SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue3Fungi associated with grapevine showing decline and plant death in the state of Rio Grande do Sul, Southern BrazilCharacterization of the 5'-terminal region of a Brazilian isolate of Southern bean mosaic virus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Fitopatologia Brasileira

Print version ISSN 0100-4158

Fitopatol. bras. vol.29 no.3 Brasília May/June 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582004000300017 

COMUNICAÇÕES COMMUNICATIONS

 

Surto epidemiológico do vírus do mosaico amarelo do pimentão em tomateiro na região serrana do Espírito Santo

 

Outbreak of Pepper yellow mosaic virus in tomatoes in the State of Espírito Santo, Brazil

 

 

Eunize Maciel-ZambolimI; Helcio CostaII; Alexandre S. CapuchoI; Antônio C. de ÁvilaIII; Alice K. Inoue-NagataIII; Elliot W. KitajimaIV

IBIOAGRO, CCA., UFV, CEP 36571-000, Viçosa, MG, e-mail: eunize@ufv.br
IIINCAPER, CEP 29375-000, Venda Nova do Imigrante, ES
IIIEmbrapa Hortaliças, Cx. Postal 218, CEP 70359-970, Brasília, DF
IVDepartamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, ESALQ/USP, CEP 13418-900, Piracicaba, SP

 

 


RESUMO

Este trabalho relata a ocorrência de um surto epidemiológico causado pelo vírus do mosaico amarelo do pimentão (Pepper yellow mosaic virus - PepYMV) em tomateiro (Lycopersicon esculentum) 'Alambra' na região serrana do Estado do Espírito Santo. Os sintomas consistiam de mosaico, definhamento e redução de produção. Visando a caracterização do agente causal foram realizados estudos sorológicos por ELISA, observações ao microscópio eletrônico e determinação da gama parcial de hospedeiros. Ao microscópio eletrônico de transmissão foram observadas, em amostras de tomateiro, partículas alongadas e flexuosas e inclusões cilíndricas típicas de vírus do gênero Potivirus. O PepYMV foi confirmado como agente causal por ELISA indireto. Levantamentos realizados em campos de cultivo demonstraram que a disseminação do vírus é muito rápida. Este é o primeiro relato da ocorrência do PepYMV na cultura do tomate no Brasil, causando sérios danos.

Palavras-chave adicionais: Lycopersicon esculentum, Potyvirus, Pepper yellow mosaic virus.


ABSTRACT

An outbreak of Pepper yellow mosaic virus (PepYMV) was observed in commercial fields of tomato (Lycopersicon esculentum) 'Alambra' in the Serrana Region of Espírito Santo, Brazil. Symptoms consisted of intense yellow mosaic, weakening of the infected plants and reduction of the yield. The virus was identified by host range, electron microscopy and indirect ELISA. Field surveys indicated a rapid spread of the virus. This is the first report of natural infection of tomato by PepYMV causing severe damage to this crop in Brazil.


 

 

O cultivo do tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill) é a principal atividade olerícola entre os meses de outubro a março nos municípios de Venda Nova do Imigrante e Domingos Martins, região serrana do Estado do Espírito Santo. O principal híbrido atualmente plantado é o 'Alambra', que representa 70% da área total cultivada, seguido pelos híbridos 'Carmen', 'Thomas' e 'Diana'. Apesar das doenças viróticas constituirem-se em fator limitante para o tomateiro em vários locais do Brasil, na região serrana do Espírito Santo a incidência, até recentemente, se limitava a poucos casos isolados de tospovírus (Helcio Costa, informação pessoal). No início de 2002 foram observados sintomas semelhantes aos de vírus em alguns plantios comerciais de 'Alambra'. Os sintomas consistiam em mosaico intenso (Figura 1 A,B), definhamento da planta e redução da produção. Os folíolos de algumas plantas apresentavam áreas necróticas na face inferior. Em algumas lavouras as perdas foram totais. Amostras foram coletadas e analisadas na Universidade Federal de Viçosa e Embrapa Hortaliças, onde foram submetidas a testes sorológicos e biológicos para a identificação do agente causal. As amostras de tomateiros com sintomas característicos da virose foram testadas por: ELISA indireta para o Cucumber mosaic virus (CMV) família Bromoviridae, gênero Cucumovirus, Potato virus Y (PVY), Tobacco etch virus (TEV), Pepper yellow mosaic virus (PepYMV- isolado de pimenta malagueta, UFV, fornecido por M.G. Carvalho) família Potiviridae, gênero Potyvirus, Tomato mosaic virus (ToMV) gênero Tobamovirus, e em ELISA direta para o Tomato spotted wilt virus (TSWV), família Bunyaviridae, gênero Tospovirus, Groundnut ring spot virus (GRSV) família Bunyaviridae, gênero Tospovirus, Potato virus X (PVX) e PepYMV [isolado de pimentão (Capsicum annuum L.) - Embrapa Hortaliças]. A possibilidade da infecção por vírus do gênero Begomovirus nas amostras foi verificada através de PCR utilizando oligonucleotídeos gênero específicos localizados no componente A (Rojas et al., 1993).

O PepYMV foi recentemente isolado e caracterizado por pesquisadores da Embrapa Hortaliças como uma nova espécie do gênero Potyvirus de ocorrência natural em pimentão (Inoue-Nagata et al, 2002) e tomate (Cunha et al., 2001, Cunha et al., 2002), provocando severas perdas econômicos nas regiões Centro-Oeste e Sudeste, notadamente em pimentão. O vírus presente nas amostras reagiu com ambos anti-soros produzidos contra isolados de PepYMV. Para todos os demais vírus testados os resultados foram negativos. Exames ao microscópio eletrônico de transmissão de amostras coletadas no campo de tomateiro 'Alambra', revelaram a presença de partículas alongadas e flexuosas de aproximadamente 13 por 750 nm (Figura 1 C) e inclusões cilíndricas (Figura 1 D), típicas do gênero Potyvirus. Extrato foliar de tomateiro com sintoma foi inoculado em C. annuum 'CA212', 'Magali R' e 'Ikeda', Chenopodium amaranticolor Coste & Reyn, C. quinoa Willd., Cucurbita pepo L. 'Caserta', Datura stramonium L., Gomphrena globosa L., L. esculentum Mill. cv. 'Rutgers' e 'Miller Early Pak', Nicotiana benthamiana L., N. glutinosa L., N. clevelandii Gray, N. debney Domin, N. tabacum L. 'Havana 425' e 'Samsun' e Nicandra physaloide (L.) Gaertn. O vírus causou mosaico amarelo em folhas de tomateiro 'Rutgers', semelhante ao sintoma observado em 'Alambra'. Em tomateiro 'Miller Early Pak' foi verificada a presença de manchas necróticas escuras nas margens das folhas inoculadas. Em pimentão, apesar da 'CA 212' não mostrar sintomas, na 'Ikeda' observou-se mosaico. O vírus causou mosaico amarelo forte com formação de bolhas, deformação foliar e redução de crescimento em N. benthamiana, clareamento de nervuras em N. glutinosa, mosqueado em N. debney e mosaico severo e rugosidade das folhas em N. physaloides. As demais plantas inoculadas não apresentaram sintomas visuais. Não foram realizados testes sorológicos.

Dois levantamentos com intervalos de dez dias realizados em sete campos comerciais de tomate, onde foram inspecionadas visualmente todas as plantas de 'Alambra' e 'Carmen' demonstraram a presença de sintomas, indicando uma rápida disseminação do PepYMV principalmente em 'Alambra' (Tabela 1). Oitenta e oito amostras, provenientes de várias áreas de cultivo da região, apresentando mosaico, foram analisadas mediante ELISA indireto. Os resultados do teste mostraram que o vírus contido nas amostras reagiu fortemente com o anti-soro contra o PepYMV-UFV (Tabela 1).

Dado ao seu grande potencial destrutivo no tomateiro, faz-se urgente o seu monitoramento em outras regiões produtoras de tomate no Brasil assim como buscar por fontes de resistência em tomateiro.

Os isolados de PepYMV de tomateiro descritos até então causavam sintomas brandos em tomateiro, quando comparados a sintomas causados em pimentão (Cunha et al., 2002). Este é um problema em potencial não só para o cultivo do tomateiro como também para o pimentão na região serrana do Espírito Santo e requer urgente pesquisa em resistência varietal para enfrentá-lo.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CUNHA, L.C.V., NAGATA, T., RESENDE, R.O. & INOUE-NAGATA, A.K. Biological, serological and genomic characteristics of a potyvirus isolated from tomato in Brazil. Virus Reviews & Research 6:154-155. 2001.        [ Links ]

CUNHA, L.C.V., NAGATA, T., RESENDE, R.O. & INOUE-NAGATA, A.K. Characterization of Brazilian potyvirus isolates from tomato and swetpepper. Virus Reviews & Research 7:148. 2002.        [ Links ]

DELLAPORTA, S.L., WOOD, J. & HICKS, J.B. A plant DNA minipreparation: Version II. Plant Molecular Biology Reporter 1:19-21. 1983.        [ Links ]

INOUE-NAGATA, A.K., FONSECA, M.E.N., RESENDE, R.O., BOITEUX, L.S., MONTE, D.C., DUSI, A.N., ÁVILA, A.C. & VAN DER VLUGT, R.A.A. Pepper yellow mosaic virus, a new potyvirus in sweet pepper Capsicum annuum. Archives of Virology 147:849-855. 2002.        [ Links ]

ROJAS, M.R., GILBERTSON R.L., RUSSELL, D.R. & MAXWELL, D.P. Use of degenerate primers in the polymerase chain reaction to detect whitefly-transmitted geminivirus. Plant Disease 77:340-347. 1993.        [ Links ]

 

 

Aceito para publicação em 19/11/2003

 

 

Autor para correspondência: Eunize M. Zambolim