SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número6Substâncias antifúngicas de Xylaria sp., um fungo endofítico isolado de Palicourea marcgravii (Rubiaceae)Determinação de manganês em material particulado atmosférico de ambientes de trabalho utilizando eletrodo de diamante dopado com boro e voltametria de onda quadrada com redissolução catódica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Química Nova

versão impressa ISSN 0100-4042versão On-line ISSN 1678-7064

Quím. Nova v.28 n.6 São Paulo nov./dez. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422005000600012 

ARTIGO

 

Triterpenóides pentacíclicos das folhas de Terminalia brasiliensis

 

Pentacyclic triterpenoids from the leaves of Terminalia brasiliensis

 

 

Delton Sérvulo Araújo; Mariana H. Chaves*

Departamento de Química, Universidade Federal do Piauí, 64049-550 Teresina - PI

 

 


ABSTRACT

Eleven oleanane, ursane and lupane-type triterpenes were isolated from the leaves of Terminalia brasiliensis Camb, daturadiol (3b,6b-dihydroxy-olean-12-ene), 3b-hydroxy-30-norlupan-20-one, lupenone, b-amyrenone, a-amyrenone, lupeol, b-amyrin, a-amyrin, betulin, erythrodiol and uvaol, in addition to squalene, sitosterol and a-tocopherol. The structures of these compounds were identified by 1H and 13C NMR spectral analysis and comparison with literature data.

Keywords: Terminalia brasiliensis; triterpene; 13C NMR data.


 

 

INTRODUÇÃO

A família Combretaceae é constituída por aproximadamente 600 espécies. Os dois gêneros de maior ocorrência são Combretum e Terminalia, cada um com 250 espécies, sendo extensamente usadas na medicina tradicional da África1.

As plantas do gênero Terminalia são amplamente distribuídas nas áreas tropicais do mundo e conhecidas como uma fonte rica de metabólitos secundários, tais como triterpenóides pentacíclicos e seus derivados glicosilados, flavonóides, taninos e outros compostos aromáticos1,2.

As espécies do gênero Terminalia apresentam diversas atividades farmacológicas reveladas pelos extratos ou substâncias isoladas, tais como antifúngica, antimicrobiana, antioxidante, antidiabética, anti-HIV-1, antimalárica e outras3.

Terminalia brasiliensis Camb. é conhecida popularmente como amêndoa-brava, cerne-amarelo, capitão-do-campo, catinga-de-porco, mussambé, entre outros. Sua utilização é amplamente difundida, sendo usada na medicina popular no tratamento de "barriga inchada e disenteria"; fornece madeira de lei, para construção civil, marcenaria e carpintaria; produz matéria tintorial e a casca é escura e adequada para utilização em curtume4.

Este artigo relata os primeiros resultados do estudo fitoquímico das folhas de um espécimen de T. brasiliensis, descrevendo o isolamento e identificação estrutural de doze triterpenóides, destes, cinco foram obtidos puros: daturadiol [3b,6b-diidroxi-olean-12-eno (1)], 3b-hidroxi-30-norlupan-20-ona (2), lupenona (3c), betulina (5c) e esqualeno (6) e os demais subdivididos em três misturas: a primeira constituída pela b-amirenona (3a), a-amirenona (3b), lupenona (3c); a segunda pela b-amirina (4a), a-amirina (4b) e lupeol (4c) e a terceira pelo eritrodiol (5a), uvaol (5b) e betulina (5c). Além dos triterpenos, foram isolados o sitosterol (7) e o a-tocoferol (8). Os triterpenóides 1 e 2 estão sendo relatados pela primeira vez na família Combretaceae e as substâncias 3a, 3b, 4b, 5a, 5b e 8 no gênero Terminalia.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O fracionamento cromatográfico do material solúvel em metanol, proveniente da fase hexânica do extrato etanólico das folhas, conduziu ao isolamento de 12 triterpenóides, um esteróide e um tocoferol (Figura 1). As substâncias, 3a-3c, 4a-4c, 5a-5c, 6, 7 e 8 são comuns em outras espécies e foram identificadas através da análise dos dados espectrais de RMN 1H e 13C e comparação com os registrados na literatura5-8. Os triterpenóides 1 e 2 foram identificados utilizando também dados dos espectros de RMN 2D.

 

 

O triterpenóide 1, um raro derivado olean-12-eno denominado daturadiol, foi relatado somente nas espécies Datura innoxia Mill. e Datura stramonium L. pertencentes à família Solanaceae e como derivado sintético, no entanto seus dados de RMN 13C não foram descritos9.

O espectro de RMN 1H da substância 1 (Tabela 1) apresentou sete singletos na região entre d 0,80-1,40 referentes aos hidrogênios de grupos metílicos, sendo o sinal em d 0,88 atribuído aos hidrogênios de dois grupos CH3 (H-29 e H-30) e um duplo-dubleto em d 3,17 (1H, J=5 e 10 Hz), característico de hidrogênio carbinólico em triterpenos 3b-OH. O espectro apresentou, ainda, um sinal em d 4,58 com integração correspondente a um hidrogênio, sugerindo a existência de uma segunda hidroxila e um dubleto em d 5,24 (1H, J=3 Hz), característico de hidrogênio olefínico.

 

 

O espectro de RMN 13C BB-1HD de 1 (Tabela 1) mostrou 29 sinais, um com intensidade relativa a dois carbonos (d 17,0) e, pelo espectro DEPT 135º, oito são de carbonos metílicos, nove metilênicos, seis metínicos e sete não-hidrogenados, correspondendo à fórmula molecular C30H50O2. A região de olefinas deste espectro apresentou sinais em d 122,0 (CH) e 144,3 (C), que definiram o esqueleto olean-12-eno5. O sinal em d 79,1 (CH) é característico de C-3 em triterpenóides 3b-OH e o sinal em d 68,7 (CH) sugeriu a localização da segunda hidroxila no C-6, por comparação com os dados do sumaresinolato de metila (3b,6b-diidroxi-olean-28-oato de metila)6.

A atribuição do deslocamento químico de H-5 (m, dH 0,76 ) foi definida no experimento HMQC, pela sua correlação com o sinal em dC 55,6 atribuído a C-5, conforme relatado para a maioria dos triterpenóides pentacíclicos6. As correlações do sinal de H-5 (dH 0, 76) com os sinais em dC 79,1 (C-3), 39,6 (C-4), 68,7 (C-6), 36,4 (C-10) e 27,9 (C-23), entre outras, observadas no espectro HMBC (Tabela 1) confirmaram a localização da segunda hidroxila no C-6.

A configuração b-axial para a segunda hidroxila, ligada a C-6, foi definida pelo sinal em d 4,58 (1H, sl, Wh/2 = 9 Hz), indicativo de hidrogênio a-equatorial e consistente com o relatado na literatura para triterpenóides 6b-substituídos2,9,10. A análise dos dados disponíveis para o triterpenóide 1 permitiu identificá-lo como o 3b,6b-diidroxi-olean-12-eno.

O nortriterpenóide 2 não é de ocorrência comum em plantas, tendo sido relatado em Ricinus cummuni, Euphorbia chamaesyce e Claoxylon polot (Euphorbiaceae), em Carlina corymbosa, Chuquiraga ulicina e Koelpinia linearis (Asteraceae), Salvia roborowskii (Lamiaceae) e no líquen Pseudocyphellaria rubella11,12. Os dados de RMN 13C para a substância 2 encontram-se descritos na literatura, porém devem ser revisados, sobretudo os relatados por Koul et al.12.

o espectro de RMN 1H de 2 (Tabela 2) apresentou padrão caraterístico de triterpenóides 3b-OH, evidenciado pelo duplo-dubleto em d 3,18 (J=4,7 e 11,5 Hz) atribuído ao hidrogênio carbinólico ligado a C-3 e pelos seis singletos entre d 0,70-2,20 correspondentes a hidrogênios de grupos metílicos em carbonos não-hidrogenados, sendo que o sinal em d 0,97 é referente aos hidrogênios de dois grupos CH3 (H-23 e H-27) e o sinal em d 2,15 é característico de metila ligada à carbonila.

 

 

O espectro de RMN 13C BB-1HD de 2 (Tabela 2) apresentou 29 sinais que, pelo espectro DEPT 135º, sete são referentes a carbonos de grupos metílicos, dez metilênicos, seis metínicos e seis não-hidrogenados, correspondendo à fórmula molecular C29H48O2. O sinal em d 78,9 (CH) é referente ao carbono oximetínico (C-3) e o sinal em 212,9 (C) sugeriu uma carbonila em C-20 no esqueleto lupano7, sendo confirmado pelo experimento HMBC no qual o singleto em dH 2,15 (H-29) correlaciona com dC 212,9 (C-20) e 52,6 (C-19). O triplo-dubleto em dH 2,57 (H-19) correlaciona com os sinais em dC 27,7 (C-21) e 212,9 (C-20) e o tripleto em dH 1,82 (H-18) correlaciona com os sinais em dC 52,6 (C-19), 212,9 (C-20) e 18,0 (C-28).

A análise dos dados de RMN 13C e comparação com os descritos na literatura para os triterpenóides lupeol6 e 30-norlupan-20-ona7, utilizados como modelos, permitiu identificar a substância 2 como a 3b-hidroxi-30-norlupan-20-ona.

 

PARTE EXPERIMENTAL

Procedimentos experimentais gerais

Os espectros de RMN 1H e 13C foram obtidos em espectrômetro Brüker modelo Avance DRX-500, operando a 500 MHz (1H) e 125 MHz (13C). As amostras foram preparadas em tubos de 5 mm de diâmetro interno, utilizando CDCl3 (Isotec-INC) como solvente e TMS como padrão interno. As placas cromatográficas foram preparadas utilizando uma mistura de gel de sílica 60 G Vetec e 60 GF254 Fluka (1:1) e as revelações das cromatoplacas foram feitas por borrifamento com solução de sulfato cérico. O critério de pureza adotado para as substâncias isoladas foi a observação de uma única mancha em cromatografia em camada delgada comparativa, em diferentes sistemas de eluentes. As colunas cromatográficas foram feitas à pressão atmosférica utilizando gel de sílica 60 (0,2-0,5 mm) da Merck (7733) e Sephadex LH-20 da Sigma (9041-37-6), sendo este último previamente reciclado quando necessário.

Material vegetal

O material vegetal foi coletado no município de Nazaré do Piauí - PI, Brasil, em agosto de 1998. A identificação foi realizada no Herbário Graziela Barroso - UFPI, onde se encontra depositada uma exsicata da espécie, sob o número 10340.

Isolamento dos constituintes

As folhas de T. brasiliensis (1,3 kg) foram secas, moídas e extraídas por maceração com etanol à temperatura ambiente. O extrato etanólico foi parcialmente concentrado em evaporador rotatório, sob pressão reduzida a um volume de aproximadamente 400 mL, adicionando-se 800 mL de água e, em seguida, extraído com acetato de etila. A fase acetato de etila foi concentrada, dissolvida em 500 mL de uma solução de metanol-água (9:1) e extraída com hexano, fornecendo as fases hexânica e hidroalcoólica (32 g).

A fase hexânica concentrada foi dissolvida em metanol a quente (banho de água a 40 ºC), mantida sob refrigeração por 24 h e filtrada, resultando em duas frações, sendo uma solúvel em hexano (4 g) e outra, solúvel em metanol (4 g). O material solúvel em MeOH foi fracionado através de cromatografia em coluna de gel de sílica, eluída com hexano-AcOEt em gradiente de polaridade crescente, fornecendo 115 frações (125 mL cada) que, depois de concentradas, foram analisadas por CCDC e reunidas em 26 grupos.

Entre as frações eluídas com hexano, o grupo D1 (frações 1-3) foi recromatografado em coluna de Sephadex LH-20 com hexano-diclorometano (1:4) e forneceu a substância 6 (21 mg).

A fração D9 (554 mg) e os grupos D11 (frações 11-16) e D19 (frações 19-26) foram eluídos com hexano-AcOEt (95:5). D9 foi sucessivamente recromatografada em coluna de Sephadex LH-20 com hexano-diclorometano (1:4) fornecendo 8 (21 mg) e a fração D9-6. Esta última foi recromatografada em coluna de gel de sílica com hexano-diclorometano em ordem crescente de polaridade fornecendo 3c e a mistura dos triterpenóides 3a, 3b e 3c. Os grupos D19 e D11 foram recristalizados, o primeiro em metanol e o segundo em hexano, fornecendo, respectivamente, a substância 7 (47 mg) e 300 mg da mistura de 4a, 4b e 4c.

Os grupos D40 (frações 40-44) e D45 (frações 45-47) foram eluídos com hexano-AcOEt (9:1). D40 foi suspenso em hexano originando um sólido que, separado por filtração, forneceu a substância 5c (22 mg) e o sobrenadante foi recromatografado em coluna de Sephadex LH-20, eluído com hexano-diclorometano (1:4), fornecendo 1 (6 mg). O grupo D45 foi recromatografado em coluna de Sephadex LH-20 eluído com hexano-diclorometano (1:4), fornecendo 2 (7 mg) e 9 mg da mistura de 5a, 5b e 5c.

As substâncias isoladas foram identificadas por espectrometria de RMN 1H e 13C e seus dados mostraram-se de acordo com os descritos na literatura. Para os triterpenóides 1 e 2 foram utilizados modelos e dados dos experimentos bidimensionais (HMQC e HMBC).

 

CONCLUSÃO

O fracionamento do material solúvel em MeOH, proveniente da partição do extrato EtOH de folhas, através de colunas de gel de sílica e de Sephadex LH-20, conduziu ao isolamento de 12 triterpenóides. Com exceção do esqualeno, todos são pentacíclicos de esqueletos tipo lupano, oleanano e ursano. O componente majoritário das três misturas ternárias de triterpenos é de esqueleto lupano. Este padrão de misturas ternárias não foi observado em nenhuma espécie do gênero Terminalia.

O triterpenóide 3b,6b-diidroxi-olean-12-eno (daturadiol) e o nortriterpenóide 3b-hidroxi-30-norlupan-20-ona são inéditos na família Combretaceae. O primeiro encontra-se relatado somente em Solanaceae e o segundo em Euphorbiaceae, Asteraceae e Lamiaceae, bem como no líquen Pseudocyphellaria rubella.

 

AGRADECIMENTOS

Ao CNPq e à CAPES pela bolsa de mestrado (D. S. Araújo) e apoio financeiro (PROCAD Nº 0014/01-0), à Dra. G. M. Sousa do Herbário Graziela Barroso, UFPI, pela coleta e identificação do material botânico, ao Centro Nordestino de Aplicação e Uso da Ressonância Magnética Nuclear (CENAUREMN-UFC) pela execução dos espectros.

 

REFERÊNCIAS

1. Katerere, D. R.; Gray, A. I.; Nash, R. J.; Waigh, R. D.; Phytochemistry 2003, 63, 81;         [ Links ]Saleem, A.; Husheem, M.; Härkönen, P.; Pihlaja, K.; J. Ethnopharmacol. 2002, 81, 327.        [ Links ]

2. Garcez, F. R.; Garcez, W. S.; Miguel, D. L. S.; Serea, A. A. T.; Prado, F. C.; J. Braz. Chem. Soc. 2003, 14, 461.        [ Links ]

3. Carpano, S. M.; Spegazzini, E. D.; Rossi, J. S.; Castro, M. T.; Debenedetti, S. L.; Fitoterapia 2003, 74, 294;         [ Links ]Khan, M. R.; Kihara, M.; Omoloso, A. D.; Fitoterapia 2002, 73, 737;         [ Links ]Mau, J.-L.; Ko, P.-T.; Chyau, C.-C.; Food Res. Int. 2003, 36, 97;         [ Links ]Rao, B. K.; Sudarshan, P. R.; Rajasekhar, M. D.; Nagaraju, N.; Rao, C. A.; J. Ethnopharmacol. 2003, 85, 169;         [ Links ]Valsaraj, R.; Pushpangadan, P.; Smitt, U. W.; Adsersen, A.; Christensen, S. B.; Sittie, A.; Nyman, U.; Nielsen, C.; Olsen, C. E.; J. Nat. Prod. 1997, 60, 739.        [ Links ]

4. Corrêa, M. P.; Dicionário das Plantas Úteis do Brasil, Impressa Nacional: Rio de Janeiro, 1974, vol. 5, p. 195.        [ Links ]

5. Olea, R. S. G.; Roque, N. F.; Quim. Nova 1990, 13, 278.        [ Links ]

6. Mahato, S. B.; Kundu, A. P.; Phytochemistry 1994, 37, 1517.        [ Links ]

7. Wenkert, E.; Baddeley, G. V.; Burfitt, I. R.; Moreno, L. N.; Org. Magn. Reson. 1978, 11, 337.        [ Links ]

8. Núñez, C. V.; Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Brasil, 1996;         [ Links ]Breitmaier, E.; Voelter, W.; Carbon-13 NMR spectroscopy: high-resolution methods and applications in Organic Chemistry and Biochemistry, 3rd ed., VCH: New York, 1987, p. 327;         [ Links ]Matsuo, M.; Urano, S.; Tetrahedron 1976, 32, 229;         [ Links ]Pauletti, P. M.; Araújo, A. R.; Bolzani, V. S.; Quim. Nova 2002, 25, 349.        [ Links ]

9. Kocor, M.; Pyrek, J. S.; Atal, C. K.; Bedi, K. L.; Sharma, B. R.; J. Org. Chem. 1973, 38, 3685;         [ Links ]Itoh, T.; Tamura, T.; Matsumoto, T.; Phytochemistry 1977, 16, 1723;         [ Links ]Tori, M.; Takai, M.; Matsumoto, Y.; Moriyama, Y.; Tsuyuki, T.; Takahashi, T.; Ohnishi, H.; Itai, A.; Iitaka, Y.; Bull. Chem. Soc. Jpn. 1984, 57, 2490.        [ Links ]

10. Ngounou, F. N.; Lontsi, D.; Sondengam, B. L.; Phytochemistry 1988, 27, 301.        [ Links ]

11. Thompson, M. J.; Bowers, W. S.; Phytochemistry 1968, 7, 845;         [ Links ]Hui, W. H.; Li, M. M.; Lee, Y. C.; Phytochemistry 1977, 16, 607;         [ Links ]Flagg, M. L.; Valcic, S.; Montenegro, G.; Gomez, M.; Timmermann, B. N.; Phytochemistry 1999, 52, 1345;         [ Links ]Tanaka, R.; Ida, T.; Takaoka, Y.; Kita, S.; Kamisako, W.; Matsunagat, S.; Phytochemistry 1994, 36, 129;         [ Links ]Corbett, R. E.; Cong, A. N. T.; Holland, P. T.; Wilkins, A. L.; Aust. J. Chem. 1987, 40, 461.        [ Links ]

12. Li, Y.; Wu, Y.-Q.; Shi, Y.-P.; Pharmazie 2003, 58, 937;         [ Links ]Koul, S.; Razdan, T. K.; Andotra, C. S.; Kalla, A. K.; Koul, S.; Taneja, S. C.; Dhar, K. L.; Phytochemistry 2000, 53, 305.        [ Links ]

 

 

Recebido em 8/9/04; aceito em 15/2/05; publicado na web em 10/8/05

 

 

* e-mail: mariana@ufpi.br

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons