte, F. L. N. 1840. Histoire Naturelle des Insectes Coléoptères. Paris, Duménil,v. 2, 563 p.         [ Links ]

Monné, M. A. 1995. Catalogue of the Cerambycidae (Coleoptera) of the Western Hemisphere. Part XIX. Subfamily Lamiinae: Tribes Elytracanthini, Cyrtinini, Colobotheini, Tetraopini, and Saperdini. São Paulo, Sociedade Brasileira de Entomologia, 94 p.         [ Links ]

Monné, M. A. 2002. Catalogue of the Neotropical Cerambycidae (Coleoptera) with known host plant - Part IV: Subfamily Lamiinae, Tribes Batocerini to Xenofreini. Publicações Avulsas do Museu Nacional 94: 1–92.         [ Links ]

Redtenbacher, L. 1867. Coleopteren In: Reise des österreichischen Fregatte Novara und die Erde in den Jahren 1857, 1858, 1859, unter der befehlen des Commodore B. von Wüllerstorf- Urbair. Wien, Zoologischer Theil, Zweiter Band, 249 p.         [ Links ]

Tavakilian, G. L. 1997. Nomenclatural changes, reinstatements, new combinations, and new synonymies among American Cerambycids (Coleoptera). Insecta Mundi 11: 129–139.         [ Links ]

Zajciw, D. 1958. Fauna do Distrito Federal XLVIII. Contribuição para o conhecimento dos longicórneos de Rio de Janeiro (Coleoptera, Cerambycidae). Boletim do Museu Nacional (n.s.) Zoologia, 189: 1–26.         [ Links ]

Zajciw, D. 1961. Novas espécies neotrópicas de "Colobothea" Serville, 1825 (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae). Revista Brasileira de Biologia 21: 385–390.         [ Links ]

Zajciw, D. 1962. Cinco novas espécies neotrópicas de Colobothea Serville, 1825 (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) com chave para determinação das espécies sul-brasileiras. Anais da Academia Brasileira de Ciências 4: 281–293.         [ Links ]

Zajciw, D. 1972. Contribuição para o estudo da fauna dos longicórneos do Parque Nacional do Itatiaia (Coleoptera, Cerambycidae). Brasil Florestal 3: 40–72.         [ Links ]

Zajciw, D. 1974. Contribuição para o estudo da fauna dos longicórneos (Coleoptera, Cerambycidae) das florestas do Estado do Espírito Santo e principalmente da Reserva Biológica Soôretama. Boletim Técnico do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal 4: 37–91.         [ Links ]

Zikán, J. F. & Zikán, W. 1944. A inseto-fauna do Itatiaia e da Mantiqueira. Boletim do Ministerio de Agricultura 33: 1–50.         [ Links ]

 

 

Recebido em 28.XII.2004; aceito em 12.IV.2005