SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número2 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Radiologia Brasileira

versão impressa ISSN 0100-3984versão On-line ISSN 1678-7099

Radiol Bras v.39 n.2 São Paulo mar./abr. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842006000200019 

RESUMOS DE TESES

 

Freqüência dos achados mamográficos e sua relação com o perfil das mulheres usuárias de um serviço privado de mamografia no município de Vila Velha

 

 

Autora: Maria Helena Mariano.
Orientador: Hilton Augusto Koch.
Dissertação de Mestrado. UFRJ, 2005.

A alta incidência, morbidade e mortalidade do câncer de mama, assim como a baixa freqüência do seu diagnóstico precoce tem produzido efeitos danosos para a saúde pública em nosso meio. Este fato tem estimulado a comunidade científica no sentido de aumentar cada vez mais o número de diagnósticos de cânceres iniciais nas mamas. Com o mesmo propósito, procuramos traçar um perfil epidemiológico e averiguar a freqüência dos achados mamográficos em mulheres que procuraram um serviço de mamografia na região metropolitana da Grande Vitória.
Foram atendidas 16.100 mulheres que procuraram o serviço, com ou sem motivo específico, num período de três anos e meio. Na ocasião, obtivemos dados a respeito de sua história pessoal, familiar e específica de suas mamas, as submetemos a exame físico das mamas e mamografia, e em alguns casos, à ultra-sonografia.
Os resultados e conclusões revelaram que a maioria dos exames foi realizada em mulheres abaixo dos 50 anos, com queda acentuada após 55 anos. A média de idade das mulheres foi de 48,78 anos e de 45,25 anos para a realização do primeiro exame mamográfico. Os testes de associação entre os achados mamográficos e as variáveis estudadas se mostraram positivos para a idade (c² = 50,23; p = 0,0000), primiparidade idosa (c² = 6,74; p = 0,0340), menopausa (c² = 8,67; p = 0,0131), história familiar (c² = 227,22; p = 0,0000) e pessoal (c² = 9,71; p = 0,0078) pregressas positivas para câncer de mama, exame físico anormal das mamas (c² = 640,82; p = 0,0000), terapia hormonal (c² = 6,00; p = 0,0497) e intervenções cirúrgicas prévias sobre as mamas (c² = 132,03; p = 0,0000). A freqüência dos achados mamográficos, segundo a categoria BI-RADS™, foi: categoria 1 – 3,8%; categoria 2 – 79,2%; categoria 3 – 15,2%; categoria 4 – 1,4%; categoria 5 – 0,3%. Dos resultados dos exames histopatológicos obtidos, 50,3% foram negativos, 2,2% foram "borderline" e 47,5% foram positivos para o câncer de mama. A associação dos exames mamográficos categorias 4 e 5 com o resultado dos exames histopatológicos se mostrou estatisticamente significante, com c² = 53,300 e p = 0,0000.

 


 

Trombose venosa profunda e suspeita de tromboembolismo pulmonar: avaliação simultânea através de angiotomografia pulmonar e venotomografia combinadas

 

 

Autora: Laura de Moraes Gomes.
Orientador: Edson Marchiori.
Dissertação de Mestrado. UFRJ, 2005.

O objetivo principal deste estudo foi avaliar a utilidade do protocolo combinado de angiotomografia de tórax e venotomografia indireta nos casos de suspeita clínica de tromboembolismo pulmonar (TEP).
De julho de 2003 a junho de 2004, foram estudados 116 pacientes com suspeita clínica de TEP, através de um tomógrafo de múltiplos detectores. Foram adquiridos cortes do tórax com 1,25 mm de espessura após a injeção do meio de contraste endovenoso. Com um intervalo de aproximadamente três minutos, foram adquiridos cortes de 5 mm de espessura a partir do diafragma até as fossas poplíteas, sem injeção adicional de contraste.
Nesse grupo de 116 pacientes, foram avaliados a ocorrência de trombose venosa profunda (TVP), a freqüência de angiotomografia pulmonar positiva, a freqüência de TVP com angio-TC pulmonar normal e os principais diagnósticos alternativos nos casos negativos de TEP. Foram diagnosticados TEP em 19,8% (n = 23) dos casos e TVP em 20,7% (n = 24) dos casos. Nove pacientes tiveram apenas TVP detectada na ausência de TEP (9,7%). Isso representou um aumento de 39% de casos positivos (de 23 para 32 casos). Dos 23 casos positivos de TEP, 15 (65,2%) apresentaram, concomitantemente, TVP. Dos 93 casos negativos para TEP, foram encontrados diagnósticos alternativos em 56 (60,2%), sendo derrame pleural o mais freqüente.
Dessa forma, ficaram demonstradas a utilidade da TC no diagnóstico do TEP bem como de diagnósticos alternativos, a forte relação entre TEP e TVP e a importância de pesquisar TVP em todos os casos com suspeita de TEP e a utilidade do uso combinado da angiotomografia de tórax e da venotomografia como alternativa de único exame de investigação de TEP e TVP simultaneamente, dispensando outros métodos.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons