SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número1Estudo da adsorção de surfactante catiônico na matriz inorgânica fosfato de nióbio hidratado índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Química Nova

versão impressa ISSN 0100-4042versão On-line ISSN 1678-7064

Quím. Nova v.32 n.1 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000100001 

EDITORIAL

 

QUALIS: Quo Vadis?

 

 

O Brasil possui o sistema de pesquisa e pós-graduação mais amplo e consolidado da América Latina e Caribe e muito do sucesso deste sistema pode ser creditado à implantação da avaliação dos cursos de pós-graduação pela CAPES e dos Comitês Assessores no CNPq, ambos na década de 1970. Desde então, o processo de avaliação nestas agências passou por várias reformulações, sempre sobre a ótica do aperfeiçoamento.

Em 1998 a CAPES introduziu o Aplicativo Qualis: "Uma lista de veículos utilizados para a divulgação da produção intelectual dos programas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado), classificados quanto ao âmbito de circulação (Local, Nacional, Internacional) e à qualidade (A, B, C), por área de avaliação. A Capes utiliza o Qualis para fundamentar o processo de avaliação do Sistema Nacional de Pós-Graduação".1 Durante a avaliação trienal 2005-2007 o Qualis foi alterado e vários Periódicos tiveram a sua posição modificada. Recentemente, em pleno período de coleta de informações visando o triênio 2008-2010, a coordenação da área de Química divulgou novas mudanças no sistema QUALIS2 com a introdução de duas categorias no nível A, cinco no nível B e atribuindo ao estrato C o valor zero. Os objetivos das mudanças são relevantes: aperfeiçoar o sistema de avaliação e permitir a comparabilidade entre as diferentes áreas.

Em novembro de 2008, o Fórum de Coordenadores de Pós-graduação em Química reuniu-se em Ribeirão Preto, SP, com uma agenda que incluía a discussão da avaliação dos cursos. Após dois dias de trabalho, divulgou uma moção que se opõe à nova classificação anunciada pela CAPES: "O Fórum de Pós-Graduação, após uma longa e aprofundada discussão, considerou inadequada a nova proposta para o Qualis e refuta os valores percentuais de 20 e 50% para os estratos A1 + A2 e A1 + A2 + B1, respectivamente. A aplicação desses percentuais faz com que vários periódicos importantes sejam excluídos dos estratos superiores, afetando diferentes subáreas tradicionais e de importância histórica e estratégica para a pesquisa em Química no Brasil, pois em alguns casos não existem periódicos que atingem tais fatores de impacto. Além disso, impedem que publicações como o Journal of the Brazilian Chemical Society, a Química Nova e os Anais da Academia Brasileira de Ciências reflitam seu importante papel como suporte para a divulgação dos trabalhos científicos na área de Química no país e no exterior. É de extrema importância levar em consideração o papel estratégico que esses periódicos representam para a inserção da pesquisa no cenário nacional e internacional". Em resumo, os avaliados, que contribuem diuturnamente para o aperfeiçoamento do sistema e realmente fazem a pesquisa e a pós-graduação refutam o Qualis divulgado!

Um aplicativo como o QUALIS, para ser de uso abrangente necessita ter por princípio o uso de múltiplos critérios para a classificação dos periódicos e não o uso de um critério único como o FI (fator de impacto).3 A comunidade acadêmica sabe muito bem que indicadores tipo FI ou fator h4 refletem a visibilidade e a inserção internacional de um periódico/artigo/pesquisador, além da sua qualidade ou impacto. Por isso mesmo, um analista brasileiro usou recentemente a expressão "favor de impacto".6 Considerando-se uma área especifica como a Química, a comparabilidade entre os periódicos utilizando o FI incorre em sérios desvios. Por exemplo, o periódico Inorganic Chemistry dificilmente apresentará um FI maior do que Analytical Chemistry, o que não significa que não haja artigos de excelente qualidade, nas duas disciplinas. Simplesmente, a visibilidade das inovações metodológicas analíticas em outras disciplinas é maior do que a da química inorgânica. O mesmo pode ser observado ao se comparar Atmospheric Environment e Environment Science and Technology, ou ainda comparar periódicos que publicam revisões com os que publicam resultados originais de pesquisa científica. São inúmeros, dentro e fora da Química os exemplos em que a visibilidade é o maior fator de distinção entre periódicos, e não a qualidade ou o impacto.

Como comparar o papel exercido nas comunidades local e internacional pelo Journal of the American Chemical Society, criado há 130 anos com o do Journal of the Brazilian Chemical Society criado há 20 anos? Certamente que não será através dos respectivos FI! Por outro lado, qual das duas revistas deve ser o objetivo de ações estratégicas que a valorize e dessa forma valorize a ciência brasileira? Qual delas tem maior possibilidade de veicular informação científica séria e importante para as estratégias de desenvolvimento brasileiro, mas pouco relevante para estratégias e desenvolvimento econômicos dos países centrais?

A divulgação de resultados de pesquisa cientifica é cada vez mais uma atividade empresarial de grandes conglomerados editoriais que recebem a informação sem custo, utilizam a avaliação por pares, também sem custo, e comercializam a informação a preços cada vez mais elevados. Supervalorizar o FI e/ou o fator h é também uma forma de supervalorizar estes conglomerados. São raros os exemplos como o da Sociedade Brasileira de Química que disponibiliza os seus periódicos na internet sem qualquer custo; e o da CAPES que mantém o portal de periódicos com livre acesso ao sistema de pós-graduação, contribuindo de forma significativa para a inclusão científica e tecnológica.

Atualmente, a disseminação da divulgação em meio eletrônico e o crescente aperfeiçoamento dos sistemas de busca estão permitindo o acesso a qualquer tipo de publicação em meio eletrônico e em qualquer língua ou formato. A atual revolução na mídia de difusão do conhecimento científico fatalmente inviabilizará ou exigirá a reconstrução de indicadores como FI e h. É o momento de olhar a frente e de desenvolver novos indicadores.

Avaliar não é, nem nunca foi uma atividade simples. Especialmente, porque a avaliação pertence ao avaliado e não ao avaliador. Contabilizar indicadores é um processo simples, mas qualificá-los é um processo complexo e que exige equilíbrio, parâmetros e regras bem (e previamente) definidas. Na noite, um enxame de vagalumes brilha mais do que um solitário farol. Entretanto, o farol nos ensina o caminho! O aplicativo Qualis é uma boa ferramenta para auxiliar o sistema de avaliação. Entretanto, nos dez anos de uso ele tem sido mudado para não mudar... Ou seja, o "sarrafo" muda de posição, mas a lógica da avaliação continua a mesma, exacerbando a importância de um dos aspectos da pós-graduação e subjugando a relevância sob indicadores erigidos em critérios finais e únicos. Os(as) colegas que hoje estão engajados no processo de avaliação deveriam considerar atentamente a mensagem dos avaliados e refletir sobre o significado de cada instrumento utilizado. Neste momento, a pergunta que não cala é: Qualis, Quo Vadis?

 

Jailson B. de Andrade - UFBA
Fernando Galembeck - UNICAMP

 

Referências

1. http://www.capes.gov.br/avaliacao/qualis, acessada em Janeiro 2009.         [ Links ]

2. Dupont, J.; Dias, L. C.; Quim. Nova 2008, 31, 1283.         [ Links ]

3. Pinto, A. C.;de Andrade, J. B.;Quim. Nova 1999, 22, 448.         [ Links ]

4. Hirsch, J. E.; Proc. Natl. Acad. Sciences 2005, 102, 16569.         [ Links ]

5. de Andrade, J. B.; J. Braz. Chem. Soc. 2009, 20, 3.         [ Links ]

6. Leite, M.; JC e-mail 3644, 18/11/2008.        [ Links ]

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons