SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.56 número131OMNIS HOMO DE NECESSITATE EST ANIMAL: SIGNIFICACIÓN Y REFERENCIA VACÍA EN LA SEGUNDA MITAD DEL SIGLO 13LIZZINI, O. "AVICENNA" [COL. PENSATORI]. ROMA: CAROCCI ED., 2012. 339 P. índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Kriterion: Revista de Filosofia

versão impressa ISSN 0100-512Xversão On-line ISSN 1981-5336

Kriterion vol.56 no.131 Belo Horizonte jan./jun. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/0100-512X2015n13116tmz 

TRADUÇÃO

A "EPÍSTOLA SOBRE O INTELECTO", DE AL-KINDI

Tadeu M. Verza* 

*Professor do Depto. de Filosofia da UFMG

Al-Kindi (?800 -?870) foi o primeiro a produzir textos em árabe seguindo a tradição do pensamento filosófico grego, sendo, portanto, visto como o primeiro filósofo da falsafa.1 Ele também foi uma figura importante na promoção e transmissão das traduções de textos filosóficos gregos para o árabe por meio do que foi chamado seu "círculo".2

O texto que aqui apresento traduzido, a "Epístola sobre o intelecto" ("Risala fi al-'aql"), é um opúsculo fundamental para a compreensão da entrada das questões relativas à alma no mundo islâmico, mesmo que as fontes da "Epístola" ainda sejam fruto de discussão. Muito já foi escrito sobre este texto e julgo que basta no momento remeter a seus principais comentadores.3

Traduzi o texto a partir da edição de Abu Rida (1953, pp. 353-357), do qual sigo a numeração das páginas, e comparei com a de McCarthy (1964, pp. 119-149) e com a de Jolivet (1971, pp. 158-160). Das traduções, consultei as de McGinnis e Reismann (2007, pp. 16-18), Jolivet (1971, pp. 1-6), Ruffinengo (1997, pp. 347-356), Atiyeh (1966, pp. 211-215) e a de Ramón Guerrero e Tornero Poveda (1986, pp. 150-152). Optei por traduzir seguindo, na medida do possível, a ordem do texto árabe.

Em nome de Deus, o clemente, o misericordioso

Em Deus [reside] o poder.

Epístola de Abu Yusuf Ya'qub ibn Ishaq al-Kindi sobre o intelecto. [353.5]4 Que Deus faça com que compreendas todos5 os benefícios [que ele vos concede] e que garanta a ti felicidade no mundo dos vivos e no mundo dos mortos.

[353.5-10] Compreendi que pedistes um breve relato explicativo descrevendo a doutrina do intelecto ('aql) segundo a opinião dos louváveis antigos gregos. Os mais louváveis entre eles são Aristóteles e seu professor, o sábio Platão. Na medida em que a essência (hasil) do discurso de Platão sobre isso é [a mesma] da de seu discípulo Aristóteles, tratemos disto pela via explicativa.

[353.10-354.6] Dizemos que a opinião de Aristóteles sobre o intelecto é que o intelecto é de quatro tipos. O primeiro deles é o intelecto que está sempre em ato. O segundo é o intelecto em potência, e este pertence à alma (li-l-nafs). O terceiro é o intelecto que passa, na alma, da potência ao ato. O quarto | é o intelecto que chamamos de segundo.6 [Aristóteles] compara o intelecto aos sentidos devido à proximidade dos sentidos com o ser vivo e [porque] a prevalência [dos sentidos] nos [seres vivos] é total. Ele diz que a forma é de dois [tipos]: um é a forma na matéria e que ocorre sob os sentidos; outro é aquela que não possui, por si (dhat), matéria, ocorrendo sob o intelecto e sendo a especificidade das coisas e o que está acima delas. Então, a forma que está na matéria é perceptível7 em ato, pois se não fosse perceptível em ato não recairia sob os sentidos.

[354.6-355.3] Quando a alma adquire [a forma], ela está na alma, mas a alma a adquire porque [a forma] está na alma em potência. Quando a alma adquire [a forma], ela está na alma em ato. Porém, [a forma] não está na alma como uma coisa em um recipiente nem como uma marca em um corpo, pois a alma | não é corpo nem divisível. Logo, [a forma] no corpo e a alma são uma coisa [só], não [coisas] diversas, nem há [entre elas] uma diversidade (ghairiyyah) pela diversidade dos predicados.

[355.3-8] Também, do mesmo modo, a faculdade sensitiva não é uma coisa diversa da alma nem está na alma como um órgão está no corpo; antes, ela é a alma e ela é o que sente. Do mesmo modo, a forma percebida [pelos sentidos] não é na alma outra [coisa que não a própria alma] nem é uma diversidade [na alma]. Assim, o que é percebido, na alma, é o que sente.8 Quanto à matéria (hayula), o que é percebido dela é distinto da alma que sente. Assim, no que tange à matéria, o que é percebido não é o que sente.

[355.9-356.5] Desta maneira [Aristóteles] compara o intelecto. Quando a alma se liga ao intelecto, quer dizer, às formas | que não possuem matéria nem imagem (fantasya),9 [o intelecto] une-se à alma, quer dizer, torna-se existente em ato na alma, e antes disto não era existente nela em ato, mas em potência. Esta forma que não possui matéria nem imagem é o intelecto adquirido pela alma do intelecto primeiro, o qual é a especificidade das coisas, sempre em ato. Enquanto [o intelecto primeiro] é aquele que confere, a alma é o que adquire, pois a alma é inteligente em potência e o intelecto primeiro o é em ato.

[356.5-10] Toda coisa que confere outra coisa por si mesma, aquilo que recebe [algo dela] possui esta coisa em potência, e não em ato. Seja o que for que uma coisa possui em potência, ela não pode passá-la ao ato por si mesma, pois, se [o fizesse] por si mesma, estaria sempre em ato, porque a teria sempre, por si mesma, enquanto fosse existente. Assim, tudo o que está em potência é levado ao ato por outro, este sendo uma coisa em ato. Assim, a alma é inteligente em potência e levada [ao ato] pelo intelecto primeiro quando se liga a ele até se tornar inteligente em ato.

[356.10-13] Quando a forma inteligível se une com [a alma], ela e a forma inteligível não se diferem porque não há divisão que as torne diferentes. Quando [a alma] se une à forma inteligível, ela e o intelecto são uma coisa [só], pois é inteligente e inteligível. Assim, o intelecto e o inteligível são uma coisa [só], relativamente à alma.

[356.13-357.3] Quanto ao intelecto que está sempre em ato, que conduz a alma até se tornar em ato inteligente após ter sido inteligente em potência, | ele e o que o intelige10 não são uma coisa [só]. Assim, o inteligido na alma e o intelecto primeiro, relativamente ao intelecto primeiro, não são uma coisa [só]; enquanto relativamente à alma, o intelecto e o inteligido são uma coisa [só]. [O inteligido] no intelecto é, relativamente a ser simples, o mais semelhante à alma e muito mais forte do que o [que está no] sensível.

[357.4-358.4] Assim, o intelecto é causa e princípio de todos os inteligíveis e dos intelectos segundos; ou é o segundo [intelecto], que é o que está em potência na alma, enquanto a alma não é inteligente11 em ato; ou é o terceiro [intelecto], que é o que a alma [possui] em ato, | que uma vez que [a alma]

o tenha obtido, torna-se para ela existente. Quando [a alma] quer, usa-o, e, a partir dela, torna-o manifesto para existir para outra [coisa] que não [a alma], como o escrever no escritor, pois ela é para ele uma disposição possível que uma vez obtida fica consolidada na alma. Então, [o escritor] exterioriza e usa quando quer. O quarto é o intelecto que se manifesta a partir da alma quando ela o exterioriza, e a partir dela é existente em ato para outra [coisa que não] ela.

[358.5-9] A diferença entre o terceiro e o quarto [intelecto] é que o terceiro é uma aquisição da alma. Uma vez passado o momento de início da aquisição, ela o exterioriza quando quiser. E, [quanto ao] quarto, [ele ocorre] tanto primeiramente, no momento de sua aquisição, quanto posteriormente, no momento de sua manifestação, quando a alma o utiliza. Assim, o terceiro é uma aquisição da alma [feita] previamente, e, quando ela quer, o faz existente nela. O quarto se manifesta na alma quando se manifesta em ato.

[358.9-15] Louvado seja Deus na medida do que lhe é digno. Estas são as opiniões dos primeiros sábios acerca do...12 e acerca do intelecto, e este – seja Deus vosso guia – é o escopo do discurso sobre isto, pois, para o que pedistes, uma exposição simples e instrutiva, basta. Que ela te satisfaça.

Fim da epístola. Louvor a Deus.

1Para uma visão de conjunto sobre al-Kindi e sua obra, ver Atiyeh (1966); Tornero Poveda (1992); Adamson (2007).

2Sobre sua atuação e a existência do "círculo de al-Kindi", ver, entre outros, Fazzo e Wiesner (1993); Endress (1997); Adamson (2007a, pp. 41-45); Adamson (2010); Adamson (2004); Mossa (1967); Endress (2004); Adamson (2007b).

4Os números entre colchetes referem-se ao número da página e linhas da edição de Abu Rida (1953). Usa-se barra vertical para indicar quebra de página.

5Jolivet (1971) e McCarthy (1964) inserem jamiya', faltante em Abu Ridah (1953).

6McCarthy (1964) alerta para o fato de este termo no manuscrito não possuir pontuação diacrítica (nuqtah), o que pode levar a uma série de leituras. Na edição de Abu Ridah lê-se "al-thaniyah" (o segundo) e na de McCarthy lê-se "al-natiyah" (o emergente). Badawi, em sua introdução à edição da versão árabe do "De anima", sugere que se leia alba'in ou al-bayani (ser evidente, claro) (Badawi, 1980, pp. 6-7). McCarthy argumenta que ler "al-natiyah" é coerente com a descrição que al-Kindi fornecerá deste intelecto em 358:4 como o "intelecto que se manifesta (al-tahir)". Porém Jolivet mantém a leitura por "segundo", e seu argumento (p. 13) tem aspectos históricos e doutrinais: a expressão "intelecto segundo" é utilizada na "Teologia de Aristóteles" e no "Liber de causis" e al-Kindi a usa ao se referir ao intelecto como "causa [...] de todos os inteligíveis e dos intelectos segundos" (357, p. 4). Sigo a leitura de Abu Ridah (1953) e Jolivet (1971).

7Isto é, percebida por meio dos sentidos.

8Isto é, o que sente (faculdade) e o que é sentido (objeto), na alma, são a mesma coisa. Cf. McGinnis; Reismann (2007, p. 17, nota 16).

9Sigo a sugestão de tradução de Jolivet (1971) e Ramón Guerrero (1986) de que, ainda que o termo designe a faculdade, o sentido é daquilo que dela resulta.

10Lendo 'aqil ao invés de ma'qul (inteligido), seguindo Jolivet (1971).

11Não está inteligindo.

12Texto faltante. Cf. Jolivet, 1971, p. 157, nota 12.

Referências

ABU RIDAH. "Rasa'il al-Kindi al-falsafiyya". Cairo: Dar al-Fikr al-'Arabi, 1953. [ Links ]

ADAMSON. "A Note on Freedom in the Circle of al-Kindi". In: J. E. Montgomery (ed.). 'Abbasid Studies. Leuven: Peeter, 2004. pp. 199-207. [ Links ]

ADAMSON. "Al-Kindi and the Reception of Greek Philosophy". In: T. Adamson. Cambridge Companion to Arabic Philosophy, Cambridge, 2010. pp. 32-51. [ Links ]

ADAMSON. "Al-Kindi". Oxford University Press, 2007a. [ Links ]

ADAMSON. "The Kindian Tradition: The Structure of Philosophy in Arabic Neoplatonism". In: D'Ancona (ed.). The Libraries of the Neoplatonists: Proceedings of the Meeting of the European Science Foundation Network "Late Antiquity and Arabic Thought. Patterns in the Constitution of European Culture" held in Strasbourg, March 12-14, 2004. Leiden: E. J. Brill, 2007b. pp. 351-70. [ Links ]

ATIYEH. G. N. "Al-Kindi: the Philosopher of the Arabs". Rawalpindi: Islamic Research Institute, 1966. [ Links ]

BADAWI. "Tasdir 'amm". In: Aristutalis. Fi nafs. Beyruth: Dar al-qalam, 1980. [ Links ]

D'ANCONA. "Aristotelian and Neoplatonic Elements in Kindi's Doctrine of Knowledge". American Catholic Philosophical Quarterly, 73, 1, pp. 9-35, 1999. [ Links ]

ENDRESS. "Building the Library of Arabic Philosophy Platonism and Aristotelianism in the Sources of Al-Kindi". In: D'Ancona (ed.). The Libraries of the Neoplatonists: Proceedings of the Meeting of the European Science Foundation Network "Late Antiquity and Arabic Thought. Patterns in the Constitution of European Culture" held in Strasbourg, March 12-14, 2004. Leiden: E. J. Brill, 2007. pp. 319-350. [ Links ]

ENDRESS. "The Circle of al-Kindi: Early Arabic Translations from Greek and the Rise of Islamic Philosophy". In: Endress; Kruk (eds.). The Ancient Tradition in Christian and Islamic Hellenism. Leiden: Research School CNWS, 1997. pp. 43-76. [ Links ]

FAZZO, S.; WIESNER, H. "Alexander of Aphrodisias in the Kindi-Circle and in alKindi's Cosmology". Arabic Sciences and Philosophy, 3, pp. 119-53, 1993. [ Links ]

FITZMAURICE. "Al-Kindi on Psychology". M.A., McGill University (Canada), 1971. [ Links ]

JOLIVET. "L'intellect selon Kindi". Leiden: E. J. Brill, 1971. [ Links ]

MCcARTHY. "Al-Kindi's Treatise on the Intellect: Text and Tentative Translation". Islamic Studies, 3, 2, pp. 119-149, 1964. [ Links ]

MCGINNIS; REISMANN (eds.). "Classical Arabic Philosophy: An Anthology of Sources". Hackett, 2007. [ Links ]

MOSSA, M. I. "Al-Kindi's Role in the Transmission of Greek Knowledge to the Arabs". Journal of the Pakistan Historical Society, 15, 1967, pp. 1-18. [ Links ]

RAMÓN GUERRERO; TORNERO POVEDA. "Obras filosóficas de al-Kindi". Madrid: Ed. Coloquio, 1986. [ Links ]

RASHED, R.; JOLIVET, J. "Oeuvres Philosophiques et scientifiques d'Al-Kindi". Métaphisique et cosmologie. Leiden: E. J. Brill, 1998. Vol. 2. [ Links ]

RUFFINENGO. "Al-Kindi. Sull'intelectto, sul sonno e la vision". Medioevo, 23, pp. 347-356, 1997. [ Links ]

TORNERO POVEDA (Ed.). "Al-Kindi: La transformación de un pensamiento religioso en un pensamiento racional". Madrid: CSIC, 1992. [ Links ]

WIESNER. "The Cosmology of al-Kindi". Ph.D., Harvard University, 1993. [ Links ]

Recebido: 30 de Abril de 2014; Aceito: 25 de Julho de 2014

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution Non-Commercial, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que sem fins comerciais e que o trabalho original seja corretamente citado.