SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue3Papaya culture in BrazilAn ethanol-based process to simultaneously extract and fractionate carotenoids from Mauritia flexuosa L. Pulp author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945

Rev. Bras. Frutic. vol.32 no.3 Jaboticabal Sept. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452010000300002 

EDITORIAL

 

Rumo ao nosso merecido "A" Qualis-Capes

 

 

Graças à confiança dos autores em delegarem à RBF a missão de divulgar perante a comunidade científica suas contribuições científicas, recebemos, até setembro de 2010, 197 trabalhos. Aliada à colaboração do nosso magnífico quadro de assessores (960), de todos os estados brasileiros e inúmeros internacionais de renomadas instituições, acrescida do apoio dos Conselhos, Comissões, Diretoria da SBF, equipe de colaboradores diretos e funcionários, nossa Revista conquistou, na recente avaliação do QUALIS-CAPES, o conceito B1. Estamos no topo da classificação e ao lado das melhores Revistas brasileiras na Área de Ciências Agrárias.

A RBF foi indexada no ISI a partir de 2007, recebendo em setembro de 2010 a primeira avaliação referente ao ano de 2009, que considerou alguns parâmetros de desempenho da Revista Brasileira de Fruticultura nos dois anos precedentes, isto é, 2008 e 2007.

Como nossa meta agora é conquistar o conceito A, destacaremos a seguir alguns pontos desta avaliação, e as providências tomadas para alcançarmos, em curto prazo, este objetivo, que, no entanto, para ser alcancado, necessita atender às exigências de nossos indexadores, que estabelecem:

1) Para a obtenção do conceito A2, segundo o QUALIS-CAPES, é necessário que o FATOR DE IMPACTO seja maior que 0,7.

2) Para o conceito A1, é necessário que este fator seja superior a 1,3.

3) Outro ponto importante é o ÍNDICE DE IMEDIATEZ. Por exemplo: para compor a edição de setembro de 2010 da RBF, quantos artigos dos anos 2010, 2009, 2008, etc. foram citados nas referências? Quanto mais novos os trabalhos utilizados, melhor o Índice.

4) Completando o rol de exigências, é calculado o Índice de Citações próprias, isto é, da RBF (Self Citation), considerando o número de vezes que artigos publicados na RBF foram empregados na própria RBF.

Os resultados obtidos na recente avaliação mostram que:

A) FATOR DE IMPACTO DA RBF para 2009, calculado em função dos dados obtidos nas edições de 2008 e 2007, obtidos pela relação entre o número de artigos utilizados pela RBF, provenientes de revistas indexadas no ISI, dividido pelo numero total de trabalhos publicados nestes respectivos anos. O resultado foi igual a 0, 265, como mostrado a seguir:

 

 

B) ÍNDICE DE IMEDIATEZ = 0,006 (mostrando que precisamos fazer esforços em utilizar citações mais recentes para melhorar este valor).

C) SELF CITATION = 37% (é bom citar a RBF, mas não em demasia. O ideal é que fique em torno de 15%).

D) FATOR DE IMPACTO, EXCLUINDO SELF CITATION = 0,167.

E) NÚMERO DE TRABALHOS PUBLICADOS: Dentre as 30 melhores Revistas editadas no mundo, na categoria da Horticultura do ISI, a RBF apresentou, em 2009, l62 artigos publicados. Listaremos as principais revistas pelo nº de artigos publicados

1º -SCI HORT AMESTAM com 361 artigos e ocupando a 8a colocação pelo Fator de Impacto (F1);

2º- HORTSCIENCE, com 292 artigos e 15a colocação pelo FI;

3º -THEOR APPL GENET, com 267 artigos, mas ocupando a 1a Colocação pelo Fator de Impacto;

4º -RBF vem a seguir, com 162 artigos, mas ocupando, pelo índice de fator de Impacto a 27º posição.

Observa-se que, pelo número de artigos publicados, a RBF ocuparia a 4a posição, indicando que precisamos orientar-nos melhor na utilização de referências de revistas indexadas, e entendemos que nem sempre é possível, mas que já estamos fazendo progressos nesta área.

F) RANKING DA RBF. Estamos classificados no ISI, na categoria HORTICULTURA, ocupando a 27º posição por ordem de Fator de Impacto, dentre as revistas indexadas nesta categoria no mundo, mostrando que estamos crescendo e, na próxima avaliação, seguramente ocuparemos uma posição de maior destaque, com a colaboração de todos.

O número de revistas indexadas no ISI alcança o expressivo número de 7.347 periódicos, abrangendo todas as categorias, sendo que, no Brasil, existem apenas 65 revistas, e a nossa RBF, com orgulho, é uma delas.

Providências tomadas

1) Avaliação prévia dos trabalhos enviados para serem publicados na RBF, mensurando os índices acima citados, com retorno aos autores, quando couber, para adequações. Os resultados obtidos mostram melhoria significativa nestes valores.

2) 'Ahead of Print'. Com o apoio do SciELO, estamos disponibilizando na página www.scielo.br, os artigos já aprovados, que permanecem on line, antes de a versão final em papel estar pronta, o que aumenta o tempo de exposição dos trabalhos. Informamos que a edição de dezembro de 2010 da RBF já está completa, e o formato "Ahead of Print" estará disponível em breve.

3) Versão em inglês. É nossa meta fazer a versão em inglês dos artigos e disponibilizá-los on line, quando do encaminhamento ao SciELO. Já temos a equipe de tradutores perfeitamente ajustada, faltando apenas o equacionamento financeiro do projeto, o que será discutido durante o Congresso em NATAL. Isto significa que, no SciELO, estarão disponíveis os artigos na versão português e também inglês.

4) Discussão sobre a RBF, em uma mesa-redonda, durante o XXI Congresso Brasileiro de Fruticultura, a ser realizado em Natal - RN, no período de 16 a 22 de outubro, quando esperamos receber sugestões de nossos associados.

Aproveitamos para agradecer a confiança depositada pelos autores, que acreditam neste projeto. Juntos, conquistaremos nosso merecido A, dado o apoio recebido, evidenciado pelo fluxo crescente de artigos encaminhados à RBF de todos os estados brasileiros e inúmeros internacionais.

Desejamos que a nova Diretoria, ao assumir os destinos da Sociedade Brasileira de Fruticultura, continue a dar à RBF o devido respaldo.

 

Um feliz Congresso!
Jaboticabal, 30 de setembro de 2010.

Prof. Carlos Ruggiero