SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue5Industrial impact on chemical composition of groundwater: the human consumption aspect (Rio Grande, RS)Indirect flow injection determination of N-acetyl-L-cysteine using cerium(IV) and ferroin author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Química Nova

Print version ISSN 0100-4042On-line version ISSN 1678-7064

Quím. Nova vol.28 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422005000500011 

ARTIGO

 

Estudo da influência do solvente, carboidrato e ácido graxo na síntese enzimática de ésteres de açúcares

 

Study of the influence of solvent, carbohydrate and fatty acid in the enzymatic synthesis of sugar esters by lipases

 

 

Ariela V. de Paula; Jayne C. de Souza Barboza; Heizir F. de Castro*

Departamento de Engenharia Química, Faculdade de Engenharia Química de Lorena, CP 116, 12606-970 Lorena-SP

 

 


ABSTRACT

The aim of this work was to gain knowledge of enzymatic processes for the synthesis fatty acid esters of sugar, with the objective to develop an enzymatic process for the preparation of non-toxic biodegradable surface-active agents derived entirely from renewable resources. A wide range of data were collected for reaction conditions involving different sugars (glucose, fructose and sucrose), fatty acids (oleic, palmitic, lauric), solvents (hexane, heptane and t-butanol) and different sources of lipases in both free and immobilized forms. As a solvent t-butanol provided the best conditions to create a catalytic liquid phase in which the reaction occurs. Sugars were preferentially esterified in the following order: fructose > glucose > sucrose, depending on the enzyme preparation. For fructose no influence was found concerning de acyl donor and similar rates were achieved for all tested fatty acids. Ester synthesis was maximized for substrates containing fructose, lauric or oleic acids, t-butanol and lipase from porcine pancreas immobilized on polysiloxane-polyvinyl alcohol particles. Under such conditions molar conversions were higher than 50%.

Keywords: lipase; carbohydrate; esters.


 

 

INTRODUÇÃO

As mais diversas reações orgânicas (esterificações, inter-esterificações, trans-esterificações e hidrólises) podem ser efetuadas por rotas de síntese empregando catalisador químico ou bioquímico1. Por meio da biocatálise grandes melhorias de processo podem ser obtidas, principalmente em relação aos custos operacionais (tempo de reação, gasto de energia, mão-de-obra)2. Por esta razão, é cada vez mais crescente o interesse da aplicação de catalisadores bioquímicos em síntese orgânica2. Entre esses, especial atenção tem sido dedicada às enzimas lipolíticas, em função de sua alta atividade catalítica exibida em diversos meios orgânicos, catalisando a transferência de grupos acila de compostos doadores para uma ampla faixa de compostos aceptores diferentes da água1-3.

As lipases têm sido utilizadas em uma variedade de segmentos biotecnológicos, como em indústrias de alimentos (desenvolvimento de aromas e maturação de queijos), de detergentes, farmacológicas (síntese de naxopreno e ibuprofeno), agroquímica (inseticidas e pesticidas) e oleoquímica (hidrólise de óleos e gorduras, síntese de biossurfactantes)3-6.

Dentre os possíveis processos catalisados pelas lipases em meio orgânico, a síntese de ésteres apresenta-se como uma vertente bastante promissora, em função da importância de inúmeros ésteres na vida cotidiana7. Produtos naturais, tais como triglicerídeos, fosfolipídeos, esteróides, aromatizantes e fragrâncias, apresentam em comum uma ligação éster, apesar das diferentes propriedades físicas e diversas estruturas químicas que possuem6-8.

Industrialmente, a esterificação empregando a lipase foi comercializada pela Unichema International para produção de ésteres de ácidos graxos com alto grau de pureza e qualidade, como o miristato de isopropila, palmitato de isopropila e palmitato de 2-etil hexila, que são ingredientes empregados na formulação de cremes cosméticos e outros produtos de higiene. O processo permite a recuperação da preparação enzimática e sua reutilização em bateladas subseqüentes7.

Uma outra aplicação importante desta tecnologia é a produção de ésteres aromatizantes, principalmente para uso em diversos produtos alimentícios, farmacêuticos e cosméticos8-11. A síntese enzimática destes compostos, em solventes orgânicos, é mais específica e viável que a produção química a partir de vegetais, porque independe de estação, clima e variação geográfica e não requer grandes quantidades de matéria-prima. O mercado mundial para esses compostos está avaliado em US$ 3 bilhões, um montante que representa aproximadamente um quarto do valor do mercado de aditivos alimentares9. Além disso, quando preparados por processos enzimáticos podem ser caracterizados como naturais ou idênticos ao natural, sendo, portanto, preferidos pelo mercado consumidor10.

Outro campo de aplicação importante desta tecnologia é a produção de ésteres de ácidos graxos e açúcares, que apresentam larga aplicação como emulsificantes em alimentos, cosméticos e produtos farmacêuticos12-14. Além de seu efeito conservante, ésteres de carboidratos e ácidos graxos têm sido associados como agentes antitumor e inibidores do crescimento de plantas. Os ésteres de açúcares são moléculas anfifílicas que apresentam, na mesma estrutura, uma parte apolar (hidrofóbica) e uma parte polar (hidrofílica)15. Em função disso, os surfactantes tendem a se distribuir nas interfaces entre fases fluidas com diferentes graus de polaridade (óleo/água e água/óleo) formando um filme molecular, que reduz as tensões interfacial e superficial, atribuindo propriedades únicas aos surfactantes, tais como detergência, emulsificação, lubrificação, capacidade espumante, capacidade molhante, solubilização e dispersão de fases15.

O processo é baseado na esterificação de carboidratos (glicose, frutose, sacarose e sorbitol) com ácidos graxos (esteárico, oléico e linoléico) usando lipases de diferentes fontes12-14. Entretanto, a esterificação direta de açúcares com ácidos graxos por lipases é um procedimento bastante complexo, devido à baixa solubilidade dos açúcares em meios orgânicos13. Conversões elevadas têm sido reportadas usando piridina como solvente, no entanto, esse tipo de solvente é incompatível com aplicações em aditivos alimentares. Outras soluções são baseadas no uso de açúcares protegidos, que requerem etapas adicionais de síntese13,15.

Nos últimos anos, diferentes técnicas foram aperfeiçoadas ou desenvolvidas para estudo e otimização de biotransformações16, como, por ex., imobilização da enzima, modificação enzimática por engenharia genética ou via interação não-covalente "imprinting", reincubação do produto ou do substrato, modificação do substrato, mapeamento do sítio ativo, estudo da variação do solvente "solvent engineering" e estudo da variação dos doadores acila em reações de síntese16. Destas, a técnica que utiliza o estudo da variação do solvente é a que apresenta menor custo, maior flexibilidade e velocidade na execução2.

Neste contexto, o objetivo deste trabalho é determinar a influência da polaridade e natureza do solvente, bem como o tipo de carboidrato e tamanho da cadeia do doador do grupo acila na condução de reações de síntese de ésteres de açúcares de ácidos graxos.

 

PARTE EXPERIMENTAL

Materiais

Como catalisadores foram utilizadas preparações comerciais de lipase imobilizada (Lipozyme e Novozym 435) fornecidas pela Novozymes (Araucária, PR), lipase microbiana de Candida rugosa–LCR (Tipo VII, Sigma) na forma livre e imobilizada em sílica de porosidade controlada (SPC)17 e lipase de pâncreas de porco-LPP (Tipo II, Sigma) na forma livre e imobilizada em partículas de polisiloxano-álcool polivinílico (POS-PVA)18. Ambas preparações de lipase imobilizadas foram obtidas na presença do agente estabilizante polietilenoglicol (MM-1500). A determinação das atividades lipolíticas dessas preparações foi efetuada pelo método de hidrólise do azeite de oliva19 (Tabela 1). Como carboidratos foram usados frutose - grau analítico, glicose–Química Moderna ou sacarose – grau comercial e ácido graxo (láurico, palmítico-Merck ou oléico-Reagen) dissolvidos em diferentes solventes orgânicos (heptano, hexano-Reagen ou terc-butanol-Merck). Os substratos foram previamente desidratados com peneira molecular 0,32 cm de diâmetro (Silicato de sódio e alumínio) tipo 13 X-BHD Chemicals.

 

 

Procedimento de síntese de ésteres de açúcares de ácidos graxos

As sínteses foram realizadas em frascos de 50 mL contendo misturas adequadas de carboidrato (frutose, glicose, ou sacarose) e ácido graxo (láurico, palmítico ou oléico) dissolvidos em diferentes solventes orgânicos (heptano, hexano ou terc-butanol) e diferentes preparações de lipase livre e imobilizada, em uma proporção de 5 e 10% (m/m) em relação à massa total dos reagentes, respectivamente. As reações foram conduzidas em uma temperatura de 38 ± 2 °C, por um período mínimo de 24 h em banho termostatizado com agitação (Modelo 145, Marconi). O progresso da síntese foi acompanhado pela retirada de alíquotas (1 mL), ao longo da reação e quantificado o teor de ácido graxo.

Teor de ácido graxo

A concentração de ácido graxo foi determinada por titulação de alíquotas dissolvidas em 10 mL de etanol p.a. (98°GL, Comercial), empregando-se solução alcoólica de KOH 0,02N (Merck) e fenolftaleína como indicador20, utilizando bureta digital de 50 mL (Hirshmann Techcolor). A conversão do substrato foi expressa em porcentagem molar do ácido graxo consumido, empregando-se a Equação 1.

em que Co = concentração inicial do ácido graxo e C = concentração do ácido graxo em um determinado tempo.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Influência do solvente

A seleção do solvente orgânico é um fator importante na catálise enzimática em meio não aquoso, devido à interferência direta do solvente na atividade, estabilidade e especificidade da enzima2,21. Os solventes menos nocivos às enzimas são os mais hidrofóbicos, por não interagirem significativamente com a água necessária à enzima22. Solventes hidrofílicos tendem a retirar a água essencial da camada protéica, levando à perda da atividade enzimática. As enzimas, quando em suspensão em solventes hidrofóbicos, requerem substancialmente uma menor quantidade de água para manutenção de sua atividade em comparação às enzimas suspensas em solventes hidrofílicos2,21.

Neste trabalho, adotando o sistema reacional constituído de ácido oléico/frutose e lipase imobilizada (Lipozyme), foi inicialmente verificada a influência do solvente na formação de oleato de frutose. As reações de esterificação foram efetuadas com frutose e ácido oléico em uma razão molar (1:3) empregando os solventes heptano, hexano ou terc-butanol. O meio reacional foi incubado com 0,25 g de Lipozyme por um período máximo de 48 h (Tabela 2). Em função do bom desempenho apresentado pela Lipozyme como amplamente divulgado na literatura22, esta preparação foi selecionada para efetuar esses testes iniciais.

 

 

Conversões molares mais elevadas (11,7%) foram obtidas quando se utilizou heptano como solvente. Terc-butanol forneceu uma conversão molar de 9,4%, enquanto que na presença de hexano não foi observada reação. A utilização do hexano acarretou um aumento na concentração inicial do ácido oléico, provavelmente devido à elevada evaporação desse solvente, mesmo em sistemas fechados na temperatura de 37 ºC.

Para verificar uma eventual interferência da evaporação dos solventes no rendimento de reação foram realizados testes para determinar a taxa de evaporação para cada solvente testado, empregando uma massa de 0,25 g de Lipozyme previamente desnaturada. O biocatalisador inativo foi adicionado ao sistema contendo frutose, ácido oléico e solvente, nas mesmas condições usadas nas reações de esterificação, sendo determinada a perda de massa em intervalos de 24 h e concentração de ácido graxo ao final do período total de ensaio. Os experimentos foram realizados em duplicata e foi considerado o solvente como único composto que sofreu evaporação. Os resultados obtidos são mostrados na Tabela 2 e confirmam que, nas condições utilizadas, a maior taxa de evaporação (0,22 g solvente/h) foi constatada para substratos preparados com o solvente hexano. As taxas de evaporação dos solventes heptano e terc-butanol foram similares.

Entre os solventes testados, terc-butanol foi selecionado para realização dos testes subseqüentes, pois permitiu a solubilização parcial dos materiais de partida (açúcares) sendo, ao mesmo tempo, atóxico e compatível com a atividade enzimática.

Seleção da preparação de lipase

Nesta série de experimentos foram testadas as diferentes preparações enzimáticas, adotando-se o sistema reacional frutose, ácido oléico e terc-butanol. Os resultados obtidos estão mostrados na Figura 1.

 

 

Entre as lipases imobilizadas disponíveis comercialmente (Lipozyme e Novozym 435), somente a Lipozyme forneceu resultados satisfatórios (conversões molares de até 20%). Esses resultados serviram de parâmetro de comparação com aqueles alcançados pelas preparações de lipase microbiana de Candida rugosa e lipase pancreática nas formas livre e imobilizada.

As lipases (microbiana e pancreática) quando utilizadas em sua forma livre não foram adequadas para catalisar a síntese do oleato de frutose (conversão próxima de zero), confirmando a necessidade de assegurar uma conformação cataliticamente ativa da enzima em solventes orgânicos, por meio de sua insolubilização em suportes sólidos23,24. A imobilização das lipases de Candida rugosa e pancreática nos suportes silica de porosidade controlada e composto híbrido POS-PVA, respectivamente, teve um efeito benéfico na sua estabilidade, em função das interações físicas e químicas entre o suporte e as moléculas da enzima. A imobilização também auxiliou a dispersão homogênea da enzima no meio, o que foi essencial para a condução das reações de síntese22.

Resultados mais promissores foram obtidos com a lipase pancreática imobilizada no suporte híbrido POS-PVA; este derivado forneceu uma conversão molar similar (25,4%) àquela obtida pela Lipozyme (20%), provavelmente devido ao caráter hidrofóbico da matriz de imobilização POS-PVA. Um outro fator que pode ter contribuído para o bom desempenho deste sistema imobilizado pode estar relacionado com a presença do agente estabilizante polietilenoglicol, o qual foi adicionado na etapa de imobilização da lipase no suporte POS-PVA, conforme metodologia anteriormente desenvolvida por Soares et al17. Reações de síntese catalisadas por lipases imobilizadas na presença de PEG têm demonstrado um desempenho consistente e altamente satisfatório23,25,26 devido, provavelmente, às interações hidrofóbicas entre o PEG, a enzima e o suporte.

Considerando que ambos biocatalisadores tiveram desempenhos bastante similares e devido ao elevado custo da Lipozyme22, selecionou-se a lipase pancreática imobilizada em POS-PVA para catalisar as reações de síntese dos ésteres de açúcares.

Influência do carboidrato e ácido graxo no rendimento de esterificação empregando lipase pancreática imobilizada em POS-PVA

Tendo sido selecionado o biocatalisador (lipase pancreática imobilizada em POS-PVA) e o solvente mais adequado para mediar a síntese de ésteres de açúcares, verificou-se a influência das outras variáveis (tipo de carboidrato e ácido graxo) no rendimento da reação. As Figuras 2 a 4 apresentam os perfis das curvas de consumo de cada ácido graxo para os três tipos de carboidratos testados. Na Tabela 3 apresenta-se, para cada par carboidrato e ácido graxo testado, a conversão máxima de ácido graxo obtida.

 

 

 

 

 

 

 

 

De maneira geral, verifica-se que o ácido palmítico promoveu formação do éster para todos os carboidratos testados, sendo que a reação enzimática ocorreu em ordem crescente (frutose > glicose > sacarose). O ácido oléico foi efetivo para formação do oleato de frutose (52,8%) e oleato de glicose (49,8%), com rendimentos bastante similares. Entretanto, não promoveu conversões eficientes para o carboidrato sacarose, alcançando apenas uma conversão da ordem de 4,1%, possivelmente devido ao tamanho da cadeia deste carboidrato provocando, nesse caso particular, um impedimento estérico da enzima.

O ácido láurico apresentou um comportamento similar ao obtido pelo ácido oléico, entretanto apenas o laurato de frutose foi obtido com rendimentos elevados (conversão de 50%). Entre todos os sistemas reacionais testados, o melhor desempenho foi alcançado pelo par frutose e ácido oléico.

Os resultados obtidos no presente trabalho são bastante satisfatórios, quando comparados com aqueles reportados na literatura, conforme mostrado na Tabela 4. Tais resultados podem ser creditados à especificidade da enzima selecionada e ao suporte de imobilização.

 

CONCLUSÕES

A reação de síntese foi maximizada quando se utilizou como solvente terc-butanol, pois permitiu a solubilização parcial dos materiais de partida (carboidratos) sendo, ao mesmo tempo, atóxico e compatível com a atividade enzimática. A influência do tipo de açúcar depende da preparação enzimática utilizada, enquanto a conversão do ácido graxo foi dependente do tipo de carboidrato usado. Conversões mais elevadas foram alcançadas quando se empregou frutose como carboidrato (conversão molar > 44%) independente do tipo de ácido graxo. O sistema constituído de frutose, ácido oléico, terc-butanol e lipase imobilizada em POS-PVA (polisiloxano-álcool polivinílico) foi o mais efetivo na obtenção de ésteres de açúcares.

 

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem os auxílios financeiros recebidos da FAPESP (Processo N º 03/00654-9) e CNPq.

 

REFERÊNCIAS

1. Faber, K., ed. Em Biotransformations in Organic Chemistry: A Textbook; 3rd ed., Springer Produktions-Gesellschaft: Berlin, 1997, cap. 2.        [ Links ]

2. Ayres-Barros, M. R.; Bol. Biotecnol. 2002, 72, 2.        [ Links ]

3. Kazlauskas, R. J.; Bornscheuer, U. T. Em A Multi-Volume Comprehensive Treatise Biotechnology; Rehm, H. J.; Stader, P., eds.; 1998, vol. 8A, p. 38.        [ Links ]

4. Pandey, A.; Benjamin, S.; Soccol, C. R.; Nigam, P.; Krieger, N.; Soccol, V. T.; Biotechnol. Appl. Biochem. 1999, 29, 119.        [ Links ]

5. Saxena, R. K.; Ghosh, P. K.; Gupta, R.; Davidson, W. S.; Bradoo, S.; Gulati, R.; Current Science 1999, 77, 101.        [ Links ]

6. Jaeger, K. E.; Ransak, S.; Koch, H. B.; Ferrato, F.; Dijkstra, B. W.; FEMS Microbiol. Rev. 1994, 15, 29.        [ Links ]

7. Novo Nordisk, Em Catálogo Informativo; 1995, p. 30.        [ Links ]

8. Yahya, A. R. M.; Anderson, W. A.; Moo-Young, M.; Enzyme Microb. Technol. 1998, 23, 438.        [ Links ]

9. Sharma, R.; Chisti, Y.; Banerjee, U. C.; Biotechnol. Advances 2001, 19, 627.        [ Links ]

10. Gatfield, I. L.; Food Sci. Technol. Today 1995, 9, 237.        [ Links ]

11. Gandhi, N. N.; J. Am. Oil Chem. Soc. 1997, 74, 621.        [ Links ]

12. Chamouleau, F.; Coulon, D.; Girardin, M.; Ghoul, M.; J. Mol. Catal. B: Enzym. 2001, 11, 949.        [ Links ]

13. Lotie, R.; Biotechnol. Advances 1997, 15, 1.        [ Links ]

14. Cao, L.; Bornscheuer, U. T.; Schimid, R. D.; J. Mol. Catal. B: Enzym. 1999, 6, 275.        [ Links ]

15. Nitschke, M.; Pastore, G. M.; Quim. Nova 2002, 25, 772.        [ Links ]

16. Costa, V. E. U.; Amorim, H. L. N.; Quim. Nova 1999, 22, 120.        [ Links ]

17. Soares, C. M. F.; Castro, H. F.; Santana, M. H. A.; Zanin, G. M.; Appl. Biochem. Biotechnol. 2002, 98/100, 703.        [ Links ]

18. Bruno, L. M.; Lima Filho, J. L.; Melo, E. H. M.; Castro, H. F.; Appl. Biochem. Biotechnol. 2004, 113/116, 189.        [ Links ]

19. Soares, C. M. F.; Castro, H. F.; Moraes, F. F.; Zanin, G. M.; Appl. Biochem. Biotechnol. 1999, 77/79, 745.        [ Links ]

20. Macedo, G.; Pastore, G. M.; Ciênc. Tecnol. Aliment. 1997, 17, 115.        [ Links ]

21. Laane, C.; Boeren, S.; Vos, K.; Veger, C.; Biotechnol. Bioeng 1987, 30, 81.        [ Links ]

22. Castro, H. F.; Anderson, W. A.; Quim. Nova 1995, 18, 544.        [ Links ]

23. Villeneuve, P.; Muderhwa, J. M.; Graille, J. M.; Haas, M. J.; J. Mol. Catal. B: Enzym. 2000, 9, 11.        [ Links ]

24. Tischer, W.; Kasche, V.; Trends Biotechnol. 1999, 17, 326.        [ Links ]

25. Rocha, J. M. S.; Gil, M. H.; Garcia, F. A. P.; J. Biotechnol. 1998, 66, 61.        [ Links ]

26. Castro, H. F.; Lima, R.; Roberto, I. C.; Biotechnol. Prog. 2001, 17, 1061.        [ Links ]

27. Bagi, K.; Simon, L. M.; Biotechnol. Techniques 1999, 13, 309.        [ Links ]

28. Tsitsimpkou, C.; Daflos, H.; Kolisis, F. N.; J. Mol. Catal. B: Enzym. 1997, 3, 189.        [ Links ]

 

 

Recebido em 21/6/04; aceito em 26/1/05; publicado na web em 30/6/05

 

 

* e-mail: heizir@dequi.faenquil.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License