SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue2Infantile myofibromatosis: report of a rare diseaseBreast metastasis from ovarian carcinoma: a case report and literature review author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Radiologia Brasileira

Print version ISSN 0100-3984

Radiol Bras vol.45 no.2 São Paulo Mar./Apr. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842012000200012 

RELATO DE CASO CASE REPORT

 

Costela intratorácica: relato de caso*

 

 

Fernando Henrique Guimarães de CarvalhoI; Gesner Pereira LopesII

IMédico Residente de Radiologia e Diagnóstico por Imagem da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba, MG, Brasil
IIMestre, Membro Titular do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), Chefe da Disciplina de Radiologia e Diagnóstico por Imagem da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba, MG, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Costela intratorácica é definida como uma anomalia congênita rara, possivelmente causada por uma fusão incompleta dos processos cefálico e caudal dos esclerótomos durante a embriogênese. Frequentemente é achado incidental, porém, pode estar associada a malformações vertebrais e a alguns sintomas como dor torácica. O quadro apresentado é de costela intratorácica à esquerda, associada a malformação vertebral, com quadro clínico inespecífico.

Unitermos: Costela intratorácica; Anomalia costal; Tomografia computadorizada.


 

 

INTRODUÇÃO

Variações anatômicas costais são encontradas em 2% da população(1), sendo elas: displasias ósseas, anormalidades focais, costela cervical, sinostose intercostal, extremidade anterior bífida, associadas ou não a malformações das vértebras torácicas. A costela intratorácica foi descrita, pela primeira vez, por Lutz em 1947, e se apresenta, desde então, como uma anomalia congênita rara, geralmente assintomática, diagnosticada, na maior parte das vezes, como achado adicional na radiografia de tórax(2-4). No entanto, quando a anomalia tem origem no corpo vertebral, o diagnóstico pela radiografia convencional torna-se mais difícil, e nesses casos, a tomografia computadorizada (TC) faz-se necessária, principalmente na diferenciação diagnóstica de massas hilares ou mediastinais(5-7).

 

RELATO DO CASO

Paciente do sexo feminino, 51 anos, com dor torácica há aproximadamente dois anos, em pontada, à esquerda, com evolução progressiva para cervicobraquialgia, associada a discreta escoliose torácica. Após consultas com ortopedista e recorrência do quadro álgico, foram solicitadas radiografias de tórax e de coluna cervical, a fim de elucidação diagnóstica.

A radiografia de tórax evidenciou imagem de densidade óssea, com cortical e medular, de convexidade lateral, redução progressiva de suas dimensões no sentido craniocaudal, localizada no terço superior e médio do hemitórax esquerdo, associada a escoliose torácica (Figura 1). Constatada a presença de costela intratorácica, foi sugerida TC para melhor avaliação. Utilizando-se a reconstrução em 3D, foi possível visualizar, com detalhes, imagem óssea no sentido vertical, fazendo corpo com a quarta costela, posteriormente à esquerda (Figura 2), mais bem identificada em incidência oblíqua (Figura 3). Na reconstrução coronal da coluna torácica ficou caracterizada a escoliose como dextro-côncava, associada a deformidade estrutural de T4 e T5 (Figura 4).

 

 

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Apesar de haver 45 casos relatados na literatura inglesa(4), ainda não se sabe ao certo como se dá o desenvolvimento de tal anomalia. A hipótese mais aceita seria uma falha da fusão dos processos caudal e cefálico dos esclerótomos, entre a quarta e a sexta semanas da embriogênese(1,4). Sem predileção pelo sexo, mais frequente à direita, com morfologia semelhante a uma costela normal que se estende no espaço extrapleural, inferolateral, pode, algumas vezes, chegar até ao diafragma.

Alguns diagnósticos diferenciais são: exostose, tumores ósseos, dreno de tórax ou placas pleurais calcificadas. Geralmente é assintomática, porém, dor torácica e dispneia já foram relatadas(3). Tudo indica que o risco de lesões pulmonares, nesses pacientes, é maior se submetidos a traumatismos torácicos.

O diagnóstico precoce de costela intratorácica, seja como achado adicional ou em pacientes com algum sinal e sintoma relativo à malformação, é de extrema importância, principalmente por excluir diagnósticos diferenciais que exigem acompanhamento e possível tratamento definitivo.

É possível afirmar que, apesar de rara, seu diagnóstico é relativamente fácil pela radiografia convencional nos casos em que se origina da própria costela. Contudo, quando originada do corpo vertebral, a TC torna-se exame fundamental para o correto diagnóstico, evitando-se não só intervenções desnecessárias, mas também o não tratamento das hipóteses diferenciais.

 

REFERÊNCIAS

1. Kelleher J, O'Connell DJ, MacMahon H. Intrathoracic rib: radiographic features of two cases. Br J Radiol. 1979;52:181-3.         [ Links ]

2. Lutz,P. Über eine ungewöhnliche Rippenanomalie zugleich ein Beitrag zur distalen Rippengabelung. Wien Klin Wochenschr. 1947;59:846-9.         [ Links ]

3. Laufer L, Schulman H, Hertzanu Y. Intrathoracic rib demonstrated by helical CT with three-dimensional reconstruction. Eur Radiol. 1999;9:60-1.         [ Links ]

4. Hasan I, Mahajan P, Ahamad N, et al. A rare case of left bifid intrathoracic rib associated with supernumerary rib and block vertebrae. Kuwait Radiol J. 2011;2:21-7.         [ Links ]

5. Trigaux JP, Sibille Y, Van Beers B. Intrathoracic rib: CT features. J Comput Assist Tomogr. 1990;14:133-5.         [ Links ]

6. Freed C. Intrathoracic rib: a case report. S Afr Med J. 1972;46:1165-7.         [ Links ]

7. Weinstein AS, Mueller CF. Intrathoracic rib. Am J Roentgenol Radium Ther Nucl Med. 1965;94:587-90.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dr. Fernando Henrique Guimarães de Carvalho
Praça Frei Eugênio, 444, ap. 702, São Benedito
Uberaba, MG, Brasil, 38010-280
E-mail: fhgc3@hotmail.com

Recebido para publicação em 16/8/2011.
Aceito, após revisão, em 7/10/2011.

 

 

* Trabalho realizado na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba, MG, Brasil.