SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue3Cytopathological characterization of Mal de Río Cuarto virus in corn, wheat and barleyPsorosis virus complex elimination from citrus by shoot-tip grafting associated to thermotherapy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Fitopatologia Brasileira

Print version ISSN 0100-4158On-line version ISSN 1678-4677

Fitopatol. bras. vol.27 no.3 Brasília May/June 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582002000300011 

COMUNICAÇÕES / COMMUNICATIONS

 

CARACTERIZAÇÃO ISOENZIMÁTICA DE ESPÉCIES DE Oidium

 

MARIA D. D. SILVA1, ACELINO C. ALFENAS2, LUIZ A. MAFFIA2, EDIVAL A. V. ZAUZA2

1Departamento de Engenharia Florestal, 2Departamento de Fitopatologia, Universidade Federal de Viçosa, 36571-000, Viçosa, MG, e-mail: aalfenas@mail.ufv.br

(Aceito para publicação em 03/03/2002 )

Autor para correspondência: Acelino C. Alfenas

 

 


RESUMO

Isolados de Oidium oriundos de eucalipto (Eucalyptus urophylla) roseira (Rosa sp), dália (Dhalia sp.), feijoeiro (Phaseolus vulgaris) e urucunzeiro (Bixa orellana) foram comparados mediante écnicas de extração e eletroforese de isoenzimas, em gel de amido. Dentre 19 enzimas testadas, fosfatase ácida, enzima málica, a-esterase, 6-fosfoglucanato desidrogenase, fosfoglucose isomerase, hexoquinase e malato desidrogenase ofereceram atividade e resolução satisfatórias. Os isolados do patógeno oriundos de eucalipto e de roseira apresentaram um mesmo padrão de bandas com coeficiente de similaridade igual a 100%. Os demais isolados diferiram entre si e exibiram coeficiente de similaridade inferior a 43%. Os isolados obtidos de eucalipto e de roseira, além de morfologicamente similares, apresentaram um mesmo padrão isoenzimático sendo, portanto, anamorfos de Sphaerotheca pannosa.
Palavras-chave adicionais: eucalyptus, isoenzimas,
isozimas.

ABSTRACT
Isozyme characterization of Oidium species

Isolates of Oidium spp. obtained from eucalyptus (Eucalyptus urophylla), Rosa sp, Dhalia sp., common bean (Phaseolus vulgaris) and Bixa orellana were compared by isozyme analysis on starch gel electrophoresis. Among 19 enzymes tested, acid phosphatase, malic enzyme, a-esterase, 6-phosphogluconate dehydrogenase, phosphoglucose isomerase, hexokinase, and malate dehydrogenase showed reproducible and distinct isozyme banding patterns. Based on isozyme analysis, the Oidium isolate from eucalypt showed identical profiles to that of rose and, therefore, was identified as anamorphs of Sphaerotheca pannosa.


 

 

Na ausência da fase teleomórfica, a identificação de espécies de Oidium baseia-se em caracteres da fase anamórfica (Braun, 1987) e, a exemplo de outros fungos, pode ser auxiliada pela análise eletroforética de isoenzimas (Micales et al., 1998). Assim, neste trabalho, ajustaram-se as técnicas de extração e eletroforese de isoenzimas, em gel de amido, para a comparação de isolados de Oidium oriundos de eucalipto (Eucalyptus urophylla), roseira (Rosa sp.), dália (Dhalia sp), feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) e urucunzeiro (Bixa orellana L.), utilizando-se a metodologia descrita por Alfenas et al. (1998a e b).

Para multiplicação dos isolados nos seus respectivos hospedeiros, mudas com infecção natural, em casa de vegetação, tiveram suas folhas e brotações jovens lavadas em água destilada, a fim de remover os esporos previamente formados. Após quatro a cinco dias de incubação a 20 ºC (± 1 ºC), 80 % de umidade relativa e fotoperíodo de 12 h intermitente de luz, os conídios produzidos foram macerados em solução tampão Tris-HCl 0,05 M, pH 6,8. Após centrifugação, embebeu-se o  sobrenadante em tiras de papel cromatográfico, as quais foram armazenadas a -80 ºC para uso posterior. A eletroforese foi conduzida em géis de amido hidrolisado a 13%, empregando-se os sistemas-tampão gel/eletrodo nº 8, 19 e 26, descritos por Alfenas & Brune (1998b), e os géis foram corados para detecção da atividade e resolução de 19 enzimas (Brune et al., 1998). Dentre as enzimas testadas, fosfatase ácida (ACP) (E.C. 3.1.3.2), enzima málica (ME) (E.C. 1.1.1.40), a-esterase (EST) (E.C. 3.1.1.1), 6-fosfoglucanato desidrogenase (6PGDH) (E.C.1.1.1.44), fosfoglucose isomerase (PGI) (E.C. 5.3.1.9), hexoquinase (HK) (E.C. 2.7.1.1) e malato desidrogenase (MDH) (E.C. 1.1.1.37) ofereceram atividade e resolução satisfatórias (Figura 1), ainda que as bandas fossem de baixa intensidade não permitindo a documentação por fotografia. Deste modo, optou-se pela apresentação dos dados por meio de esquemas para servir como base em futuros estudos. Em geral, esporos não germinados rendem extratos protéicos com baixa atividade enzimática (Micales et al., 1998). O coeficiente de similaridade (Cs) entre os isolados foi estimado pela seguinte equação (Dias, 1998):

 

 

Os isolados oriundos de eucalipto e de roseira apresentaram um mesmo padrão de bandas (Figura 1) com Cs de 100%, enquanto os demais diferiram entre si com Cs inferior a 43% (Tabela 1). Segundo caracterização morfológica e testes de patogenicidade (Silva & Alfenas, 1994), os isolados de Oidium obtidos de eucalipto e roseira também não diferem entre si.

 

 

Baseado nos resultados aqui obtidos, conclui-se que, na ausência da fase teleomórfica, a análise de isoenzimas pode ser útil na identificação de espécies de Oidium. Os isolados de Oidium obtidos de eucalipto e de roseira além de morfologicamente similares, apresentaram um mesmo padrão isoenzimático sendo, provavelmente, anamorfos de Sphaerotheca pannosa (Wallr. ex. Fries) Lév.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALFENAS, A.C., BRUNE, W., OLIVEIRA, J.R., KUNIEDA, S. & SCORTICHINI, M. Extração de proteínas para eletroforese. In: Alfenas, A.C. (Ed.) Eletroforese de isoenzimas e proteínas afins: fundamentos e aplicações em plantas e microrganismos. Viçosa: UFV. 1998. pp. 85-113.        [ Links ]

ALFENAS, A.C. & BRUNE, W. Eletroforese em gel de amido. In: Alfenas, A.C. (Ed.) Eletroforese de isoenzimas e proteínas afins: fundamentos e aplicações em plantas e microrganismos. Viçosa: UFV. 1998. pp. 115-148.        [ Links ]

BRAUN, U. A monograph of the Erysiphales (Powdery Mildews). Berlin, J. Cramer. 1987.        [ Links ]

BRUNE, W., ALFENAS, A.C. & JUNGHANS, T.G. Identificação específicas de enzimas em géis. In: Alfenas, A.C. (Ed.) Eletroforese de isoenzimas e proteínas afins: fundamentos e aplicações em plantas e microrganismos. Viçosa: UFV. 1998. pp. 201-317.        [ Links ]

DIAS, L.A.S. Análises multidimensionais. In: Alfenas, A.C. (Ed.) Eletroforese de isoenzimas e proteínas afins: fundamentos e aplicações em plantas e microrganismos. Viçosa: UFV. 1998. pp. 405-473.        [ Links ]

MICALES, J.A., ALFENAS, A.C. & BONDE, M.R. Izoenzimas na taxonomia e na genética de fungos. In: Alfenas, A.C. (Ed.) Eletroforese de isoenzimas e proteínas afins: fundamentos e aplicações em plantas e microrganismos. Viçosa: UFV. 1998. pp. 477-502.        [ Links ]

SILVA, M.D.D. & ALFENAS, A.C. Identificação de Oidium originário do eucalipto, feijoeiro e urucunzeiro e influência de fatores do ambiente na germinação de conídios de Sphaerotheca pannosa. Fitopatologia Brasileira 19:292. 1994.        [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License