SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 issue122Les transfigurations de la notion de physis entre Homère et Aristote author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • On index processCited by Google
  • Have no similar articlesSimilars in SciELO
  • On index processSimilars in Google

Share


Kriterion: Revista de Filosofia

Print version ISSN 0100-512X

Kriterion vol.51 no.122 Belo Horizonte July/Dec. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-512X2010000200011 

APRESENTAÇÃO

 

 

Os artigos aqui reunidos foram apresentados no II Simpósio Internacional de Estudos Clássicos cujo tema foi PHYSIS - NATURA - NATUREZA. A exceção é o texto de G. Giardina que não pôde comparecer ao evento, ocorrido nos dias 25 a 29 de maio de 2009 no Departamento de Filosofia da UFMG, mas que enviou seu texto para esta publicação. O II Simpósio Internacional de Estudos Clássicos contou com o apoio da CAPES, da FAPEMIG, do PAIE (UFMG) e do Programa de Pós-graduação em Filosofia (UFMG).

Todo trabalho de recolha e compilação dos textos sobre esse tema, não poderia ter sido empreendido sem o apoio dos colegas que colaboraram com esse volume temático da Kriterion enviando seus respectivos textos. Devo ressaltar também a sempre gentil colaboração de meus colegas Marcelo Pimenta Marques e Miriam Campolina Peixoto, parceiros igualmente do Grupo de Filosofia Antiga (CNPq) e que desde alguns anos partilham comigo o prazer de ensinar Filosofia Antiga no Departamento de Filosofia da UFMG, bem como a responsabilidade de organizar a cada dois anos mais um evento da série Simpósio Internacional de Estudos Clássicos da UFMG.

Reuni os artigos do seguinte modo: em primeiro lugar, iniciei o volume com uma reflexão mais geral sobre a noção de physis, de Homero a Aristóteles, feita por L. Couloubaritsis; a seguir, inseri três artigos voltados para a reflexão sobre algum aspecto da physis nos Pré-socráticos, caso dos textos de A. Lopes (exegetas de Homero e Heráclito), de I. Bocayuva (Anaximandro, Parmênides e Heráclito) e de M. Peixoto (Demócrito); depois, agrupei quatro artigos - os textos de M. Marques (República), M. Montenegro (Fedro), A. Borges (República) e E. de Morais (sobre a natureza do filósofo) - dedicados à investigação de alguma dimensão da physis em Platão; em seguida, acrescentei um bloco de textos sobre Aristóteles que agrupa os artigos de E. Berti (sobre a geração do intelecto), F. Puente (Física III), L. Angioni (Física II), G. Giardina (Física I) e A. Vigo (sobre a causalidade) e por fim, encerrei este volume temático em Filosofia Antiga com o artigo dedicado ao neoplatonismo de E. Fernandes (Proclo). Por fim, agradeço também a resenha enviada por J. Trindade Santos Trindade Santos acerca de um livro recém-publicado sobre Platão de autoria de F. Trabattoni.

Dado que os autores adotaram diferentes critérios para a transliteração dos termos gregos, decidi respeitar a sua diversidade de opções, ao invés de unificá-los.

Por fim, mas não em último lugar, gostaria de agradecer ao CNPq pela bolsa de produtividade em pesquisa que disponho e que tem me possibilitado nesses últimos anos refletir mais detidamente sobre a physis na Antiguidade, e em especial sobre a reverberação desse conceito na Física de Aristóteles.

 

Fernando Rey Puente