SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue9Responses to selection for performance traits in Nile tilapiaEfficient and economical kaolin concentration for cotton protection against boll weevil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Pesquisa Agropecuária Brasileira

Print version ISSN 0100-204XOn-line version ISSN 1678-3921

Pesq. agropec. bras. vol.50 no.9 Brasília Sept. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2015000900003 

ARMAZENAMENTO

Ação do 1-metilciclopropeno na conservação pós-colheita de manga 'Palmer' em diferentes estádios de maturação

1-methylcyclopropene action on postharvest conservation of 'Palmer' mango fruit at different maturity stages

Danielly Cristina Gomes da Trindade(1) 

Maria Auxiliadora Coêlho de Lima(2) 

Joston Simão de Assis(2) 

(1)Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais, Avenida Dr. Edgar Chastinet, s/no, São Gerardo, CEP 48905-680 Juazeiro, BA, Brasil. E-mail: danielly.trindade@embrapa.br

(2)Embrapa Semiárido, BR-428, Km 152, Caixa Postal 23, Zona Rural, CEP 56302-970 Petrolina, PE, Brasil. E-mail: auxiliadora.lima@embrapa.br, joston.assis@embrapa.br


Resumo:

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de 1-metilciclopropeno (1-MCP) em manga 'Palmer' (Mangifera indica), nos estádios de maturação 2 e 3, para a conservação pós-colheita do fruto durante o período de armazenamento. Foram realizados dois experimentos em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições. No primeiro, mangas no estádio de maturação 2 foram submetidas a diferentes doses de 1-MCP (controle, 300, 600 e 1.000 nL L-1), por 12 horas, e tempos de armazenamento refrigerado de 0, 8 e 15 dias a 14,5±2°C e 85±6% UR, seguidos de 3, 5, 7 e 9 dias a 24±2°C e 60±6% UR. No segundo experimento, mangas no estádio de maturação 3 foram submetidas aos mesmos tratamentos do primeiro, porém com aplicação de 1-MCP durante 14 horas e com armazenamento a 13±0,6°C e 87±2% UR, e 24,4±1,9°C e 47±8% UR. O uso de 1-MCP nas doses de 300 e 600 nL L-1, no estádio de maturação 2, melhora a aparência dos frutos, embora se restrinja a efeitos temporários sobre a firmeza de polpa e a degradação de amido. Nas doses de 600 e 1.000 nL L-1, no estádio de maturação 3, o 1-MCP limita a perda de firmeza e mantém a aparência comercial do fruto até o vigésimo quarto dia.

Termos para indexação: Mangifera indica; armazenamento; inibidor de etileno; vida de prateleira.

Abstract:

The objective of this work was to evaluate the application effects of 1-methylcyclopropene (1-MCP) in 'Palmer' mango fruit (Mangifera indica), at the maturity stages 2 and 3, on postharvest conservation during the storage period. Two experiments were conducted in a completely randomized design with four replicates. In the first one, mango fruit at the maturity stage 2 were subjected to treatments with different 1-MCP doses (control, 300, 600, and 1,000 nL L-1), for 12 hours, and refrigerated storage times of 0, 8, and 15 days at 14.5±2°C and 85±6% RH, followed by 3, 5, 7, and 9 days at 24±2°C and 60±6% RH. In the second experiment, mango at the maturity stage 3 were subjected to the same treatments as those of the first one, but with the application of 1-MCP for 14 hours and storage at 13±0.6°C and 87±2% RH, and 24.4±1.9°C and 47±8% RH. The use of the doses of 300 and 600 nL L-1 1-MCP at the maturity stage 2 improves fruit appearance, but it is limited to temporary effects on pulp firmness and starch breakdown. At the doses of 600 and 1,000 nL L-1, at the maturity stage 3, 1-MCP delays firmness loss and maintains the marketable fruit appearance until the twenty-fourth day.

Index terms: Mangifera indica; storage; ethylene inhibitor; shelf life.

Introdução

No Brasil, a produção de manga firmou sua importância econômica com as exportações para os Estados Unidos e a Europa, na década de 1980. Em 2013, em torno de 122 mil toneladas de mangas foram exportadas, o que tornou o País o segundo exportador mundial dessa fruta (Agrianual..., 2014). Contudo, para ampliar esse grande potencial, o Brasil precisa diversificar o destino dessas exportações. Para tanto, é indispensável tornar mais eficientes os processos e os componentes da cadeia de produção e comercialização.

As principais variedades exportadas são Tommy Atkins, Kent, Keitt, Haden e Palmer. A variedade Palmer vem expandindo sua área cultivada na maior região exportadora de manga do País, o submédio do Vale do São Francisco (Anuário..., 2012). Nesta região, a área cultivada com mangueira 'Palmer' cresceu 60% nos últimos 5 anos, em decorrência de novos plantios e, também, da sobre-enxertia em plantios da variedade Tommy Atkins. Entretanto, a manga 'Palmer' apresenta rápida perecibilidade, um dos principais fatores responsáveis por grandes perdas pós-colheita.

A etapa de transporte marítimo destaca-se como crítica para a ocorrência de perdas, em razão do longo período e das condições de armazenamento. A via aérea seria a melhor opção para o mercado externo, mas o alto custo limita o seu uso. Esse fato justifica a importância de se identificar novas tecnologias, além de aprimorar as existentes, que permitam estender a vida pós-colheita de mangas 'Palmer', ao preservar a qualidade do fruto para diferentes mercados.

A refrigeração é o método mais econômico e mais utilizado para prolongar a vida útil de frutas e hortaliças, e os demais são complementares a esse. Inibidores de etileno têm sido ferramentas úteis no manejo pós-colheita de muitos frutos e, associados à refrigeração, têm sido empregados para retardar o amadurecimento e a senescência em frutas climatéricas (Hojo et al., 2007; Sivakumar et al., 2012). Entre esses inibidores, o 1-metilciclopropeno (1-MCP) tem sido amplamente estudado, em países como: Argentina, Austrália, Áustria, Brasil, Canada, Chile, Costa Rica, França, Guatemala, Honduras, Israel, México, Holanda, Nova Zelândia, África do Sul, Suíça, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos (Watkins, 2006). Nesses países, pode ser utilizado, por exemplo, em maçã, abacate, kiwi, manga, melão, mamão, pêssego, pera, abacaxi, banana, ameixa e tomate. No Brasil, o registro alcança dois produtos comerciais, sendo um na forma de pó e o outro na de pastilhas (Defensivos..., 2015).

A aplicação do 1-MCP tem resultado em retardo no início do amadurecimento de frutas, incluindo a manga (Lima et al., 2006; Cordeiro et al., 2011). Por se tratar de um inibidor da ação do etileno, o 1-MCP liga-se aos receptores desse fitormônio com meia-vida de difusão entre 7 e 12 dias, em comparação a de 2 a 10 min do etileno, que se desliga rapidamente. Esse tempo de difusão sugere que a ligação do 1-MCP ao receptor do etileno é praticamente irreversível. Porém, assim que o receptor do 1-MCP é metabolizado ou que novos receptores são gerados sob alta temperatura, o processo é revertido (Pereira & Beltran, 2002). Dessa forma, a produção de novos receptores de etileno nas membranas celulares influencia a recomendação da concentração de 1-MCP necessária para promover a inibição da ação do etileno. Essa concentração varia, ainda, de acordo com a espécie, a variedade, o estádio de maturação, a temperatura e o tempo de exposição ao 1-MCP (Blankenship & Dole, 2003).

Portanto, para que o Brasil possa fortalecer sua competitividade nas exportações e alcançar novos mercados, são requeridos estudos mais aprofundados sobre a pós-colheita da manga. Neste sentido, pesquisas com 1-MCP podem gerar avanços no estágio atual de conhecimento e subsidiar a geração de novas tecnologias.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de 1-MCP em manga 'Palmer', nos estádios de maturação 2 e 3, para a conservação pós-colheita do fruto durante o período de armazenamento.

Material e Métodos

Foram utilizadas mangas 'Palmer' provenientes de pomar comercial (09º19'53"S, 40º41'29"W), situado no Município de Petrolina, PE. Os frutos foram transportados para o Laboratório de Fisiologia Pós-Colheita da Embrapa Semiárido, onde foram selecionados manualmente, com base em sanidade, ausência de danos mecânicos, uniformidade de maturação e tamanho. Foram conduzidos dois experimentos, em períodos distintos.

No primeiro experimento, mangas 'Palmer' colhidas em estádio de maturação 2 foram submetidas a diferentes doses de 1-MCP (controle, 300, 600 e 1.000 nL L-1) e tempos de armazenamento (0, 8, 15 dias seguidos por 3, 5, 7 e 9 dias), na conservação pós-colheita. O estádio de maturação 2 é caracterizado por cor verde clara da casca, polpa levemente amarela e teor de sólidos solúveis de aproximadamente 6,0ºBrix, conforme padronização de alguns exportadores (Emex, 1998).

As diferentes doses de 1-MCP foram obtidas a partir da diluição de 1-MCP 3,8% i.a. (SmartFresh, AgroFresh, Yakima, WA, EUA). Para isso, o produto foi colocado em frasco de vidro, no qual foi injetado 20 mL de água à temperatura ambiente (25°C), agitado até a completa dissolução do produto e a obtenção do 1-MCP gasoso. Os frascos contendo as diferentes concentrações de 1-MCP foram colocados em caixas herméticas com capacidade para 0,186 m3, as quais foram fechadas e mantidas em temperatura refrigerada, a 13,3±1ºC e 86±3% umidade relativa (UR), por 12 horas. Após a aplicação, as caixas foram abertas e os frutos armazenados sob refrigeração, a 14,5±2ºC e 85±6% UR, acondicionados em caixas de papelão, para avaliações aos 0, 8 e 15 dias, quando foram transferidos para temperatura ambiente, a 24±2ºC e 60±6% UR, por mais 3, 5, 7 e 9 dias. Utilizou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 4x7 (dose de 1-MCP x tempo de armazenamento), com quatro repetições de quatro frutos.

Foram avaliados os seguintes atributos de qualidade dos frutos: perda de massa, aparência, cor da casca e da polpa, firmeza da polpa, teor de sólidos solúveis, acidez titulável, teor de amido e substâncias pécticas.

A perda de massa (%) foi calculada pela diferença entre a massa do fruto no dia da colheita e na data de avaliação, em balança semianalítica, modelo VI-2400 (Acculab, Winter Park, FL, EUA). Já a aparência do fruto foi determinada pela escala subjetiva de notas proposta por Lima et al. (2007), em que: 4, fruta isenta de manchas e com aparência fresca; 3, sinais de murcha inicial (perda de brilho e turgor) e presença de manchas em até 5% da superfície da fruta; 2, manchas em 6 a 20% da superfície e enrugamento inicial; 1, manchas em 21 a 40% da fruta e avanço do enrugamento (intensidade moderada); e 0, manchas em mais de 40% da área da fruta e enrugamento em intensidade severa ou podridão.

Para determinação da cor da casca, na região verde e na parte equatorial do fruto, e da cor da polpa, à meia distância entre a casca e a semente, foram medidos os valores do ângulo Hue: 0°, vermelho; 90°, amarelo; 180°, verde; e 270°, azul. Para tanto, utilizou-se o reflectômetro Colortec PCM (ColorTec, Clinton, NY, EUA), com leitura única e direta.

Para obter a firmeza de polpa (N), foram realizadas duas leituras por fruto, em lados opostos da porção equatorial. A média foi obtida por meio de texturômetro digital Extralab TA.XT Plus (Extralab Brasil, Jarinu, SP), dotado de ponteira P/6 (6,0 mm de diâmetro), pelo qual se mediu a força necessária para promover a penetração da ponteira em 1,0 cm de profundidade.

O teor de sólidos solúveis, expresso em °Brix, foi obtido por leitura direta do suco extraído da polpa, em refratômetro digital Abbe Mark II (Reichert Technologies, Depew, NY, EUA) (Cunniff, 1998). Já a acidez titulável (g 100 g-1 de ácido cítrico) foi determinada por titulometria com solução de NaOH 0,1N (Cunniff, 1998), e o teor de amido, expresso em g 100 g-1 de massa fresca, conforme metodologia de Cunniff (1998).

As substâncias pécticas foram extraídas pelo método descrito por McReady & McComb (1952) e dosadas pela reação de condensação com m-hidroxidifenil, de acordo com Blumenkrantz & Asboe-Hansen (1973). Os resultados foram expressos em g 100 g-1 de massa fresca, a partir de curva padrão do ácido galacturônico.

Os resultados foram submetidos à análise de variância. Quando o efeito das doses de 1-MCP foi significativo, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Para avaliar os efeitos do tempo de armazenamento ou da interação entre os fatores, os resultados foram submetidos à análise de regressão polinomial. Quando a interação foi significativa, realizou-se o desdobramento das doses de 1-MCP em cada tempo.

No segundo experimento, as mangas 'Palmer' avaliadas foram colhidas no estádio de maturação 3, caracterizado por cor verde-amarelada da casca, polpa amarelada e teor de sólidos solúveis de aproximadamente 6,5º Brix (Emex, 1998). Os frutos foram submetidos aos mesmos tratamentos do primeiro experimento, porém com algumas modificações. Em relação às doses do 1-MCP, os frutos foram mantidos nas caixas herméticas sob ação do gás durante 14 horas, em ambiente refrigerado a 13,5±1,6ºC e 87±4% UR. Quanto ao armazenamento, as condições adotadas foram: 13±0,6ºC e 87±2% UR, em câmara fria, e 24,4±1,9ºC e 47±8% UR para temperatura ambiente. O delineamento experimental, as variáveis e a análise estatística foram os mesmos utilizados no primeiro experimento.

Resultados e Discussão

No primeiro experimento, a perda de massa não foi influenciada pela dose de 1-MCP. Houve perda de massa fresca progressiva, de 1,7%, nos primeiros 8 dias de armazenamento, e de 6%, aos 24 dias (Figura 1 A). Segundo Hojo et al. (2009), as condições de armazenamento, determinadas pela temperatura e pela umidade relativa, interferem diretamente no metabolismo do fruto, o que restringe ou favorece a perda de água. Quando o processo é favorecido, são registradas tanto perdas quantitativas, resultantes da menor massa para comercialização, quanto prejuízos à aparência (murcha e enrugamento), à qualidade textural (amaciamento, flacidez e perda de resistência, de crocância e de suculência) e ao valor nutritivo do fruto (Faasema et al., 2014).

Figura 1: Perda de massa (A), ângulo de cor da casca (B), ângulo de cor da polpa (C), firmeza da polpa (D) e teor de pectinas (E) de mangas 'Palmer' no estádio de maturação 2, submetidas à aplicação de diferentes doses de 1-MCP (0, 300, 600 e 1.000 nL L-1) durante 15 dias em armazenamento refrigerado (14,5±2ºC e 85±6% UR), seguido de 9 dias em temperatura ambiente (24±2ºC e 60±6% UR), no primeiro experimento. UR, umidade relativa. 

Ao se analisar a influência do 1-MCP sobre a perda de massa, Cordeiro et al. (2011) não observaram efeito em mangas 'Palmer' tratadas com o inibidor de etileno em temperatura ambiente. Para a manga 'Ataulfo', Rangel et al. (2009) relataram diferenças de apenas 0,5% nos frutos tratados com 400 nL L-1 de 1-MCP, após 7 dias de armazenamento a 10ºC, seguidos de 9 dias a 20ºC. Em simulação para a exportação de manga 'Kent' produzida no México para a Europa, García et al. (2005) observaram perda de massa 37% maior nos frutos controle, em comparação aos tratados com 300 nL L-1 de 1-MCP. Esses resultados divergentes dificultam uma associação clara entre o uso de 1-MCP e a sua influência sobre a perda de água.

No primeiro experimento, o tempo de armazenamento também influenciou o ângulo de cor de casca (Figura 1 B). Em temperatura ambiente, os valores do ângulo de cor de casca diminuíram de 121,02 para 83,8. Esse resultado é indicativo da redução do teor de clorofila e da exposição de carotenoides já existentes, o que corrobora os resultados obtidos por Lima et al. (2006), para mangas da variedade Tommy Atkins, e por Sivakumar et al. (2012), para as da Kent.

Apesar da interação significativa entre os fatores dose de 1-MCP e tempo de armazenamento, houve pouca diferença para o ângulo de cor da polpa (Figura 1 C). Os frutos tratados com 1.000 nL L-1 apresentaram diminuição precoce nos valores do ângulo de cor da polpa, o que indica que estavam com a maturação mais adiantada.

Ainda no primeiro experimento, a firmeza da polpa foi influenciada pela interação dose de 1-MCP e tempo de armazenamento (Figura 1 D). As doses de 1-MCP promoveram efeito temporário sobre a firmeza, tendo mantido menor taxa de amaciamento até o décimo oitavo dia. Após retirada do ambiente refrigerado, aos 18 dias, os frutos controle apresentavam-se mais firmes, mas, aos 24 dias, não foi possível diferenciar os tratamentos. Wang et al. (2009) relataram que, em manga 'Tainong', o 1-MCP não inibiu completamente o acúmulo do seu precursor, o ácido 1-aminociclopropano-1-carboxílico, na via biossintética. Essa constatação pode justificar o efeito temporário desse inibidor de etileno, em alguns frutos e variedades.

Valero et al. (2005) e Watkins (2006) observaram que as respostas ao 1-MCP são dependentes da dose e do estádio de maturação do fruto no momento da aplicação. Ao se identificar os valores ideais para esse binômio, o 1-MCP poderia ser uma importante ferramenta para reduzir eventos fisiológicos que repercutam na qualidade do fruto, como o amaciamento da polpa. Faasema et al. (2014) constataram que o 1-MCP atrasou o amaciamento da polpa nas variedades Brokin e Julie, mas não afetou o processo na Peter. O efeito foi influenciado pela temperatura de armazenamento, de forma que a 32ºC não houve extensão da vida útil da manga, mas os frutos tratados amadureceram com melhor qualidade para consumo.

No primeiro experimento, o teor de substâncias pécticas manteve-se constante até o oitavo dia de armazenamento, quando a taxa de amaciamento da polpa estava estável (Figura 1 E). A partir dessa fase e com o avanço da maturação, o teor de substâncias pécticas aumentou. O tratamento com a dose de 1.000 nL L-1 apresentou maior solubilização das pectinas ao longo do período de armazenamento, o que coincidiu com o maior avanço da perda de firmeza.

Oliveira Júnior et al. (2004) sugeriram que o aumento de substâncias pécticas pode estar relacionado à menor eficiência da metodologia de extração quando o fruto está nos estádios iniciais de maturação. Partindo-se do princípio de que a maioria dos polissacarídeos passa pelo processo de hidrólise com o avanço do amadurecimento, considera-se que as pectinas, dentro da parede, estão em uma forma não acessível pela pectinase e que a eficiência de extração deve aumentar nos estádios mais avançados. O aumento nos teores de substâncias pécticas também pode estar associado à perda de massa.

O teor de amido decresceu (de 8,6 a 0,1%) durante o período de armazenamento, no primeiro experimento, sendo detectável apenas até o décimo oitavo dia (Figura 2 A). O decréscimo no teor de amido durante a maturação é característico em manga. Ribeiro et al. (2015) registraram variação de 14,2 a 0,1%, no teor de amido, em frutos de 22 variedades de mangueira, originárias da Ásia, da América, da África e da Oceania. Na fase de maturação, o amido é convertido em açúcares solúveis. Ao mesmo tempo, a acidez diminui e ocorre degradação das paredes celulares, o que torna a firmeza da polpa mais suave (Faasema et al., 2014; Ribeiro et al., 2015).

Figura 2: Teor de amido (A), teor de sólidos solúveis (B), acidez titulável (C) e aparência (D) de mangas 'Palmer' no estádio e maturação 2, submetidas à aplicação de diferentes doses de 1-MCP (0, 300, 600 e 1.000 nL L-1) durante 15 dias em armazenamento refrigerado (14,5±2ºC e 85±6% UR), seguido de 9 dias em temperatura ambiente (24±2ºC e 60±6% UR), no primeiro experimento. UR, umidade relativa. 

Os frutos tratados com as dosagens de 300 e 600 nL L-1 de 1-MCP mantiveram maiores teores de amido quando comparados aos demais, durante o período avaliado.

Ao se analisar as variáveis sólidos solúveis (SS) e acidez titulável (AT), no primeiro experimento, houve influência da interação 1-MCP e tempo de armazenamento (Figuras 2 B e C, respectivamente). No entanto, essa diferença é pouco significativa para refletir no sabor do fruto. García et al. (2005), ao estudar manga 'Kent', e Faasema et al. (2014), as variedades Brokin, Julie e Peter, não observaram influência do 1-MCP sobre essas características. Assim, esses autores concluíram que o aumento de SS e a diminuição da AT não são influenciados pelo etileno. Entretanto, cabe destacar que as respostas dessas características à aplicação de 1-MCP dependem da espécie e da variedade (Blankenship & Dole, 2003).

No primeiro experimento, a aparência manteve-se praticamente inalterada até o vigésimo dia, quando todos os frutos receberam nota 4 (Figura 2 D). A perda de massa máxima, de 6%, considerada aceitável, pode ter favorecido a conservação da aparência dos frutos. A aplicação das doses de 300 e 1.000 nL L-1 de 1-MCP permitiu a manutenção da aparência, sem sinais visíveis de perda de turgidez, durante os 24 dias de armazenamento.

Já no segundo experimento, a perda de massa foi influenciada apenas pelo tempo de armazenamento (Figura 3 A). Durante o armazenamento refrigerado, a perda de massa máxima foi de 2,5%, tendo aumentado até 10,8%, quando os frutos foram transferidos para temperatura ambiente, sendo que a diminuição da umidade relativa é um dos principais estimuladores da perda de massa.

Figura 3: Perda de massa (A), ângulo de cor da casca (B), ângulo de cor da polpa (C e D), firmeza (E) e teor de pectinas (F) de mangas 'Palmer' no estádio de maturação 3, submetidas à aplicação de diferentes doses de 1-MCP (0, 300, 600 e 1.000 nL L-1) durante 15 dias em armazenamento refrigerado (13±0,6ºC e 87±2% UR), seguido de 9 dias em temperatura ambiente (24,4±1,9ºC e 47±8% UR), no segundo experimento. UR, umidade relativa. 

A perda de água pelos frutos em estádio de maturação 3, além de reduzir a massa do produto, causa murcha, o que prejudica a aparência externa e a qualidade do fruto.

No segundo experimento, as doses de 300 e 600 nL L-1 de 1-MCP resultaram em maiores valores de ângulo de cor da casca até o vigésimo dia de armazenamento, o que indica menor degradação da clorofila (Figura 3 B). O 1-MCP, ao retardar a ação do etileno como ativador enzimático de vários eventos metabólicos, entre eles a degradação da clorofila, adia a mudança da cor da casca para amarelo. Ngamchuachit et al. (2014) também relataram maiores valores de ângulo de cor na variedade Keitt após tratamentos com doses de até 1.000 nL L-1 de 1-MCP.

O ângulo de cor da polpa diminuiu ao longo do período de armazenamento, no segundo experimento. Frutos tratados com 1.000 nL L-1 de 1-MCP apresentaram cor verde-amarelada, em torno de 100,93, o que indica maturação mais atrasada em relação aos demais (Figuras 3 C e D, respectivamente).

No segundo experimento, os valores médios de firmeza da polpa foram influenciados pela interação doses de 1-MCP e tempo de armazenamento (Figura 3 E). As doses de 600 e 1.000 nL L-1, quando comparadas ao controle, promoveram menor amaciamento da polpa até o vigésimo dia, tendo-se registrado maior diferença entre as concentrações até o décimo quinto dia. Após o vigésimo dia, a firmeza da polpa mostrava-se equivalente entre os frutos tratados com 1-MCP.

Nos frutos que receberam 1-MCP, é provável que a síntese de novos sítios de ligação do etileno ou a produção de etileno tenha sido menor, o que repercutiu na intensidade da atividade de enzimas relacionadas às mudanças de textura. O atraso na perda de firmeza, resultante da ação do 1-MCP, é coerente com a hipótese de que o etileno desencadeia a atividade metabólica associada ao amaciamento, o que diminui seu efeito sobre as membranas celulares, que são altamente sensíveis ao etileno (Watkins, 2006; Godoy et al., 2009; Rangel et al., 2009).

Ainda no segundo experimento, as variações nos teores de substâncias pécticas foram influenciadas pela interação entre os fatores (Figura 3 F). O teor inicial de 0,061 g 100 g-1 manteve-se com poucas mudanças durante o período de armazenamento refrigerado. No entanto, na última avaliação, os frutos submetidos a 600 nL L-1 de 1-MCP apresentaram o maior teor de substâncias pécticas, 0,462 g 100 g-1 de polpa. Ribeiro et al. (2009), ao avaliar revestimentos à base de dextrina em mangas 'Tommy Atkins', verificaram aumento no teor de substâncias pécticas durante a maturação. Porém, durante o armazenamento e o amadurecimento das frutas, espera-se diminuição no teor de substâncias pécticas em razão da ação das enzimas hidrolíticas da parede celular (Tucker, 1993). Godoy et al. (2009) apontaram a despolimerização de pectinas pela poligalacturonase como um evento relevante para a desorganização da parede celular. Contudo, ainda são necessários estudos que visem a elucidação das variações no teor de pectinas em manga durante o amadurecimento.

A degradação de amido durante o estádio de maturação 3 foi menor nos frutos tratados com as doses de 300 e 600 nL L-1 de 1-MCP (Figura 4 A). Após o décimo oitavo dia de armazenamento, os teores de amido estavam muito baixos, e o método não foi eficiente para detecção. O teor inicial de amido, em torno de 5%, é correspondente ao registrado por Hojo et al. (2009), em estudo com frutos dessa mesma variedade, na maturidade fisiológica. A literatura disponível descreve o amido como a principal reserva de carbono utilizada na síntese pós-colheita da sacarose, açúcar predominante na manga madura. Na degradação do amido, duas rotas metabólicas se destacam: uma amilotítica e outra fosforolítica. Em manga, a rota fosforolítica parece ter importância fundamental, uma vez que a expressão de genes da enzima amido fosforilase é incrementada com o amadurecimento (Godoy et al., 2009).

Figura 4: Teor de amido (A), teor de sólidos solúveis (B), acidez titulável (C) e aparência (D) de mangas 'Palmer' no estádio de maturação 3, submetidas à aplicação de diferentes doses de 1-MCP (0, 300, 600 e 1.000 nL L-1) durante 15 dias em armazenamento refrigerado (13±0,6ºC e 87±2% UR), seguido de 9 dias em temperatura ambiente (24,4±1,9ºC e 47±8% UR), no segundo experimento. UR, umidade relativa. 

No segundo experimento, o teor de SS foi influenciado pelo 1-MCP e pelo período de armazenamento conjuntamente (Figura 4 B). Observou-se atraso no acúmulo de SS nos frutos que receberam doses de 300, 600 e 1.000 nL L-1 de 1-MCP, até o vigésimo dia de armazenamento. Entretanto, as diferenças numéricas observadas são pouco perceptíveis para o sabor. García et al. (2005), Lima et al. (2006) e Faasema et al. (2014) não constataram efeito do 1-MCP sobre o teor de SS em manga. Faasema et al. (2014) enfatizaram que, durante o amadurecimento, na maioria dos frutos, o aumento dos teores de SS é promovido pela quebra de substâncias, como o amido, e sua transformação em produtos mais simples, como os açúcares.

A acidez titulável diminuiu, durante o período de armazenamento, independentemente do tratamento com 1-MCP (Figura 4 C). Observou-se que o valor médio inicial de 0,60 g 100 g-1 de ácido cítrico caiu para 0,11 g 100 g-1 de ácido cítrico, aos 24 dias. A degradação de ácidos orgânicos é um evento comum durante a maturação dos frutos, em decorrência da sua utilização no processo respiratório e da sua conversão em açúcares (Faasema et al., 2014). Sob efeito de doses específicas de 1-MCP, é possível adiar a degradação de ácidos orgânicos em algumas variedades de manga (Rangel et al., 2009; Sivakumar et al., 2012).

Frutos tratados com 1-MCP no estádio de maturação 3 mantiveram a aparência comercial por mais tempo (Figura 4 D). Ao vigésimo quarto dia, a aparência dos frutos controle estava comprometida, com notas menores que 2,0, enquanto, nos demais tratamentos, principalmente com as doses de 600 e 1.000 nL L-1 de 1-MCP, os frutos apresentavam-se praticamente isentos de defeitos. A manutenção da aparência comercial é uma resposta atribuída ao 1-MCP em outros frutos, seja associada ou não ao atraso na maturação (Berry et al., 2015).

Conclusões

  1. O uso de 1-MCP nas doses de 300 e 600 nL L-1, em manga 'Palmer' no estádio de maturação 2, traz benefícios à aparência dos frutos, embora se restrinja a efeitos temporários sobre a firmeza de polpa e a degradação de amido.

  2. O uso de 1-MCP nas doses de 600 e 1.000 nL L-1, em manga 'Palmer' no estádio de maturação 3, limita a perda de firmeza da polpa e mantém a aparência dos frutos em condições de comercialização até o vigésimo quarto dia.

Referências

AGRIANUAL 2015: anuário da agricultura Brasileira. São Paulo: Informa Economics FNP, 2014. 472p. [ Links ]

ANUÁRIO Brasileiro da fruticultura 2012. Santa Cruz do Sul: Gazeta Santa Cruz, 2012. 128p. Editado por Romar Rudolfo Beling. [ Links ]

BERRY, A.D.; SARGENT, S.A.; PEREIRA, M.E.C.; HUBER, D.J. Postharvest ripening and quality of Guatemalan-West Indian avocado hybrids under simulated commercial shipping temperatures following treatment with aqueous 1-methylcyclopropene. HortTechnology, v.25, p.85-89, 2015. [ Links ]

BLANKENSHIP, S.M.; DOLE, J.M. 1-Methylcyclopropene: a review. Postharvest Biology and Technology, v.28, p.1-25, 2003. DOI: 10.1016/S0925-5214(02)00246-6. [ Links ]

BLUMENKRANTZ, N.; ASBOE-HANSEN, G. New method for quantitative determination of uronic acids. Analytical Biochemistry, v.54, p.484-489, 1973. DOI: 10.1016/0003-2697(73)90377-1. [ Links ]

CORDEIRO, M.H.M.; MIZOBUTSI, G.P.; OLIVEIRA, M.B.; SILVA, N.M.; SOUZA, B.N.; FERREIRA, D.M.; MOTA, W.F.; AGUIAR, M.C.S. Características físicas e químicas de manga Palmer submetidas a diferentes doses de 1-metilciclopropeno. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PÓS-COLHEITA DE FRUTOS, 3., 2011, Nova Friburgo. Anais. Rio de Janeiro: Embrapa Agroindústria de Alimentos, 2011. v.1. p.844-847. [ Links ]

CUNNIFF, P. (Ed.). Official methods of analysis of AOAC International. 16th ed. Maryland: AOAC International, 1998. 1298p. [ Links ]

DEFENSIVOS agrícolas: listagem completa, cultura a cultura, dos produtos registrados no Brasil. São Paulo: Associação Brasileira dos Defensivos Genéricos, [2015]. Disponível em: <Disponível em: http://www.aenda.org.br/index.php?option=com_content&view=category&id=28 >. Acesso em: 26 jun. 2015. [ Links ]

EMEX, A.C. Norma de calidad para mango fresco de exportación. México: Centro de Investigación en Alimentación y Desarrollo, 1998. 4p. [ Links ]

FAASEMA, J.; ALAKALI, J.S.; ABU, J.O. Effects of storage temperature on 1-methylcyclopropene-treated mango (Mangnifera indica) fruit varieties. Journal of Food Processing and Preservation, v.38, p.289-295, 2014. DOI: 10.1111/j.1745-4549.2012.00775.x. [ Links ]

GARCÍA, J.A.O.; BELTRAN, J.A.; LÓPEZ, M.A.U. Efecto del 1-metilciclopropeno (1-MCP) sobre la vida de anaquel y calidad de mango para exportación. Revista Fitotecnia Mexicana, v.28, p.271-278, 2005. [ Links ]

GODOY, A. de; MORITA, R.J.; CORDENUNSI, B.R.; LAJOLO, F.M.; NASCIMENTO, J.R.O. do. Expression analysis of a set of genes related to the ripening of bananas and mangoes. Brazilian Journal of Plant Physiology, v.21, p.251-259, 2009. DOI: 10.1590/S1677-04202009000400001. [ Links ]

HOJO, E.T.D.; ABREU, C.M.P. de; ASMAR, S.A.; HOJO, R.H.; CORRÊA, A.D.; VILAS BOAS, E.V. de B. Avaliação da qualidade de manga 'palmer' tratada com 1-metilciclopropeno e armazenada sob refrigeração e condição ambiente. Revista Brasileira de Fruticultura, v.31, p.28-38, 2009. DOI: 10.1590/S0100-29452009000100006. [ Links ]

HOJO, E.T.D.; ABREU, C.M.P. de; HOJO, R.H.; ASMAR, S.A.; CUNHA JÚNIOR, L.C.; CORRÊA, A.D. Firmeza de mangas 'Palmer' tratadas com 1-metilciclopropeno e armazenadas sob refrigeração. Ciência e Agrotecnologia, v.31, p.1878-1883, 2007. DOI: 10.1590/S1413-70542007000600042. [ Links ]

LIMA, M.A.C. de; SILVA, A.L. da; AZEVEDO, S.S.N.; SANTOS, P. de S. Tratamentos pós-colheita com 1-metilciclopropeno em manga 'Tommy Atkins': efeito de doses e número de aplicações. Revista Brasileira de Fruticultura, v.28, p.64-68, 2006. [ Links ]

LIMA, M.A.C. de; SILVA, A.L. da; SANTOS, P. de S.; AZEVEDO, S.S.N. Época de aplicação pós-colheita de 1-metilciclopropeno e frigoarmazenamento na vida útil de manga 'Tommy Atkins'. Revista Brasileira de Fruticultura, v.29, p.445-450, 2007. DOI: 10.1590/S0100-29452007000300008. [ Links ]

MCREADY, P.M.; MCCOMB, E.A. Extraction and determination of total pectin materials in fruits. Analytical Chemistry, v.24, p.1986-1988, 1952. DOI: 10.1021/ac60072a033. [ Links ]

NGAMCHUACHIT, P.; BARRETT, D.M.; MITCHAM, E.J. Effects of 1-Methylcyclopropene and hot water quarantine treatment on quality of "Keitt" mangos. Journal of Food Science, v.79, p.C505-C509, 2014. DOI: 10.1111/1750-3841.12380. [ Links ]

OLIVEIRA JÚNIOR, E.N. de; SANTOS, C.D. dos; ABREU, C.M.P. de; CORRÊA, A.D.; SANTOS, J.Z.L. Alterações pós-colheita da "fruta-de-lobo" (Solanun lycocarpum St. Hil.) durante o amadurecimento: análises físico-químicas, químicas e enzimáticas. Revista Brasileira de Fruticultura, v.26, p.410-413, 2004. DOI: 10.1590/S0100-29452004000300010. [ Links ]

PEREIRA, W.S.P.; BELTRAN, A. Mecanismo de ação e uso do 1-MCP - bloqueador de etileno, visando prolongar a vida útil das frutas. In: ZAMBOLIM, L. (Ed.). Manejo integrado: fruteiras tropicais: doenças e pragas. Viçosa: Ed. da UFV, 2002. p.31-44. [ Links ]

RANGEL, D.M.; VALENZUELA, B.E.; CEPEDA, J.S.; BARAJAS, J.A.S.; TORRES, B.V.; ENCISO, T.O. Efecto del 1-metilciclopropeno (1-MCP) y de una película comestible sobre la actividad enzimática y calidad poscosecha del mango 'Ataulfo'. Revista Fitotecnia Mexicana, v.32, p.53-60, 2009. [ Links ]

RIBEIRO, T.P.; LIMA, M.A.C. de; TRINDADE, D.C.G. da; LIMA NETO, F.P.; RISTOW, N.C. Quality and bioactive compounds in fruit of foreign accessions of mango conserved in an Active Germplasm Bank. Revista Ciência Agronômica, v.46, p.117-125, 2015. DOI: 10.1590/S1806-66902015000100014. [ Links ]

RIBEIRO, T.P.; LIMA, M.A.C. de; TRINDADE, D.C.G. da; SANTOS, A.C.N. dos; AMARIZ, A. Uso de revestimentos à base de dextrina na conservação pós-colheita de manga 'Tommy Atkins'. Revista Brasileira de Fruticultura, v.31, p.343-351, 2009. DOI: 10.1590/S0100-29452009000200008. [ Links ]

SIVAKUMAR, D.; DEVENTER, F.V.; TERRY, L.A.; POLANTA, G.A.; KORSTEN, L. Combination of 1-methylcyclopropene treatment and controlled atmosphere storage retains overall fruit quality and bioactive compounds in mango. Journal of the Science of Food and Agriculture, v.92, p.821-830, 2012. DOI: 10.1002/jsfa.4653. [ Links ]

TUCKER, G.A. Introduction. In: SEYMOUR, G.B.; TAYLOR, J.E.; TUCKER, G.A. Biochemistry of fruit ripening. London: Chapman & Hall, 1993. p.2-51. DOI: 10.1007/978-94-011-1584-1_1. [ Links ]

VALERO, D.; GUILLÉN, F.; VALVERDE, J.M.; MARTÍNEZ-ROMERO, D.; CASTILLO, S.; SERRANO, M. 1-MCP use on Prunus spp. to maintain fruit quality and to extend shelf life during storage: a comparative study. Acta Horticulturae, v.682, p.933-940, 2005. [ Links ]

WANG, B.G.; WANG, J.H.; FENG, X.Y.; LIN, L.; ZHAO, Y.M.; JIANG, W.B. Effects of 1-MCP and exogenous ethylene on fruit ripening and antioxidants in stored mango. Plant Growth Regulation, v.57, p.185-192, 2009. DOI: 10.1007/s10725-008-9335-y. [ Links ]

WATKINS, C.B. The use of 1-methylcyclopropene (1-MCP) on fruits and vegetables. Biotechnology Advances, v.24, p.389-409, 2006. DOI: 10.1016/j.biotechadv.2006.01.005. [ Links ]

Recebido: 23 de Maio de 2014; Aceito: 14 de Julho de 2015

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License