SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número2Vanadium-modified molecular sieves: preparation, characterization and catalysisA system for detection of volatile antioxidant commonly emitted from spices and medicinal herbs índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Química Nova

versão On-line ISSN 1678-7064

Quím. Nova vol.32 no.2 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000200034 

REVISÃO

 

Reações de organocatálise com aminas quirais. Aspectos mecanísticos e aplicações em síntese orgânica

 

Organocatalysis reactions with chiral amines. Mechanistic aspects and use on organic synthesis

 

 

Giovanni W. Amarante; Fernando Coelho*

Departamento de Química Orgânica, Instituto de Química, Universidade Estadual de Campinas, CP 6154, 13084-971 Campinas - SP, Brasil

 

 


ABSTRACT

The philosophy of organocatalysis is based on the utilization of organic compounds to catalyze organic transformations without the intervention of metals. This area has attracted much attention of the synthetic chemistry community on the last years, which can be confirmed by the explosion of published papers dealing with this subject. Phosphorus compounds, urea and thiourea derivatives, alkaloids, guanidine derivatives, for example, have already been used as organocatalysts. In this review we have focused on the use of chiral amines as organocatalyst. We have also chosen some outstanding examples to demonstrate the potentiality of this strategy in the synthesis of natural products and biologically active compounds.

Keywords: organocatalysis; amines; asymmetric synthesis.


 

 

INTRODUÇÃO

A organocatálise por definição consiste em um processo no qual moléculas orgânicas, de baixo peso molecular (compostas normalmente por C, H, O, N, S e P), catalisam reações orgânicas, sem necessitar da presença de qualquer traço de metal.1 Em especial, na síntese assimétrica, essa forma de catálise se apresenta como uma poderosa ferramenta para a preparação de substâncias complexas de forma seletiva.

Os primeiros relatos de uma transformação enantiosseletiva baseada nesse conceito foram descritos nos anos 70, em trabalhos independentes, por Hajos e Parrish1 e por Eder, Sauer e Wiechert (Esquema 1).2 Esses autores descreveram uma reação de anelação de Robinson assimétrica da cetona 1 catalisada pela (S)-prolina 2 levando à enona 3. Apesar dos bons resultados obtidos, tanto em rendimento quanto em excesso enantiomérico, essa transformação ficou esquecida na literatura por 30 anos.

 

 

Esse esquecimento talvez seja devido ao grande interesse despertado, no início dos anos 80, pelas reações catalisadas por metais.2 No início dos anos 2000 essa estratégia foi revisitada por Barbas III e List que, baseados em estudos realizados na década de 90 sobre a atuação de aldolases e anticorpos na biossíntese de carboidratos, relataram os primeiros exemplos de produtos de adição aldólica provenientes de uma reação intermolecular catalisada pela prolina.2 A partir deste marco, vários grupos de pesquisa se debruçaram com mais atenção sobre essa estratégica de catálise e nos últimos anos novos catalisadores, que atuam de diversas maneiras, em diferentes reações, vêm sendo desenvolvidos.3 O interesse pela organocatálise deve-se principalmente a algumas vantagens, tais como a baixa toxicidade dos produtos químicos empregados, a baixa sensibilidade dos catalisadores à presença de oxigênio atmosférico, a simplicidade operacional e o baixo custo da maioria dos catalisadores de origem natural ou sintética.3,4 Além disso, os produtos oriundos de reações catalisadas por compostos orgânicos, por não apresentarem contaminação por metal, despertam o interesse da indústria farmacêutica, de perfumes e fragrâncias e da indústria química em geral. O interesse da comunidade química no assunto pode ser facilmente comprovado pela explosão recente de publicações que tratam do tema. Uma consulta no SciFinder utilizando organocatalysis como palavra chave mostra a evolução desse tema nos últimos anos (Figura 1).5

 

 

Várias substâncias orgânicas vêm sendo desenvolvidas com o objetivo de serem utilizadas como organocatalisadores. Derivados de fósforo, guanididinas, uréias, alcalóides, entre outras, vêm sendo utilizados com sucesso em inúmeras transformações químicas.

Nessa revisão a nossa atenção está focada na utilização de aminas quirais como organocatalisadores. A nossa escolha baseia-se no fato de que muitas aminas são produtos naturais abundantes ou podem ser sintetizadas com alguma facilidade. Além disso, e principalmente, fornecem os produtos desejados com excelente grau de estereosseletividade. Abordaremos algumas das principais reações catalisadas por aminas quirais, principalmente por aminas secundárias cíclicas, cinchonas e derivados, dando ênfase às reações de formação de ligações C-C, dentre elas a reação de adição aldólica, de Mannich, adições conjugadas, cicloadições, alquilações, reação de Morita-Baylis-Hillman e, ainda, alguns exemplos de reações dominó. Serão discutidos também detalhes mecanísticos e aplicações em síntese orgânica, utilizando exemplos que cobrem a literatura entre os anos de 2000 a 2008.

 

ORGANOCATÁLISE COM AMINAS QUIRAIS: PRINCIPAIS REAÇÕES

Reação aldol

A reação aldol é uma das reações mais utilizadas em química orgânica para a formação de novas ligações carbono-carbono. A primeira reação aldol enantiosseletiva, utilizando aminas quirais, foi descrita na década de 70 (Esquema 1).1,2 Essa reação levou à formação de cetonas bicíclicas quirais, que foram utilizadas como substratos para a síntese de produtos naturais complexos.6

Devido à relevância destes resultados, Parish e Eder propuseram dois mecanismos distintos para racionalizar a estereosseletividade obtida no processo.1,2 A primeira proposta envolve a adição nucleofílica da prolina 2 na cetona 1 e a subseqüente formação de um enol, que pode assumir um arranjo espacial cíclico estabilizado por ligações de hidrogênio (Figura 2).

 

 

Alternativamente, os autores avaliaram uma outra proposta na qual um intermediário enamina atuaria como nucleófilo na formação da ligação C-C, com concomitante transferência de hidrogênio para a ligação (N-H··O), conduzindo a um derivado enamínio no estado de transição (Figura 3).

 

 

Apesar dessas propostas explicarem os resultados obtidos, Agami e colaboradores sugeriram uma terceira alternativa na qual duas moléculas de prolina 2 participam do estado de transição dessa reação. A proposta de Agami baseou-se em estudos cinéticos de efeitos não-lineares, que evidenciaram que a reação se processava com uma cinética de segunda ordem com relação à prolina (Figura 4).7

 

 

Essas três propostas mecanísticas ficaram sem contestação até final da década de 90 quando List e Barbas III demonstraram, pela primeira vez, que a catálise com prolina 2 também podia ser aplicada em versões intermoleculares das reações aldólicas.2,8 Esses pesquisadores foram encorajados a otimizar esses resultados, devido ao interesse prévio do grupo de Barbas III em compreender o mecanismo biológico das enzimas aldolases comparado ao uso da prolina.9 Assim, List e Barbas III descreveram a síntese dos produtos de condensação aldólica (4-8), obtidos por reações entre aldeídos e cetonas, alifáticas e aromáticas, catalisados pela (S)-prolina 2 (Esquema 2).2,8

 

 

Diante dos resultados obtidos, List e Barbas III propuseram um novo mecanismo para essa transformação, como alternativa àqueles propostos por Parrish-Eder e Agami. Neste mecanismo é ressaltada a presença da enamina intermediária 10, proveniente do ion imínio 9, atuando como nucleófilo. Além disso, pode-se notar a atuação da prolina como co-catalisador, devido à presença da porção ácido carboxílico que age como ácido de Brönsted realizando uma ligação de hidrogênio entre a carbonila do aldeído e o grupo carboxila da prolina, estabilizando o estado de transição 11 (Figura 5). A eficiência da prolina como catalisador pôde ser comprovada em experimentos variando o tamanho do anel com outras aminas quirais cíclicas. Constatou-se que os melhores resultados eram obtidos com anel de cinco membros (prolina) devido a maior reatividade da enamina intermediária.

 

 

Posteriormente, List e Houk realizaram estudos cinéticos e cálculos teóricos para sustentar esta proposta mecanística.10 Os dados de cinética foram obtidos de experimentos utilizando água enriquecida com 18O. Esses estudos evidenciaram a participação da água no mecanismo e a comprovação dessa observação foi feita através de CG-EM, que permitiu a interceptação e caracterização dos intermediários da reação marcados com o isótopo 18O.

Cálculos teóricos realizados por Houk e colaboradores em nível B3LYP/6-31G(d) corroboraram a proposta mecanística de List e Barbas III (Figura 5).11 Os resultados mostraram uma maior estabilidade do estado de transição do tipo Zimmerman-Traxler de nove membros de 11, apresentando-se como o de menor energia em relação àqueles discutidos por Eder-Parrish e Agami. A partir dos dados de cálculos foi possível também justificar a estereoquímica da reação, já que inúmeras aproximações foram analisadas, porém, aquela onde o aldeído se aproxima com o substituinte em posição pseudoequatorial da enamina (E) se mostrou o arranjo de menor energia (Figura 6). Esta aproximação conduz ao produto de adição aldólica 1,2-anti majoritariamente e os resultados são condizentes com os dados experimentais obtidos (Esquema 2, composto 7).

 

 

Barbas III e colaboradores ainda realizaram um experimento de RMN 1H para complementar os estudos mecanísticos,12 onde foi avaliada a reação entre isobutiraldeído em presença de uma pirrolidina e ácido acético. Quando o aldeído foi adicionado a uma solução de pirrolidina e ácido acético em DMSO-d6, observou-se, após 5 min, o aparecimento de um sinal de absorção em 5,56 ppm, correspondente ao hidrogênio da enamina intermediária (Esquema 3).

 

 

Todos estes resultados publicados pelos grupos de List, Barbas III e Houk sobre o mecanismo da reação aldol impulsionaram vários grupos de pesquisa a desenvolverem novas metodologias e catalisadores. Como exemplo, pode-se citar o grupo de MacMillan que relatou o acoplamento entre aldeídos, até então inédito, em altos excessos diastereo- e enantioméricos (Esquema 4).13 O sucesso dessa metodologia foi garantido com a introdução de uma modificação experimental que consiste na adição lenta do aldeído aceptor (recebe o ataque da enamina) no meio reacional, contornando problemas de reações laterais, tais como, homoacoplamento e reações cruzadas. O método foi estendido para aldeídos aromáticos e alifáticos, cíclicos e acíclicos.

 

 

Diante da importância da geração de centros quaternários em síntese orgânica, Barbas III e colaboradores estudaram reações envolvendo aldeídos α,α-dissubstituídos. Estas reações não se processavam com bons resultados quando catalisadas pela prolina 2.14 Diante dessa limitação, esses autores realizaram uma busca (screening) por outras aminas quirais (Figura 7). Os melhores resultados foram obtidos com a amina 19, utilizando-se como aditivos os ácidos trifluorometanossulfônico e trifluoroacético (TFA).

 

 

Baseados nos resultados obtidos neste estudo, os autores efetuaram a síntese de vários derivados aldol como 20, α,α-dissubstituídos, catalisados pela amina 19, com bons rendimentos e moderados excessos enantioméricos (Esquema 5).

 

 

O mecanismo para essa transformação é semelhante ao proposto para formação dos produtos aldol 1,2-anti, porém no estado de transição do tipo Zimmerman-Traxler de nove membros, a co-catálise observada anteriormente, devido à presença da porção ácida, passa a ser efetuada pelo sal de amônio quaternário formado na presença de TFA (Figura 8).

 

 

Visando desenvolver uma nova metodologia para a preparação de carboidratos, MacMillan e colaboradores descreveram os primeiros exemplos de reações de adição aldólica com α-oxaldeídos catalisadas por (S)-prolina 2.15 Os derivados aldólicos 22 foram obtidos pela dimerização de α-oxaldeídos 21, em altos excessos enantioméricos (Esquema 6). Os melhores resultados foram obtidos com os derivados eteratos e sililados e quando testado o grupo acetato (retirador de elétrons) não se observou a formação do produto almejado, mostrando a sensibilidade do método aos efeitos eletrônicos.

 

 

Em seguida, MacMillan aplicou estes resultados na síntese diastereo- e enantiosseletiva de carboidratos (Esquema 7).16 A substância 22 (R=TIPS) foi então acoplada com um silil enol éter em presença de um ácido de Lewis, seguida de uma ciclização intramolecular para fornecer diferentes açúcares com eficiência e rapidez. Vale ressaltar que feitos os ajustes experimentais, tais como troca de solventes (éter etílico/diclorometano) ou ácido de Lewis, foram obtidos diferentes tipos de carboidratos com altos rendimentos e completo controle da estereoquímica. Esta estratégia simples permitiu a preparação de vários piranosídeos, naturais ou não-naturais, que eram difíceis de serem obtidos através das rotas sintéticas convencionais.

 

 

Enders e Grondal, motivados pelos resultados descritos por MacMillan, exploraram o uso catalítico da prolina frente a α,α'-diidroxicetonas com intuito de preparar compostos poliidroxilados.17 Com base nesta estratégia, os autores relataram a síntese de novos produtos de adição aldólica 24, derivados de dioxanonas 23, em altos excessos diastereo- e enantioméricos (Esquema 8).

 

 

Estes resultados foram empregados posteriormente na síntese de esfingóides que são subunidades de esfingolipídeos, constituintes importantes da membrana celular relacionados com o processo de regulação celular. A metodologia permitiu o acesso a fitoesfingosinas protegidas em altos excessos diastereo- e enantioméricos, além da síntese total da D-arabino-fitoesfingosina 25, produto natural de grande importância fisiológica (Esquema 9).18

 

 

Barbas III e colaboradores, interessados em mapear o funcionamento biológico de aldolases, exploraram também as reações envolvendo diidroxicetonas (dioxanonas) e suas variantes.19

Nesta oportunidade, os autores relataram a síntese do acetonídeo protegido da D-Tagatose 26 e do Higher Carbon Sugar 27, obtidos como únicos diastereoisômeros.19 Esses resultados permitiram a esses autores proporem a (S)-prolina como um mímico funcional da Tagatose aldolase e a (R)-prolina da Tuculose aldolase, enzimas envolvidas na biossíntese desses carboidratos (Esquema 10).

 

 

Tendo em vista a limitação dos métodos catalisados por aminoácidos cíclicos para obtenção de compostos de adição aldólica 1,2-anti, recentemente Barbas III relatou um método elegante para obtenção destes compostos com estereoquímica 1,2-syn.20 A estratégia adotada foi a substituição de aminoácidos cíclicos por acíclicos, uma vez que a formação da enamina (Z) a partir de aminoácidos cíclicos seria desfavorecida por tensão alílica A1,3. Os testes preliminares com cinco catalisadores distintos evidenciaram melhores resultados com os aminoácidos acíclicos 30 e 31 (Figura 9).

 

 

Como podem ser observados no Esquema 11, os resultados são satisfatórios, com altos rendimentos e excessos diastereo- e enantioméricos e constituem os primeiros exemplos de produtos aldol 1,2-syn provenientes de um processo catalisado por aminoácidos. Os melhores resultados foram obtidos em presença de eletrófilos reativos (R2 = grupo retirador de elétrons) e quando uma pequena porção de água foi adicionada à reação.

 

 

O mecanismo para essa transformação é análogo ao proposto para obtenção do produto aldol 1,2-anti, porém neste caso observa-se o favorecimento na formação do intermediário enamina (Z) 39, estabilizado por ligação de hidrogênio e no estado de transição 40 são formadas duas ligações de hidrogênios que contribuem para sua estabilidade (Figuras 10a e b). Estes aspectos podem, a princípio, justificar a estereoquímica observada na obtenção dos produtos de adição aldólica 1,2-syn (33-38).

 

 

Recentemente Barbas III e colaboradores demonstraram a viabilidade desta estratégia, empregando o aminoácido 31 no acoplamento entre aldeídos e diidroxicetonas desprotegidas. Altos excessos enantio- e diastereoisoméricos foram alcançados para os produtos de adição aldólica 1,2-syn (Esquema 12).21

 

 

Outra classe de aminas quirais bastante explorada em reações aldol organocatalisadas são as cinchonas, tanto de origens naturais quanto derivados sintéticos. Em 2006, Deng e colaboradores descreveram um método elegante para obtenção de nitroaldóis (como por exemplo, 43) contendo um centro quaternário, a partir de α-ceto-ésteres 42, empregando como catalisador o derivado benzoilado da cinchona 41 (Esquema 13).22

 

 

Estudos têm sido realizados para elucidar o mecanismo dessa transformação; atualmente acredita-se que o nitrogênio terciário do sistema norbornano presente em 41 esteja atuando como base e a hidroxila da posição 6' atue realizando uma ligação de hidrogênio no estado de transição. Recentemente, o grupo de Zhao, em trabalho independente, relatou uma extensão dessa metodologia para a síntese de α-hidroxifosfonatos.23

A reação de Mannich

A reação de Mannich é um dos primeiros exemplos de uma reação multicomponente descrita na literatura.24 Essa reação envolve a participação de uma substância carbonilada não enolizável, uma segunda substância carbonilada enolizável e uma amina levando à formação de um derivado β-amino carbonilado. Essa reação gera dois novos centros assimétricos. Os primeiros relatos envolvendo a reação de Mannich assimétrica catalisada por aminas quirais surgiram com o advento dos estudos sobre o mecanismo da reação aldol via o intermediário enamina.

List e colaboradores, visando extender o emprego da (S)-prolina 2 como catalisador, decidiram investigar as iminas como substratos e descreveram uma versão da reação de Mannich entre cetonas, aldeídos e p-anisidina.25 As β-ceto-aminas (44-48) foram obtidas com bons excessos diastereo- e enantioméricos e rendimentos de moderados a altos (Esquema 14).

 

 

Concomitantemente, os grupos de Barbas III26 e Hayashi27 explorando essa metodologia, em trabalhos independentes, relataram os primeiros exemplos para reação de Mannich utilizando somente aldeídos. Os produtos 1,2-syn (49-52) foram obtidos com altos rendimentos e excessos diastereo- e enantioméricos (Esquema 15).

 

 

O mecanismo proposto para essa transformação é análogo ao mecanismo para reação aldol, porém pode ser observado que a estereoquímica dos produtos (44-52) 1,2-syn se mostrou contrária aos produtos aldol (1,2-anti). Baseando-se nos resultados experimentais de List, Barbas III e Hayashi, Houk e colaboradores investigaram essa inversão de estereosseletividade entre as reações aldol e Mannich.28 Os estudos evidenciaram que para o estado de transição Mannich a face preferencial para aproximação da enamina (E) é a face si da imina. Neste estado de transição, o grupo PMP (p-metoxifenila) ligado ao nitrogênio da imina posiciona-se distante da pirrolidina, minimizando interações desfavoráveis não-ligantes e facilitando a ligação de hidrogênio N..H-O (Figura 11). Diante disso, o grupo R ligado à imina assume uma posição pseudoaxial, contrária a observada no estado de transição aldol.

 

 

Visto a alta relevância destes resultados tanto para reações de adição aldólica quanto para a reação de Mannich, a metodologia envolvendo o uso de prolina como catalisador foi estendido para a formação de novas ligações C-N e C-O, utilizando como eletrófilos azodicarboxilatos e nitrosobenzeno. Estes sistemas fornecem produtos de reações de α-aminação29 e α-oxiaminação30 assimétricas, respectivamente. A formação desses produtos foi racionalizada, assumindo um estado de transição cíclico do tipo Zimmerman-Traxler (sem metal) semelhante ao mostrado para as reações de adição aldólica e Mannich (Figura 12).

 

 

É interessante notar que no estado de transição que conduz ao produto de oxiaminação, a enamina (E) vai reagir com o oxigênio do grupo nitroso e esta seletividade foi associada à maior basicidade do nitrogênio que está comprometido na formação da ligação de hidrogênio.

Recentemente, List31 e Córdova32 descreveram um protocolo para a reação de Mannich substituindo o grupo N-PMP por N-Boc, uma vez que o primeiro requer condições fortemente oxidativas para a sua remoção, resultando em baixos rendimentos. Esta metodologia permitiu o acesso rápido a α,β-alquil-β-amino-ácidos, tal como, 54 com altos rendimentos e excessos diastereo- e enantioméricos, sendo as etapas de oxidação e remoção do Boc, realizadas em 96 e 97% de rendimentos, respectivamente (Esquema 16).

 

 

O grupo de Jorgensen explorando também a reação de Mannich assimétrica descreveu a síntese de novos derivados de aminoácidos 55a-c contendo um centro quaternário.33 Utilizaram um acoplamento entre cetiminas 56 e isobutiraldeído, catalisado pela diamina quiral 19. Os derivados de aminoácidos 55a-c foram obtidos com altos rendimentos e bons excessos diastereo- e enantioméricos (Esquema 17).

 

 

Os aminoácidos não proteinogênicos derivados de 55 são alvos de grande importância em sistemas biológicos, devido a maior resistência destes tipos de aminoácidos à degradação metabólica, quando comparada com aqueles que possuem centros terciários. Além disso, apresentam uma boa atividade inibora de aldose redutases, sendo, portanto, potenciais protótipos para o desenho de novos fármacos para o tratamento de diabetes.34

O mecanismo para essa transformação difere do proposto para reação de Mannich, pois a reação se processa em meio neutro, impossibilitando uma ligação de hidrogênio entre o par de elétrons do átomo de nitrogênio da cetimina e o intermediário enamina. Diante disso, uma aproximação antiperiplanar da face si da imina na face si da enamina (E) minimiza repulsões estéreas e explica a estereoquímica dos produtos 55a-c (Figura 13).

 

 

Uma variante da reação de Mannich foi descrita por Barbas III empregando a pirrolidina quiral 57, como catalisador. Neste trabalho, os autores descrevem a síntese das 1,2- e 1,4-diaminas quirais 58 e 60, obtidas pela condensação de enaminas com azidocetonas ou ftalimidocetonas, respectivamente (Esquema 18).35

 

 

As reações onde os substituintes R e R2 são derivados arila exigiram longos tempos reacionais (16-120 h), devido à estabilização por conjugação da enamina nucleofílica com o grupo arila. Ainda, grupos R1 maiores também acarretaram queda na reatividade por questões de impedimento estéreo. Uma simples hidrogenação de 58 (R1 = Ph, R2 = CO2Et) na presença de Pd/C conduziu a um composto quiral 1,2-diaminado 59 de grande importância biológica, como por exemplo, na síntese de complexos derivados do agente anti-tumoral cisplatina. Os azidocompostos quirais 58 podem ser vistos também como substratos interessantes para diversificação em reações Click.36 Já o derivado de 60 (R= CO2Et) pode ser transformado na hidroxiornitina, um fungicida de origem natural, através de uma reação de redução seletiva.

O mecanismo para obtenção dos azidocompostos 58 passa por um estado de transição semelhante ao proposto por List e Houk (Figura 12). Particularmente, a desprotonação na posição α-azido e conseqüente formação da enamina mais substituída são favorecidas também pela estabilização por ressonância com o grupo azido. Já a formação das 1,4-diaminas 60 passa por um estado de transição 61, onde a enamina formada preferencialmente é a menos substituída, por questão de impedimento estéreo (Figura 14). A regioespecificidade do processo foi controlada pelo substituinte em posição α, no caso, azido (1,2-diaminas) ou ftalimido (1,4-diaminas).

 

 

Hayashi e colaboradores publicaram uma extensão desta metodologia empregando como catalisador um derivado oxigenado de 57 (Esquemas 18 e 19). Essa modificação permitiu que as reações fossem realizadas na presença de água e sem adição de solvente orgânico. Os produtos desta reação de Mannich foram obtidos em altos excessos enantio- e diastereoisoméricos e com excelentes rendimentos (Esquema 19).37

 

 

Empregando como catalisadores os derivados 63a-b do alcalóide cinchona, Deng e colaboradores desenvolveram um método que permitiu a síntese de alquil e aril β-aminoácidos protegidos 66, utilizando aldeídos alifáticos e aromáticos (Esquema 20).38 As alquil iminas 65 foram preparadas in situ a partir de α-amido-sulfonas 64. Este novo protocolo permitiu a obtenção de 66 com altos excessos enantioméricos para os dois enantiômeros, dependendo do catalisador utilizado 63a ou 63b. A instabilidade no manuseio de 65 está associada à facilidade com que essas iminas sofrem tautomerização espontânea, sendo inviável o seu isolamento.

 

 

Reações de adição de Michael, cicloadições [4 + 2] e adição 1,3-dipolar

Não só a reação de adição aldólica foi alvo para as estratégias de organocatálise introduzidas por List e Barbas III. Outras reações orgânicas, tais como, as adições conjugadas, cicloadições e adições 1,3-dipolar também foram alvos dessa estratégia e os resultados obtidos vêm sendo publicados concomitantemente. No caso das reações de cicloadição, os resultados pioneiros foram relatados por MacMillan, que utilizou um catalisador quiral, derivado de imidazolidinona, em reações de Diels-Alder, adições 1,3-dipolar e em adições conjugadas.39

Antes de discutirmos os recentes avanços envolvendo estas reações, faz-se necessária uma análise prévia da dupla reatividade de sistemas carbonilados frente a aminas secundárias cíclicas. Conforme visto para as reações de adição aldólica e Mannich, um intermediário enamina é formado na reação, atuando como nucleófilo. Em sistemas carbonilados α,β-insaturados um intermediário imínio se forma preferencialmente, favorecendo aproximações de nucleófilos e reações pericíclicas. Esta dupla reatividade pode ser compreendida em termos dos orbitais moleculares de fronteira (Figura 15).

 

 

Uma análise do diagrama qualitativo de energia evidencia que na formação da enamina a partir de um sistema carbonilado, os orbitais moleculares de fronteira sofrem um aumento de energia por indução do nitrogênio alquilado. Em contraste, os orbitais H.O.M.O (Orbital Molecular Ocupado de mais alta Energia) e L.U.M.O (Orbital Molecular Desocupado de mais baixa energia) do composto carbonilado α,β-insaturado diminuem em energia com a formação do imínio, uma vez que o nitrogênio nesta condição está deficiente eletronicamente. Sendo assim, a enamina reage preferencialmente como nucleófilo com o H.O.M.O de maior energia e o íon imínio como eletrófilo com o L.U.M.O de menor energia.40

Jorgensen, explorando a reatividade do íon imínio em adições conjugadas, relatou os primeiros exemplos de adição de malonatos, como 67, a enonas α,β-insaturadas, como 68, catalisada pela imidazolidina 71 (Esquema 21).41 Esta metodologia permitiu o acesso a γ-ceto-ésteres 69 em bons rendimentos (58-99%) e excessos enantioméricos (77-99%). Nesta oportunidade, diferentes grupos R1 foram testados e os melhores resultados foram aqueles utilizando derivados arila, contendo grupos doadores ou retiradores de elétrons.

 

 

O mecanismo para essa transformação se processa através da formação do íon imínio intermediário 70, onde a face re da enona é a preferencial para a aproximação do malonato, uma vez que é a face oposta aos grupos volumosos presentes na pirrolidina. Os produtos γ-ceto-ésteres 69 foram empregados em sínteses totais, como por exemplo, na preparação enantiosseletiva da tetraidroquinolina.

A construção de centros quaternários de forma enantiosseletiva é alvo de intensas pesquisas em organocatálise, conforme visto para as reações de adição aldólica e Mannich. Em adições conjugadas pode-se citar o grupo de Bartoli, que descreveu um método muito elegante para a síntese de moléculas altamente funcionalizadas contendo dois centros estereogênicos, sendo que um deles é quaternário e substituído apenas por carbonos.42

Esta metodologia consiste na adição conjugada estereosseletiva de substâncias 1,3-dicarbonilados, tais como 72, a maleimida 73, catalisada pelos alcalóides da classe das cinchonas (74a-b), que são classificados como pseudoenantiômeros (Esquema 22). O uso destes alcalóides permitiu o acesso às duas formas enantioméricas de 75.

 

 

Os produtos de adição 75 foram preparados com bons rendimentos e com alto controle da estereoquímica. Estudos cinéticos indicaram que a reação é de primeira ordem com relação aos reagentes e, além disso, modificações na estrutura do catalisador mostraram que a hidroxila secundária é fundamental para as altas seletividades, pois pode estar envolvida em ligação de hidrogênio no estado de transição.

Um exemplo em escala de multigramas foi efetuado e o aduto de adição 76 foi obtido com uma alta pureza ótica, seguida de uma redução quimiosseletiva para fornecer 77 com três centros estereogênicos consecutivos (Esquema 23). Feitos os ajustes experimentais, esse exemplo mostra o potencial em adotar métodos organocatalisados na indústria farmacêutica para a preparação de fármacos de maior complexidade, cuja estrutura contenha centros quirais.

 

 

Os nitroalcenos vêm sendo bastante explorados como substratos para adições conjugadas, principalmente devido à alta reatividade dessas substâncias como eletrófilos. O grupo de Connon,43 além de outros,44 relatou recentemente a adição enantiosseletiva de aldeídos e cetonas a alquil e aril nitroalcenos, conduzindo aos respectivos aldeídos 78 e às cetonas do tipo 79. A catálise foi efetuada pela diamina 80, sendo o primeiro exemplo de um derivado de cinchona 80 atuando como intermediário enamina em reações de Michael organocatalisadas (Esquema 24).

 

 

A metodologia mostrou-se bastante tolerante a vários grupos alquila e arila e uma seletividade syn foi observada na formação dos produtos, sendo a configuração (S, S) obtida para cetonas e (R, R) para aldeídos (Esquema 24, compostos 81 e 82). Para justificar a inversão na estereoquímica frente aos substratos foram propostos dois estados de transição (83 e 84), onde o intermediário enamina (E) se aproxima preferencialmente pelas faces re e si do nitrocomposto, respectivamente (Figura 16). Este arranjo minimiza interações estéreas entre os resíduos alquílicos e os substituintes do catalisador.

 

 

A adição de ácido benzóico como co-catalisador foi fundamental para a eficiência das reações, pois a ligação de hidrogênio formada entre o nitrogênio do sal quaternário de amônio e o grupo nitro de certa forma impediu a polimerização dos substratos nitroolefínicos, observada sem a adição do ácido.

Os catalisadores baseados em derivados de tiouréia também são utilizados intensamente em pesquisas envolvendo as reações de adições tipo Michael.45 Recentemente, Tsogoeva descreveu a síntese enantiosseletiva de γ-nitrocetonas 85 a partir de cetonas, catalisada por um derivado quiral de tiouréia 86 (Esquema 25).46

 

 

A proposta mecanística para esta transformação está apresentada no Esquema 26 e consiste na formação da enamina 87, proveniente de um ataque nucleofílico da amina primária do catalisador no aldeído. O derivado nitro é ancorado no catalisador através de ligações de hidrogênio envolvendo um oxigênio e os dois hidrogênios acídicos da tiouréia, facilitando a aproximação preferencial pela face si do derivado nitro que justifica a estereoquímica do produto 85.

 

 

A conformação que permitiria uma aproximação pela face re do nitrocomposto é de maior energia, devido à repulsão eletrônica entre o oxigênio do grupo nitro e o resíduo fenila. Essa proposta mecanística foi suportada por cálculos teóricos, que indicaram a complexação por apenas um oxigênio do grupo nitro, e por espectrometria de massas com ionização por electrospray, que permitiu a interceptação e caracterização dos intermediários A e B.

As reações de cicloadição organocatalisadas também assumem posição de destaque entre as reações de formação de novas ligações C-C e metodologias baseadas em catálise utilizando-se moléculas orgânicas foram desenvolvidas simultaneamente com as reações de adição aldólica, Mannich e adições conjugadas.

MacMillan, explorando a reatividade dos íons imínio, descreveu um método utilizando como catalisador a imidazolidinona 88, para obtenção enantiosseletiva de adutos endo 89 (Esquema 27).39

 

 

Esses resultados estimularam o desenvolvimento de uma nova imidazolidinona 90 baseada em 88. Esse novo catalisador foi considerado como sendo de "segunda geração". MacMillan utilizou essa nova imidazolidinona para relatar os primeiros exemplos de reações de Diels-Alder intramolecular organocatalisadas.47 Esta versão forneceu os cicloadutos 92 em altas seletividades (> 20:1 endo/exo, 92-97% ee) gerando quatro centros estereogênicos, simultaneamente (Esquema 28).

 

 

O sucesso desta metodologia deve-se à formação do intermediário imínio 91, que provoca uma diminuição de energia do LUMO do dienófilo facilitando a reação com o dieno e, à reversibilidade na formação do íon imínio.

A origem da estereosseletividade neste processo pode ser explicada basicamente por dois aspectos: altos níveis de controle na geometria do íon imínio 91, o isômero E é formado para evitar interações desfavoráveis entre a olefina e o grupo terc-butila e, os grupos benzila e terc-butila presentes na estrutura do catalisador bloqueiam a face si do substrato olefina, expondo a face re para a reação.

Essa metodologia foi aplicada em síntese total, como por exemplo, na síntese da Solanapirona D 93, um metabólito de origem marinha. A síntese foi descrita em seis etapas a partir do cicloaduto 94, sendo que todos os centros estereogênicos contidos na estrutura do produto natural foram criados e controlados na etapa de cicloadição (Esquema 29). Em uma abordagem anterior, o composto Solanapirona D 93 foi obtido em 19 etapas.48 Na estratégia descrita por MacMillan, utilizando uma reação de Diels-Alder organocatalítica, a síntese foi finalizada em 7 etapas.

 

 

Visando demonstrar a aplicabilidade da imidazolidinona 90 como catalisador para reação de Diles-Alder, MacMillan empregou-a em estudos que tinham como objetivo a preparação de anéis superiores. Dessa forma, a síntese estereosseletiva do composto 94 foi realizada utilizando uma reação de Diels-Alder intramolecular com substrato tipo II (Esquema 30).47 Esta metodologia permitiu o acesso a anéis complexos, com alto controle da estereoquímica.

 

 

Jorgensen também explorou reações de cicloadição empregando um organocatalisador. A pirrolidina quiral 95 foi utilizada como catalisador em uma reação Hetero-Diels-Alder (HDA) enantiosseletiva com demanda inversa de elétrons.49 Cicloadutos, tais como 96, foram preparados em bons rendimentos e altos excessos enantioméricos (Esquema 31).

 

 

Um ciclo catalítico foi proposto para essa transformação (Figura 17). Inicialmente observa-se a formação da enamina A que, por indução do nitrogênio terciário, deixa a olefina (dienófilo) rica em elétrons para reagir com o dieno eletrodeficiente B. O aduto formado sofre uma hidrólise em presença de sílica, regenerando o catalisador 95, que volta a atuar no ciclo catalítico.

 

 

Segundo os autores, a estereoquímica observada na formação dos produtos foi justificada pelo estado de transição apresentado na Figura 18. A seletividade é governada pelos substituintes arila da enamina que bloqueiam a face si do alceno, permitindo a aproximação do dieno pela face re.

 

 

A reação de cicloadição 1,3-dipolar é uma estratégia bastante utilizada para síntese de heterociclos. Recentemente, o grupo de Nevalainen propôs a síntese enantiosseletiva de heterociclos utilizando a pirrolidina modificada 97 como catalisador.50 Neste trabalho, os cicloadutos 98 foram obtidos a partir da condensação entre aldeídos α,β-insaturados e nitronas, em altas enantiosseletividades (Esquema 32).

 

 

Diante da estereosseletividade obtida experimentalmente foi proposta uma aproximação pela face si de um intermediário imínio (E) como sendo de menor energia e isto se deve ao fato das fenilas e o substituinte sililado do imínio se posicionarem de modo a bloquear a aproximação da nitrona pela face re.

Alquilações

Assim como as reações do tipo aldol, Mannich, adições cojugadas e cicloadições, as reações de alquilação são também utilizadas como estratégia para a criação de uma nova ligação C-C. Sendo assim, organocatalisadores também vêm sendo utilizados nessas reações, com o intuito de se obter compostos quirais com altas seletividades.

Baseado no conceito de ativação por íon imínio, MacMillan e colaboradores relataram um método elegante para a alquilação enantiosseletiva de indóis, empregando a imidazolidinona 90 como catalisador e TFA (ácido trifluoroacético) como co-catalisador.51 Nesta estratégia os produtos de alquilação foram obtidos em altos rendimentos e excessos enantioméricos. Uma aplicação direta desta metodologia foi descrita na síntese enantiosseletiva de um potente inibidor de COX-2, que foi executada com 87% de ee e 82% de rendimento para duas etapas (Esquema 33).

 

 

Recentemente, MacMillan estendeu o uso deste catalisador para alquilação seletiva de aldeídos, ainda restrita na literatura. O sucesso da metodogia deve-se a um novo conceito de catálise baseado em uma ativação via S.O.M.O (Orbital Molecular de Mais Alta Energia Ocupado por um elétron) (Figura 19).52

 

 

O catalisador 90 em presença de um meio oxidante permitiu a obtenção de α-alquil-aldeídos quirais em altos rendimentos e excessos enantioméricos (Esquema 34). Esta metodologia foi ainda estendida para α-heteroarilação, ciclização de olefinas e α-vinilação de aldeídos.53

 

 

Reação de Morita-Baylis-Hillman (MBH): desenvolvimento de versões assimétricas

A reação de Morita-Baylis-Hillman (MBH), conhecida desde 1968,54 também está incluída na classe de reações utilizadas na formação de uma nova ligação carbono-carbono. Essa transformação apresenta uma das maiores eficiências de átomos entre as reações orgânicas conhecidas na atualidade, além de ser um exemplo de uma reação organocatalítica. Essa reação que consiste em uma condensação entre carbonos eletrofílicos de uma substância carbonilada (geralmente, um aldeído) e a posição α de uma olefina ativada (derivado acrílico) por grupos retiradores de elétrons, catalisada por uma amina terciária ou fosfina, leva à formação de uma nova ligação σ C-C em um produto altamente funcionalizado, de grande potencialidade sintética (Esquema 35).55

 

 

O mecanismo mais aceito para as reações de MBH envolve quatro etapas (Esquema 36).56 Na primeira, ocorre uma adição de Michael do catalisador (amina terciária I ou fosfina) ao sistema α,β-insaturado II, gerando o zwitterion III. A condensação aldólica entre III e o aldeído IV gera o alcóxido V, que sofre uma transferência de próton, fornecendo o enolato VI. Neste estágio, a decomposição deste intermediário gera o produto β-hidroxi-α-metileno carbonilado VII, com regeneração do catalisador I.

 

 

Esforços vêm sendo realizados visando o desenvolvimento de uma versão assimétrica geral para essa reação. Quatro estratégias vêem sendo exploradas com sucesso relativo: uso de um acrilato quiral, uso de um aldeído quiral, uso do meio reacional quiral ou, então, o uso de uma base (amina ou fosfina) quiral. Dessas quatro possíveis abordagens somente aquela que utiliza uma base quiral é que tem dado os melhores resultados.

Em se tratando do uso de aminas quirais, Drewes57 e Markó,58 em trabalhos independentes, relataram resultados promissores. Esses autores evidenciaram que a presença de um grupo OH livre na estrutura de catalisadores derivados de aminas quirais estabiliza o intermediário oxi-ânion V (Esquema 36), sendo crucial para indução assimétrica. A partir desse precedente, o grupo de Hatakeyama descreveu um método elegante para a preparação de adutos de MBH, como 102, em altas enantiosseletividades.59 A metodologia consistiu no emprego da β-isocupreidina (β-ICD) 100, proveniente da quinidina 74a, no acoplamento entre o alceno ativado 101 e aldeídos, alifáticos e aromáticos (Esquema 37).

 

 

O mecanismo proposto para essa reação evidencia a importância da hidroxila da posição 6' da β-ICD no processo catalítico, além de explicar a estereoquímica dos adutos 102 (Esquema 38).

 

 

Segundo o mecanismo proposto, ocorre inicialmente uma adição de Michael da β-ICD no alceno ativado 101 para fornecer os enolatos (E/Z) representados por A. Estes enolatos reagem com o aldeído (RCHO) para formar uma mistura complexa de diastereoisômeros cujos intermediários mais estáveis estão representados por B e C, que são estabilizados por ligação de hidrogênio intramolecular entre o oxi-ânion e o OH da posição 6' da β-ICD. Além disso, estas duas conformações B e C possuem requisitos estereoeletrônicos para subseqüentes reações E2 ou E1cb. Entretanto, a conformação C sofre severas interações estéreas entre o éster e o grupo R, representado em D, dificultando a eliminação. Este efeito proporciona uma reação entre C e outra molécula de aldeído para formação da dioxanona 103. Por outro lado, a conformação B sofre rápida eliminação para conduzir ao aduto de MBH 102. Pelo mecanismo pode-se perceber também que todos os intermediários coexistem em equilíbrio, caracterizando este método como uma resolução química. Essa metodologia só funciona com o acrilato ativado 101. Com outros acrilatos a seletividade obtida foi muito baixa. A possibilidade de se utilizar um único acrilato é uma severa limitação para a utilização geral dessa metodologia.

Uma abordagem mais moderna e diferente das quatro mais comumente utilizadas no desenvolvimento de versões assimétricas para a reação de Morita-Baylis-Hillman foi descrita recentemente por Reetz.60 Estes autores utilizaram, pela primeira vez, enzimas para catalisar essa reação. Os resultados preliminares mostraram baixas porcentagens de conversão e de enantiosseletividades, porém a relevância destes estudos está relacionada com a abertura de novas perspectivas para testes de outras enzimas e planejamento de novos catalisadores à base de moléculas orgânicas (Esquema 39).

 

 

Reações dominó

As reações dominó organocatalisadas surgiram com o advento da organocatálise principalmente no que diz respeito aos aspectos mecanísticos, como por exemplo, a dupla reatividade das aminas secundárias, ora atuando como intermediário tipo enamina, ora como íon imínio, permitindo promover vários tipos de reações através de diferentes modos de atuação.

Em sua maioria, as reações dominó são caracterizadas por mimetizar processos biológicos. Essa característica é responsável pela grande versatilidade destas reações em síntese, já que, de maneira geral, economizam no número de etapas necessárias para a preparação de esqueletos complexos, bem como na purificação de intermediários. A eficiência de um processo dominó está relacionada com o número de novas ligações C-C formadas, centros estereogênicos e complexibilidade molecular.61

Barbas III e colaboradores, explorando reações dominó organocatalisadas, descreveram um método bastante elegante para a preparação de anéis espiro, empregando uma reação assimétrica dominó Knoevenagel/Diels-Alder. Substâncias espiro, como 106, foram obtidas em altos rendimentos e excessos enantioméricos, a partir da enona 104, aldeídos variados e o ácido de Meldrum 105 (Esquema 40).62

 

 

Analisando esta reação multicomponente observamos que, inicialmente, ocorre uma reação de Knoevenagel entre o aldeído e o ácido de Meldrum 105 para formar a olefina 108. Em uma segunda etapa, a amina quiral 107 ativa a enona 104 na forma de enamina 109 que promove a reação de Diels-Alder. Os produtos espiro 106 são obtidos após hidrólise e liberação do catalisador para atuar em um novo ciclo catalítico.

Baseado em dados de cristalografia de raios-X e em cálculos teóricos (AM1) foi proposto um estado de transição para a reação de Diels-Alder que justifica a sua estereosseletividade. Uma aproximação pela face si da olefina se mostrou de menor energia, além da constatação de uma ligação de hidrogênio entre a porção ácido carboxílico e a carbonila do ácido de Meldrum. Esta metodologia foi posteriormente estendida para versões mais elaboradas, utilizando quatro componentes e para reações heterodominó.63

O grupo de Jorgensen, utilizando a imidazolidina 110 como catalisador, descreveu os primeiros exemplos para uma reação de Michael/aldol entre β-ceto-ésteres 111 e cetonas α,β-insaturadas 112.64 Nesta metodologia foram obtidas cicloexanonas opticamente ativas 113 contendo até quatro novos centros estereogênicos, em altas estereosseletividades (Esquema 41).

 

 

A reação se processa com uma reação de Michael intermolecular entre 111 e 112, conduzindo ao intermediário enamina 114 que promove uma reação de adição aldólica intramolecular. A estereosseletividade do processo é assegurada nesta etapa (aldol), onde os substituintes mais volumosos vão ocupar preferencialmente as posições equatoriais e este posicionamento se dá em relação ao centro previamente definido na reação de Michael.

A imidazolidina neste processo atua como ativador imínio/enamina e como base na abstração de próton. Uma extensão desta metodologia foi descrita utilizando-se derivados sulfonil-acetofenonas ao invés de β-ceto-ésteres.65

Recentemente, MacMillan e colaboradores combinando os conceitos de ativação via imínio e enamina, empregaram um catalisador derivado de imidazolidinona para preparar compostos enantiopuros de maior complexidade. Para tal, aldeídos α,β-insaturados foram colocados em presença de um eletrófilo e um nucleófilo para fornecer compostos carbonilados em altos rendimentos e seletividades (Esquema 42).66

 

 

Enders e colaboradores explorando a catálise com pirrolidinas relataram um método eficiente para obtenção de cicloexenos tetra-substituídos.67 Estes compostos foram obtidos a partir de uma reação dominó Michael/Michael/aldol com controle na formação de quatro centros assimétricos consecutivos. A reação ocorreu na presença de três componentes: o aldeído 115, o nitroalceno 116 e o aldeído α,β-insaturado 117 e sob catálise da amina secundária 97. Como resultado desta mistura, os compostos 118 foram obtidos em altas seletividades (Esquema 43).

 

 

O mecanismo para essa reação pode ser visualizado pelo ciclo catalítico (Esquema 44). Inicialmente o catalisador 97 ativa o aldeído 115 na forma de enamina que se adiciona seletivamente ao nitrocomposto 116. O produto da condensação ao sofrer hidrólise conduz ao intermediário 119. Em seguida, o aldeído 117 é ativado na forma do seu íon imínio, que sofre então uma adição de Michael seletiva do intermediário 119. O resultado desse acoplamento é a enamina 120 que, através de uma reação de adição aldólica intramolecular, gera o imínio 121. Este, após sofrer uma hidrólise, conduz ao produto 118, liberando a pirrolidina 97 para atuar em um novo ciclo catalítico.

 

 

A quimiosseletividade do processo é justificada pela maior reatividade de nitroalcenos em relação a aldeídos α,β-insaturados, em adições de Michael. Deste modo, a enamina formada na primeira etapa do ciclo catalítico reage mais rapidamente com o nitrocomposto 116 comparado ao aldeído 117. Além disso, pode-se observar que o produto final 118 também é um aldeído α,β-insaturado, porém, por questões de impedimento estéreo o aldeído 117 reage preferencialmente via imínio.

O alto controle da estereoquímica deve-se inicialmente à primeira adição de Michael, a qual se processa com excelentes diastereo- e enantiosseletividades. Na etapa seguinte esta seletividade é mantida ou enriquecida devido à interação estérea favorável entre os intermediários imínio, formado pela reação entre o aldeído 117, o catalisador 97 e o aldeído 119.

Visando estender o escopo dessa reação, Enders substituiu o substituinte R1 do aldeído 115 por um dieno conjugado, com o objetivo de realizar uma versão dominó, que incluía agora uma reação de cicloadição [4+2] intramolecular.68 Nas condições experimentais iniciais o produto de cicloadição foi isolado em quantidades mínimas, porém com a introdução de um ácido de Lewis (Me2AlCl) os cicloadutos 122a-b foram obtidos em rendimentos comparados e em altas seletividades (Esquema 45). Esta metodologia permitiu a síntese de moléculas cíclicas de alta complexidade, contendo até oito centros estereogênicos.

 

 

De posse dos dados de RMN e de cristalografia de raios-X foi possível propor estados de transição que justificam o completo controle da estereoquímica na formação dos produtos 122a-b (Figura 20). Uma análise da proposta dos estados de transição mostra que uma aproximação endo é favorecida em ambos os casos (n = 0 ou 1), pois minimiza interações não-ligantes entre os grupos fenila e nitro.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS E PERSPECTIVAS

Desde o seu ressurgimento em 2000, a organocatálise vem se mostrando como uma alternativa eficiente para as reações catalisadas por metais, na preparação de biomoléculas, fármacos e produtos naturais complexos. Em poucos anos de estudos foi possível mimetizar processos enzimáticos com a síntese de substâncias de ocorrência natural, como por exemplo, os carboidratos.

Os catalisadores utilizados são de baixo custo, disponíveis comercialmente ou facilmente preparados em ambas as formas enantioméricas. Além disso, a ausência de um metal como centro catalítico evita completamente o problema tecnológico causado pela purificação de produtos farmacoquímicos contaminados com traços de metais.69 Além do mais, a ausência de um metal responde pela baixa toxicidade associada aos processos organocatalisados. Em sua maioria, as reações organocatalisadas não requerem atmosferas inertes, solventes anidros e altas temperaturas (existem vários exemplos, nos quais as reações são efetuadas a temperatura ambiente).

Apesar da grande versatilidade das reações catalisadas por moléculas orgânicas, ainda existem alguns desafios a serem contornados. A maioria das reações descrita até o presente momento utiliza grande quantidade de catalisador, algo em torno de 10 a 20 mol%, que é uma quantidade grande quando comparada com os métodos catalisados, por exemplo, por metais de transição (algumas reações utilizam 0,01 mol%). Essas reações também utilizam solventes orgânicos, o que pode restringir o seu uso como uma alternativa de química sustentada. Apesar desses problemas, que poderão ser contornados em breve, essa forma de catalisar reações orgânicas pode trazer para a nossa realidade diária a mesma eficiência que observamos na catálise enzimática de processos biológicos.

Pelo exposto, as metodologias empregando organocatálise com aminas quirais apresentam enorme potencial para aplicação em processos industriais, na obtenção de fármacos quirais em altos rendimentos e em altas seletividades. Muito provavelmente presenciaremos o desenvolvimento de novas tecnologias baseadas nessa estratégia, que apresenta um enorme campo para crescimento e inovação tecnológica.

 

AGRADECIMENTO

Os autores agradecem ao Prof. L. C. Dias pelas discussões.

 

REFERÊNCIAS

1. Alexakis, A.; Chimia 2007, 61, 212;         [ Links ] Hajos, Z. G.; Parrish, D. R.; J. Org. Chem. 1974, 39, 1615;         [ Links ] Hajos, Z. G.; Parrish, D. R.; Patente Alemã DE 2,102,623, 1978 (CA, 1978, 88, 62529).         [ Links ]

2. Eder, U.; Sauer, G.; Wiechert, R.; Angew. Chem., Int. Ed. 1971, 10, 496;         [ Links ] Eder, U.; Sauer, G.; Wiechert, R.; Patente Alemã DE 2014757, 1971 (CA, 1972, 76, 14180);         [ Links ] Lohray, B. B.; Curr. Science 2001, 81, 1519;         [ Links ] List, B.; Lerner, R. A.; Barbas III, C. F.; J. Am. Chem. Soc. 2000, 122, 2395.         [ Links ]

3. Para revisões em reações organocatalíticas, ver: Dalko, P. I.; Moisan, L.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 5138;         [ Links ] Dondoni, A.; Massi, A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2008, 47, 4638;         [ Links ] Gaunt, M. J.; Johansson, C. C. C.; McNally, A.; Vo, N. T.; DrugDisc. Today 2007, 12, 8;         [ Links ] List, B.; Chem. Rev. 2007, 107, 5413 (número especial inteiramente dedicado à Organocatálise);         [ Links ] Houk, K. N.; List, B.; Acc. Chem. Res. 2004, 37, 487 (número especial inteiramente dedicado à organocatálise assimétrica);         [ Links ] Richmond, J. P.; Adv. Synth. Catal. 2004, 346, 1007 (número especial inteiramente dedicado à organocatálise);         [ Links ] Kocovsky, P.; Malkov, A. V.; Tetrahedron 2006, 62, 243 (número especial inteiramente dedicado ao uso de organocatálise em síntese orgânica).         [ Links ]

4. List, B.; Yang, J. W.; Science 2006, 313, 1584.         [ Links ]

5. SciFinder - www.scifinder.com, acessada em Maio de 2008.         [ Links ]

6. Danishefsky, S. J.; Cain, P.; J. Am. Chem. Soc. 1976, 98, 4975.         [ Links ]

7. Agami, C.; Meynier, F.; Puchot, C.; Guilhem, J.; Pascard, C.; Tetrahedron 1984, 40, 1031.         [ Links ]

8. Notz, W.; List, B.; J. Am. Chem. Soc. 2000, 122, 7386.         [ Links ]

9. Zhong, G.; Hoffman, T.; Lerner, R. A.; Danishefsky, S. J.; Barbas III, C. F.; Angew. Chem., Int. Ed. 1998, 37, 2481;         [ Links ] Zhong, G.; Lerner, R. A.; Barbas III, C. F.; Angew. Chem., Int. Ed. 1999, 38, 3738.         [ Links ]

10. Hoang, L.; Bahmanyar, S.; Houk, K. N.; List, B.; J. Am. Chem. Soc. 2003, 125, 16;         [ Links ] Martin, H.; Bahmanyar, S.; Houk, K. N.; List, B.; J. Am. Chem. Soc. 2003, 125, 2475.         [ Links ]

11. Bahmanyar, S.; Houk, K. N.; J. Am. Chem. Soc. 2001, 123, 11273;         [ Links ] Bahmanyar, S.; Houk, K. N.; J. Am. Chem. Soc. 2001, 123, 12911;         [ Links ] Alleman, C.; Gordillo, R.; Clemente, F. R.; Cheong, P. H-Y.; Houk, K. N.; Acc. Chem. Res. 2004, 37, 558.         [ Links ]

12. Mase, N.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; Org. Lett. 2003, 5, 4369.         [ Links ]

13. Northrup, A. B.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2002, 124, 6798.         [ Links ]

14. Mase, N.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 2420.         [ Links ]

15. Northrup, A. B.; Mangion, I. K.; Hettche, F.; MacMillan, D. W. C.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 2152.         [ Links ]

16. Northrup, A. B.; MacMillan, D. W. C.; Science 2004, 305, 1752.         [ Links ]

17. Enders, D.; Grondal, C.; Angew. Chem., Int. Ed. 2005, 44, 1210.         [ Links ]

18. Enders, D.; Palecek, J.; Grondal, C.; Chem. Commun. 2006, 655.         [ Links ]

19. Suri, J. F.; Mitsumori, S.; Albertshofer, K.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; J. Org. Chem. 2006, 71, 3822.         [ Links ]

20. Ramasastry, S. S. V.; Zhang, H.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; J. Am. Chem. Soc. 2007, 129, 288.         [ Links ]

21. Ramasastry, S. S. V.; Albertshofer, K.; Utsumi, N.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; Angew. Chem., Int. Ed. 2007, 46, 5572.         [ Links ]

22. Li, H.; Wang, B.; Deng, L.; J. Am. Chem. Soc. 2006, 128, 732.         [ Links ]

23. Mandal, T.; Samanta, S.; Zhao, C-G.; Org. Lett. 2007, 9, 943.         [ Links ]

24. Mannich, C.; Krosche, W.; Arch. Pharm. 1912, 250, 647;         [ Links ] Para algumas revisões sobre essa reação veja: Kleinmann, E. F. Em Comprehensive Organic Synthesis; Trost, B. M.; Flemming, I., eds.; Pergamon Press: New York, 1991, vol. 2, chapter 4.1;         [ Links ] Arend, M.; Westermann, B.; Risch, N.; Angew. Chem., Int. Ed. 1998, 37, 1044;         [ Links ] Kobayashi, S.; Ishitani, H.; Chem. Rev. 1999, 99, 1069;         [ Links ] Denmark, S.; Nicaise, O. J.-C. Em Comprehensive Asymmetric Catalysis; Jacobsen, E. N.; Pfaltz, A.;Yamomoto, H., eds.; Springer: Berlin, 1999, vol. 2, p. 93;         [ Links ] Enantioselective Synthesis of α-Amino Acids; Juaristi, E., ed.;Weinheim: Berlin, 1997;         [ Links ] Bergmeier, S. C.; Tetrahedron 2000, 56, 2561;         [ Links ] Córdova, A.; Acc. Chem. Res. 2004, 24, 102;         [ Links ] Pellissier, H.; Tetrahedron 2006, 62, 2143;         [ Links ] Friestad,G. K.; Mathies, A. K.; Tetrahedron 2007, 63, 2541.         [ Links ]

25. List, B.; J. Am. Chem. Soc. 2000, 122, 9336;         [ Links ] List, B.; Pojarliev, P.; Biller, W. T.; Martin, H. J.; J. Am. Chem. Soc. 2002, 124, 827.         [ Links ]

26. Notz, W.; Tanaka, F.; Watanabe, S.; Chowdari, N. S.; Turner, J. M.; Thayumanavan, R.; Barbas III, C. F.; J. Org. Chem. 2003, 68, 9624.         [ Links ]

27. Hayashi, Y.; Tsuboi, W.; Ashimine, I.; Urushima, T.; Shoji, M.; Sakai, K.; Angew. Chem., Int. Ed. 2003, 42, 3677.         [ Links ]

28. Bahmanyar, S.; Houk, K. N.; Org. Lett. 2003, 5, 1249.         [ Links ]

29. Bogevig, A.; Juhl, K.; Kumaragurubaran, N.; Zhuang, W.; Jorgensen, K. A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2002, 41, 1790;         [ Links ] List, B.; J. Am. Chem. Soc. 2002, 124, 5656.         [ Links ]

30. Zhong, G. A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2003, 42, 4247.         [ Links ]

31. Yang, J. W.; Stadler, M.; List, B.; Angew. Chem., Int. Ed. 2007, 46, 609.         [ Links ]

32. Vesely, J.; Rios, R.; Ibrahem, I.; Córdova, A.; Tetrahedron Lett. 2007, 48, 421.         [ Links ]

33. Zhuang, W.; Saaby, S.; Jorgensen, K. A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 4476.         [ Links ]

34. Hotta, N.; Touota, T.; Matsuoka, K.; Shigeta, Y.; Kikkiwa, R.; Kaneko, T.; Takahashi, A.; Sugimura, K.; Koike, Y.; Ishii, J.; Sakamoto, N.; Diabetes Care 2001, 24, 1776.         [ Links ]

35. Chowdari, N. S.; Ahmad, M.; Albertshofer, K.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; Org. Lett. 2006, 8, 2839.         [ Links ]

36. Wu, P.; Feldman, A. K.; Nugent, A. K.; Hawker, C. J.; Scheel, A.; Voit, B.; Pyun, J.; Fréchet, J. M. J.; Sharpless, K. B.; Fokin, V. V.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 3928.         [ Links ]

37. Hayashi, Y.; Urushima, T.; Aratake, S.; Okano, T.; Obi, K.; Org. Lett. 2008, 10, 21.         [ Links ]

38. Song, J.; Shih, H-W.; Deng, L.; Org. Lett. 2007, 9, 603.         [ Links ]

39. Ahrendt, K. A.; Borths, C. J.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2000, 122, 4243;         [ Links ] Jen, W. S.; Wiener, J. J. M.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2000, 122, 9874;         [ Links ] Austin, J. F.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2002, 124, 1172.         [ Links ]

40. List, B.; Chem. Commun. 2006, 819.         [ Links ]

41. Halland, N.; Aburel, P. S.; Jorgensen, K. A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2003, 43, 661.         [ Links ]

42. Bartoli, G.; Bosco, M.; Carlone, A.; Cavalli, A.; Locatelli, M.; Mazzanti, A.; Ricci, P.; Sambri, L.; Melchiorre, P.; Angew. Chem., Int. Ed. 2006, 45, 4966.         [ Links ]

43. McCooey, S. H.; Connon, S. J.; Org. Lett. 2007, 9, 599.         [ Links ]

44. Albertshofer, K.; Thayumanavan, R.; Utsumi, N.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; Tetrahedron Lett. 2007, 48, 693;         [ Links ] Mase, N.; Thayumanavan, R.; Tanaka, F.; Barbas III, C. F.; Org. Lett. 2004, 6, 2527;         [ Links ] Reyes, E.; Vicário, J. L.; Badía, D.; Carrilo, L.; Org. Lett. 2006, 8, 6135;         [ Links ] Xue, D.; Chen, Y-C.; Wang, Q-W.; Cun, L-F.; Zhu, J.; Deng, J-G.; Org. Lett. 2005, 7, 5293;         [ Links ] Wang, J.; Li, H.; Zu, L.; Wang, W.; Org. Lett. 2006, 8, 1391.         [ Links ]

45. Wang, J.; Li, H.; Duan, W.; Zu, L.; Wang, W.; Org. Lett. 2005, 7, 4713;         [ Links ] Cao, Y-J.; Lai, Y-Y.; Wang, X.; Li, Y-J.; Xiao, W-J.; Tetrahedron Lett. 2007, 48, 21;         [ Links ] Tsogoeva, S. B.; Wei, S.; Chem. Commun. 2006, 1451;         [ Links ] Liu, K.; Cui, H-F.; Nie, J.; Dong, K-Y.; Li, X-J.; Ma, J-A.; Org. Lett. 2007, 9, 923.         [ Links ]

46. Wei, S.; Yalalov, D. A.; Tsogoeva, S. B.; Schmatz, S.; Catal. Today 2007, 121, 151.         [ Links ]

47. Wilson, R. M.; Jen, W. S.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2005, 127, 11616.         [ Links ]

48. Hagiwara, H.; Kobayashi, K.; Miya, S.; Hoshi, T.; Suzuki, T.; Ando, M.; Okamoto, T.; Kobayashi, M.; Yamamoto, I.; Ohtsubo, S.; Kato, M.; Uda, H.; J. Org. Chem. 2002, 67, 5969.         [ Links ]

49. Juhl, K.; Jorgensen, K. A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2003, 42, 1498.         [ Links ]

50. Chow, S. S.; Nevalainen, M.; Evans, C. A.; Johannes, C. W.; Tetrahedron Lett. 2007, 48, 277.         [ Links ]

51. Austin, J. F.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2002, 124, 1172.         [ Links ]

52. Beeson, T. D.; Mastracchio, A.; Hong, J-B.; Ashton, K.; MacMillan, D. W. C.; Science 2007, 316, 582;         [ Links ] Jang, H. Y.; Hong, J. B.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2007, 129, 7004.         [ Links ]

53. Kim, H.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2008, 130, 398.         [ Links ]

54. Morita, K.; Suzuki, Z.; Hirose, H.; Bull. Chem. Soc. Jpn. 1968, 41, 2815;         [ Links ] Baylis, A. B.; Hillman, M. E. D.; DE 2155113, 1972 (CA 1972, 77, 434174);         [ Links ] Basavaiah, D.; Rao, P. D.; Hyma, R. S.; Tetrahedron 1996, 52, 8001;         [ Links ] Ciganek, E.; Organic Reactions 1997, vol. 51, cap. 2, p. 201-350;         [ Links ] Almeida, W. P.; Coelho, F.; Quim. Nova 2000, 23, 98;         [ Links ] Basavaiah, D.; Rao, P. D.; Satyanarayana, T.; Chem. Rev. 2003, 103, 811.         [ Links ]

55. Para alguns exemplos do uso de adutos de Morita-Baylis-Hillman na síntese de produtos naturais e fármacos, ver: Amarante, G. W.; Rezende, P.; Cavallaro, M.; Coelho, F.; Tetrahedron Lett. 2008, 49, 3744;         [ Links ] Silveira, G. P. C.; Coelho, F.; Tetrahedron Lett. 2005, 46, 6477;         [ Links ] Coelho, F.; Rossi, R. C.; Tetrahedron Lett. 2002, 43, 2797;         [ Links ] Mateus, C. R.; Coelho, F.; J. Braz. Chem. Soc. 2005, 16, 386;         [ Links ] Masunari, A.; Trazzi, G.; Ishida, E.; Coelho, F.; Almeida, W. P.; Synth. Commun. 2001, 31, 2127;         [ Links ] Almeida, W. P.; Coelho, F.; Tetrahedron Lett. 2003, 44, 937.         [ Links ]

56. Hill, J. S.; Isaacs, N. S.; J. Phys. Org. Chem. 1990, 3, 285;         [ Links ] Silva, L. S.; Pavam, C. H.; Almeida, W. P.; Coelho, F.; Eberlin, M. N.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 4330;         [ Links ] Santos, L. S.; da Silveira Neto, B. A.; Consorti, C. S.; Pavam, C. H.; Almeida, W. P.; Coelho, F.; Eberlin, M. N.; Dupont, J.; J. Phys. Org. Chem. 2006, 19, 731.         [ Links ]

57. Drewes, S. E.; Freese, S. D.; Emslie, N. D.; Roos, G. H. P.; Synth. Commun. 1988, 18, 1565.         [ Links ]

58. Markó, I. E.; Giles, P. R.; Hindley, N. J.; Tetrahedron 1997, 53, 1015.         [ Links ]

59. Iwabuchi, Y.; Nakatani, M.; Yokoyama, N.; Hatakeyama, S.; J. Am. Chem. Soc. 1999, 121, 10219;         [ Links ] Nakano, A.; Kawahara, S.; Akamatsu, S.; Morokuma, K.; Nakatani, M.; Iwabuchi, Y.; Takahashi, K.; Ishihara, J.; Hatakeyama, S.; Tetrahedron 2006, 62, 381.         [ Links ]

60. Reetz, M. T.; Mondière, R.; Carballeira, J. D.; Tetrahedron Lett. 2007, 48, 1679.         [ Links ]

61. Enders, D.; Grondal, C.; Hüttl, M. R. M.; Angew. Chem., Int. Ed. 2007, 46, 1570.         [ Links ]

62. Ramachary, D. B.; Chowdari, N. S.; Barbas III, C. F.; Angew. Chem., Int. Ed. 2003, 42, 4233.         [ Links ]

63. Ramachary, D. B.; Barbas III, C. F.; Chem. Eur. J. 2004, 10, 5323;         [ Links ] Ramachary, D. B.; Anebouselvy, K.; Chowdari, N. S.; Barbas III, C. F.; J. Org. Chem. 2004, 69, 5838.         [ Links ]

64. Halland, N.; Aburel, P. S.; Jorgensen, K. A.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 1272.         [ Links ]

65. Pulkkinen, J.; Aburel, P. S.; Halland, N.; Jorgensen, K. A.; Adv. Synth. Catal. 2004, 346, 1077.         [ Links ]

66. Huang, Y.; Walji, A. M.; Larsen, C. H.; MacMillan, D. W. C.; J. Am. Chem. Soc. 2005, 127, 15051;         [ Links ] Walji, A. M.; MacMillan, D. W. C. Synlett 2007, 1477.         [ Links ]

67. Enders, D.; Hüttl, M. R. M.; Grondal, C.; Raabe, G.; Nature 2006, 441, 861.         [ Links ]

68. Enders, D.; Hüttl, M. R. M.; Runsink, J.; Raabe, G.; Wendt, B.; Angew. Chem., Int. Ed. 2007, 46, 467.         [ Links ]

69. Catalysis of Organic Reactions, 1st ed., Marcel Dekker: New York, 1988, cap. 18.         [ Links ]

 

 

Recebido em 23/6/08; aceito em 26/8/08; publicado na web em 12/2/09

 

 

* e-mail: coelho@iqm.unicamp.br