SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número especialTwo decades of Quimica Nova índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Química Nova

versión impresa ISSN 0100-4042

Quím. Nova v.20 n.spe São Paulo dic. 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40421997000700015 

Journal of the Brazilian Chemical Society (JBCS): 10 anos da criação à consolidação


Angelo da Cunha Pinto, Eduardo Motta Alves Peixoto, Fernando Galembeck, Jaílson Bittencourt de Andrade, Marco Aurélio De Paoli, Luis Alberto Avaca e Oswaldo Luiz Alves
Sociedade Brasileira de Química, CP 26.037 - 05599-970 - São Paulo - SP
e-mail: sbqsp@iq.usp.br e http://www.sbq.org.br


 

Journal of the Brazilian Chemical Society: 10 years from the birth to the consolidation: The main objectives of this article are to present and discuss the facts that lead to the conception of JBCS in 1987, its birth in 1990 and the stages traveled until its consolidation. The community's of Chemistry participation and the role of the Sub-program of Chemistry and Chemical Engineering of PADCT are emphasized.

Keywords: Journal of the Brazilian Chemical Society; JBCS; publications.

 

 

CONCEPÇÃO

A Sociedade Brasileira de Química (SBQ) completava 10 anos em 1987, ocasião em que Química Nova (QN) já se encontrava consolidada como órgão de divulgação da Sociedade. Cumprindo seu papel, publicava artigos originais, revisão, notas técnicas, comunicações, artigos de divulgação científica e de história da ciência, no momento em que o Grupo Técnico1, do Subprograma de Química e Engenharia Química, do PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (PADCT) elaborou o Edital QEQ 01-87, com 10 diferentes chamadas para a apresentação de propostas a serem financiadas no âmbito do Subprograma. A abrangência, volume de recursos alocados e formas de avaliação das propostas foram o ponto de partida de uma série de transformações sofridas pela Química e Engenharia Química, nos últimos dez anos, que contribuiram para mudar radicalmente a face destas áreas.

No presente artigo, destacaremos a Chamada QEQ 01/87-10 - "Apoio à divulgação de pesquisa científica"-, cujos Objetivos Gerais eram: "Promover o desenvolvimento da literatura científica no País mediante o apoio à publicação de resultados de trabalhos originais de pesquisa através de Sociedades Científicas de Química. Será apoiado, no máximo, um projeto".

As Características Necessárias da Proposta estabeleciam que a Sociedade deveria "apresentar plano de editoração da revista, composição do corpo editorial, incluindo membros da comunidade científica nacional e estrangeira, filosofia da publicação, objetivos, orçamento para três anos" além de "estratégias que assegurassem a continuidade e o nível científico da publicação pretendida". Deveria, ainda, "apresentar planos para dar continuidade à publicação da revista". Dos Ítens Financiáveis constavam: "Editoração, diagramação, arte gráfica, revisão, impressão, papel, serviço de apoio gerencial e distribuição", sendo o Valor Limite de Referência de até Cz$ 6.000.000,00, por projeto, para despesas no País. Como Categoria de Proponentes Elegíveis estavam as Sociedades Científicas de Química, sendo a FINEP a Agência responsável.

À época do lançamento do Edital QEQ 01/87, QUÍMICA NOVA era o único órgão de divulgação da Sociedade Brasileira de Química, tendo sido a criação deste periódico, reconhecidamente, um importante marco na Química brasileira. A revista era publicada inicialmente só em língua portuguesa, e não obstante estar dirigida à toda a comunidade de Química, tinha como público alvo os estudantes de graduação e de pós-graduação. Sua importância para a educação em Química no Brasil podia, e pode ainda, ser avaliada pelas estatísticas das bibliotecas universitárias que mostravam, há dez anos e ainda hoje, que QUÍMICA NOVA, é a revista de Química mais manuseada, função do grande número de consultas feitas pelos estudantes nas bibliotecas.

Por ocasião do lançamento do Edital QEQ 01/87, do PADCT, uma parcela reduzida da comunidade Química brasileira já discutia a importância de se ter, no país, uma revista científica que publicasse, em inglês, artigos originais. Tal necessidade levara, inclusive, os editores de Química Nova a criar uma sessão na revista para publicação de comunicações2 originais em inglês. O substrato existia e a chamada 10 do Edital QEQ 01/87, do PADCT, foi a driving force que faltava para a criação de uma revista de QUÍMICA, editada no Brasil, de circulação e projeção internacional. Foi quando se consolidou a idéia de lançamento do Journal of The Brazilian Chemical Society (JBCS).

O Professor Eduardo Motta Alves Peixoto foi o grande inspirador do projeto de criação do JBCS. O projeto da revista, no entanto, ficou sob a coordenação do Prof. Eduardo Joaquim de Souza Vichi, então Secretário Geral da SBQ. Da elaboração inicial até a submissão do projeto participaram os Professores Angelo da Cunha Pinto, Hans Viertler e Jailson Bittencourt de Andrade, que previram para o início de 1988 o primeiro número do JBCS.

 

PROJETO

Filosofia da Revista

A filosofia da revista, como proposta, previa a "divulgação internacional de trabalhos científicos originais na área de Química, nos moldes internacionais, aberta a todo e qualquer autor brasileiro ou estrangeiro", que viesse a submeter "artigos, notas de comunicações originais e inéditas ao corpo editorial (referees) da Revista".

A periodicidade prevista, então, era "trimestral com uma tiragem inicial de 2.000 exemplares por número", sendo "distribuída mediante assinaturas prevendo-se, no entanto, uma parcela inicial de 30% a ser distribuída às Bibliotecas de Química do Brasil e às principais Bibliotecas no Exterior e nos países de expressão portuguesa".

Decidiu-se que a publicação dos trabalhos fosse "efetuada mediante o julgamento do seu mérito por 2 a 3 assessores escolhidos entre especialistas na área, no Brasil e/ou no Exterior".

Quanto à língua-veículo, estabeleceu-se que a revista seria editada "exclusivamente em inglês, ou excepcionalmente em português, a critério do Editor e seus Assessores".

Firmou-se, ainda, "A Revista será dirigida por: um Editor; um Corpo de 10 Editores Associados (especialistas das diversas áreas de Química) e um amplo Conselho Editorial (Advisory Board) composto de renomados pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Tanto o Corpo de Editores quanto o Conselho Editorial passarão, periodicamente, por uma renovação que englobará uma parcela dos seus membros sem contudo prejudicar a qualidade e filosofia de trabalho".

Plano de Editoração

O Plano de Editoração estabelecia : "nos três primeiros anos a Revista constará de quatro volumes por ano. Em cada volume serão publicados cerca de 10 artigos originais além de notas, comunicações e artigos de revisão".

"Os artigos, notas e comunicações" deveriam ser "submetidos ao exame de três assessores de reconhecida competência na área", sendo as "revisões publicadas, também a convite da Editoria, por pesquisadores" que tivessem "contribuído significativamente em áreas de interesse atual".

Estabelecia, ainda, o Plano de Editoração: "O Nível científico da Revista será garantido por pesquisadores nacionais e estrangeiros de reconhecida competência, que compõem a Editoria e o Corpo Editorial. O formato da Revista obedecerá os padrões internacionais".

Estratégias para Continuidade da Revista

Perspectivando a continuidade da Revista foram propostas as seguintes estratégias: "No primeiro ano a revista será distribuída gratuitamente aos sócios da SBQ e Bibliotecas nacionais e estrangeiras. A partir do segundo ano, será cobrada a assinatura com valores diferenciados entre sócios e não sócios da SBQ, Bibliotecas nacionais e estrangeiras. Os custos com separatas serão cobrados dos autores. Serão providenciados contratos de anúncios visando o provimento de fundos que garantirão a edição da Revista".

Relativamente ao término do auxílio do PADCT ­ após o terceiro ano, portanto ­ colocou-se que os 'recursos provenientes de assinaturas e anúncios" seriam "suficientes para a edição da Revista. Caso contrário a Sociedade Brasileira de Química complementaria os recursos garantindo a sua continuidade".

O orçamento previsto no projeto era Cz$ 5.500.000,00, equivalentes a 22.000 OTN ou US$ 5,500, sendo o mesmo submetido em 28/05/1987. Após quatro meses, em 01 de outubro de 1987, o Prof. Vichi recebeu o ofício FINEP/DDC No 473/87, referente ao processo 1216/97, que informava: "O projeto intitulado Edição do Journal of the Brazilian Chemical Society foi recomendado com prioridade P-1 pelo C.A. na reunião ocorrida no período de 17/08/87 à 21/08/87 conforme Parecer anexo". Do parecer enviado constava: "O C.A. aprovou o projeto com a condição de que os artigos publicados o sejam exclusivamente em inglês, podendo ter resumos bilingües, em inglês e português. Além disto, a revista deve dispor de uma revisão de língua inglesa. Finalmente, sugere o Comitê Assessor que a revista comece a ser publicada quadrimestralmente, como precaução". Foi dada, neste momento, a partida que viabilizaria o lançamento do primeiro número do JBCS: ínicio do ano de 1988!

Em maio de 1988, o contrato para a assinatura do convênio ainda não chegara à SBQ. Informalmente, a Diretoria da Sociedade soube que o Comitê Editorial do CNPq, passando por cima de todo o processo de avaliação do PADCT, havia "desaprovado" o projeto. Mesmo sem ter sido notificada oficialmente pela Secretaria Executiva do PADCT, a Diretoria da SBQ entrou com um recurso. Os Professores Raimundo Braz Filho e Eucler Paniago tiveram destacada participação para fazer com que a decisão do Comitê Assessor do PADCT fosse respeitada. Finalmente, após tais episódios, o contrato entre a SBQ e a FINEP foi assinado no dia 17 de fevereiro de 1989.

Com os recursos do PADCT, corroídos pela inflação da época, e com um auxílio da ICI do Brasil, o Professor Eduardo Peixoto montou a edição da revista e preparou o primeiro número da mesma, que viria a ser publicado em 1990! Este número, referente a janeiro/abril, trazia oito trabalhos originais e duas notas. Nos quadros a seguir são apresentadas partes desta publicação histórica.

 

 

 

O Professor Eduardo Peixoto foi editor da Revista no período 1990 a 1994. Neste ano, o JBCS sofreu uma reformulação editorial, concluída em 1995 passando a Revista a circular trimestralmente e a contar com sete editores, cuja coordenação ficou a cargo do Professor Angelo C. Pinto. Em 1996, a periodicidade do JBCS foi ampliada para circulação bimensal.

Avaliação

Nos sete anos de existência, o JBCS vem apresentando uma evolução significativa no número de páginas e artigos publicados (figura 1). Comparando-se 1996 com 1990, observa-se que o número de artigos publicados aumentou 2,8 vezes, enquanto que o número de páginas cresceu 4,5 vezes. Na figura 2 pode ser observada a origem dos artigos3. Pesquisadores de, praticamente, todos os estados em que há forte atividade em Química publicaram artigos no JBCS, sendo que aqueles do Estado de São Paulo foram responsáveis pelo maior número de contribuições, seguidos por artigos envolvendo pesquisadores estrangeiros, de origem diversa (Alemanha, Argentina, Bélgica, Canadá, Chile, Espanha, Estados Unidos da América, França, Índia, Itália, Inglaterra, Japão, México, Portugal, Suíça, Uruguai, Venezuela).

 

 

 

As mais de três centenas de artigos já publicados no JBCS envolveram todas as sub-áreas da Química. Pode-se observar, na figura 3, que a Química Orgânica foi a responsável pelo maior número de trabalhos publicados (38%), enquanto a Química Analítica (14%) foi a que apresentou o menor número. Dada a vasta área de abrangência da Química, nem sempre é fácil classificar um trabalho científico numa sub-área específica. No caso dos trabalhos publicados no JBCS, a Editoria identificou a presença de uma grande variedade de temas: Síntese e Caracterização de Compostos Orgânicos e Inorgânicos, Fitoquímica, Físico-Química Orgânica e Inorgânica, Catálise, Cinética, Química de Materiais, Bioinorgânica, Organometálicos, Determinação de Estruturas de Raios-X, Química Teórica, Fotoquímica, Fotobiologia, Espectroscopia Vibracional, Eletroquímica, Eletroanalítica, Desenvolvimento de Métodos Analíticos (UV/VIS, Fluorescência, AA, ICP/AES, Cromatográficos, FIA, etc.) e Química Ambiental.

 

 

Dentre os sete volumes editados até dezembro de 1996, cinco números foram especiais (Vol. 5, No 3, 1994, Special Issue on Electrochemistry, Part 1; Vol. 6, No 1, 1995, Special Issue on Electrochemistry, Part 2; Vol. 6, No 2, 1995, Special Issue on Photochemistry and Photobiology; Vol. 7, No 5, 1996, Special Issue on Organic Synthesis4 e Vol. 7, No 5, 1996, Special Issue on Modern Aspects of Vibrational Spectroscopy ) e tiveram a participação de Editores Convidados. Os números especiais em Eletroquímica, editados sob a responsabilidade do Professor Luís A. Avaca, foram decorrentes do XI Congresso Ibero-americano de Eletroquímica e Eletroanalítica, organizado bi-anualmente em diferentes países, e representam a contribuição de colegas da América Latina e da península Ibérica. Fotoquímica e Fotobiologia tiveram seu número especial que contou com a colaboração do Professor Miguel G. Neumann, como Editor Convidado, e foi decorrente do IV Encuentro Latinoamericano y Iberoamericano de Fotoquímica y Fotobiologia. O número especial em Síntese Orgânica que, além do Professor Angelo da C. Pinto, contou com a colaboração do Professor Warner B. Kover, como Editor Convidado, decorreu do VII Brazilian Meeting on Organic Synthesis.

A Espectrocopia Vibracional, além do Professor Oswaldo L. Alves, contou com a colaboração dos Professores Joel C. Rubin e Paulo S. Santos, como Editores Convidados, tendo seu número especial decorrente de um Workshop organizado em homenagem ao Professor Oswaldo Sala, por ocasião do seu septuagésimo aniversário e aposentadoria compulsória. Além dos números especiais, o Vol. 6, No 3, 1995, teve uma Special Section on Inorganic Chemistry, que contou com a colaboração dos Professores Ana Maria da C. Ferreira e Osvaldo A. Serra, como Editores Convidados, decorrente do VII Simpósio Nacional de Química Inorgânica.

A avaliação dos números especiais é bastante positiva, todavia tais números devem ampliar sua área de abrangência, não ficando limitados à documentação de eventos no país, mas também devem refletir uma política editorial que permita a introdução de novos temas, novas formas de pensar, novas técnicas e metodologias.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A consolidação do JBCS ainda depende de recursos das agências financiadoras. Hoje, no entanto, pode-se afirmar, inequivocamente, que o JBCS está entre as três melhores revistas científicas brasileiras, sendo fortemente prestigiado pela comunidade Química do país, e que já começa a se firmar no continente latinoamericano. Isto ainda é pouco! Um país com as dimensões do Brasil - nono. na economia mundial, com a segunda indústria Química instalada, em termos de faturamento, em todo o continente americano, um dos mercados mais promissores do planeta - merece uma revista científica em Química à altura do seu Produto Interno Bruto, estimado em 1977 em cerca de 800 bilhões de reais.

Uma das muitas iniciativas que deram certo na Ciência Brasileira, e que continua merecendo crédito na comunidade científica é o Programa de Apoio a Publicações Científicas MCT & CNPq & FINEP. Todavia, os recursos de tal Programa são insuficientes para que a revista se consolide na Europa, Asia e América do Norte.

Mesmo sem uma definição precisa sobre qual será o cenário mundial do século XXI, os atuais editores do JBCS têm certeza de que verão, muito em breve, a revista nas estantes das bibliotecas de todo o mundo porque, graças à Internet, internautas poderão assessá-la pelo simples teclar da homepage : http://www.sbq.org.br.

Por fim, gostaríamos de lembrar que a construção de sonhos é um ato que só depende de nós, já a sua materialização depende de disciplina, esforço coletivo e muita dedicação. A Editoria atual acreditou no sonho de alguns e vem cumprindo o papel que lhe coube, certa de que os Editores futuros também o farão.

 

AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao PADCT/QEQ e a ICI do Brasil pelo auxílio financeiro inicial; aos membros do Corpo Editorial, Corpo Técnico, Revisores e, principalmente, aos Autores, por tornarem possível a edição da revista e a manutenção de sua qualidade editorial; aos Editores de Química Nova, em especial à Profa. Dra. Vera Lúcia Pardini, pelo constante apoio; à Profa. Dra. Elizabeth Höfling, pelas valiosas discussões e sugestões; à FAPESP e ao Programa de Apoio a Publicações Científicas MCT & CNPq & FINEP, pelo apoio financeiro.

 

REFERÊNCIAS

1. O Grupo Técnico de Química e Engenharia Química do PADCT era composto pelos seguintes membros: Alaíde Braga de Oliveira, Amadeu Curi, Eduardo Motta Alves Peixoto, Gilberto Fernandes de Sá, Henrique Eisi Toma, Eucler B. Paniago, Jailson Bittencourt de Andrade, José Osvaldo Besserra Carioca, Kurt Politzer, Maria Aparecida Hugo Cagnin, Nícia M. Mourão Henrique, Olivia Otoni Campos, Pedro Wongtschowski, Regina Reis.

2. A publicação de comunicações em Química Nova ocorreu no período 1983 - 1990. O início das Communications deu-se em Química Nova, 6, 68 (1983), com a seguinte chamada: Communications: Uma nova seção em Química Nova. Química Nova is starting a new section devoted to communications of original work in Chemistry. The authors are invited to send their contributions for direct printing, according to the instructions described in the first issue. Em 1990, com o início do JBCS, tal secção foi encerrada em Química Nova.

3. Nesse caso foi considerada apenas a origem do primeiro autor

4. O Special Issue on Organic Synthesis, Vol. 7, No 5, 1996, foi financiado pela Fundação Universitária José Bonifácio, FUJB, RJ.         [ Links ]