SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número6Hiperintensidades da substância branca à ressonância magnética na doença de Alzheimer e no envelhecimento normalImportância da TC na avaliação da fase da doença de Addison índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Radiologia Brasileira

versão On-line ISSN 1678-7099

Radiol Bras v.34 n.6 São Paulo nov./dez. 2001

https://doi.org/10.1590/S0100-39842001000600019 

Resumos de Teses

Radioterapia exclusiva no tratamento do câncer do colo do útero com telecobalto e braquiterapia de baixa taxa de dose: análise de resultados e variáveis.

Autor: Robson Ferrigno.
Orientador: Wladimir Nadalin.
Tese de Doutorado. USP, 2001.

 

 

A presente série reporta os resultados de uma análise retrospectiva de pacientes portadoras de câncer do colo do útero, tratadas com radioterapia exclusiva,através de telecobalto e braquiterapia de baixa taxa de dose.

De setembro de 1989 a setembro de 1995, 190 pacientes com diagnóstico histológico de carcinoma epidermóide do colo do útero foram tratadas com radioterapia externa em um equipamento de telecobalto, tendo sido planejados quatro campos e tratados dois por dia, em forma de rodízio, seguida de uma ou duas inserções de braquiterapia de baixa taxa de dose (BBTD). A idade das pacientes variou de 24 a 77 anos (mediana de 53 anos) e o peso variou de 41 a 89 kg (mediana de 60 kg). Dessas, 12 eram estádio clínico (EC) IB, quatro eram EC IIA, 105 eram EC IIB e 69 eram EC IIIB.

A dose mediana de radioterapia externa na pelve de todas as pacientes foi de 4.000 cGy; as doses medianas em campos de paramétrios das pacientes EC I, EC II e EC III foram de 4.000 cGy, 5.000 cGy e 6.000 cGy, respectivamente, e as doses medianas de braquiterapia no ponto A das pacientes tratadas com uma BBTD e com duas BBTD foram de 3.800 cGy e 5.000 cGy, respectivamente. O período de seguimento variou de oito a 127 meses (mediana de 70 meses).

Com relação às pacientes EC I, II e III, a sobrevida global em cinco anos foi de 83%, 78% e 46%, a sobrevida livre de doenças foi de 83%, 82% e 49%, e o controle local em cinco anos foi de 92%, 87% e 58%, respectivamente. As complicações crônicas no reto, no intestino delgado e nas vias urinárias, independentemente da graduação, foram observadas em 29 (15,3%), em oito (4,2%) e em 13 (6,8%) pacientes, respectivamente. Fibrose subcutânea foi observada em oito pacientes (4,2%) e estenose vaginal em 61 pacientes (32,1%).

A análise estatística revelou o EC como a única variável significativa para a sobrevida global (p = 0,000), para a sobrevida livre de doença (p = 0,000) e para o controle local (p = 0,000). Idade maior que 50 anos foi a única variável que aumentou o controle local e a sobrevida livre de doença das pacientes EC II (p = 0,004). Tempo de tratamento superior a 60 dias foi a única variável que aumentou o índice de complicações no reto em cinco anos (p = 0,022). Idade até 50 anos foi a única variável que aumentou significativamente a incidência de complicações nas vias urinárias em cinco anos (p = 0,011).

Os resultados de sobrevida global, de controle local e de complicações crônicas das pacientes da presente série foram semelhantes aos das principais séries da literatura. Esses resultados sugerem que o uso de equipamento de telecobalto e a estratégia de planejar quatro campos e tratar dois por dia em forma de rodízio, até dose de 5.000 cGy na pelve, previamente à braquiterapia, representa uma técnica aceitável de radioterapia exclusiva no tratamento de pacientes com câncer do colo do útero e com peso até de 89 kg, principalmente em países em desenvolvimento e com demanda reprimida, como o Brasil.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons