SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue1Mango rotstock resistance to low temperaturesUltrastructural changes in the cell wall of mango 'Tommy Atkins' treated with calcium chloride at pre-harvest time author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945On-line version ISSN 1806-9967

Rev. Bras. Frutic. vol.24 no.1 Jaboticabal Apr. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452002000100055 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

 

ESCURECIMENTO INTERNO DE PÊRA ASIÁTICA 'YA LI' DURANTE O ARMAZENAMENTO REFRIGERADO1

 

AURI BRACKMANN2, MARCELO CERETTA3, MAURÍCIO HUNSCHE4, ALINE FRANKEN5

 

 

RESUMO - A pêra 'Ya Li' apresenta escurecimento da polpa poucos dias após o armazenamento refrigerado. Este trabalho objetivou avaliar condições de armazenamento visando a diminuir os danos pela baixa temperatura inicial em peras 'Ya Li'. As condições iniciais estabelecidas foram: 1) 0ºC; 2) 5ºC, nos 10 primeiros dias, com redução de 0,7ºC por dia, durante sete dias; 3) 10ºC nos 10 primeiros dias, com redução de 1,4ºC por dia, durante sete dias; 4) 10º C nos 10 primeiros dias, com redução de 1,4ºC por dia, durante sete dias, sempre em atmosfera controlada (2,0kPa de O2 e < 1,0kPa de CO2); 5) 10ºC nos 10 dias iniciais, com posterior exposição direta dos frutos a 0ºC. Em seqüência aos tratamentos iniciais, os frutos foram submetidos ao armazenamento refrigerado a 0ºC, com exceção do tratamento "4" que foi mantido continuamente em atmosfera controlada. Após 52 dias de armazenamento, verificou-se escurecimento interno, superior a 68% em todos os tratamentos. As temperaturas mais elevadas, no início, não evitaram a ocorrência do escurecimento durante o armazenamento.

Termos para indexação: Pyrus bretschneideri, pós-colheita, degenerescência, escurecimento interno.

 

INTERNAL BROWNING OF 'YA LI' ASIAN PEARS DURING COLD STORAGE

ABSTRACT - "Ya Li" pears shows internal browning soon after a few storage days. This work evaluated storage conditions aiming to reduce low temperature injury. The established conditions were: 1) 0ºC; 2) 5ºC on the 10 first days, reducing 0.7ºC per day during 7 days; 3) 10ºC on the 10 first days, reducing 1,4ºC per day during 7 days; 4) 10ºC on the 10 first days, reducing 1.4ºC per day during 7 days, always under controlled atmosphere (2.0kPa O2 and < 1.0kPa CO2); 5) 10ºC on the 10 first days with posterior exposure to 0ºC. After the initial treatments, fruits were submitted to cold storage at 0ºC, with exception of treatment "4" stored continuosly under controlled atmosphere. After 52 storage days, internal browning was higher than 68% in all treatments. Higher temperatures at the beginning of the storage did not avoid the internal browning during storage.

Index terms: Pyrus bretschneideri, postharvest, flesh breakdown, internal browning.

 

 

A pêra asiática tem tido um aumento de produção e uma boa aceitação pelos consumidores brasileiros, devido às suas qualidades organolépticas. Entretanto, produtores do Sul do Brasil vêm enfrentando significativas perdas com a cultivar Ya Li em função do seu rápido escurecimento interno durante armazenamento refrigerado. Este distúrbio fisiológico pode estar relacionado a vários fatores, tais como época de colheita (Crisosto et al., 1994), temperatura inicial de armazenamento (Ju et al., 1994) ou concentrações de gases, principalmente o CO2 (Zagori et al., 1989). As peras sofrem influências consideráveis em seu armazenamento com a variação da temperatura. Em trabalhos desenvolvidos por Zhou (1992), Chen et al. (1992) e Ju et al. (1994), constatou-se que a temperatura ótima para armazenamento da cultivar Ya Li situa-se em 0ºC. Entretanto, baixas temperaturas no início do armazenamento parecem ser responsáveis pelo aparecimento de distúrbios fisiológicos. Esses autores sugerem, para diminuir o escurecimento interno, um armazenamento inicial com temperatura ao redor de 12 a 13ºC, com subseqüente redução gradual desta, até atingir 0ºC.

Portanto, devido à inexistência de informações sobre condições de armazenamento de pêra asiática cv. Ya Li produzida no Brasil, desenvolveu-se um experimento com o objetivo de testar condições iniciais de armazenamento que evitem o posterior escurecimento interno dos frutos durante o armazenamento. Os frutos foram colhidos em 3 de março de 2000, provenientes de um pomar comercial do município de Castro-PR. Divididos em cinco tratamentos, utilizou-se um delineamento experimental inteiramente casualizado, com quatro repetições e unidade experimental de 18 frutos. Os tratamentos foram: 1) 0ºC; 2) 5ºC, nos 10 primeiros dias, com redução gradual de 0,7ºC por dia; 3) 10ºC nos primeiros 10 dias, com redução gradual de 1,4ºC por dia, durante sete dias; 4) 10ºC nos primeiros 10 dias, com redução de 1,4ºC por dia, durante sete dias, sendo este tratamento mantido sempre em atmosfera controlada, 2,0kPa de O2 e < 1,0kPa de CO2; 5) 10ºC nos primeiros 10 dias e, após este período, submetido a 0ºC. Após os tratamentos, todos os frutos foram mantidos em armazenamento refrigerado (AR), a 0ºC, com umidade relativa (UR) de 95 ± 1%, com exceção do tratamento em AC, que foi mantido nas mesmas condições iniciais de O2 e CO2 e UR de 97 ± 1%. Aos 52 dias de armazenamento, a 0ºC, avaliou-se visualmente o escurecimento da polpa dos frutos, através de diversos cortes transversais, sendo os resultados expressos em percentagem.

Todos os tratamentos apresentaram valores elevados de escurecimento interno (Tabela 1). Entretanto, o armazenamento imediato a 0ºC, desde o primeiro dia, foi a condição que apresentou menor incidência desse distúrbio. Estes dados afastam a possibilidade de esta temperatura, desde o início do armazenamento, ser a causa primária do escurecimento. Porém Zhou (1992) e Chen et al. (1992), trabalhando com esta mesma cultivar, relataram maior escurecimento interno com o armazenamento contínuo a 0ºC. Contrariamente ao esperado, as temperaturas de 5 e 10ºC, no início, apresentaram percentual de escurecimento que variou de 88,1 a 100%, sendo mais elevado do que a 0ºC, não tendo controlado este distúrbio fisiológico. Resultados diferentes foram obtidos por Zhou (1992), e Chen et al. (1992), que verificaram menor escurecimento quando os frutos foram previamente armazenados a 13 e 12ºC, respectivamente. O escurecimento caracterizou-se por iniciar pela região do miolo e, posteriormente, progredir para a polpa (Figura 1). A causa desta desordem em peras asiáticas ainda é desconhecida (Crisosto et al., 1994b). Estes mesmos autores afirmam que a 'Ya Li', quando colhida precocemente, mas em estágio comercial, não apresentou nenhum escurecimento a 0ºC, 10ºC ou 20ºC, porém, quando colhida mais tardiamente, o escurecimento foi próximo a 100%, dependendo, portanto, da data de colheita e não da temperatura de armazenamento.

 

 

Conclui-se, portanto, que o armazenamento inicial a temperaturas de 0ºC, 5ºC e 10ºC, mesmo em atmosfera controlada, não é apropriado para o controle do escurecimento interno de pêra 'Ya Li', sugerindo-se novos trabalhos de pesquisa com diferentes pontos de maturação para as peras produzidas nas condições brasileiras.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHEN, K.S., JU, L., ZHOU, S.T. Comparison of fruit storage behaviour in the pear cultivars Yali and Xuehua. Plant Physiology Communications, Pequin, v.28, n.6, p.428-430, 1992.         [ Links ]

CRISOSTO, C.H., GARNER, D., CRISOSTO, G.M., et al. Late harvest and delayed cooling induce internal browning of 'Ya Li' and 'Seuri' chinese pears. HortScience, Alexandria, v.29, n.6, p.667¾670, 1994.         [ Links ]

CRISOSTO, C.H., GARNER, D., CRISOSTO, G.M Early harvest prevents internal browning in Asian Pears. California Agriculture, California, v.48, n.4, p.17-19, 1994b.         [ Links ]

JU, Z.G., YUAN, Y.B., LIOU, C.L., et al. Effects of low temperature on H2O2 and heart browning of Chili and Yali (Pyrus bretschneideri R.). Scientia Agricultura Sinica, Pequin, v.27, n.5, p.77-81, 1994.         [ Links ]

ZAGORY, D., KE, D., KADER, A.A. Long term storage of Early gold and 'Shinko' asian pear in low oxygen atmosphere. In: INT. CONTR. ATM. RES. CONF., 8., 1989, Washington. Proceedings..., v.1, p.353-557.         [ Links ]

ZHOU, H.W. Effect of chilling rate on physiology of Yali pear in storage. Journal of Fruit Science, Pequin, v.9, n.1, p.36-38, 1992.         [ Links ]

 

 

1 (Trabalho 065/2001). Recebido: 14/03/2001. Aceito para publicação: 13/01/2002.
2 Engenheiro Agrônomo, Professor, Doutor do Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), 97105-900, RS. Autor para correspondência. brackman@creta.ccr.ufsm.br
3 Engenheiro Agrônomo, Mestre, aluno do Programa de Pós-Graduação em Agronomia da Universidade Federal de Pelotas. Bolsista do CNPq.
4 Engenheiro Agrônomo, Mestre em Agronomia - UFSM.
5 Acadêmico do curso de Agronomia, bolsista da SESUL/PET.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License