SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue5The fluctuation of transmission specificity and efficiency of Tomato spotted wilt virus by Frankliniella schultzei author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Fitopatologia Brasileira

Print version ISSN 0100-4158

Fitopatol. bras. vol.32 no.5 Brasília Sept.\Oct. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582007000500013 

PHYTOPATHOLOGICAL NOTES NOTAS FITOPATOLÓGICAS

 

Mancha de mirotécio em mudas de cafeeiro

 

Myrothecium leaf spot on coffee plants in nursery

 

 

Silvaldo Felipe da SilveiraI; Vicente Mussi-DiasI; Elaine Cristina de PonteI; Pedro Paulo DiasII

ILaboratório de Entomologia e Fitopatologia
IILaboratório de Fitotecnia, Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, CEP 28013-620, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil, e-mail: silvaldo@uenf.br

 

 

 


ABSTRACT

In an experimental coffee (Coffea arabica) nursery in Campos dos Goytacazes, state of Rio de Janeiro, the occurrence of leaf necrosis, stem canker and girdling was observed, followed by death, in 2 to 5 month-old plants, caused by Myrothecium roridum. This is the first report of this pathogen on coffee plants in Rio de Janeiro state, Brazil.


 

 

Relata-se a ocorrência da Mancha de Mirotécio em mudas de cafeeiro (Coffea arabica), em viveiro experimental localizado na Estação da Pesagro-Rio, em Campos dos Goytacazes, nos meses de abril a julho de 2003. Foram observados sintomas em mudas de dois a cinco meses de idade de Coffea arabica cvs. Catuaí 144, IAC Obatã, IAPAR 59, IAC Tupi (pés-francos e enxertos). As lesões iniciais (Figura 1A) podem ser confundidas com aquelas da cercosporiose ou mancha olho-de-rã. Nas lesões maiores, evidenciam-se anéis necróticos concêntricos de diferentes tonalidades, com esporodóquios superficiais salientes e brancos, cobertos por massa negra de esporos, em ambas as superfícies das folhas (Figuras 1B-C). Efetuou-se isolamento direto e indireto do fungo em meio BDA (Sigma®). Após 10 a 14 dias de incubação, a 27ºC, no escuro, obtiveram-se culturas puras com crescimento de colônias de 5-6 cm de diâmetro, com zonas concêntricas de micélio claro e esporulação inicialmente esverdeada, coberta posteriormente por gotículas negras de conídios em mucilagem. Inocularam-se em folhas de mudas de cafeeiro, com e sem ferimentos, água e suspensão de 106 conídios/mL (ambas com twen 20 a 0,03%), sendo 3 plantas por repetição e total de 12 plantas. Após inoculações, as mudas foram mantidas por até sete dias, sob alta umidade, em câmara com irrigação diurna (das 6 as 18 h), por nebulização intermitente (1 min ligado e 15 min desligado), com temperaturas diurnas variando de 25 a 35ºC e noturnas de 22 a 30ºC. Todas as plantas inoculadas apresentaram os mesmos sintomas descritos e somente a partir dos ferimentos. Efetuou-se aferição micrométrica das estruturas fúngicas nas folhas, sob microscópio estereoscópico, e a partir de lâminas em lactofenol e azul de metila, ao microscópio de luz: esporodóquios de 100 a 700 µm de diâmetro, inicialmente brancos, mas recobrindo-se por massa escura de esporos em mucilagem, com margens brancas e setas ausentes; conidióforos hialinos e densamente agrupados, ramificados, tendo no ápice grupos de 5 ou mais fiálides, as quais mediram de 2,5 de largura por 12-25 µm de comprimento (média de 19 µm); conídios hialinos, quase-cilíndricos e alguns elipsóides, mucilaginosos, de extremidades arredondadas, ocasionalmente pouco truncadas, hialinos a esverdeados, verde-oliváceos a negros quando em massa, medindo de 1 a 2,5 µm de largura por 5 a 10 µm de comprimento (média de 8 µm) (Figura 1D). Com base nas características culturais e morfológicas conclui-se que o isolado de cafeeiro pertence à espécie Myrothecium roridum Tode ex Fr., 1829. Além do Brasil, em mudas de cafeeiro, a doença já foi descrita na Índia e Indonésia (Tulloch, CAB International Mycological Papers 130. 1972). Folhas herborizadas e cultura pura foram depositadas no herbário do Departamento de Fitopatologia da Universidade Federal de Viçosa (herbário VIC 30470, cultura DOA 211). Este é o primeiro relato desta doença em mudas de cafeeiro (C. arabica) no estado do Rio de Janeiro. A doença ainda não tem expressão econômica e, na ocasião desta ocorrência, pôde ser controlada eliminando-se folhas e mudas mortas de cafeeiro do viveiro, pulverizando-se com fungicidas protetores, a base de cobre e mancozeb, e reduzindo-se a irrigação.

 


 

Recebido 1 Outubro 2007
Aceito 27 Novembro 2007

 

Autor para correspondência: Silvaldo Felipe da Silveira