SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue5Development and application of spectrophotometric method for the determination of cefaclor in pharmaceutical formulationsValidation of methodology for the simultaneous determination of synthetic antioxidants in vegetables oils, margarine and vegetables hydrogenated fats by HPLC/UV author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Química Nova

Print version ISSN 0100-4042On-line version ISSN 1678-7064

Quím. Nova vol.32 no.5 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000500019 

ARTIGO

 

Metodologia AGOA: a modelagem de clusters de hidratação no complexo aziridina···ácido fluorídrico

 

AGOA methodology: modeling the hydration clusters for the aziridine···hydrofluoric complex

 

 

Boaz G. OliveiraI,*; Regiane C. M. U. AraújoI; Antônio B. CarvalhoI; Mozart N. RamosII

IDepartamento de Química, Universidade Federal da Paraíba, 58059-900 João Pessoa - PB, Brasil
IIDepartamento de Química Fundamental, Universidade Federal de Pernambuco, 50739-901 Recife - PE, Brasil

 

 


ABSTRACT

We present a theoretical study of solvent effect on C2H5N···HF hydrogen-bonded complex through the application of the AGOA methodology. By using the TIP4P model to orientate the configuration of water molecules, the hydration clusters generated by AGOA were obtained through the analysis of the molecular electrostatic potential (MEP) of solute (C2H5N···HF). Thereby, it was calculated the hydration energies on positive and negative MEP fields, which are maxima (PEMmax) and minima (PEMmin) when represent the -CH2- methylene groups and hydrofluoric acid, respectively. By taking into account the higher and lower hydration energy values of -370.6 kJ mol-1 and -74.3 kJ mol-1 for PEMmax and PEMmin of the C2H5N···HF, our analysis shows that these results corroborate the open ring reaction of aziridine, in which the preferential attack of water molecules occurs at the methylene groups of this heterocyclic.

Keywords: hydrogen complexes; aziridine; AGOA.


 

 

INTRODUÇÃO

No meio da biodiversidade química existente na natureza, é incontestável que os compostos heterocíclicos compõem um grupo de absoluto destaque.1 Em algumas áreas, os compostos heterocíclicos são indispensáveis tanto para o funcionamento como para a eficiência de vários processos como, por exemplo, a obtenção de novas moléculas com atividade farmacológica,2 desenvolvimento de polímeros,3 além da produção de matérias primas industriais, como as ligas metálicas amorfas.4 Com relação aos compostos formados por anéis de três membros,5,6 em particular a aziridina (C2H5N), a elevada capacidade deste heterocíclico em reagir com nucleófilos é bem conhecida pelos químicos orgânicos,7-10 podendo ser citado a esse respeito o mecanismo de síntese de Wenker.11,12

Conforme documentado por Hu6 em um recente artigo sobre a funcionalidade da aziridina, em meio aquoso observa-se que a intensidade da interação de moléculas de água com os carbonos dos grupos metileno (-CH2-) provoca uma reação de abertura de anel.13 De acordo com estudos físico-químicos,14 esta reação ocorre preferencialmente em pH ácido, condição que favorece a cinética deste processo, ou seja, a espécie ácida atua como um catalisador e provoca a protonação da aziridina, conforme ilustrado na Figura 1. Nesta situação, ocorre um enfraquecimento da ligação (C-N), o que induz a ruptura do anel através de um mecanismo de substituição nucleofílica de segunda ordem (SN2), em que o cátion aziridina (2) é considerado um intermediário subsequente à formação do complexo C2H5N···HF (1). Nesta fase do mecanismo, a influência do solvente no complexo (1) é primordial para a estabilização deste sistema e por isso merece ser estudada.

 

 

Desde sua protonação até a ruptura da estrutura heterocíclica, o mecanismo SN2 de abertura do anel aziridina é bem conhecido, entretanto recentes estudos teóricos validaram a formação de um novo intermediário para esta reação: o complexo C2H5N···HF.15,16 Como os estudos teóricos neste complexo foram desenvolvidos em fase gás, neste trabalho elaboramos a proposta de avaliar o efeito do solvente. Teoricamente, o estudo do efeito do solvente no anel aziridina tem sido desenvolvido com sucesso através da aplicação de abordagens elegantes,17 das quais podemos citar os cálculos contínuos SCRF (Self-Consistent Reaction Field).18 Todavia, devemos enfatizar a importância de se considerar uma descrição detalhada das moléculas de solvente, especificamente uma modelagem explícita de como as moléculas de água agem no anel aziridina, mas usando uma descrição explícita das moléculas de água com o intuito de contribuir para um melhor entendimento da reação de abertura do anel aziridina, a qual ocorre em meio aquoso.

A metodologia teórica mais adequada para o estudo do efeito do solvente

Historicamente, a primeira idéia de avaliar in silico o efeito do solvente foi desenvolvida a partir dos modelos dielétricos,19,20 chamados de métodos contínuos. Elaborados inicialmente por Born,21 Onsager,22 e Kirkwood,23 nestes métodos o solvente é descrito como um meio uniforme ou contínuo, onde o soluto é inserido em uma cavidade modelada por esferas sobrepostas e o efeito do solvente é tratado através de formalismos mecânico-quânticos. Recentemente tem se verificado um grande interesse pelo desenvolvimento de métodos contínuos mais modernos,24-26 embora estas novas metodologias ainda sejam limitadas para descrever interações específicas entre o soluto e as moléculas de solvente.27 Tal limitação pode ser solucionada através da aplicação dos chamados métodos discretos,28 tais como Monte Carlo (MC) e Dinâmica Molecular (DM).29-32 Estes métodos proporcionam um entendimento sobre o real comportamento dos líquidos, que é o excessivo número de configurações energéticas do solvente ao redor do soluto. Além disso, também são considerados efeitos eletrônicos e de estabilização do soluto, além de interações específicas. Para a aplicação de protocolos de simulação MC e DM, são conhecidas também algumas desvantagens, como a necessidade de campos de força específicos para a molécula de soluto; a dependência das configurações iniciais do líquido, além do altíssimo custo computacional exigido. Existem também situações onde a execução dos métodos MC e DM torna-se limitada, quando, por exemplo, se dispõe de campos de força puramente genéricos.33,34 Isto leva à necessidade de calibrar campos de força específicos, o que nem sempre é uma tarefa trivial, como no caso dos ácidos nucléicos.

Entretanto, Hernandes e colaboradores35 desenvolveram um novo método discreto para gerar configurações de líquido sem a necessidade de parâmetros de campos de força e/ou cálculos sequenciais de mecânica molecular/mecânica quântica. Batizado de AGOA, este método gera configurações de moléculas de água apenas por meio da análise da distribuição de cargas eletrostáticas do soluto. Na prática, a metodologia AGOA tem sido usada por muitos grupos de pesquisa e aplicada em diversos trabalhos, entre os quais pode-se citar a descrição teórica do equilíbrio ácido base36 envolvendo ânions alcóxidos37 e cátions amônio,38 como também o estudo de clusters de hidratação em fragmentos de aminoácidos e proteínas.39 Inicialmente AGOA foi desenvolvido para calibrar parâmetros de campos de força, o que objetivava uma autonomia teórica perante as determinações experimentais. Neste sentido, Hernandes e Longo40 sugeriram um outro método computacional chamado AIPAR (Ab Initio Parametrization). Em comparação com dados OPLS (Optimized Potential for Liquid Simulations),41,42 AIPAR foi testado com sucesso em simulações de alguns grupos funcionais, tais como metanol, acetona, metil-mercaptana, imidazol, oxazol e furano. Com respeito à aziridina, neste trabalho não temos por objetivo investigar o efeito do solvente no complexo C2H5N···HF através de métodos discretos tradicionais, como MC ou DM. Ao contrário, nosso propósito é estudar as configurações de líquido neste complexo pela aplicação da metodologia AGOA. Desta maneira esperamos obter um modelo de solvatação que possa descrever a estabilidade aquosa do complexo C2H5N···HF e por meio disso corroborar os aspectos experimentais da reação de abertura do anel aziridina catalisada por ácido.43

 

DETALHES COMPUTACIONAIS E PROCEDIMENTO

A geometria otimizada e o potencial eletrostático molecular (PEM)44 do complexo C2H5N···HF foram obtidos a partir de cálculos baseados na Teoria do Funcional de Densidade (DFT)45-46 utilizando-se o híbrido B3LYP.47-49 Foram utilizadas bases 6-311++G(d,p) e todos os cálculos foram executados pelo programa GAUSSIAN versão 98W50 em um computador Pentium IV - 512 MB RAM. As estruturas clusters de hidratação (soluto:solvente) foram geradas pelo software AGOA versão 2.0.51 Assumindo que a atração coulombica é o efeito mais importante na interação entre solutos polares e moléculas de água, a metodologia AGOA interpreta o potencial eletrostático do soluto através da análise da SASA (Solvent Accessibility Surface Area).52 As estruturas dos clusters de hidratação foram obtidas em coordenadas cartesianas, as quais foram usadas individualmente como estruturas de partida (inputs) para se processar cálculos de energia (single-point) no GAUSSIAN 98W. A garantia de que cálculos single-point fornecem energias ótimas de estabilização se baseia em conceitos físicos clássicos, conforme mostrado por Umeyama e Morokuma,53 que afirmaram que o potencial eletrostático é o termo de contribuição majoritária para determinação da energia molecular e, por conseguinte, das interações inter e/ou intramoleculares. É neste sentido que as energias de hidratação calculadas a partir das configurações de solvente geradas pela metodologia AGOA podem ser utilizadas para interpretar o efeito do solvente em solutos polares. A partir disso, conforme a Equação 1, foram determinadas as energias de hidratação (ΔEH) para cada cluster (soluto:água) gerado.

Nesta equação, os termos ETOTAL, ESOLUTO e EÁGUA correspondem às energias de hidratação do cluster (soluto:água), soluto isolado (C2H5N···HF) e moléculas de água individuais, respectivamente. Todas as energias de hidratação obtidas através do cálculo B3LYP/6-311++G(d,p) foram corrigidas pelo método Counterpoise de Boys e Bernardi.54 Desta maneira, as energias de hidratação corrigidas (ΔEHC) foram obtidas conforme a Equação 2:

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Geometria do complexo isolado e o potencial eletrostático molecular

A partir do nível de teoria B3LYP/6-311++G(d,p), a Figura 2a ilustra uma única estrutura de mínimo de energia obtida para o complexo C2H5N···HF, caracterizada pela ausência de frequências imaginárias. Em fase gás, os resultados de parâmetros geométricos, eletrônicos e, principalmente, do espectro vibracional para este complexo têm sido documentados na literatura.15,16 A partir destes resultados foi aplicada a metodologia AGOA para estudar o efeito de solvatação pela obtenção das configurações das moléculas de água e pela análise das interações específicas entre soluto (C2H5N···HF) e solvente (H2O). Seguindo o protocolo padrão da metodologia AGOA, inicialmente a geometria do complexo C2H5N···HF foi usada para calcular seu potencial eletrostático, que pode ser visualizado na Figura 2b. As regiões máximas (+0,05 u.a.) e mínimas (-0,05 u.a.) desse potencial estão representadas pelo contorno transparente (PEMmáx) e entrelaçado (PEMmín), respectivamente. O valor de +0,05 u.a. para a isossuperfície PEMmáx indica que os hidrogênios Hα ou Hβ do grupo metileno (-CH2-) e o hidrogênio Hλ do grupo N-H são potenciais sítios moleculares para ataque de espécies nucleofílicas, como os pares de elétrons das moléculas de água. Por outro lado, o átomo de flúor do ácido fluorídrico representa um centro de carga negativa. Devido a isso, o valor de -0,05 u.a. para a isossuperfície PEMmín indica que o flúor é um sítio para ataques eletrofílicos, ou seja, os átomos de hidrogênio das moléculas de água geradas pela metodologia AGOA.

 


 

Clusters de hidratação e energias de interação

A energia de interação E obtida pela metodologia AGOA é interpretada a partir da análise do potencial eletrostático molecular do soluto que é modelado em uma grade cúbica tridimensional com dimensões de 20 x 20 x 20 Å. A partir do modelo TIP4P, as configurações dos clusters de hidratação são obtidas conforme a orientação do momento dipolar da água com o gradiente do potencial eletrostático, - (MEP).55 Devemos enfatizar que a metodologia AGOA não otimiza a estrutura do soluto, mas através de uma geometria obtida por um nível de cálculo ab initio, DFT ou semi-empírico, descreve as configurações do solvente. Para o complexo C2H5N···HF, a metodologia AGOA gerou um cluster de hidratação formado por 28 configurações de moléculas de água. Estas configurações representam dois grupos distintos, cada um formado por 14 configurações orientadas nas regiões PEMmáx e PEMmín, conforme ilustrado na Figura 3. Pode-se observar que as moléculas de água se orientam de forma que os átomos de oxigênio interajam com a região PEMmáx do complexo C2H5N···HF, ou seja, com os hidrogênios Hβ do grupo metileno (-CH2-) e com o hidrogênio Hλ do grupo N-H. Por outro lado, na região PEMmín os átomos de hidrogênio das moléculas de água estão alinhados com o átomo de flúor do ácido fluorídrico (HF).

 

 

Os valores das energias de hidratação para a interação de cada molécula de água com o complexo C2H5N···HF são apresentados na Tabela 1 e Figura 4. As estruturas dos clusters de hidratação proporcionam uma maior estabilidade na região PEMmáx devido aos elevados valores de ΔEHC, os quais variam de -74,3 a -370,6 kJ mol-1. No entanto, o valor de ΔEHC mais estável calculado na região PEMmín foi de apenas -16 kJ mol-1, indicando que o ataque preferencial das moléculas de água ocorre de fato na região PEMmáx. Não obstante, um estudo teórico similar foi desenvolvido através da avaliação do efeito do solvente em anéis epóxidos, precisamente no complexo C2H4O···HF, cujas estruturas dos clusters de hidratação são mostradas na Figura 5.56 Comparando as estruturas clusters de hidratação geradas pelo AGOA em ambos os complexos C2H5N···HF e C2H4O···HF, vê-se nitidamente que as interações intermoleculares do solvente no campo PEMmáx dos anéis aziridina e oxirana se mostram de forma diferenciada. No caso do complexo C2H4O···HF, os oxigênios das moléculas de água interagem de maneira mais dispersa com os hidrogênios axiais Hβ e Hα, enquanto que no complexo C2H5N···HF a interação é mais centralizada, precisamente nos hidrogênios axiais Hβ e no hidrogênio Hλ do grupo N-H.

 

 

 

 

Em termos de energias de hidratação ΔEHC, a dispersidade da solvatação no complexo C2H4O···HF tem como consequência uma interação de hidratação mais fraca, com valores na faixa de -292 kJ mol-1, os quais são menos estáveis em relação ao resultado de -370,6 kJ mol-1 (Figura 5) para o complexo C2H5N···HF. Na solvatação do complexo C2H5N···HF, a Figura 6 ilustra a representação de apenas uma molécula de água gerada pela metodologia AGOA. Esta molécula de água representa a quinta configuração do solvente, a qual possui a energia de hidratação mais estável de -370,6 kJ mol-1. Embora os clusters de hidratação na isossuperfície PEMmáx nos mostrem um ataque nucleofílico das moléculas de água nos hidrogênios axiais Hβ e no hidrogênio Hλ da aziridina, podemos observar que esta quinta configuração é formada pela interação da água com os hidrogênios axiais Hβ do grupo metileno. Além disso, o fato desta quinta configuração ter a energia de hidratação mais estável está relacionado ao mecanismo de abertura do anel aziridina (Figura 1), onde a água ataca preferencialmente os carbonos do grupo metileno.

 

 

CONCLUSÕES

Neste trabalho foi desenvolvido um estudo teórico do efeito do solvente no complexo C2H5N···HF, através da aplicação da metodologia AGOA. Pela análise do potencial eletrostático do complexo C2H5N···HF observaram-se duas regiões com potenciais eletrostáticos positivo e negativo, que representam os grupos metileno (-CH2-) do anel aziridina e o átomo de flúor (F) do ácido fluorídrico, respectivamente. De acordo com as estruturas clusters de hidratação geradas pela metodologia AGOA, as energias de hidratação ΔEHC são muito elevadas na região positiva do potencial eletrostático, onde foram calculados valores na ordem de -370,6 kJ mol-1. Este valor de hidratação para o complexo C2H5N···HF é muito maior em comparação a sistemas similares, tais como o complexo C2H4O···HF em que o valor mais estável para ΔEHCé -292 kJ mol-1. Este resultado corrobora com os aspectos experimentais da reação de abertura de anel da aziridina catalisada por ácido, onde o ataque nucleofílico ocorre através da interação das moléculas de água com os grupos metileno do heteroanel.

 

MATERIAL SUPLEMENTAR

Está disponível em http://quimicanova.sbq.org.br, na forma de arquivo PDF, com acesso livre.

 

AGRADECIMENTOS

Às agências CNPq e CAPES pelo suporte financeiro, além de à L. M. N. M. Santos pela enorme contribuição na revisão e formatação deste manuscrito.

 

REFERÊNCIAS

1. Padwa, A.; Murphree, S. S.; Gribble, G. W.; Gilchrist, T. L.; Progress in Heterocyclic Chemistry, Pergamon Press: Oxford, 2002.         [ Links ]

2. Hayen, A.; Schmitt, M. A.; Ngassa, F. N.; Thomasson, K. A.; Gellman, S. H.; Angew. Chem., Int. Ed. 2004, 43, 505.         [ Links ]

3. Staude, V. E.; Angew Makromolekulare Chemie 1970, 13, 163.         [ Links ]

4. Awazu, K.; Roorda, S.; Brebner, J. L.; Ishii, S.; Kunihiro, K. S.; Jpn J. Appl. Phys. 2002, 42, 3950.         [ Links ]

5. Kudin, A. K.; Aziridines and Epoxides in Organic Synthesis, Wiley-VCH Verlag GmbH & Co. KgaA: Weinheim, 2006.         [ Links ]

6. Hu, X. E.; Tetrahedron 2004, 60, 2701.         [ Links ]

7. Fedotova, L. A.; Voronkov, M. G.; Chem. Heterocyclic Comp. 1966, 1, 573.         [ Links ]

8. Shomina, F. N.; Étlis, V. S.; Sineokov, A. P.; Chem. Heterocyclic Comp. 1973, 9, 1105.         [ Links ]

9. Greenberg, A.; Liebman, J. F.; Strained Organic Molecules, Academic Press: New York, 1978.         [ Links ]

10. Costa, P.; Pilli, R.; Pinheiro, S.; Vasconcellos, M.; Substâncias Carboniladas e Derivados, Bookman: Porto Alegre, 1ª ed., 2003.         [ Links ]

11. Olofsson, B.; Wijtmans, R.; Somfai, P.; Tetrahedron 2002, 58, 5979.         [ Links ]

12. Bieber, L. W.; de Araujo, M. C. F.; Molecules 2002, 7, 902.         [ Links ]

13. Diao, T.; Sun, X.; Fan, R.; Wu, J. T.; Diao, T.; Sun, X.; Fan, R.; Chem. Inf. 2007, 36, 604.         [ Links ]

14. Kotsuki, H.; Shimanouchi, T.; Ohshima, R.; Tetrahedron 1998, 54, 2709.         [ Links ]

15. Oliveira, B. G.; Santos, E. C. S.; Duarte, E. M.; Araújo, R. C. M. U.; Ramos, M. N.; Carvalho, A. B.; Spectrochim. Acta A 2004, 60, 1883.         [ Links ]

16. Oliveira, B. G.; Duarte, E. M.; Araújo, R. C. M. U.; Ramos, M. N.; Carvalho, A. B.; Spectrochim Acta A 2005, 61, 491.         [ Links ]

17. Mu, W.-H.; Wang, C.; Fang, D.-C.; J. Mol. Struct. (THEOCHEM) 2007, 806, 171.         [ Links ]

18. Pliego Jr., J. R.; Quim. Nova 2006, 29, 535.         [ Links ]

19. Tomasi, J.; Theor. Chem. Acc. 2000, 103, 196.         [ Links ]

20. Luque, F. L.; López, J. M.; Orozco, M.; Theor. Chem. Acc. 2000, 103, 343.         [ Links ]

21. Born, M.; Phys. Z 1920, 1, 45.         [ Links ]

22. Onsager, L.; J. Am. Chem. Soc. 1936, 58, 1486.         [ Links ]

23. Kirkwood, J.; J. Chem. Phys. 1935, 3, 300.         [ Links ]

24. Miertus, S.; Scrocco, E.; Tomasi, J.; Chem. Phys. 1981, 55, 117.         [ Links ]

25. Klamt, A.; Schüürmann, G.; J. Chem. Soc., Perkin Trans. 1993, 2, 799.         [ Links ]

26. Cramer, C. J.; Truhlar, D. G.; J. Am. Chem. Soc. 1991, 113, 8305.         [ Links ]

27. Klein, R. A.; Mennucci, B.; Tomasi, J.; J. Phys. Chem. A 2004, 108, 5851.         [ Links ]

28. Heermann, D. W.; Computer Simulation Methods in Theoretical Physics, Springer Verlag: New York, 1990.         [ Links ]

29. Allen, M. P.; Tildesley, D. J.; Computer Simulation of Liquids, Clarendon Press: Oxford, 1987.         [ Links ]

30. Kalos, M. K.; Whitlock, P. A.; Monte Carlo Methods, Wiley and Sons: New York, 1986.         [ Links ]

31. Metropolis, N.; Rosenbluth, A. W.; Rosenbluth, M. N.; J. Chem. Phys. 1953, 21, 1087.         [ Links ]

32. Hammond, B. L.; Lester Jr., W. A.; Reybolds, P. J.; Monte Carlo Methods in ab initio Quantum Chemistry, World Scientific: Singapore, 1994.         [ Links ]

33. Allinger, N. L.; J. Am. Chem. Soc. 1977, 99, 8127.         [ Links ]

34. Neder, A. V. F.; de Oliveira Neto, M.; J. Braz. Chem. Soc. 2005, 16, 597.         [ Links ]

35. Hernandes, M. Z.; da Silva, J. B. P.; Longo, R. L.; J. Braz. Chem. Soc. 2002, 13, 36.         [ Links ]

36. Costa, P.; Ferreira, V.; Esteves, P.; Vasconcellos, M.; Ácidos e Bases em Química Orgânica, Bookman: Porto Alegre, 2005.         [ Links ]

37. Oliveira, B. G.; Vasconcellos, M. L. A. A.; J. Theor. Comp. Chem. 2007, 6, 399.         [ Links ]

38. Oliveira, B. G.; Vasconcellos, M. L. A. A.; Leite, L. F. C. C.; J. Mol. Struct. (THEOCHEM) 2008, 860, 13.         [ Links ]

39. Cavalcante, K. R.; Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, 2007.         [ Links ]

40. Hernandes, M. Z.; Longo, R. L.; J. Mol. Model. 2005, 11, 61.         [ Links ]

41. Jorgensen, W. L.; Madura, J. D.; Swenson, C. J.; J. Am. Chem. Soc. 1984, 106, 6638.         [ Links ]

42. Jorgensen, W. L.; Tirado-Rives, J.; J. Am. Chem. Soc. 1988, 110, 1657.         [ Links ]

43. Baylon, C.; Prestat, G.; Heck, M.-P.; Mioskowski, C.; Tetrahedron Lett. 2000, 41, 3829.         [ Links ]

44. Scrocco, E.; Tomasi, J.; Top. Curr. Chem. 1973, 42, 95.         [ Links ]

45. Hohenberg, P.; Kohn, W.; Phys. Rev. B 1964, 136, 864.         [ Links ]

46. Kohn, W.; Sham, L. J.; Phys. Rev. A 1965, 140, 1133.         [ Links ]

47. Beck, A. D.; J. Chem. Phys. 1997, 107, 8554.         [ Links ]

48. Beck, A. D.; J. Chem. Phys. 1993, 98, 5648.         [ Links ]

49. Lee, C.; Yang, W.; Parr, R. G.; Phys. Rev. B 1988, 37, 785.         [ Links ]

50. Frisch, M. J., et al.; Gaussian 98W (Revision A.1); Gaussian, Inc. 1998, (Pittsburgh PA).         [ Links ]

51. Hernandes, M. Z.; http://www.ufpe.br/farmacia/zaldini/agoa.html, acessada em Junho 2005.         [ Links ]

52. Gaudio, A. C.; Takahata, Y.; Comp. Chem. 1992, 16, 277.         [ Links ]

53. Umeyama, H.; Morokuma, K.; J. Am. Chem. Soc. 1977, 99, 1316.         [ Links ]

54. Boys, S. B.; Bernardi, F.; Mol. Phys. 1970, 19, 553.         [ Links ]

55. Jorgensen, W. L.; Madura, J. D.; Mol. Phys. 1985, 56, 1381.         [ Links ]

56. Oliveira, B. G.; Araújo, R. C. M. U.; Carvalho, A. B.; Ramos, M. N.; Hernandes, M. Z.; Cavalcante, K. R.; J. Mol. Struct. (THEOCHEM) 2006, 802, 91.         [ Links ]

 

 

Recebido em 19/5/08; aceito em 14/1/09; publicado na web em 11/5/09

 

 

* e-mail: boazgaldino@gmail.com

 

 

MATERIAL SUPLEMENTAR

Como informação suporte para este trabalho, estamos dispondo para apreciação as configurações dos clusters de hidratação (coordenadas cartesianas) do complexo C2H5N···HF obtidos pela metodologia AGOA e, também, a geometria do complexo C2H5N···HF obtida a partir do nível de cálculo B3LYP/6-311++G(d,p).

1-) Coordenadas Cartesianas dos clusters de hidratação no complexo C2H5N···HF obtidos pela metodologia AGOA.

 


Clique para ampliar

 

2-) Geometria do complexo C2H5N···HF obtida a partir do nível de cálculo B3LYP/6-311++G(d,p).

 

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License