SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número2Braquiterapia de alta taxa de dose no tratamento do câncer do colo uterino: resultados de controle local, sobrevida e complicaçõesUltra-sonografia na diferenciação entre nódulos mamários benignos e malignos: determinação de nódulos provavelmente benignos e avaliação do impacto na redução do número de biópsias índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Radiologia Brasileira

versão On-line ISSN 1678-7099

Radiol Bras v.37 n.2 São Paulo mar./abr. 2004

https://doi.org/10.1590/S0100-39842004000200017 

RESUMOS DE TESES

 

Análise comparativa das imagens convencionais e espectroscopia de prótons do SNC por ressonância magnética na adrenoleucodistrofia ligada ao X

 

 

Autora: Maria Teresa Carvalho de Lacerda
Orientadora: Claudia da Costa Leite

Tese de Doutorado. FMUSP, 2003.

 

 

A adrenoleucodistrofia ligada ao X (ALD-X) é uma doença recessiva ligada ao sexo, com incidência de 1:20.000 a 1:100.000, causada por um distúrbio nos peroxissomos, com conseqüente aumento dos ácidos graxos de cadeia muito longa. Os objetivos deste estudo foram correlacionar as imagens de ressonância magnética (IRM) e espectroscopia de prótons (1H ERM) na ALD-X, além de descrever os achados das IRM.

Foram avaliados exames de ressonância magnética de 20 pacientes (idades: 5-18 anos). Foram realizadas seqüências multiplanares pesadas em T1, T2, FLAIR e T1 pós-gadolínio. Realizaram-se também seqüências de espectroscopia de prótons pela técnica STEAM ("stimulated echo acquisition mode"), com tempo de eco curto e "voxel" único localizado na substância branca parietoccipital e na frontal em todos os pacientes.

O estudo das IRM foi feito através do escore radiológico proposto por Loes et al. (1994). Este escore baseia-se na análise das estruturas anatômicas comumente afetadas pela ALD-X e na presença de atrofia focal e/ou global. As 1H ERM foram analisadas comparativamente aos achados cerebrais das IRM. Para esta comparação, os achados de IRM na substância branca foram divididos em quatro categorias: categoria 1 ("aparentemente normal") - ausência de alterações de sinal ou realce nas IRM; categoria 2 ("com realce") - alteração de sinal em T1, T2 e FLAIR com realce periférico pelo gadolínio; categoria 3 ("alteração de sinal, sem realce") - hipersinal em T2 e FLAIR, sem realce pelo gadolínio; categoria 4 ("gliose") - hipersinal em T2 e hiper/hipossinal em FLAIR, sem realce pelo gadolínio.

Foram comparadas as 1H ERM dos pacientes com um grupo de controles e feita a correlação das 1H ERM com os escores de Loes obtidos. Foi observado um maior comprometimento da substância branca parietoccipital, de forma bilateral e simétrica (85% dos casos). Outras estruturas envolvidas com maior freqüência foram as vias ópticas (85%), o corpo caloso (85%), as vias auditivas (70%) e os tratos frontopontocorticospinhais (70%). Em 55% dos casos, o padrão característico de imagem foi hipossinal em T1, hipersinal em T2 e FLAIR e realce pelo gadolínio.

A comparação das IRM com as 1H ERM revelou: categoria 1 - maiores valores de NAA/Cr e menores valores de Co/NAA e mI/Cr do que nos demais grupos; categoria 2 - maiores valores de Co/Cr e Lip/Cr; categoria 3 - valores intermediários de todas as relações; categoria 4 - maiores valores de mI/Cr, relações NAA/Cr, Co/Cr e Lip/Cr reduzidas.

Houve diferença estatística entre a 1H ERM dos pacientes e dos controles normais. A correlação das 1H ERM com os escores de Loes demonstrou uma correlação negativa significativa para o NAA/Cr e positiva significativa para o mI/Cr e o Co/NAA.

Em conclusão, os resultados da 1H ERM estão de acordo com os achados das IRM e correlacionam-se com o escore de Loes.

 


 

Avaliação por tomografia computadorizada das alterações torácicas em pacientes com esquistossomose mansônica (forma hepatoesplênica)

 

 

Autora: Claudia Maria de Figueiredo
Orientador: Manoel de Souza Rocha. Co-orientador: Rogério de Souza

Tese de Doutorado. FMUSP, 2003.

 

 

A esquistossomose, ou bilharziose, é uma das mais importantes parasitoses humanas. É uma condição que afeta milhões de pessoas, principalmente nos trópicos. Na esquistossomose mansônica, a forma intestinal é a mais freqüente, mas destacam-se, por sua gravidade, outras formas clínicas, como a forma hepatoesplênica e a hipertensão pulmonar. A literatura sobre todos os aspectos da doença é vasta, porém há pouca informação sobre achados à tomografia de tórax em pacientes com esquistossomose. O objetivo deste estudo foi caracterizar as alterações vasculares e parenquimatosas em pacientes com esquistossomose mansônica.

Foram estudados, prospectivamente, 48 pacientes brasileiros portadores de esquistossomose hepatoesplênica com tomografia de tórax, e 43 destes pacientes com ecocardiograma. Os achados vasculares à tomografia foram comparados com a presença de hipertensão pulmonar ao ecocardiograma.

Quinze pacientes tiveram achados ecocardiográficos compatíveis com hipertensão pulmonar. A tomografia foi capaz de determinar a presença de hipertensão pulmonar usando os diâmetros do tronco da artéria pulmonar, das artérias pulmonares direita e esquerda, das artérias interlobares descendentes direita e esquerda, e da relação entre o calibre do tronco da artéria pulmonar e da aorta ascendente. Outros achados incluíram o desvio do septo interventricular, e a presença de colaterais, como as veias pericardiofrênicas, as varizes de esôfago e o aumento do calibre do sistema ázigos-hemiázigos. As principais alterações parenquimatosas foram aumento da relação artéria/brônquio, pequenos nódulos isolados, padrão em mosaico, espessamento septal, opacidades em vidro fosco, e nódulos com halo de opacidade em vidro fosco.

Houve correlação significativa entre o aumento da relação artéria/brônquio, o espessamento septal e o padrão em mosaico e o achado de hipertensão pulmonar neste grupo de pacientes.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons