SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue1Fresh fruit weight loss of progenies of yellow passion fruitBehavior of 'Valencia' orange tree on six rootstocks in the northwest of Parana state author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945On-line version ISSN 1806-9967

Rev. Bras. Frutic. vol.30 no.1 Jaboticabal Mar. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000100041 

ARTIGOS
GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS

 

Potencial de obtenção de novos porta–enxertos em cruzamentos envolvendo limoeiro 'Cravo', laranjeira 'Azeda', tangerineira 'Sunki' e híbridos de Poncirus Trifoliata1

 

Potential of obtaining new rootstocks in crosses among 'Rangpur' lime, 'Sour' orange, 'Sunki' mandarin and Poncirus Trifoliata

 

 

Walter dos Santos Soares FilhoI; Carlos Alberto da Silva ledoI; Antônio da Silva SouzaI; Orlando Sampaio PassosI; Matheus Pires QuintelaII; Lorenna Alves MattosII

IPesquisadores da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, Caixa Postal 007, CEP 44380–000, Cruz das Almas – BA. O primeiro autor é bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, e–mails: wsoares@cnpmf.embrapa.br, ledo@cnpmf.embrapa.br, assouza@cnpmf.embrapa.br, orlando@cnpmf.embrapa.br
IIAlunos do Curso de Engenharia Agronômica do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB, CEP 44380–000, Cruz das Almas – BA, bolsistas PIBIC/CNPq, e–mails: matheus.quintela@gmail.com, agrolorenna@yahoo.com.br

 

 


RESUMO

O limoeiro 'Cravo' e a laranjeira 'Azeda' são importantes porta–enxertos de citros. Com o objetivo de explorar seu potencial genético, distintas seleções de limoeiro 'Cravo', empregadas como parentais femininos, foram cruzadas com seleções de laranjeira 'Azeda', tangerineira 'Sunki Maravilha' e híbridos de Poncirus trifoliata. Semelhantemente, seleções de 'Azeda' foram hibridadas com seleções de 'Cravo' e híbridos de P. trifoliata. Avaliaram–se a taxa de vingamento de frutos, a porcentagem de híbridos no conjunto total de indivíduos obtidos (zigóticos e nucelares), a altura e o diâmetro do caule destes, em torno dos 12 meses de idade. O cruzamento entre limoeiro 'Cravo', seleções comum e 'Santa Cruz', com tangerineira 'Sunki 'Maravilha' resultou nas maiores taxas de vingamento de frutos (média de 87,5%) e maior percentual de híbridos (média de 64,0%), sendo estes relativamente vigorosos, segundo comparações com seedlings nucelares desse limoeiro. Quanto às hibridações envolvendo a laranjeira 'Azeda', mostraram–se promissoras 'Azeda Jacarandá' x (tangerineira 'Cleópatra' x P. trifoliata seleção 'Swingle 245'), pela relativamente elevada taxa de vingamento de frutos (50%), boa porcentagem de híbridos (32,3%) e possibilidade de obtenção de híbridos vigorosos, e laranjeira 'Azeda' comum x limoeiro 'Cravo' seleções comum e 'Santa Cruz', pela possibilidade de obtenção de híbridos vigorosos e em quantidades relativamente altas, em torno de 40% de plantas híbridas.

Termos para indexação: Melhoramento genético, Citrus limonia, C. aurantium, Poncirus, Fortunella.


ABSTRACT

'Rangpur' lime and 'Sour' orange are important citrus rootstocks. Aiming to explore their genetic potential, several 'Rangpur' lime selections, as female parents, were crossed with 'Sour' orange selections, 'Sunki Maravilha' mandarin and Poncirus trifoliata hybrids. In the same way, 'Sour' orange selections were crossed with 'Rangpur' lime selections and P. trifoliata hybrids. Parameters evaluated were: fruit set, percentage of hybrids out of the total number of seedlings (zygotes and nucellars), stem height and diameter of the hybrids at 12 months of age. The common and 'Santa Cruz' selections of 'Rangpur' lime x 'Sunki Maravilha' mandarin had the highest fruit set (87.5% on average) and the highest percentage of hybrids (64.0% on average), which were relatively vigorous compared to 'Rangpur' lime seedlings of nucellar origin. With regard to the hybridization with 'Sour' oranges, the 'Jacarandá' sour orange x ('Cleopatra' mandarin x P. trifoliata 'Swingle 245' selection) was promising, due to the relatively high fruit set (50%), good percentage of hybrids (32.3%) and the possibility of obtaining vigorous hybrids, and also common 'Sour' orange x 'Rangpur' lime common and 'Santa Cruz' selections for the possibility of obtaining vigorous hybrids in relatively high amounts, around 40%.

Index terms: Genetic breeding, Citrus limonia, C. aurantium, Poncirus, Fortunella.


 

 

INTRODUÇÃO

Líder mundial, a citricultura brasileira destaca–se por seu expressivo valor de produção e considerável geração de empregos diretos e indiretos, da ordem de 400 mil colocações de trabalho (Neves & Jank, 2006). Seus pomares somam cerca de 270 milhões de plantas, distribuídos por todo o País, em área superior a 900 mil ha (ANUÁRIO..., 2006). A pujança da citricultura brasileira tem, no limoeiro 'Cravo' (Citrus limonia Osbeck), sua base de sustentação, graças à adaptação desse porta–enxerto a distintas condições edafoclimáticas, atestada por sua predominância em praticamente todas as regiões produtoras, sendo exceções os Estados do Rio Grande do Sul, onde o porta–enxerto principal é a espécie Poncirus trifoliata (L.) Raf., e de Sergipe, onde o limoeiro 'Rugoso' (C. jambhiri Lush.) divide com o 'Cravo' a primazia na maioria dos pomares.

Possível híbrido natural entre limoeiro verdadeiro [C. limon (L.) Burm. f.] e tangerineira (C. reticulata sensu Swingle) (Swingle, 1967), o limoeiro 'Cravo' tem sua origem na Índia, onde é conhecido como limeira 'Rangpur' (Hodgson, 1967). Possui diversas características que o qualificam como excelente porta–enxerto, dentre as quais se destacam: tolerância à tristeza dos citros, tolerância à seca, facilidade de obtenção de sementes, compatibilidade com todas as variedades–copa, indução às copas nele enxertadas, de produção precoce e alta produtividade de frutos. Como restrições, apresenta suscetibilidade ao declínio, à morte súbita dos citros, ao nematóide dos citros [Tylenchulus semipenetrans (Cobb)] e aos viróides da exocorte e xiloporose, além de moderada suscetibilidade à gomose de Phytophthora. É mais recomendado para solos arenosos (Pompeu Junior, 2005).

Em nível mundial, a laranjeira 'Azeda' (C. aurantium L.) é o principal porta–enxerto da citricultura praticada em regiões onde a introdução do vírus da tristeza ainda não se efetivou de forma endêmica. Adapta–se bem tanto a solos arenosos como a argilosos e induz às copas cítricas em geral altas produções de frutos, de boa qualidade. É resistente à gomose de Phytophthora, tolerante à exocorte e à xiloporose e pouco afetada pelo blight (semelhante ao declínio dos citros), sendo tolerante à seca e moderadamente tolerante à salinidade e à alcalinidade. É suscetível ao nematóide cavernícola [Radopholus similis (Cobb) Thorne] e ao nematóide dos citros. À semelhança do limoeiro 'Cravo', apresenta diferentes seleções, dentre as quais a 'Smooth Flat Seville', que se distingue das azedas comuns em razão de sua menor suscetibilidade à tristeza e maior resistência à gomose de Phytophthora, sendo tolerante ao declínio (Pompeu Junior, 2005).

A espécie P. trifoliata, por sua vez, tem sido explorada em programas de melhoramento genético de citros em cruzamentos com diferentes espécies de Citrus (L.), resultando na obtenção de inúmeras variedades–porta–enxerto, dentre as quais se encontram os citranges [C. sinensis (L.) Osbeck x P. trifoliata] 'Carrizo' e 'Troyer' e o citrumelo (C. paradisi Macfad. x P. trifoliata) 'Swingle', de ampla utilização comercial (Soost & Roose, 1996). A razão do uso de P. trifoliata em hibridações deve–se às suas características de interesse agronômico, podendo–se destacar, conforme Pompeu Junior (2005): imunidade à tristeza dos citros, resistência à gomose de Phytophthora e ao nematóide dos citros, tolerância à morte súbita dos citros e à xiloporose, indução às copas nela enxertadas, de boa produção de frutos, de excelente qualidade, cabendo acrescentar seu potencial relativo à obtenção de porta–enxertos híbridos que reduzem o porte das plantas cítricas, permitindo maiores adensamentos de plantio, especialmente a seleção 'Flying Dragon'.

Visando à criação de novos porta–enxertos mediante a realização de cruzamentos controlados, neste trabalho, objetivou–se analisar o potencial de obtenção de híbridos em hibridações envolvendo o limoeiro 'Cravo', a laranjeira 'Azeda', a tangerineira 'Sunki' e híbridos de P. trifoliata.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi conduzido na sede do Centro Nacional de Pesquisa de Mandioca e Fruticultura Tropical – CNPMF, pertencente à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, município de Cruz das Almas, Recôncavo Baiano, nas coordenadas geográficas 12°40'39" de latitude sul e 39°06'23" de longitude oeste, com altitude de 226 m. Baseou–se em hibridações controladas, realizadas no final de agosto e em setembro de 2004, utilizando como parentais femininos diferentes seleções de limoeiro 'Cravo' (comum, 'Santa Cruz' e 'CNPMF 05') e de laranjeira 'Azeda' (comum e 'Jacarandá', esta última uma seleção local do Recôncavo Baiano). Como parentais masculinos, foram utilizados, nos cruzamentos com 'Cravo', seleções de 'Azeda' (comum, 'Smooth Flat Seville' e 'Zhuluan'), tangerineira 'Sunki Maravilha' [C. sunki (Hayata) hort. ex Tanaka] e híbridos de P. trifoliata, a saber: citrumelo 'Swingle', citrange 'Coleman' e citrangequat 'Thomasville' [kumquat 'Oval' Fortunella margarita (Lour.) Swingle x citrange 'Willits']. Nos cruzamentos com 'Azeda', empregara–se, como parentais masculinos, seleções de limoeiro 'Cravo' (comum e 'Santa Cruz') e híbridos de P. trifoliata [citranges 'Argentina' e 'Troyer', citrumelo 'Swingle', citrangequat 'Thomasville', tangerineira 'Cleópatra' (C. reshni hort. ex Tanaka) x P. trifoliata seleção 'Swingle 245', híbrido este obtido pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos da América do Norte e HTR – 116, híbrido trifoliado obtido pelo Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, esta, outra denominação do CNPMF]. O número de polinizações controladas efetuadas dentro de cada cruzamento variou em função da disponibilidade de flores dos parentais no momento da ocorrência das mesmas.

Frutos dos parentais femininos foram colhidos no período de março a julho de 2005, tendo suas sementes extraídas, lavadas para a remoção de mucilagem e postas para germinar em canteiros móveis de isopor contendo como substrato o produto comercial, à base de casca de pinheiro, plantmax®. Cerca de três meses após a germinação, os seedlings (plantas oriundas de sementes) obtidos foram transplantados para sacos de polietileno preto, com dimensões de 22 cm (largura) x 35 cm (altura) x 0,2 mm (espessura), contendo como substrato o produto comercial rendmax®, também à base de casca de pinheiro.

Em junho de 2006, ocasião em que os referidos seedlings atingiram idade em torno de 12 meses (idade variável entre 10 e 14 meses, em função das épocas de obtenção de sementes dos frutos resultantes das polinizações controladas), procedeu–se, mediante observações visuais de características morfológicas foliares, à identificação de indivíduos zigóticos e de origem nucelar (mesma constituição genética da planta–mãe), de modo a se estabelecer a porcentagem de híbridos dentro de cada cruzamento (nº de híbridos x 100 / nº total de seedlings). Nessas avaliações visuais, cabe destacar a utilização, nos cruzamentos em que os parentais masculinos foram híbridos de P. trifoliata, da característica trifoliada, dominante, presente nessa espécie (Soost & Cameron, 1975).

Todos os seedlings, zigóticos e nucelares, foram avaliados quanto aos caracteres altura da planta e diâmetro do caule, este mensurado a cinco cm do colo (zona de transição entre a raiz e o caule) da planta. No que concerne a esses caracteres de vigor de planta, foram calculadas as estatísticas descritivas: média; intervalo de variação (IV), correspondente ao intervalo entre os valores mínimo e máximo observados; coeficiente de variação (CV), dado por CV = (desvio–padrão / média) x 100; e coeficiente de assimetria de Pearson (AS), dado por AS = [3 x (média – mediana)] / desvio–padrão. Esse coeficiente de assimetria possibilita uma noção da distribuição dos dados de um determinado caráter em relação à média do mesmo: quando negativo, significa que os valores do caráter se encontram concentrados acima da média, sendo essa tendência tanto mais expressiva quanto maior for o valor negativo observado; situação contrária refere–se a valores positivos do referido coeficiente (Bussab & Morettin, 2002).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Tabela 1 apresenta o número de polinizações controladas efetuadas dentro de cada cruzamento e respectivas taxas de vingamento de frutos. Tomando–se por base as hibridações onde o parental feminino foi o limoeiro 'Cravo', verificou–se que as relacionadas à tangerineira 'Sunki Maravilha' se destacaram por um elevado vingamento de frutos (média de 87,5%), seguindo–se aquelas com o citrange 'Coleman' (62,5%) e com a laranjeira 'Azeda', particularmente as seleções comuns e 'Smooth Flat Seville' (50%). Quanto à laranjeira 'Azeda', de um modo geral, as taxas de vingamento de frutos foram relativamente baixas, à exceção do cruzamento 'Azeda Jacarandá' x (tangerineira 'Cleópatra' x P. trifoliata seleção 'Swingle 245') (50%). Sobre o assunto, Soares Filho et al. (2002) obtiveram, em cruzamentos empregando o limoeiro 'Cravo' e a laranjeira 'Azeda' comum como parentais femininos, taxas de vingamento de frutos de, respectivamente, 37,5% e 20,4%, tendo como parentais masculinos diversas seleções e híbridos de P. trifoliata, confirmando as maiores taxas de vingamento de frutos observadas neste trabalho, em limoeiro 'Cravo'.

 

 

Quanto às porcentagens de obtenção de híbridos (Tabela 2), nos cruzamentos em que os parentais femininos compreenderam seleções de limoeiro 'Cravo', os valores mais expressivos relacionaram–se àqueles com tangerineira 'Sunki Maravilha' (média de 64,0%), seguidos dos que empregaram como parentais masculinos seleções de laranjeira 'Azeda' (média de 47,6%) e o citrumelo 'Swingle' (média de 33,8%), neste caso, particularmente nas situações envolvendo as seleções de limoeiro 'Cravo' comum (52,4%) e 'CNPMF 05' (40,0%). Com respeito aos cruzamentos que utilizaram a laranjeira 'Azeda' como parental feminino, as maiores porcentagens de híbridos verificaram–se naqueles entre 'Azeda' comum e as seleções de limoeiro 'Cravo' (média de 39,9%) e de 'Azeda Jacarandá' com citrumelo 'Swingle' (42,1%) e com o híbrido (tangerineira 'Cleópatra' x P. trifoliata seleção 'Swingle 245') (32,3%). Esses percentuais são bastante expressivos, em comparação com aqueles obtidos por Soares Filho et al. (2002) em cruzamentos tendo como parentais femininos o limoeiro 'Cravo' comum (16,2%) e a laranjeira 'Azeda' comum (12,2%), empregando seleções e híbridos de P. trifoliata como parentais masculinos.

 

 

A análise dos resultados expostos na Tabela 3, tendo por base comparações entre seedlings híbridos e nucelares, dentro de cada cruzamento, indica, conforme o esperado, que os indivíduos zigóticos, em geral, foram menos vigorosos (médias de altura da planta e diâmetro do caule mais baixas) e apresentaram maiores variações de vigor de planta que aqueles de origem apogâmica, segundo se constata pelos valores de CV mais elevados verificados nos conjuntos de seedlings de natureza híbrida.

Nas hibridações que empregaram seleções de limoeiro 'Cravo' como parentais femininos (Tabela 3), maiores quantidades de híbridos relativamente vigorosos foram obtidas quando o parental masculino foi a tangerineira 'Sunki Maravilha'; observando–se as médias de altura da planta e diâmetro do caule, embora os indivíduos de origem nucelar tenham apresentado médias mais elevadas, estas não se distanciaram muito das relativas aos seedlings de natureza híbrida (zigóticos), particularmente no cruzamento relacionado à seleção 'Santa Cruz'.

Reportando–se aos cruzamentos baseados em seleções de laranjeira 'Azeda' como parentais femininos (Tabela 3), destacaram–se pela produção de híbridos relativamente vigorosos aqueles entre 'Azeda' comum e as seleções de limoeiro 'Cravo' comum e 'Santa Cruz', bem como de 'Azeda Jacarandá' com o citrangequat 'Thomasville' e com o híbrido (tangerineira 'Cleópatra' x P. trifoliata seleção 'Swingle 245'). Este último, cabe enfatizar, determinou a produção de híbridos com vigor muito próximo ao dos seedlings nucelares do parental feminino, conforme médias dos caracteres altura da planta e diâmetro do caule, além de relativamente uniformes (variações de altura de planta semelhantes às constatadas em nucelares de 'Azeda Jacarandá', segundo indicado pelos valores de CV, próximos a 30%, verificados tanto para os híbridos como para os nucelares desse cruzamento), estando as alturas de planta dos híbridos produzidos em geral próximas à média desse caráter, conforme evidenciado pelo coeficiente de assimetria praticamente nulo (–0,01).

Segundo análise geral dos dados obtidos, tem–se que, nos cruzamentos baseados em limoeiro 'Cravo', como parental feminino, a tangerineira 'Sunki Maravilha' determinou as maiores taxas de vingamento de frutos (média de 87,5%), elevados percentuais de obtenção de híbridos (média de 64,0%) e a formação de seedlings zigóticos relativamente vigorosos. Esses resultados são complementares aos obtidos por Soares Filho et al. (2005), que mostraram a viabilidade de obtenção de híbridos vigorosos em cruzamentos utilizando a tangerineira 'Sunki' como parental feminino; tem–se, assim, uma indicação da possibilidade de seleções de essa tangerineira produzir híbridos vigorosos quando empregadas tanto como parentais femininos como masculinos. Quanto aos resultados dos cruzamentos relacionados à laranjeira 'Azeda', uma visão geral dos mesmos permite identificar como promissor aquele entre 'Azeda Jacarandá' e o híbrido (tangerineira 'Cleópatra' x P. trifoliata seleção 'Swingle 245'), em razão da relativamente elevada taxa de vingamento de frutos (50%), boa porcentagem de híbridos (32,3%) e possibilidade de obtenção de híbridos relativamente uniformes e vigorosos. Merecem destaque, também, as hibridações entre a laranjeira 'Azeda' comum e as seleções de limoeiro 'Cravo' comum e 'Santa Cruz', pela possibilidade de obtenção de híbridos vigorosos e em quantidades relativamente altas.

Finalmente, uma análise dos cruzamentos recíprocos entre limoeiro 'Cravo' e laranjeira 'Azeda' indica que as taxas de vingamento de frutos (Tabela 1) e as porcentagens de híbridos obtidos (Tabela 2), notadamente as primeiras, foram relativamente mais elevadas nas situações em que o parental feminino foi o 'Cravo', enquanto, quando o parental feminino foi a 'Azeda', os híbridos obtidos mostraram–se no geral mais vigorosos, conforme comparações, dentro de cruzamentos, do vigor (altura da planta e diâmetro do caule) de seedlings zigóticos com o de seedlings de origem nucelar (Tabela 3).

 

CONCLUSÕES

1–Como parental feminino, o limoeiro 'Cravo', seleções comum e 'Santa Cruz', apresenta excelente potencial para obtenção de híbridos em cruzamentos com a tangerineira 'Sunki Maravilha'.

2–Como parentais femininos, as seleções de laranjeira 'Azeda' comum e 'Jacarandá' apresentam bom potencial de obtenção de híbridos em cruzamentos com as seleções de limoeiro 'Cravo' comum e 'Santa Cruz' e com o híbrido (tangerineira 'Cleópatra' x P. trifoliata seleção 'Swingle 245'), respectivamente.

 

REFERÊNCIAS

ANUÁRIO Brasileiro da Fruticultura 2006. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta Santa Cruz, 2006. 136p.         [ Links ]

BUSSAB, W. de O.; MORETTIN, P.A. Estatística básica. 5.ed. São Paulo: Saraiva, 2002. 526p.         [ Links ]

HODGSON, R.W. Horticultural varieties of citrus. In: REUTHER, W.; WEBBER, H.J.; BATCHELOR, L.D. (Ed.). The citrus industry. Berkeley: University of California, 1967. v. 1, cap. 4, p. 431–591.         [ Links ]

NEVES, M.F.; JANK, M.S. (Coord.). Perspectivas da cadeia produtiva de laranja no Brasil: a Agenda 2015. In: Pensa boletim online. São Paulo, 2006. Disponível em:<http://www.pensa.org.br/downloads/Agenda_Citrus_2015_PENSAICONE.pdf.>. Acesso em: 13 fev. 2007.         [ Links ]

POMPEU JUNIOR, J. Porta–enxertos. In: MATTOS JUNIOR, D. de; DE NEGRI, J.D.; PIO, R.M.; POMPEU JUNIOR, J. (Ed.). Citros. Campinas: Instituto Agronômico e Fundag, 2005. cap. 4, p. 61–104.         [ Links ]

SOOST, R.K.; CAMERON, J.W. Citrus. In: JANICK, J.; MOORE, J. N. (Ed.). Advances in fruit breeding. West Lafaiette: Purdue University Press, 1975. p. 507–540.         [ Links ]

SOOST, R.K.; ROOSE, M.L. Citrus. In: JANICK, J.; MOORE, J.N. (Ed.). Fruit breeding: tree and tropical fruits. New York: John Wiley, 1996. v. 1, cap. 6, p. 257–323.         [ Links ]

SWINGLE, W.T. The botany of Citrus and its wild relatives. In: REUTHER, W.; WEBBER, H.J.; BATCHELOR, L.D. (Ed.). The citrus industry. Berkeley: University of California, 1967. v. 1, cap. 3, p. 190–430.         [ Links ]

 

 

Recebido em : 19–03–2007. Aceito para publicação em: 24–08–2007.

 

 

Trabalho apresentado no XIX Congresso Brasileiro de Fruticultura, Cabo Frio – RJ, setembro de 2006; pesquisa parcialmente financiada pelo CNPq e Fundecitrus.
1 (Trabalho 065–07).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License