SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número4Hiperplasia nodular focal do fígado: apresentação de um caso e revisão da literaturaCorrelação entre a ressonância magnética e a ultra-sonografia com dúplex scan colorido no diagnóstico da trombose venosa profunda dos membros inferiores índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Radiologia Brasileira

versão impressa ISSN 0100-3984versão On-line ISSN 1678-7099

Radiol Bras v.40 n.4 São Paulo jul./ago. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842007000400017 

RESUMO DE TESE

 

Modulação cortical da percepção auditiva: análise por ressonância magnética funcional

 

 

Autor: Edson Amaro Junior.
Tese de Livre-docência. São Paulo: FMUSP, 2007.

A percepção de estímulos auditivos é um mecanismo complexo que depende não apenas da organização da via aferente, mas da interação com sistemas hierarquicamente organizados e modelos internos do estímulo. A modulação cortical influencia a percepção fornecendo conceitos pré-formados (aprendidos). Os sistemas sensitivos operando em conjunto traduzem atributos físicos em conceitos que formam o significado do estímulo percebido.

A definição de modulação cortical utilizada neste trabalho é: o efeito que processos cognitivos "superiores" exercem em processamento da informação em áreas sensitivas "inferiores". Um destes efeitos é definido como facilitação: indivíduos normais apresentam melhor desempenho na detecção de estímulos auditivos simples próximos ao limiar de percepção quando mantém a representação mental dos sons alvo. Esta interação foi estudada utilizando técnica de ressonância magnética funcional relacionada a eventos (RMfre) adaptada para investigar a atividade cerebral durante tarefa de detecção auditiva.

Neste estudo voluntários normais foram submetidos a dois experimentos para investigar o efeito de facilitação de detecção de estímulos apresentados próximo ao limiar perceptivo, enquanto imaginavam um tom específico (condição de imaginação) ou não (condição sem imaginação). O experimento I foi realizado com participantes para verificação do efeito de facilitação e testes de seleção. A tarefa foi realizada com ajuste individual de desempenho, utilizando testes psicofísicos de maneira a parear o desempenho entre os participantes. Utilizamos dois estímulos monotônicos com senóides de 300 Hz e 800 Hz e realizamos experimentos de detecção com decisão binária forçada em limite de 70% de detecção ajustado individualmente através de técnica stair case. Os indivíduos deviam apenas apertar um botão se ouvissem qualquer um destes tons em meio a ruído branco. Esta tarefa foi realizada sem e com imagem mental sonora de um dos tons (alterados). A média de sons corretamente identificados e congruentes com a imagem sonora mental foi 17% maior que a média dos sons corretamente identificados sem a imagem sonora, e nem todos os 21 participantes apresentaram o efeito de facilitação. Destes, 12 apresentaram o efeito de facilitação, dos quais 5 puderam participar da subpopulação de 9 voluntários utilizada para análise RMfre. O experimento II foi realizado exatamente com as mesmas características da tarefa que o experimento I, em desenho fatorial 2 × 2 (imaginação x detecção). A condição com presença de imagem sonora (PIS) e a condição de imagem sonora ausente (AIS) elicitaram ativação não só nos lobos temporais, mas nas estruturas subcorticais (tálamo), lobos frontais e parietais. A atividade detectada foi maior na condição PIS em áreas auditivas primárias, secundárias e lobo frontal inferior direito. A ativação cerebral em áreas auditivas primárias, pólos temporais e córtex órbito-frontal medial foi encontrada na condição de interação de imaginação e detecção correta dos estímulos.

Estes resultados mostram que o efeito de facilitação (modulação cortical) altera a atividade neural inclusive na área auditiva primária. Este achado é semelhante aos encontrados na literatura de imagem mental em função visual, e sugere que o efeito da modulação cortical tenha sede em diferentes níveis hierárquicos de sistemas funcionais da via auditiva.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons