SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 número2Controle pós-colheita da antracnose do maracujazeiro: amarelo com aplicação de óleo de copaíbaOcorrência de Helicoverpa armigera (Hübner, 1808) em citros no estado de São Paulo, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

  • Português (pdf)
  • Artigo em XML
  • Como citar este artigo
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Tradução automática

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945

Rev. Bras. Frutic. vol.36 no.2 Jaboticabal abr./jun. 2014

https://doi.org/10.1590/0100-2945-379/13 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA
DEFESA FITASSANITÁRIA

 

Características agronômicas e ocorrência de mal-do-panamá em bananeiras tipo Pacovan1

 

Agronomic characteristics and the incidence of Fusarium in Pacovan bananas

 

 

Vagner Alves Rodrigues FilhoI; Sérgio Luiz Rodrigues DonatoI; Tânia Santos SilvaI; Edson Perito AmorimII

IInstituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Baiano, Campus Guanambi, Distrito de Ceraíma, Caixa Postal 009, CEP 46430-000 Guanambi, BA. E- mails: vagner_loiola@yahoo.com.br, sergiodonatoeaf@yahoo.com.br, tania_ifbaiano@hotmail.com
IIEmbrapa Mandioca e Fruticultura, Rua Embrapa, s/nº, Caixa Postal 007, CEP 44380-000 Cruz das Almas, BA. E-mail: edson@cnpmf.embrapa.br

 

 


RESUMO

Este trabalho objetivou avaliar características vegetativas, de rendimento e incidência de maldo-panamá na 'Pacovan', em dois ciclos de produção, nos híbridos 'Japira', 'Pacovan-Ken', 'Preciosa' e 'Garantida', recomendados para produtores pela Embrapa Mandioca e Fruticultura, e no 'PV79-34', em seleção. Utilizou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, com seis tratamentos e cinco repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância, e as médias, agrupadas pelo critério de Scott-Knott (P<0,05). Há variabilidade genética entre as cultivares. 'Garantida' apresenta menor rendimento expresso pela massa das pencas e do cacho e pelo número de frutos. 'PV79-34' é a mais vigorosa, de menor porte e com maior rendimento, porém é suscetível ao mal-do-panamá.

Termos para indexação: Musa spp., Fusarium, genótipos, prata de porte alto, produção.


ABSTRACT

This study aimed to evaluate vegetative traits, yield and the incidence of Panama disease in Pacovan and in the hybrids: 'Japira', 'Pacovan-Ken', ' 'Preciosa and 'Garantida', recommended for producers, and 'PV79-34' in selection, in two production cycles. The experimental design was a completely randomized design with six treatments and five replications. Data were subjected to analysis of variance and means grouped by Scott-Knott test (P <0.05). There is genetic variability between cultivars. 'Garantida' has a lower yield expressed by the mass of hands and bunches and the number of fruits. 'PV79-34' has the greatest vigor, smallest height, and with higher yield, but is susceptible to the Panama disease.

Index terms: Musa spp., genotypes, Fusarium, Pome type tall, yield.


 

 

Na região Nordeste, destaca-se o cultivo de variedades tipo Prata, particularmente a 'Pacovan'. Apesar da aceitação, a 'Pacovan' apresenta características indesejáveis como problemas com porte elevado e suscetibilidade ao tombamento, à quebra do pseudocaule e à suscetibilidade a doenças como o mal-do-panamá e às sigatokas-amarela e negra. Essas características indesejáveis podem influenciar, a depender das condições ambientais, de forma negativa na produtividade. Assim, genótipos tipo Pacovan que superem essas características podem constituir alternativa viável à bananicultura nesta região.

O mal-do-panamá é uma doença causada pelo fungo Fusarium oxysporum f.sp. cubense (E.F.Sm.) Snyder & Hansen e é considerada uma das mais importantes da bananeira. A doença atinge quase todos os locais onde se cultiva banana no País, sendo a Maçã a cultivar de maior suscetibilidade. Com utilização de cultivares suscetíveis ao patógeno, as perdas na produção são elevadas, podendo chegar até a100%. (SILVA et al., 2011).

Há muitos estudos de avaliação agronômica de bananeiras no Brasil (DONATO et al., 2003; 2006; 2009; AZEVEDO et al., 2010; NOMURA et al., 2013). Contudo, cada cultivar expressa interação específica com o ambiente e o manejo, proporcionando variações na produtividade, precocidade, qualidade do fruto e incidência de doenças, pois o ótimo ecológico é função do ajuste do genótipo às condições de cultivo. Consequentemente, a recomendação de uma cultivar pode ter especificidade de local ou caráter mais universal.

O objetivo do trabalho foi avaliar características vegetativas, a produtividade e a incidência de mal-do-panamá em bananeiras tipo 'Pacovan', em dois ciclos de produção.

O experimento foi conduzido no Instituto Federal Baiano, Câmpus Guanambi-BA, 14º13'30"S, 42º46'53"W, altitude de 545 m e médias anuais de precipitação e temperatura de 680 mm e 26ºC, respectivamente, num Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico típico. Para a caracterização química do solo, procedeu-se a uma amostragem antes do plantio e quatro após o plantio durante os dois ciclos de cultivo. Os atributos químicos do solo que apresentam influência sobre a ocorrência de mal-dopanamá, em acordo com a literatura corrente sobre o assunto (pH; Ca++ e Mg++ em cmol c dm-3; K+ e Zn++ em mg dm-3), para cada época de amostragem, foram: análise anterior ao plantio: pH 7,7; Ca++ 3,1, e Mg++ 1,5; K+ 535, e Zn++ 21,2; primeira após plantio: pH 7,7; Ca++ 4,4, e Mg++ 2,2; K+ 206, e Zn++ 34,5; segunda análise: pH 7,6; Ca++ 5,6, e Mg++ 3,0; K+ 121, e Zn++ 36,2; terceira análise: pH 7,9; Ca++ 4,7, e Mg++ 2,6; K+ 399, e Zn++ 30,7; quarta análise: pH 7,7; Ca++ 4,5, e Mg++ 3,0; K+ 179, e Zn++ 27,8. Utilizaram-se mudas micropropagadas em espaçamento de 3,0 x 2,5 m e irrigação por microaspersão.

O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com seis tratamentos (cultivares de bananeira): 'Pacovan' (AAB) e seus híbridos AAAB, 'Japira'(PV42-142), 'Pacovan-Ken' (PV42-68) e 'Preciosa'(PV42-85), járecomendados para plantio, e 'PV79-34' que se encontra em fase de seleção; e 'Garantida'(ST42-08, AAAB), híbrido de 'Prata-de-São Tomé' com cinco repetições, constituídas por quatro plantas úteis por parcela.

Avaliaram-se características vegetativas e produtividade (DONATO et al., 2006), a área foliar total da planta (ZUCULOTO et al., 2008) e a incidência do mal-do-panamá (presença ou ausência), nas plantas úteis, nos ciclos de produção da mãe e filha. Submeteram-se os dados à análise de variância e agruparam-se as médias pelo Critério de Scott-Knott (P<0,05).

A maior altura foi apresentada por 'Pacovan-Ken' (375,5 cm), que foi superior à cultivar 'Japira' (370,5 cm), sendo que a menor altura foi observada na cultivar 'PV79-34' (338,3 cm), pelo Critério de Scott-Knott (P<0,05) (Tabela 1). As demais cultivares expressaram porte intermediário. No segundo ciclo, 'PV79-34' mostrou menor porte (400,5 cm). Esses resultados corroboram Azevedo et al. (2010), que observaram menor porte na 'PV7934' e atribuíram à herança do genitor masculino, diferentemente dos demais híbridos da 'Pacovan'. Esse fato confere vantagem competitiva, pois porte elevado é indesejável, pois dificulta os tratos culturais, a colheita e aumenta a suscetibilidade à quebra do pseudocaule e tombamento das plantas, principalmente sob ventos com picos de velocidade elevados.

O perímetro de pseudocaule ao nível do solo, avaliado no primeiro ciclo (Tabela 1), possibilitou a formação de três grupos: 'PV79-34' apresentou maior perímetro (103,8 cm), seguida pela 'PacovanKen'(97,1 cm); as demais cultivares formaram o último grupo, com os menores perímetros. No segundo ciclo, formaram dois agrupamentos, em que a 'PV79-34' (110,8 cm), 'Pacovan-Ken' (112,5 cm) e 'Preciosa'(118,4 cm) se agruparam com o maior perímetro do pseudocaule, e as demais cultivares constituíram o outro grupo com menores perímetros. De modo geral, os híbridos exibiram perímetro de pseudocaule superior à 'Pacovan', caracterizando maior vigor. Tais resultados são condizentes com os de Donato et al. (2006) e Lédo et al. (2008). O maior perímetro do pseudocaule exibido pela 'PV79-34' também foi constatado nos estudos de Azevedo et al. (2010) e constitui vantagem competitiva desse híbrido, pois essa característica pode conferir maior resistência à quebra do pseudocaule e ao tombamento de plantas, problemas correntes nas cultivares de porte alto.

Número de folhas no florescimento permitiu a formação de três grupos no primeiro ciclo: 'PV7934' (16,2), 'Pacovan-Ken' (16,6) e 'Pacovan' (17,4), com maior quantidade de folhas, seguidos pelas cultivares Japira e Preciosa, que expressaram valores intermediários, e pela 'Garantida'(13,2), com menos folhas. No segundo ciclo, houve semelhança nos resultados, exceção para 'Garantida', que se agrupou às cultivares Japira e Preciosa. Azevedo et al. (2010) encontraram semelhanças entre essas cultivares, provavelmente por diferenças ambientais e de manejo.

A área foliar total no primeiro ciclo formou dois agrupamentos entre as cultivares: 1) 'Pacovan' e 'Pacovan-Ken' com maiores valores; 2) as demais cultivares. A maior área foliar total apresentada pela 'Pacovan'e 'Pacovan-Ken'pode ser explicada pelas maiores quantidades de folhas e maiores dimensões foliares registradas para essas cultivares, pois área foliar é proporcional ao número de folhas e às dimensões das folhas (ZUCULOTO et al., 2008). No segundo ciclo, não houve diferença com base no critério de Scott-Knott (P<0,05).

No primeiro ciclo, a massa do cacho em média variou de 14,4 kg para a 'Garantida' a 24,3 kg para 'PV79-34', enquanto as demais cultivares apresentaram valores intermediários (Tabela 1). No segundo ciclo, a 'Garantida' expressou novamente a menor massa do cacho (12,1 kg). Os melhores resultados foram constatados para 'PV79-34' e 'Pacovan'. Semelhante ao registrado para massa dos cachos, a massa das pencas no primeiro ciclo média de 12,0 kg para a 'Garantida' a 20,6 kg apresentada pela 'PV79-34' e, no segundo ciclo, apenas a 'Garantida' diferiu das demais, com menor massa das pencas. Em regiões de vento com picos de velocidade elevada, plantas de porte menor apresentam produtividade maior (DONATO et al., 2006), independentemente do grupo genômico, pois o efeito do vento é maior nas plantas com maiores alturas, tanto pela dilaceração do limbo, quanto nos danos ao sistema radicular. A descendência de um genitor masculino diferente pode contribuir também para a maior produtividade do híbrido 'PV79-34'. Do mesmo modo, a genitora feminina da 'Garantida', 'Prata- de- São Tomé' por ter produtividade menor que a 'Pacovan' pode ter influenciado na menor produtividade expressa pela cultivar, comparada às demais avaliadas.

No primeiro ciclo, 'PV79-34' expressou mais pencas, 'Pacovan', Japira' e 'Pacovan-Ken' foram intermediárias, 'Preciosa' e 'Garantida' mostraram o menor número de pencas (Tabela 1). No segundo ciclo, 'PV79-34'repetiu a performance, 'Pacovan', 'Preciosa' e 'Pacovan-Ken' agruparam juntas, 'Japira' e 'Garantida' foram inferiores para o número de pencas. Segundo Silva et al. (2006), apontam essa característica como fundamental para melhoristas e produtores, pois a penca está diretamente ligada à massa do cacho, que é a unidade comercial. A superioridade evidenciada pela 'PV7934', para número de pencas nos dois ciclos de produção, confirma os resultados de Azevedo et al. (2010) e possibilita afirmar que esta é uma diferença varietal.

Formaram-se dois grupos para número de folhas na colheita do primeiro ciclo: 'Pacovan', 'Pacovan-Ken' e 'Japira', com maior quantidade de folhas, e 'Garantida', 'PV79-34' e 'Preciosa', com menor quantidade de folhas (Tabela 1). No segundo ciclo, registraram-se quatro grupos: 'Pacovan' e 'Pacovan-Ken' expressaram os maiores valores, 'Preciosa' e 'Garantida', os menores. Para a maioria das cultivares, o caráter mostrou valores compatíveis aos de Azevedo et al. (2010).

No primeiro ciclo,'Garantida' e 'Pacovan-Ken' apresentaram menor comprimento do fruto (Tabela 1) e, no segundo, apenas a 'Garantida'. O diâmetro do fruto foi similar entre as cultivares no primeiro ciclo, concordando com Azevedo et al. (2010). No segundo ciclo, 'PV79-34' e 'Garantida' mostraram os menores diâmetros. O diâmetro do fruto indica o ponto de colheita e aliado ao comprimento do fruto é utilizado para a classificação comercial da banana, e, por isso, determinante de qualidade e consequente remuneração do produto.

Apenas a 'Garantida' diferiu das demais cultivares, com menor massa do fruto no primeiro ciclo (Tabela 1), razões provavelmente ligadas à genitora feminina, pois a 'Prata- São-Tomé' possui frutos com menor massa e comprimento comparativamente à 'Pacovan'. No segundo ciclo, 'Garantida' e 'Pacovan-Ken' apresentaram os menores diâmetros do fruto. A massa do fruto é importante para os trabalhos de melhoramento e deve ser considerada associada a outros componentes que refletem a classificação dos frutos (DONATO et al., 2006).

O número de frutos no primeiro ciclo possibilitou a formação de quatro grupos, com valores que variam de 87,8 da 'Garantida' para 135,75 da 'PV79-34' (Tabela 1). No segundo ciclo, a 'Garantida'produziu cachos com menos frutos. Os resultados endossam os de Azevedo et al. (2010) e confirmam a superioridade da 'PV79-34' quanto ao número de frutos.

A performance do híbrido 'PV79-34'superou as demais cultivares quanto à maioria das variáveis avaliadas, o que corrobora Azevedo et al. (2010), que consideraram esse híbrido com características favoráveis ao cultivo comercial. Segundo o mesmo autor, informaram que o híbrido ainda se encontrava em avaliação para o mal-do-panamá, e, durante as avaliações do presente trabalho, foi constatada incidência de mal-do-panamá (Figura 1), apenas neste genótipo, apesar da 'Pacovan' ser suscetível. O elevado pH e os altos teores de Ca++, Mg++, K+ e Zn++, do solo do presente trabalho, caracterizam condições supressivas à disseminação e infecção pelo fungo Fusarium, e mesmo nessas condições a 'PV7934' apresentou 20% das plantas com incidência do mal-do-panamá, atestada por diagnóstico de campo e laboratorial, no segundo ciclo de produção, sendo classificada por isso como suscetível à doença, característica indesejável ao cultivo comercial. Mohandas et al. (2013) avaliaram a resistência da culivar Rasthali (AAB), cultivar transgênica do tipo Maçã, que mostrou resistência ao fungo F. oxysporum f.sp. cubense raça 1. Silva et al. (2011) avaliaram a incidência do mal-do-panamá em variedades de diferentes subgrupos, onde constataram resistência ao fungo nas cultivares Garantida, Japira, Pacovan- Ken e Preciosa, em que se atribuiu essa resistência ao parental masculino M53 (AA). Possivelmente, o genitor masculino identificado como 79 (AA) da 'PV79-34' não confere a resistência ao Fusarium como o M53 transfere à sua progênie.

Assim, pode-se concluir que a 'Garantida' apresenta menor rendimento expresso pela massa das pencas e do cacho e pelo número de frutos. A 'PV79- 34' é a mais vigorosa, de menor porte e com maior rendimento, porém é suscetível ao mal-do-panamá.

 

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, V.F.; DONATO, S.L.R.; ARANTES, A.M.; MAIA, V.M.; SILVA, S.O. Avaliação de bananeiras tipo Prata, de porte alto, no Semiárido. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.34, p.1.372-1.380, 2010.         [ Links ]

DONATO, S.L.R.; ARANTES, A. de M.; SILVA, S. de O. e; CORDEIRO, Z.J.M. Comportamento fitotécnico da bananeira 'Prata-Anã' e de seus híbridos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 44, n. 12, p. 1.508-1.515, 2009.         [ Links ]

DONATO, S.L.R.; SILVA, S.O.; LUCCA FILHO, O.A.; LIMA, M.B.; DOMINGUES, H.; ALVES, J.S. Comportamento de variedades e híbridos de bananeira (Musa spp.), em dois ciclos de produção no sudoeste da Bahia. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.28, p.139-144, 2006.         [ Links ]

DONATO, S.L.R.; SILVA, S. de O. e; PASSOS, A.R.; LIMA NETO, F.P.; LIMA, M.B. Avaliação de variedades e híbridos de bananeira sob irrigação. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.25, n.2, p.348-351, ago, 2003.         [ Links ]

LÉDO, A.S.; SILVA JÚNIOR, J.F.; LÉDO, C.A.S.; SILVA, S.O. Avaliação de genótipos de bananeira na região do Baixo São Francisco, Sergipe. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.30, n.3, p.691-695, 2008.         [ Links ]

MOHANDAS, S. et al. Transgenic banana cv. Rasthali (AAB, Silk gp) harboring Ace-AMP1 gene imparts enhanced resistance to Fusarium oxysporum f. sp. Cubense race 1. Scientia Horticulturae, Amsterdam, v. 164, p. 392-399, 2013.         [ Links ]

NOMURA, E. S. et al. Avaliação agronômica de genótipos de bananeiras em condições subtropicais, Vale do Ribeira, São Paulo - Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, , v.35, n.1, p.112-122, 2013.         [ Links ]

SILVA, S. O.;MATOS, A.; CORDEIRO, Z. J. M.; LIMA, M. J. C.; AMORIM, E. P. Avaliação de genótipos tetraploides de bananeira cultivados em área infestada pelo agente causal do mal-do-panamá, Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 33, p. 125-132, 2011.         [ Links ]

SILVA, S.O.; PIRES, E.T.; PESTANA, R.K.N.; ALVES, J.S.; SILVEIRA, D.C. Avaliação de clones de banana Cavendish. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.30, n.5, p.832-837, 2006.         [ Links ]

ZUCOLOTO, M.; LIMA, J.S. de S.; COELHO, R.I. Modelo matemático para estimativa da área foliar total de bananeira 'Prata-Anã'. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.30, p.1152-1154, 2008.         [ Links ]

 

 

Recebido em: 08-10-2013).
Aceito para publicação em: 17-01-14.

 

 

1 (Trablaho 379-13).

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons