SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue4Gingival squamous cell carcinoma: imaging analysis of seven patientsUltrasonography findings of musculotendinous lesions of the shoulder author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Radiologia Brasileira

On-line version ISSN 1678-7099

Radiol Bras vol.36 no.4 São Paulo July/Aug. 2003

https://doi.org/10.1590/S0100-39842003000400009 

ENSAIO ICONOGRÁFICO

 

Pseudolesões hepáticas na tomografia computadorizada helicoidal: ensaio iconográfico*

 

Helical computed tomography of hepatic pseudolesions: a pictorial essay

 

 

Gustavo de Souza Portes MeirellesI; Giuseppe D'IppolitoII

IPós-graduando do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Unifesp/EPM
IIProfessor Adjunto, Chefe do Setor de Tomografia Computadorizada do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Unifesp/EPM

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A tomografia computadorizada helicoidal é largamente empregada na avaliação do parênquima hepático e tem grande importância no planejamento clínico e cirúrgico. O fígado é o órgão que mais se beneficia de aquisições helicoidais, em fases diferentes da perfusão do parênquima, pela sua dupla vascularização e pela diferença de aporte sanguíneo entre tumores e parênquima sadio. Entretanto, várias armadilhas diagnósticas podem ser encontradas, dificultando a análise e prejudicando a diferenciação entre lesões verdadeiras e pseudolesões, principalmente aos olhos de radiologistas menos experientes. Essas pseudolesões têm forma, localização e características variadas, podendo simular lesões parenquimatosas. É de fundamental importância que estejamos aptos a reconhecê-las, no sentido de interpretar corretamente as imagens tomográficas. O objetivo deste ensaio é classificar e ilustrar as diversas pseudolesões hepáticas pela tomografia computadorizada helicoidal, com uma breve descrição dessas lesões e com alternativas para diferenciá-las das lesões do parênquima.

Unitermos: Fígado; Tomografia computadorizada helicoidal; Erros de diagnóstico.


ABSTRACT

Helical computed tomography has been widely used in the evaluation of the liver parenchyma for clinical and surgical management. The liver is probably the organ for which helical computed tomography examination is best indicated due to hepatic dual blood perfusion and the difference in blood supply between liver tumors and normal parenchyma. However, there are pitfalls in the interpretation of the images that may impair differentiation of true lesions from pseudolesions, particularly for the inexperienced radiologist. These pseudolesions present different shapes, location and characteristics that may mimic parenchymal lesions and their recognition and understanding are essential to avoid misdiagnoses. The aim of this study is to propose a systematic classification of the pseudolesions of the liver using illustrative cases and thus offer alternative means to differentiate these lesions from true parenchymal lesions.

Key words: Liver; Helical computed tomography; Pitfalls.


 

 

INTRODUÇÃO

Nos dias atuais, a tomografia computadorizada (TC) é um método rotineiro na avaliação do fígado, com ampla aceitação para a detecção e caracterização de tumores e com grande importância no planejamento clínico-cirúrgico e no prognóstico da doença(1).

O advento dos aparelhos de TC helicoidais resultou em importante melhora na avaliação hepática, ao demonstrar, com maior eficácia, lesões parenquimatosas, o que levou a uma maior utilização do método. No entanto, várias armadilhas diagnósticas surgiram, principalmente ligadas a defeitos de perfusão decorrentes da rápida injeção do meio de contraste e aquisição das imagens, dificultando a análise e prejudicando a diferenciação entre lesões e pseudolesões(1–4).

Consideramos pseudolesões hepáticas aquelas imagens que simulam lesões hepáticas focais, podendo levar a diagnósticos equivocados. O objetivo deste estudo é apresentar uma revisão dessas pseudolesões, propondo uma classificação sistemática por meio de casos ilustrativos e estratégias para diferenciá-las de lesões parenquimatosas.

 

CLASSIFICAÇÃO DAS PSEUDOLESÕES HEPÁTICAS

Várias são as pseudolesões hepáticas encontradas na TC helicoidal. As principais encontram-se listadas no Quadro 1.

 

 

1 – Fissuras hepáticas acessórias

Existem fissuras hepáticas incompletas, causadas por invaginações do diafragma, que podem subdividir o parênquima hepático (Figura 1). Encontram-se praticamente limitadas aos segmentos VII e VIII, próximas à cúpula diafragmática. Tornam-se mais proeminentes com a inspiração profunda e são mais comuns em pacientes enfisematosos e idosos(5).

 

 

O conhecimento da sua morfologia e distribuição evita a maior parte dos erros diagnósticos. Pode-se ainda repetir o exame com inspiração superficial, o que promove atenuação ou até seu desaparecimento, ou usar reconstruções coronais e sagitais, que permitem definir a origem diafragmática da imagem(5,6).

2 – Vasos não opacificados

Nas fases precoces de contrastação, veias hepáticas e ramos portais podem não ser opacificados, simulando lesões focais hipovasculares (Figura 2). Uma nova aquisição das imagens e a análise em conjunto das fases arterial e portal permitem solucionar o problema. Além disso, a diferenciação pode ser feita com a determinação da distribuição anatômica, trajeto e ramificações das estruturas venosas(3,7).

 

 

3 – Efeito de volume parcial

As causas mais comuns são a flexura hepática, a cúpula diafragmática direita e a vesícula biliar (Figura 3). Lesões do pólo superior do rim direito, da adrenal direita e da porção descendente do duodeno podem ser outras causas de erro. O reconhecimento dessas pseudolesões é feito pela análise dos cortes adjacentes e, em casos de dúvidas, por meio de reconstruções coronais e sagitais(8).

 

 

4 – Alterações perfusionais hepáticas

Podem ser focais ou difusas, por hiper ou hipoperfusão. Têm causas diversas, resultando de obstrução ao fluxo venoso sistêmico ou hepático, irrigação hepática anômala, variações anatômicas ou processos inflamatórios, alterações transitórias na perfusão hepática ou anastomoses arterioportais(9,10).

4.1 – Alterações perfusionais focais por obstrução da veia cava superior

Na oclusão da veia cava superior (VCS), o fluxo dos membros superiores segue vias acessórias, como o sistema ázigos-hemiázigos, o plexo venoso vertebral, as veias mamárias internas e torácicas laterais(11,12). Há contrastação precoce e dilatação dessas vias e realce intenso na fase arterial da porção anterior do segmento IV, que recebe sangue contrastado das colaterais (Figura 4). A diferenciação entre realce precoce e lesão parenquimatosa é possível pela análise da sua localização e aspecto característico, além da história de oclusão da VCS e da atenuação normal do segmento IV na fase portal(6,11). O exame tomográfico com contraste do tórax permite confirmar esta hipótese (Figura 4).

 

 

4.2 – Alterações perfusionais focais por processos inflamatórios

Áreas de realce hepático precoce e intenso podem ser evidenciadas em processos inflamatórios, principalmente na colecistite aguda (Figura 5), simulando o realce de lesões como hemangioma, hiperplasia nodular focal, metástases hipervasculares ou carcinoma hepatocelular(13).

 

 

A diferenciação com lesões hepáticas primárias baseia-se na associação com o processo inflamatório, além do aspecto curvilíneo do realce e da localização perivesicular típica(13). Deve-se lembrar ainda que nos cortes tardios a área de realce anômalo é normal(14). É interessante observar que a área de parênquima hiperperfundido ao redor da vesícula biliar não traduz extensão do processo inflamatório da vesícula para o fígado.

4.3 – Alterações perfusionais focais por retorno venoso anômalo

O fígado pode ter uma vascularização suplementar por veias sistêmicas. Áreas irrigadas pelas vias suplementares apresentam realce intenso na fase arterial, com realce igual ou inferior ao do parênquima na fase portal(4,11).

A alteração de perfusão na face posterior do segmento IV é uma das mais conhecidas (Figura 6), estando ligada a irrigação anômala através das veias gástricas, principalmente da direita(15).

 

 

São comuns alterações perfusionais laterais ao ligamento falciforme (Figura 7), por irrigação aberrante pelas veias epigástricas e paraumbilical, exceto em cirróticos com fluxo hepatofugal, nos quais se deve sempre considerar a possibilidade de carcinoma hepatocelular(16–18).

 

 

Alterações perfusionais podem também existir na fossa da vesícula biliar, por irrigação anômala a partir de veias císticas(15, 17–19), e na região subcapsular, a partir de veias subcapsulares (Figura 8)(20,21).

 

 

4.4 – Alterações perfusionais focais por anastomoses arteriovenosas

Na cirrose hepática, pequenas anastomoses arterioportais espontâneas podem causar pseudolesões centrais, com realce intenso na fase arterial (Figura 9). Nos cortes tardios as pseudolesões não devem aparecer, o que auxilia na diferenciação com o carcinoma hepatocelular(22,23). Tumores hepáticos benignos e malignos (Figura 10), trauma e procedimentos invasivos podem causar anastomoses arterioportais(24).

 

 

 

 

4.5 – Alterações perfusionais focais por tromboses venosas

Tumores hepáticos malignos e, mais raramente, benignos podem ser causa de obstrução ao fluxo portal, com alterações de perfusão lobares, segmentares ou subsegmentares (Figura 11). Em alguns casos não se vê a lesão hepática focal, apenas a alteração perfusional (Figura 12)(3,4,11).

 

 

 

 

4.6 – Alterações perfusionais focais por inversão do fluxo portal

Lesões expansivas podem comprimir o parênquima hepático, com inversão focal do fluxo portal e maior realce local na fase portal, muitas vezes interpretado como extensão da lesão (Figura 13). Essas alterações perfusionais são em banda, sem distribuição lobar ou segmentar, restritas ao local de compressão do parênquima(25).

 

 

4.7 – Outras alterações perfusionais focais

Costelas muito arqueadas podem causar alterações perfusionais no local de compressão no parênquima hepático(19,26).

Neoplasias hipervasculares podem determinar hipoperfusão parenquimatosa adjacente(4,11).

5 – Alterações perfusionais difusas

Algumas condições clínicas podem provocar alterações de perfusão difusas, entre elas a cirrose, a síndrome de Budd-Chiari, a insuficiência cardíaca congestiva, a pericardite constritiva e a fibrose mediastinal(4,9,11,14).

A síndrome de Budd-Chiari é uma das causas mais conhecidas de alterações perfusionais difusas, promovendo inversão do fluxo portal e realce heterogêneo do parênquima hepático (Figura 14)(11).

 

 

6 – Esteatose focal

Geralmente difusa, mas ocasionalmente focal, é uma das causas mais freqüentes de pseudolesão hepática (Figura 15). Suas localizações mais típicas são as adjacências do ligamento falciforme, regiões subcapsulares, perivesiculares, lobo caudado e porção posterior do segmento IV(27,28).

 

 

O depósito de gordura pode ser rapidamente reversível e transitório, desaparecendo em exames posteriores, principalmente se afastado o fator clínico causador da esteatose (Figura 16).

 

 

Quando a esteatose é geográfica (Figura 17) ou multinodular (Figura 18), o diagnóstico diferencial inclui o carcinoma hepatocelular, abscessos, metástases e hemangiomas(27,28).

 

 

 

 

A diferenciação entre esteatose e lesão neoplásica é de grande importância. A esteatose não tem efeito expansivo, tem atenuação muito baixa e geralmente apresenta vasos hepáticos e portais não distorcidos no seu interior, ao contrário de lesões do parênquima. Porém, é importante observar que, eventualmente, metástases hepáticas confluentes podem envolver vasos hepáticos sem distorcê-los. A ressonância magnética tem grande valor no diagnóstico da esteatose, utilizando-se seqüências que suprimem o sinal da gordura, como a gradiente-eco em fase e oposição de fase(29).

7 – Parênquima hepático preservado na esteatose difusa

Os locais mais comuns são a região perivesicular (Figura 19), subcapsular, o lobo caudado (Figura 20) e a porção medial inferior do fígado.

 

 

 

 

O parênquima preservado tem atenuação superior à do fígado esteatótico (Figura 21). A diferenciação com tumores se faz por sua atenuação, localização e morfologia. Nos casos duvidosos pode-se recorrer à cintilografia, à ressonância magnética e, caso necessário, à biópsia(6,8,30,31).

 

 

CONCLUSÃO

As pseudolesões hepáticas são comuns na TC helicoidal e provavelmente aumentarão em incidência com a maior utilização dos tomógrafos "multi-slice". Em geral são facilmente distinguíveis de lesões hepáticas, sendo necessário estarmos habituados a reconhecê-las.

A compreensão da etiologia dessas pseudolesões e o conhecimento do seu aspecto tomográfico são os primeiros passos para diferenciá-las de lesões verdadeiras e elevar a eficácia do método.

 

REFERÊNCIAS

1.Urban BA, McGhie PA, Fishman EK. Helical CT: diagnostic pitfalls of arterial phase imaging of the upper abdomen. AJR 2000;174:455–61.         [ Links ]

2.Silverman PM, Cooper CJ, Weltman DI, Zeman RK. Helical CT: practical considerations and potential pitfalls. RadioGraphics 1995;15:25–36.         [ Links ]

3.Oliver JH 3rd, Baron RL. Helical biphasic contrast-enhanced CT of the liver: technique, indications, interpretation, and pitfalls. Radiology 1996;201:1–14.         [ Links ]

4.Chen WP, Chen JH, Hwang JI, et al. Spectrum of transient hepatic attenuation differences in biphasic helical CT. AJR 1999;172:419–24.         [ Links ]

5.Auh YH, Rubenstein WA, Zirinsky K, et al. Accessory fissures of the liver: CT and sonographic appearance. AJR 1984;143:565–72.         [ Links ]

6.Shirkhoda A. Diagnostic pitfalls in abdominal CT. RadioGraphics 1991;11:969–1002.         [ Links ]

7.Herts BR, Einstein DM, Paushter DM. Spiral CT of the abdomen: artifacts and potential pitfalls. AJR 1993;161:1185–90.         [ Links ]

8.Mirowitz SA. Liver and biliary system. In: Mirowitz SA, ed. Pitfalls, variants and artifacts in body MR imaging. St. Louis, MO: Mosby-Year Book, 1996.         [ Links ]

9.Galvão Filho MM. Alterações de perfusão nos exames de portotomografia: características e freqüência. (Tese de Doutorado). São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 1998.         [ Links ]

10.Nelson RC, Thompson GH, Chezmar JL, Harned RK 2nd, Fernandez MP. CT during arterial portography: diagnostic pitfalls. RadioGraphics 1992; 12:705–20.         [ Links ]

11.Gryspeerdt S, Van Hoe L, Marchal G, Baert AL. Evaluation of hepatic perfusion disorders with double-phase spiral CT. RadioGraphics 1997;17: 337–48.         [ Links ]

12.Trigaux J, Lacrosse M, Daube A. Venous return by the paraumbilical and hepatic veins in case of superior vena cava obstruction. Abdom Imaging 1996;21:504–6.         [ Links ]

13.Yamashita K, Jin MJ, Hirose Y, et al. CT finding of transient focal increased attenuation of the liver adjacent to the gallbladder in acute cholecystitis. AJR 1995;164:343–6.         [ Links ]

14.Ito K, Mitchell DG, Honjo K, et al. Biphasic contrast-enhanced multisection dynamic MR imaging of the liver: potential pitfalls. RadioGraphics 1997;17:693–705.         [ Links ]

15.Matsui O, Takahashi S, Kadoya M, et al. Pseudolesion in segment IV of the liver at CT during arterial portography: correlation with aberrant gastric venous drainage. Radiology 1994;193:31–5.         [ Links ]

16.Ohashi I, Ina H, Gomi N, et al. Hepatic pseudolesion in the left lobe around the falciform ligament at helical CT. Radiology 1995;196:245–9.         [ Links ]

17.Nelson RC, McDermott VG, Paulson EK. Aberrant venous drainage to the liver: imaging implications. Radiology 1995;197:338–40.         [ Links ]

18.Hiwatashi A, Yoshimitsu K, Honda H, et al. Pseudolesion in segment II of the liver observed on CT during arterial portography caused by the aberrant left gastric venous drainage. Abdom Imaging 1999; 24:357–9.         [ Links ]

19.Bluemke DA, Soyer P, Fishman EK. Nontumorous low-attenuation defects in the liver on helical CT during arterial portography: frequency, location, and appearance. AJR 1995;164:1141–5.         [ Links ]

20.Llauger J, Perez C, Pallardo Y, Zidan A. Perihiliar low density areas: a pitfall in CT-portography. Eur J Radiol 1992;14:11–2.         [ Links ]

21.Soyer P, Lacheheb D, Levesque M. False-positive CT portography: correlation with pathologic findings. AJR 1993;160:285–9.         [ Links ]

22.Kim TK, Choi BI, Han JK, Chung JW, Park JH, Han MC. Nontumorous arterioportal shunt mimicking hypervascular tumor in cirrhotic liver: two-phase spiral CT findings. Radiology 1998;208:597–603.         [ Links ]

23.Yu JS, Kim KW, Sung KB, Lee JT, Yoo HS. Small arterial-portal venous shunts: a cause of pseudolesions at hepatic imaging. Radiology 1997;203: 737–42.         [ Links ]

24.Ito K, Honjo K, Fujita T, Awaya H, Matsumoto T, Matsunaga N. Enhanced MR imaging of the liver after ethanol treatment of hepatocellular carcinoma: evaluation of areas of hyperperfusion adjacent to the tumor. AJR 1995;164:1413–7.         [ Links ]

25.Mathieu D, Luciani A, Achab A, Zegai B, Bouanane M, Kobeiter H. Hepatic pseudolesions. Gastroenterol Clin Biol 2001;25(4 Suppl):B158–66.         [ Links ]

26.Kanematsu M, Kondo H, Enya M, Yokoyama R, Hoshi H. Nondiseased portal perfusion defects adjacent to the right ribs shown on helical CT during arterial portography. AJR 1998;171:445–8.         [ Links ]

27.Paulson EK, Baker ME, Spritzer CE, Leder RA, Gulliver DJ, Meyers WC. Focal fatty infiltration: a cause of nontumorous defects in the left hepatic lobe during CT arterial portography. J Comput Assist Tomogr 1993;17:590–5.         [ Links ]

28.Yoshikawa J, Matsui O, Takashima T, et al. Focal fatty change of the liver adjacent to the falciform ligament: CT and sonographic findings in five surgically confirmed cases. AJR 1987;149:491–4.         [ Links ]

29.Wenker JC, Baker MK, Ellis JH, Glant MD. Focal fatty infiltration of the liver: demonstration by magnetic resonance imaging. AJR 1984;143:573–4.         [ Links ]

30.Rocha MS, Cerri GG, Rocha DC, Magalhães A. Área hipoecogênica ultra-sonográfica periportal: importante pseudolesão hepática. Radiol Bras 1988;21:181–4.         [ Links ]

31.Scriven MW, Shandall A, Fitzgerald EJ, Puntis MC. Hepatic 'pseudotumours': an important diagnostic pitfall. Ann R Coll Surg Engl 1993;75:43–5        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Dr. Gustavo de Souza Portes Meirelles
Rua Diogo de Faria, 650, apto. 33, Vila Clementino
São Paulo, SP, 04037-002
E-mail: gustavomeirelles@terra.com.br

Recebido para publicação em 22/7/2002
Aceito, após revisão, em 19/2/2003

 

 

* Trabalho realizado no Departamento de Diagnóstico por Imagem da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM), São Paulo, SP.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License