SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número1Editorial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Rev. Bras. Frutic. v.26 n.1 Jaboticabal abr. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452004000100001 

A cultura da mangaba

 

 

A mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) é uma planta frutífera de clima tropical, nativa do Brasil e encontrada em várias regiões do País, desde os Tabuleiros Costeiros e Baixada Litorânea do Nordeste até os Cerrados das regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste.

A palavra Mangaba é de origem indígena e significa "coisa boa de comer". É uma das frutas mais ricas em ferro, sendo também uma boa fonte de vitamina C.

Embora a mangabeira seja uma planta produtora de látex, o seu fruto, de sabor e aroma incomparáveis, é o principal produto explorado, sobretudo pelas indústrias de polpas, sucos e sorvetes. Algumas partes da planta têm aplicação na medicina popular, como a casca, com propriedades adstringentes, e o látex, que é empregado contra as pancadas, inflamações, diarréia, tuberculose, úlceras e herpes. O chá da folha é usado para cólica menstrual.

Os dados oficiais mostram que a produção é ainda extrativista, e os maiores produtores são os Estados de Sergipe, Minas Gerais e Bahia, com uma produção de 492; 490 e 170 toneladas, respectivamente (IBGE, 2003). As áreas em que se pratica o cultivo tecnificado de mangabeira, são quase inexistentes, exceção se faz para algumas poucas que ocorrem em Sergipe e Paraíba.

Somente a Ceasa – Recife, um dos maiores entrepostos de comercialização do Norte e Nordeste, recebeu, em 2001, 590 toneladas de mangaba, provenientes principalmente da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Deve-se ressaltar que os valores apresentados para a cultura são subestimados, já que a maior parte da produção não atravessa os canais convencionais de comercialização, i.e., feiras livres, supermercados e centrais de abastecimento, uma vez que, em se tratando de fruta destinada principalmente à industrialização, os registros do volume comercializado para esse fim não estão disponíveis.

Nos Estados litorâneos do Nordeste, como o volume produzido não atende à demanda do Estado, o preço é alto. No pico da safra, o quilo da fruta custa em torno de R$ 0,50 e, quando a safra diminui, o preço chega a R$ 1,50 ao nível do produtor. Nos supermercados, esses valores são superiores. Os ganhos podem ser ainda maiores, caso o processamento da fruta seja feito na propriedade.

A mangabeira inicia a sua produção entre o terceiro e o quinto ano após o plantio, sendo que, a partir do quinto ano, a cultura pode proporcionar produtividades de 10 a 12 t/ha. Ainda não se dispõe de cultivares selecionadas, porém as pesquisas na área de recursos genéticos e melhoramento estão se mostrando bastante promissoras.

 

Josué Francisco Silva Junior
Engenheiro Agrônomo, M.Sc.,
Pesquisador da área de Recursos Genéticos de Fruteiras
Tropicais da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Aracaju – SE.
josue@cpatc.embrapa.br.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons