SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue3Begomovirus detection in passion fruit (Passiflora edulis Sims) in the State of Alagoas, BrazilPhysical and chemical characterization of yellow mombin fruits author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945

Rev. Bras. Frutic. vol.28 no.3 Jaboticabal Dec. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452006000300038 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA
ECONOMIA

 

Comparação econômica entre controle biológico e químico para o manejo de ácaro-vermelho em macieira1

 

Economic comparison of biological and chemical control in the management of red spider mites in apple orchard

 

 

Lino Bittencourt MonteiroI; Alexander SouzaII; Patrik Luiz PastoriIII

IEngº Agr., Doutor, Professor do Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo, UFPR, Caixa Postal 19061, 81831-990, Curitiba - PR, Brasil. E-mail: lbmonteiro@terra.com.br
IIEngº Agr., Agrícola Fraiburgo. Fraiburgo, SC, Brasil
IIIEngº Agr., Mestrando em Ciências Biológicas (Entomologia), UFPR (Bolsista CNPq). Curitiba - PR, Brasil

 

 


RESUMO

O ácaro-vermelho da macieira, Panonychus ulmi (Acari: Tetranychidae), é uma importante praga na cultura da macieira em Fraiburgo – SC, e o controle biológico aplicado foi implantado em meados dos anos 90. O objetivo deste trabalho foi demonstrar os benefícios econômicos da utilização do controle biológico no manejo do ácaro-vermelho. A avaliação foi realizada em dois pomares comerciais de macieiras. Em um deles, foi implantado o controle biológico aplicado de ácaros, baseado na liberação do ácaro predador Neoseiulus californicus (Acari: Phytoseiidae), seleção de inseticidas e manejo de ervas invasoras, e o outro pomar seguiu o manejo convencional de artrópodes, baseado na aplicação de produtos químicos para o controle de insetos, ácaros fitófagos e ervas invasoras. A análise econômica mostrou que os custos com mão-de-obra e máquinas foram semelhantes em ambos os pomares, entretanto os custos com acaricidas foram significativamente inferiores no pomar onde o manejo foi o controle biológico, demonstrando que, apesar da necessidade de investimentos em instalações para a criação do ácaro predador e custos de manutenção das mesmas, a estratégia biológica foi economicamente viável.

Termos para indexação: Controle biológico aplicado, controle químico, custo econômico, Neoseiulus californicus , Panonychus ulmi.


ABSTRACT

Red spider mite, Panonychus ulmi (Acari: Tetranychidae) is a significant pest in apple tree in Fraiburgo, Santa Catarina (SC) and applied biological control was implemented in the mid-nineties. The objective of this study was to demonstrate the economic benefits of biological control in the management of red spider mite. The assessment was carried out in two commercial orchards, one of which was subjected to biological control of spider mite by releasing the predator Neoseiulus californicus, insecticide selection and weed management, and the other to conventional arthropod management, based on the application of chemicals to control insects, phytofagous mites and weed. Economic analysis showed that the costs for labor and machines were similar in both orchards; however acaricide costs were significantly lower in the orchard subjected to biological control, demonstrating that despite the need for investment in predator mite breeding apparatus and maintenance costs, the biological strategy was economically viable.

Index Terms: applied biological control, chemical control, economic management, Neoseiulus californicus, Panonychus ulmi.


 

 

O ácaro-vermelho Panonychus ulmi Koch (Acari: Tetranychidae) é considerado uma praga-chave da macieira no Brasil (Monteiro, 2002a). Nas décadas 80 e 90, o controle exigiu de três a quatro pulverizações de acaricidas por ciclo vegetativo, muitas vezes de forma preventiva (Monteiro, 1994). O desequilíbrio ambiental causado pelo uso indiscriminado de produtos fitossanitários acarretou aumento da população de ácaros fitófagos nas principais culturas comerciais em todo o mundo (Watanabe, 1994).

O manejo integrado de pragas preconiza uma interação entre o controle químico e o biológico por meio da liberação de inimigos naturais (Fauvel & Atger, 1981). Dentre estes agentes biológicos, os ácaros predadores da família Phytoseiidae estão sendo utilizados por produtores de maçã (Monteiro, 2002b), devido ao seu potencial como agente regulador de populações de ácaros fitófagos (Moraes, 2002) e de insetos, tais como, mosca-branca e trips (Ali, 1998), sendo comercializados para controle biológico em diversas culturas protegidas (Moraes, 2002).

Em 1995, o controle biológico do ácaro-vermelho foi implantado em pomares comerciais de macieiras em Fraiburgo - SC, por meio de criações do ácaro predador Neoseiulus californicus (McGregor) (Acari: Phytoseiidae), em estufas de plástico e de liberações inoculativas em campo (Monteiro, 2002b). O sucesso do controle biológico aplicado baseia-se na interação entre atividades técnica e estrutural, as quais proporcionaram maior segurança nas tomadas de decisões e qualificaram o controle (Monteiro, 2002a,b). Entre elas, aperfeiçoou-se o monitoramento do ácaro pelo método de presença-ausência, proporcionando a interação do controle biológico com aplicações seletivas de acaricidas; modificou o manejo de ervas invasoras, reduzindo o número de aplicações de herbicidas entre março e outubro, permitindo que plantas hospedeiras ao ácaro predador pudessem fornecer-lhe abrigo durante o inverno (Monteiro, 2002c); intensificou-se o manejo de pragas por meio do monitoramento e da seleção de inseticidas, visando a reduzir o efeito sobre N. californicus (Monteiro, 2001). Porém, a necessidade de qualificar mão-de-obra para a realização destas atividades pode acarretar aumento no custo de produção quando comparado a um sistema onde não se faz monitoramento.

Atualmente, o controle biológico de ácaros está implantado em 95% dos pomares de Fraiburgo (Monteiro, 2002b); entretanto, apesar dos bons resultados obtidos, os aspectos econômicos são freqüentemente questionados por produtores de outras regiões, em função da necessidade de investimentos para produção de ácaros predadores e uso de roçadas manuais. Em face desses questionamentos, realizou-se esta avaliação econômica com o objetivo de comparar duas estratégias de manejo para o controle de ácaros-vermelhos em macieira e sua repercussão nos custos do manejo de artrópodes.

Para análise econômica, foram selecionados dois pomares (parcelas) de macieiras, homogêneos em relação ao relevo, variedade, ano de plantio e manejo do solo, pertencentes à empresa Agrícola Fraiburgo S.A., Fraiburgo - SC (27º01'34 "S – 50º55'17" W, altitude 1.048m). As informações do estudo foram coletadas no ciclo vegetativo 1999-2000. Em uma das parcelas, foi implantado o controle biológico de ácaros (CB), a qual possuía 40 ha de 'Fuji' e 22,9 ha de 'Gala', ambas plantadas em 1989, no espaçamento 1,5 x 4,5m. A introdução de ácaros predadores N. californicus foi realizada em 1996, sendo que o controle de artrópodes seguiu a metodologia descrita por Monteiro (2002a). A parcela conduzida com o manejo convencional (MC) apresentava 35,6 ha de 'Fuji' e 24,3 ha de 'Gala', ambas plantadas em 1989, no espaçamento de 1,5 x 4,5m. O manejo baseou-se no uso de produtos fitossanitários, recomendados pelo responsável técnico da empresa, para o controle de ácaros, insetos e ervas-invasoras, sem seleção de inseticidas e acaricidas quanto aos efeitos sobre inimigos naturais. Nesta parcela, não houve a liberação de N. californicus e não foi identificada a presença do ácaro predador no monitoramento visual.

O monitoramento de Grapholita molesta e Bonagota cranaodes (Lepidoptera: Tortricidae) foi realizado nas duas parcelas, utilizando armadilhas Delta com feromônio específico. Para o monitoramento de Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae), foram utilizados caça-moscas McPhail, contendo 250mL do atrativo alimentar suco-de-uva a 25%. Os níveis de controle de ácaros fitófagos e pragas, definidos pelo monitoramento, determinaram a necessidade de aplicação de inseticidas e acaricidas nas parcelas.

Os fatores em estudo, em ambas as parcelas, foram os dados econômicos do manejo de artrópodes que levou em consideração os gastos com produtos fitossanitários (acaricidas, inseticidas, herbicidas e adjuvantes) (Tabela 1), mão-de-obra (roçada mecânica e manual) e máquinas (roçadas e tratamentos), considerando-se o valor pago pela empresa no ciclo vegetativo avaliado. Os custos de instalações das estufas, para a produção de 10 milhões de N. californicus por ano e de manutenção da criação, foram incluídos na avaliação da parcela CB. Os resultados foram expressos em R$/ha, uma vez que as parcelas não possuíam a mesma área.

Os resultados econômicos mostraram que não houve diferenças significativas nos custos com herbicidas e adjuvantes entre ambas as parcelas (Tabela 2), verificou-se que, embora se preserve as ervas invasoras de final de março a outubro, ocorreram pulverizações de herbicidas em ambas as parcelas para evitar a competição entre as macieira e as ervas invasoras e/ou para facilitar alguns tratos culturais, tais como: raleio, poda verde e colheita.

Os custos com inseticidas entre as parcelas não mostraram significativas diferenças. Entretanto, observou-se que há um custo de 2,1% maior no CB do que no MC (Tabela 2), explicado pelo uso de inseticidas mais seletivos ao ácaro predador no CB (Monteiro, 2001) e com maiores preços por litro, como foi o caso de Imidan e Sumithion, enquanto, no pomar MC, foram utilizados produtos de amplo espectro, mais tóxicos e de menor valor por litro, como Decis, Sevin, Lorsban e Dimetoato (Tabela 1).

Os custos com acaricidas mostraram significativa diferença financeira entre as parcelas (Tabela 2), uma vez que, na parcela CB, houve uma economia de 95,6% comparado com a parcela MC. Entre as variedades, as parcelas de 'Gala' foram as que mais utilizaram acaricidas em ambos os manejos, pois, em dezembro, há um aumento do desenvolvimento do ácaro fitófago em função da temperatura, fazendo com que haja uma preocupação em controlar o ácaro-vermelho e, ao mesmo tempo, manter o prazo de carência dos acaricidas. Nessa situação, ocorrem pulverizações preventivas mesmo que a flutuação do ácaro não tenha alcançado o nível de controle (Monteiro, 2002a).

O custo total de mão-de-obra para roçada manual (Tabela 2) apresentou pequena diferença entre os sistemas de manejo, sendo que a parcela CB foi 5,6% mais econômica que a parcela MC, provavelmente devido ao trabalho de manejo, realizado nos últimos três anos de condução do controle biológico, permitindo a seleção de ervas invasoras. Verificou-se que, em 'Fuji', desenvolvida na parcela CB, os custos de mão-de-obra foram 75,9% menores, para a mesma variedade, que na MC, em função da tolerância de ervas invasoras e da realização de intervenções seletivas com roçada manual ou química. Em 'Gala', ocorreu o inverso, o custo de mão-de-obra foi 57,7% maior na parcela CB, justificado pela manutenção de ervas invasoras hospedeiras do ácaro predador de outubro a novembro. Os custos totais com máquinas agrícolas apresentaram pequena diferença entre os sistemas. A parcela MC teve uma economia de apenas 1,0%.

Levando em consideração os parâmetros: produtos fitossanitários, mão-de-obra e horas máquina (custos fitossanitários) verificou-se que estes foram 17,9% menores no CB do que na parcela MC. Quando se incluíram os custos de produção da parcela CB, referentes a investimentos para construção de estufas, manutenção de ácaros predadores e liberação dos mesmos nos pomares (Tabela 3), houve um acréscimo de 2,1% nos custos relacionados com a implantação e manutenção do controle biológico comparados com os custos fitossanitários verificados no MC. Quando os custos de produção forem ajustados por hectare e subtraídos do benefício obtido pelos custos fitossanitários, pode-se obter a área em hectares que representa o custo/benefício nulo. Assim, calculou-se que são necessários 115 ha de pomares de macieiras para justificar os investimentos para a implantação e execução do controle biológico, nas condições do pomar de macieira, no ano agrícola em estudo e na estrutura física de produção de N. californicus, prevista para atender a 1.500 ha com depreciação de 15 anos.

 

 

O custo econômico encontrado neste estudo não considera os gastos que estariam associados à aplicação de substâncias químicas e suas conseqüências, como, por exemplo, contaminação da população rural e urbana, além dos custos públicos em saúde e poluição ambiental (Stevens III et al., 2000). Outro fator que não foi incorporado nessa análise refere-se aos custos pela repetição de tratamentos com acaricidas, em decorrência da existência de populações resistentes (Monteiro, 1994).

Conclui-se que, para as condições climáticas do ciclo vegetativo 1999-2000 e preços locais para serviços e investimentos (câmbio médio de US$ = R$ 1,836, de julho de 1999 a junho de 2000), os custos fitossanitários e de produção de N. californicus utilizados para o controle biológico de ácaros-vermelhos em macieira, em Fraiburgo, foram 15,8% menores do que os custos dispendidos em pomares que utilizaram unicamente inseticidas e acaricidas para o controle de artrópodos.

 

REFERÊNCIAS

ALI, F.S. Life tables of Phytoseiulus macropilis (Banks) (Gamasida: Phytoseiidae) at different temperatures. Experimental Applied Acarology, Amsterdan, v. 22, p. 335-342. 1998.        [ Links ]

ANDREI, E. Compêndio de defensivos agrícolas. 3. ed. São Paulo: Andrei (Ed.), 1990. 478p.        [ Links ]

FAUVEL, G.; ATGER, P. Etude de l'évolution des insectes auxiliaires et de leurs relation avec le psille du poirier (Psylla pyri L.) et l'acarien rouge (Panonychus ulmi Koch) dans deux vergers du Sud-Est de la France en 1979. Agronomie, Paris, v. 1, p. 813- 820, 1981.        [ Links ]

MONTEIRO, L.B. Tolerância de populações de ovos de inverno e de verão de Panonychus ulmi (Koch) ao ovicida clofentezine, no sudeste e no sudoeste da França. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Cruz das Almas, v. 23, p. 461-466, 1994.        [ Links ]

MONTEIRO, L.B. Seletividade de inseticidas a Neoseiulus californicus McGregor (Acari: Phytoseiidae) em macieiras, no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.23, n. 3, p. 589-592, 2001.        [ Links ]

MONTEIRO, L.B. Manejo Integrado de pragas em macieira no Rio Grande do Sul II. Uso de Neoseiulus californicus para o controle de Panonychus ulmi. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 24, n. 2, p. 395-405, 2002a.        [ Links ]

MONTEIRO, L.B. Criação de ácaros fitófagos e predadores: um caso de produção de Neoseiulus californicus em produtores de maçã. In: PARRA, J.R.P.; BOTELHO, P.S.M.; CORRÊA-FERREIRA, B.S.; BENTO, J.M.S. (Ed.). Controle biológico no Brasil: parasitóides e predadores. São Paulo: Manole, 2002b. p.351-365.        [ Links ]

MONTEIRO, L.B. Efeito do manejo de ervas daninhas sobre Neoseiulus californicus em pomar de macieira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.24, n.3, p.680-682, 2002c.        [ Links ]

MORAES, G.J. Controle biológico de ácaros fitófagos com predadores. In: PARRA, J.R.P.; BOTELHO, P.S.M.; CORRÊA-FERREIRA, B.S.; BENTO, J.M.S. (Ed.) Controle biológico no Brasil: parasitóides e predadores. São Paulo: Manole, 2002. p. 225-237.        [ Links ]

STEVENS III, T.J.; KILMER, R.L.; GLENN, S.J. An economic comparison of biological and conventional control strategies for whiteflies (Homoptera: Aleyrodidae) in greenhouse poinsettias. Journal of Economic Entomology, Lanham, v.93, n.3, p.623–629. 2000.        [ Links ]

WATANABE, M.A.; MORAES G.J.; GASTALDO Jr., I.; NICOLELLA, G. Controle biológico do ácaro rajado com ácaros predadores fitoseídeos em culturas de pepino e morango. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 51, p. 75-81. 1994.        [ Links ]

 

 

Recebido: 13-04-2006. Aceito para publicação: 25-08-2006.

 

 

1 (Trabalho 43-2006).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License