SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 issue131Professora Maria José Grcia Werebe in memoriamUnstable tuning: religion, morality and civism in Brazil - 1931/1997 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos de Pesquisa

Print version ISSN 0100-1574On-line version ISSN 1980-5314

Cad. Pesqui. vol.37 no.131 São Paulo May/Aug. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742007000200003 

TEMA EM DESTAQUE

 

 

RELIGIÃO, MORAL E CIVISMO NA ESCOLA PÚBLICA

A discussão sobre a presença do Ensino Religioso nas escolas públicas surgiu, sempre, nas culminâncias do processo de reelaboração do quadro jurídico-político da Educação Brasileira, como as Constituições e as Leis de Diretrizes e Bases. Fora desses momentos, a questão como que não existia. Ela parecia hibernar, agasalhada pela naturalização do dia-a-dia, sem que essa disciplina fosse entendida como um enclave curricular conflituoso, com defensores e opositores. Onde ela era oferecida, prosseguia sem contestações abertas. Onde não o era, ninguém a reclamava - prevalecia uma espécie de laicidade difusa nas escolas públicas.

Não estamos hoje, certamente, numa culminância de reforma educacional. Mas, pela primeira vez em nossa história, fora de tais momentos, a questão do Ensino Religioso nas escolas públicas emerge para o primeiro plano das discussões. A expressão disso é que têm sido publicadas matérias sobre essa questão em periódicos da área, assim como surgem trabalhos nos eventos acadêmicos, inclusive em áreas conexas, como nas Ciências Sociais. A imprensa diária também tem se manifestado mais freqüentemente sobre esse tema, não se abstendo de manifestar opinião em editoriais.

Desde o ano 2000, o Ensino Religioso nas escolas públicas projetou o Rio de Janeiro no cenário nacional, por causa de sua peculiar legislação e das declarações de seus governantes a respeito do tema, inclusive o apoio ao ensino do criacionismo nas escolas públicas.

Não é por acaso que os quatro textos aqui reunidos tenham sido escritos por autores que têm o Rio de Janeiro, mais particularmente a Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ - como instituição de referência: dois professores e dois doutorandos. As vicissitudes da fusão entre o Estado da Guanabara e o Estado do Rio de Janeiro, realizada sem consulta à população, em 1 974, a dificuldade de configuração de novo quadro político-partidário e o agravamento dos problemas econômicos estão entre os elementos determinantes da crise social (desemprego, insegurança, serviços públicos em colapso etc.). Para saná-la, soluções religiosas são recorrentemente evocadas em todos os espaços públicos - na Assembléia Legislativa, nos meios de comunicação de massa, nas escolas e nos cursos de formação de professores.

Mas, o Ensino Religioso remete à Educação Moral e Cívica, articuladas ambas as disciplinas pela matriz de valores conservadores e pela função de controle social, tanto do comportamento individual quanto da atuação sociopolítica dos educandos.

Ao contrário do Ensino Religioso, que dispõe de poderosos aparatos materiais e ideológicos de sustentação, a Educação Moral e Cívica já não conta com a pressão das Forças Armadas sobre os conselhos de educação, como a que, em 1 969, dobrou o Conselho Federal de Educação e canalizou o pensamento de direita para a produção da ordem via ensino público e privado.

Estigmatizada a Educação Moral e Cívica por sua implantação durante a ditadura militar, é o Ensino Religioso que tem recebido e canalizado as demandas de conter os conflitos intra e extra-escolares por meio de disciplina específica.

Passemos aos textos aqui reunidos sob a rubrica Religião, Moral e Civismo na Escola Pública.

Com base na legislação federal do período 193 1/1997, o artigo de Luiz Antônio Cunha examina as relações entre as disciplinas Ensino Religioso e Educação Moral e Cívica. O autor conclui que, no período estudado, ambas as disciplinas expressaram diferentes sentidos (em somatório ou em alternância) no jogo de forças entre o campo político e o campo religioso. Nesse rastreamento, o autor destaca a reiterada defesa dos grupos religiosos, particularmente a Igreja Católica, de que toda moral tem e só poderia ter base religiosa, portanto, não haveria Educação Moral (e Cívica?) sem Ensino Religioso. A decorrência tem sido o descarte da segunda em proveito da oferta da primeira ou, então, a convergência de ambas as disciplinas. Daí o título do artigo, "Sintonia oscilante".

Ana Maria Cavaliere, em seu artigo "O mal-estar do ensino religioso nas escolas públicas", apresenta e analisa a política do Estado do Rio de Janeiro, de ministrar essa disciplina na forma confessional desde 2000, para o que se aprovou lei específica e se realizou concurso de duvidosa base jurídica. Além de selecionar os professores segundo suas crenças individuais - católicos, evangélicos e "outras crenças" -, o edital do concurso transferiu poderes inéditos às entidades religiosas: não bastasse o credenciamento dos candidatos ao concurso público, cada entidade credenciadora pode, sem condição objetiva alguma, descredenciar o professor que perder a fé original, converter-se a outra crença ou simplesmente deixar de ter a confiança da entidade. A autora realizou pesquisa em escolas da rede estadual fluminense e chegou à conclusão de que a implementação dessa política se deu em direções diferentes das estipuladas, principalmente pela impossibilidade prática do confessionalismo e pela dissimulação do seu caráter constitucionalmente facultativo para os alunos. Apesar do mal-estar provocado pelo Ensino Religioso confessional e pelo polêmico concurso, essa disciplina tem sido, de um modo geral, assumida pelos professores, que esperam dela uma ajuda no controle social dos alunos, uma espécie de panacéia a preencher os espaços deixados vagos pela orientação educacional e pela limitação da atuação da escola.

O artigo de Janayna de Alencar Lui, "Entre crentes e pagãos: a implantação do Ensino Religioso nas escolas públicas de São Paulo", analisa a formação do campo de disputa em torno da disciplina nas escolas da rede estadual paulista, a partir de 2001. Ao contrário da rede fluminense, a rede estadual paulista implantou a disciplina numa vertente pluriconfessional e não realizou concurso específico para professores, utilizando os docentes da própria rede, em especial os licenciados em Filosofia, História e Sociologia, na 8ª série do ensino fundamental. A autora identifica as entidades envolvidas com o Ensino Religioso no estado, tanto privadas, como associações de professores dessa disciplina e conselhos de interessados, por exemplo, quanto públicas, como a Secretaria e o Conselho Estadual de Educação. Um caso, talvez único no país, foi a participação de uma universidade pública, a Universidade Estadual de Campinas, pelo seu Departamento de História, na elaboração de apostilas para a capacitação de professores da disciplina na rede estadual. As disputas em torno da escolha dos conteúdos e da capacitação docente se fizeram num quadro em que o governo do Estado de São Paulo, diferentemente do Rio de Janeiro, estabeleceu limites à participação de entidades religiosas.

Os leitores encontrarão em Cavaliere e Lui interessantes elementos distintivos da concepção e da implantação do Ensino Religioso nas redes estaduais fluminense e paulista. Para os especialmente interessados nessa comparação, remeto ao artigo de Luiz Antônio Cunha, "Autonomização do campo educacional: efeitos do e no ensino religioso", Revista Contemporânea de Educação (www.educacao.ufrj.br/revista). Publicada pela Faculdade de Educação da UFRJ, essa revista dedicou um número temático ao Ensino Religioso - o que também não foi ocasional. Cumpre assinalar que a forte presença política da Igreja Católica foi assinalada pelas duas autoras no Rio de Janeiro e em São Paulo, constituindo tanto uma similitude quanto razão de contrastes. Adianto que não é um elemento de contraste significativo o fato de o Rio de Janeiro ter tido três governadores evangélicos consecutivos, pois nesse estado o protagonismo da Igreja Católica (e não das Igrejas Evangélicas) foi determinante na elaboração, aprovação e implantação daquela disciplina na modalidade confessional.

O artigo de Daniela Patti do Amaral, "Ética, moral e civismo: difícil consenso", mostra que os 11 anos que decorreram desde a promulgação da LDB foram férteis em projetos de lei de caráter moral e cívico. Ela identificou e analisou, no período 1997/2006, 12 propostas de lei apresentadas à Câmara dos Deputados e ao Senado, bem como uma recomendação ao Ministro da Educação para que assumisse a iniciativa normativa. Visavam todas à introdução de uma disciplina obrigatória no ensino fundamental (principalmente), no ensino médio (secundariamente) e até no ensino superior, ora denominada Educação Moral e Cívica, ora Ética, ora Ética e Cidadania, ora Organização Social e Política do Brasil. Proposta por parlamentares situados na faixa de centro-direita do espectro político, essa disciplina teria o objetivo de resgatar valores supostamente perdidos pela sociedade, por causa, sobretudo, da disseminação de valores anti-sociais pela mídia, especialmente pela TV. Para os 11 deputados e o senador, parece não constituir problema, para a definição dos conteúdos da nova disciplina, a prevalência de uma quase anomia (no sentido durkheimiano do termo) no âmbito do Congresso Nacional e da sociedade inclusiva, amplamente divulgada pela mesma mídia, posta na posição de vilã. Diante desse quadro, a autora pergunta se esse tipo de iniciativa poderia ser uma tentativa de driblar o caráter da disciplina Ensino Religioso, facultativo nas escolas públicas, por disciplina obrigatória, na qual conteúdos religiosos poderiam ser tratados de forma camuflada ou não. Produzir um consenso sobre a ética a incluir no currículo da escola é uma difícil empreitada que, na opinião da autora, cabe a todos os empenhados na construção da democracia.

Chamo a atenção do leitor para um item do artigo de Cavaliere, "Religião e controle social", e um item do artigo de Lui, "O ensino religioso como transmissor de valores éticos". Eles são convergentes com as propostas dos parlamentares, analisadas por Amaral. Se a base religiosa da Educação Moral (e Cívica) proposta no Congresso transparece sob as justificativas dos parlamentares, o Ensino Religioso tem sido concebido como uma espécie de Educação Moral (e Cívica?) de base transcendente.

Tudo somado, a questão do Ensino Religioso na escola pública, com o reforço da ressurgência dos projetos parlamentares de Educação Moral e Cívica, aponta para a redução da autonomia do campo educacional no Brasil. Ele parece ter, hoje, um grau de autonomia menor do que o usufruído há duas décadas, quando se preparava a Assembléia Nacional Constituinte. No que concerne ao nosso tema, a derrota política (momentânea?) dos setores laicos ativos é um elemento, dentre outros, da regressão do campo educacional, no que concerne à sua autonomização diante do campo político e do campo religioso.

 

Luiz Antônio Cunha
Núcleo de Estudos de Políticas
Públicas em Direitos
Humanos da Universidade
Federal do Rio de Janeiro
www. luizantonio.cunha.nom.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License