SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 issue2"Ciberteca" ou biblioteca virtual: uma perspectiva de gerenciamento de recursos de informação author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência da Informação

Print version ISSN 0100-1965On-line version ISSN 1518-8353

Ci. Inf. v. 26 n. 2 Brasilia May/Aug. 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19651997000200001 

EDITORIAL

Biblioteca do futuro:
sonho ou realidade?

 

 

Discussões sobre a chamada biblioteca do futuro, com variadas interpretações e conceituações, surgem na década de 50, quando Vannevar Bush expõe seu conhecido projeto Memex. Desde então, acompanhando a vertiginosa explosão tecnológica, inúmeros estudos teóricos, projetos de pesquisas, experimentações, práticas e programas institucionais começam a ser desenvolvidos. Pode-se então afirmar que atualmente já existe um corpo expressivo de conhecimento na área, demonstrado por vasta literatura internacional.

No Brasil, especulações quanto à remodelação das bibliotecas surgem neste final da década de 90, com esparsos debates em eventos técnico-científicos e com alguns trabalhos em revistas especializadas.

Ao reconhecer esta área como emergente, o Comitê Gestor da Internet Brasil1 cria, em novembro de 1996, o Grupo de Trabalho sobre Bibliotecas Virtuais2. Este Grupo, sob coordenação do IBICT, compõe-se de membros institucionais e individuais (especialistas) cuja atuação no campo profissional, no ensino e/ou pesquisa tem estreita relação com a área. Com a proposta de contribuir para o desenvolvimento de bibliotecas virtuais no país, o GT/BV definiu uma série de atividades como prioritárias para a implementação e dinamização do setor. Dentre elas, destaca-se a organização deste número temático da revista Ciência da Informação, o qual visa a contribuir para o desabrochar de discussões e reflexões, canalizando os esforços nacionais neste veículo de comunicação3.

A resposta à chamada de trabalhos para a composição deste número evidencia a situação do tema no contexto brasileiro, refletindo um cenário de grande dinamismo. A concentração de relatos de experiência e iniciativas de diferentes bibliotecas e sistemas de informação demonstra a incessante busca destes profissionais na adequação a um novo ambiente tecnológico, ainda que de maneira empírica. Por outro lado, vislumbra-se que o corpo teórico de conhecimento se encontra ainda em construção, propondo questionamentos e reflexões, de modo a estabelecer consensos e diretrizes.

Neste sentido, os artigos aqui incluídos se encaixam sobremaneira nesta empreitada de desbravamento do tema, com a participação das professoras Patrícia Zeni Marchiori e Marília Levacov, que trabalham o aspecto conceitual da biblioteca do futuro. A contribuição da bibliotecária Márcia Rosetto destaca um aspecto eminentemente urgente na área, ou seja, a normalização das atividades quanto à recuperação de informação em redes eletrônicas.

Não menos premente é a discussão sobre os direitos autorais neste novo ambiente eletrônico, discutida pelo presidente da Associação de Profissionais da Informação e Documentação da França, Jean Michel, em Ponto de Vista.

Os Relatos de Experiência exemplificam parte das respostas que profissionais de bibliotecas especializadas, universitárias e estaduais estão oferecendo para a solução de situações específicas. Neste sentido, Yara Rezende ressalta a agilidade, eficiência e eficácia no acesso à informação (independentemente de sua localização física e geográfica) como o cerne da organização estrutural da biblioteca virtual da Natura Cosméticos, dando total ênfase a produtos e serviços voltados ao cliente. Já Maria José Resmer e Olga Maria Soares da Costa, ambas da Companhia de Informática do Paraná/Celepar, apresentam a metodologia de conversão do seu banco de dados em MicroIsis para acesso via servidor WWW. Adiciona-se, a estas experiências, a expressiva reestrutura do Banco de Dados DEDALUS da Universidade de São Paulo, relatada por Rosali Fávero Krzyzanowski, Inês Maria de Morais Imperatriz, Márcia Rosetto e Mariza Leal de Meirelles Do Couto. Enriquece estas experiências brasileiras Lourdes Feria Basurto, Maria Gregoria Carvajal Santilla e Marco Antonio Jauregui Medina, apresentando a Biblioteca Eletrônica de Colima no México, que se trata de um excelente centro de referência na América Latina. Encerrando esta seção, ressaltam-se as experiências promovidas pelo professor José Manuel Moran no uso da Internet na Educação, abrindo espaços para especulações sobre o uso dessa nova mídia nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, incluindo-se aí o papel das bibliotecas do futuro.

A seção Documentos oferece, por outro lado, mais um instrumental de trabalho para os interessados no tema, indicando informações bibliográficas e locais específicos para aprofundar pesquisas. De grande valia são as contribuições dos professores Neusa Dias de Macedo e Murilo Bastos Cunha. A primeira, com a rica análise e interpretação da Revisão analítica da Biblioteca do Futuro, publicada pelo Council on Library Resources dos Estados Unidos, que constitui profunda revisão do estado-da-arte sobre a biblioteca do futuro no período de 1983 a 1994. A segunda contribuição é uma bibliografia anotada de compilação livre na qual se identificam aspectos diferenciados do desenvolvimento das bibliotecas digitais. Ainda nesta seção estão incluídas as Orientações Estratégicas para o Programa de Implementação de Bibliotecas Virtuais no Brasil, de autoria do GT/BV do Comitê Gestor, cujo texto descreve as linhas norteadoras da atuação para o biênio 97/98.

Para a suprir parte do programa de trabalho definido no documento anteriormente mencionado, várias atividades identificadas como prioritárias e básicas foram delegadas a diferentes comissões de trabalho. A seção Comunicações torna público algumas etapas e/ou resultados já obtidos. O primeiro deles se trata do relato do workshop Design de Bibliotecas Virtuais Centrado no Usuário: a abordagem do Sense-Making para estudos de necessidades e comportamento de busca e uso da informação, promovido como parte do Programa de Capacitação Docente do GT/BV, que contou com a participação especial da professora doutora Brenda Dervin. Outra comunicação descreve a Base de Dados Futura, que objetiva disponibilizar, em um ágil e único local na Internet via servidor WWW, informações bibliográficas internacionais e nacionais sobre a biblioteca do futuro. Este produto foi possível graças ao trabalho conjunto de profissionais da Escola de Comunicações e Artes e da Bireme. A terceira comunicação destaca o trabalho de acompanhamento da participação das bibliotecas brasileiras na Internet, sob responsabilidade da Secretaria Técnica do GT/BV, o qual evidencia o avanço acelerado ocorrido de setembro de 1996 até a divulgação deste número temático.

Finalmente, as duas Resenhas aqui incluídas proporcionam visões diferenciadas sobre a atual era virtual e/ou digital, apresentadas com extraordinária perspicácia pelos professores Waldomiro de Castro Vergueiro e Ida Regina Chitto Sttumpf.

Com certeza, esta coletânea de trabalhos sobre a biblioteca do futuro - seja ela virtual, digital, eletrônica, polimídia, sem paredes, biônica ou qualquer outra denominação possível - irá contribuir sobremaneira para o debate da temática e definição do assunto, suscitando novos rumos de pesquisa e experimentações. Pode ser este o caminho para se tornar realidade a efetiva consolidação de um novo e arrojado perfil para a biblioteca brasileira no mundo virtual.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. O Comitê Gestor Internet-Brasil foi instituído em meados de 1995 pelo Ministério das Comunicações e Ministério da Ciência e Tecnologia com o objetivo de coordenar a evolução de serviços Internet no país. Informações adicionais podem ser encontradas em <URL: http://www.cg.org.br>

2. O endereço do GT/BV na Internet é: <URL: http://www.cg.org.br/gt/gtbv/gtbv.htm>

3. Faz-se, necessário, neste momento, evidenciar que a Comissão Especial para estruturação deste número temático contou com a excelente e inigualável participação de duas outras professoras, as quais rendemos carinhosos agradecimentos. São elas Patrícia Zeni Marchiori da Universidade Federal do Paraná e Jussara Pereira Santos, Presidente da Associação Brasileira de Ensino em Biblioteconomia e Documentação, período 1995-1997.

 

 

Sueli Mara S. P. Ferreira
Universidade de São Paulo
Escola de Comunicação e Artes
Departamento de Biblioteconomia e Documentação
smferrei@usp.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License