SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue2Physical and chemical characteristics of a seedless bakuri (Platonia insignis Mart.) typeResistance evaluation to Xylella fastidiosa of tangerine germoplasm and hibrids introduceds from Italy and Corse author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945On-line version ISSN 1806-9967

Rev. Bras. Frutic. vol.24 no.2 Jaboticabal Aug. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452002000200061 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

 

QUEBRA DE DORMÊNCIA DE GEMAS DE MACIEIRA cv. EVA TRATADAS COM CIANAMIDA HIDROGENADA 1

 

ÁLVARO DE OLIVEIRA CRUZ JÚNIOR2 & RICARDO ANTONIO AYUB3

 

 

RESUMO - A maioria das cultivares de macieiras plantadas no Brasil apresentam deficiência e desuniformidade de brotação, devido à má distribuição e/ou baixo número de horas de frio abaixo de 7,2º C, constituindo-se num entrave à produtividade. Mesmo utilizando-se de cultivares de baixa exigência de frio invernal, como a cultivar Eva, tem-se verificado a necessidade de se fazer a quebra de dormência para uniformizar a brotação, compatibilizar o florescimento e antecipar e melhorar a produção em regiões com invernos amenos ou anos de baixo acúmulo de frio. Avaliou-se o efeito da aplicação de cianamida hidrogenada em três diferentes concentrações (0,5; 1,0 e 1,5 %) associada ao óleo mineral (3%) na brotação de gemas laterais e terminais de macieiras da cv. Eva, e a fenologia das cvs. Eva e Anabela. Concluiu-se que a concentração de cianamida hidrogenada influi na percentagem de gemas laterais e terminais brotadas, sendo a concentração de 1,5% de cianamida hidrogenada associada a 3% de óleo mineral a mais efetiva na quebra da dormência das gemas

Termos para indexação: Malus domestica, frio invernal, brotação, gemas laterais e terminais.

 

THE BREAK OF THE DORMANCY OF BRIDS OF APPLE CV. EVA TREATEDS WITH THREE CONCENTRATIONS OF HYDROGEN CYANAMIDE

ABSTRACT – The most of the growing apple cultivars show deficiency and desuniformity of the terminal and lateral brids, because of the bad distribuition or/and low chill hours below 7,2 º C, leading to a low orchard productivity. Even using the low chill hours cultivars as like Eva, has verified the need of doing the breaking dormancy to make the blooming compatible earlier and better production in regions whith low winter or years of low chill accumulate. Was estimated the effect of hydrogenated cyanamide in three different concentrations (0,5, 1,0 and 1,5 %) associated with mineral oil (3%) on the lateral and terminal brids of Eva cultivar and Eva and Anabela's fenology. This aspect allows concluding that the hydrogen cyanamide has a significative influence on the lateral and terminal blooming brids at 1,5% plus mineral oil at 3% was the most effective on dormancy breaking.

Index terms: Malus domestica, chill hours, lateral and terminal brids.

 

 

O cultivo de diversas cultivares de macieiras está consolidado como um empreendimento rentável e viável no Brasil. A qualidade da maçã produzida no País vem tornando o mercado competitivo em relação à maçã importada (Frey, 1990).

A cultura da macieira no Brasil apresentou um grande desenvolvimento a partir da década de 70, quando a cultura da macieira era inexpressiva no Paraná e em Santa Catarina, bem como em todo o Brasil. A área plantada com macieiras passou de 2.770 ha em 1969 para 30.307 ha em 2000, aumentando a produção de 14.558 toneladas colhidas em 1977 para 967.063 toneladas em 2000 (Associação Brasileira de Produtores de Maçã – ABPM, 2001). O Estado de Santa Catarina é o maior produtor nacional, com cerca de 51% da produção, seguido pelo Rio Grande do Sul, com 43%. Os demais estados produtores (Paraná, São Paulo e Minas Gerais) representam aproximadamente 6% da produção nacional (Flores et al., 1999).

Na região Sul do Brasil, a maioria das cultivares de macieira não tem a sua necessidade de frio invernal satisfeitas, apresentando sérios distúrbios fisiológicos, como brotação deficiente e desuniforme, reduzindo a produtividade. Em estudos realizados por Bernardes e Godoy (1988), foi observado que, no Estado do Paraná, há uma irregularidade anual na distribuição de horas de frio abaixo de 7,2ºC, influindo negativamente na brotação de gemas nos ramos de produção (IAPAR, 1988).

Diante disso, faz-se necessária a aplicação de tratamentos químicos que induzam e uniformizem a brotação (Petri et al; 1997), ou o uso de cultivares menos exigentes em frio, como a cultivar Eva, recomendada para as regiões do Estado do Paraná, ou outras regiões semelhantes, onde ocorrem entre 100 e 450 unidades de frio Hauagge e Tsuneta (1999). Mesmo utilizando cultivares menos exigentes em horas de frio, é verificada a necessidade de induzir a quebra de dormência, objetivando a uniformização da brotação e a compatibilização do florescimento das cultivares, uma vez que a polinização é cruzada, bem como a antecipação e melhoria de produção nessas regiões.

O objetivo deste trabalho foi o de avaliar o efeito da aplicação de cianamida hidrogenada, em três diferentes concentrações, associada ao óleo mineral, na brotação de gemas laterais e terminais de macieiras cv. Eva.

O trabalho foi realizado na Fazenda-Escola "Capão da Onça" da Universidade Estadual de Ponta Grossa, no Paraná (25 º 06' S e 50 º 04' W e 980 m de altitude), nos anos de 1999 e 2000, onde foram utilizadas 12 plantas da cultivar Eva e 11 plantas da cultivar Anabela, todas com 4 anos de idade sobre o porta-enxerto Marubakaibo (Maruba).

Os tratamentos consistiram da aplicação de óleo mineral (OM) a 3%, mais cianamida hidrogenada (CH) em diferentes concentrações, de: - 0,5%, - 1,0 %, - 1,5%, comparadas com uma testemunha , sem aplicação de CH + OM. Foram realizados quatro tratamentos e três repetições, cada repetição com uma planta.

O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, a aplicação dos tratamentos foi realizada com pulverizador costal, utilizando bico leque 80.04, promovendo total cobertura da planta até o ponto de escorrimento.

Após 41 dias da aplicação dos tratamentos na planta toda, fez-se a contagem do número total de gemas (laterais e terminais), e as que brotaram, por amostragem em alguns ramos previamente selecionados. Os dados médios de percentagem de gemas brotadas (laterais e terminais) obtidas por tratamento foram submetidas à análise de regressão.

A brotação de gemas laterais e terminais de plantas da cv. Eva foi maior no tratamento com 1,5% de CH (Tabela 1) em relação aos demais tratamentos. Entretanto, pelo teste de Análise de Regressão, observa-se que a dosagem de 1,5% de CH ainda não é a que expressa a maior porcentagem de gemas brotadas (Figuras 1 e 2), embora tenha um índice de brotação acima de 93% (Tabela 1). A testemunha teve uma brotação três vezes inferior à brotação verificada na maior dose, evidenciando os distúrbios provocados pela distribuição irregular de horas de frio na região de estudo (Tabela 2).

 

 

 

 

 

 

 

 

A dosagem de CH a ser aplicada depende principalmente das condições ambientais a que as plantas foram submetidas na época de dormência, bem como do crescimento vegetativo da planta no ciclo anterior. Nesse sentido, maiores dosagens normalmente são recomendadas quando essas condições ambientais não são plenamente satisfeitas.

De acordo com as recomendações de Petri et al. (1997), a concentração de CH, para regiões com frio invernal abaixo de 800 horas, varia em torno de 1,0 a 2,0%. Com a associação de OM, em maiores concentrações na mistura, até 4%, pode-se diminuir a concentração de CH, diminuindo o custo e aumentando a eficiência da aplicação para quebra de dormência.

Em função de a melhor brotação obtida com o tratamento com 1,5% de CH mais 3% de OM (Tabela 1) estar de acordo com os resultados obtidos por Petri (1999), demonstrou-se que a brotação de gemas terminais exige menor concentração de cianamida hidrogenada em comparação com as gemas laterais ou vegetativas. Portanto, houve boa brotação de gemas terminais nos tratamentos menos concentrados. As gemas laterais ou vegetativas são mais exigentes em número de horas de frio ocorridas durante o período invernal. Portanto, em anos onde essa necessidade não é plenamente satisfeita, necessita-se de uma maior concentração de cianamida hidrogenada para que ocorra uniformidade das brotações (Petri, 1999).

A concentração de cianamida hidrogenada (CH) + óleo mineral (OM) influi na percentagem de gemas laterais e terminais brotadas.

A concentração de 1,5% de CH mais 3% de OM foi a mais efetiva na obtenção da maior percentagem de gemas laterais e terminais brotadas.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE MAÇÃ (ABPM). Informações estatísticas da produção de maçã. Disponível em: http://www.abpm.org.br/informações.html . Acesso em: 20 abr. 2001.

BERNARDES, L. M.; GODOY,H. A Cultura da Macieira no Paraná. Instituto Agronômico do Paraná, Londrina, n.50, p.11-18, 1988.         [ Links ]

FLORES, R.; LESSA, A. O.; PETERS, J. A.; FORTES, G. R. L. Efeito da sacarose e do benomyl na multiplicação in vitro da macieira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.34, n.12, p. 2363-2368, 1999.         [ Links ]

FREY, W. Fraiburgo: berço da maçã brasileira. 2. ed. Curitiba: Vicentina, 1990, 158p.         [ Links ]

HAUAGGE, R.; TSUNETA, M. "IAPAR 75 – Eva", "IAPAR 76 – Anabela" e "IAPAR 77 – Carícia" – Novas cultivares de macieira com baixa necessidade em frio. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.21, n.3, p.239-242, 1999.         [ Links ]

PETRI, J. L.; PALLADINI, L. A. Eficiência de diferentes volumes e concentrações de calda para quebra de dormência na macieira cultivar " Gala ". Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.34, n.8, p.1491-1495, 1999.         [ Links ]

PETRI, J. L. Indução de brotação de gemas de macieira por cianamida hidrogenada e óleo mineral sob influência da temperatura. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.32, n.1, p.71-75, 1997.         [ Links ]

 

 

1 (Trabalho 164/2001). Recebido: 08/10/2001. Aceito para publicação: 24/06/2002.
2 Engº Agrº, UEPG / Ponta Grossa – Pr, Praça Santos Andrade s/n e-mail: aocjr@globo.com
3 Engº Agrº,Professor Dr. , Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade, UEPG / Ponta Grossa, Praça Santos Andrade s/n, 84010-790; e-mail: rayub@uepg.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License