SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue3Somatic incompatibility in Rhizoctonia solani AG-1 IA of soybeanDevelopment and validation of a diagrammatic key for Cercospora leaf spot of sweet pepper author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Summa Phytopathologica

Print version ISSN 0100-5405On-line version ISSN 1980-5454

Summa phytopathol. vol.32 no.3 Botucatu July/Sept. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-54052006000300007 

ARTIGOS

 

Utilização de Acibenzolar-S-Methyl para controle de doenças foliares da soja

 

Use of Acibenzolar-S-Methyl to control foliar diseases of soybean

 

 

Leandro Jose Dallagnol; Lucas Navarini; Mauro Guliane Ugalde; Ricardo Silveiro Balardin; Robson Catellam

Departamento de Defesa Fitossanitária, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, CEP 97105-900, Camobi, Santa Maria, RS. E-mail: ljdallagnol@gmail.com

 

 


RESUMO

O controle das doenças foliares na cultura da soja pode ser obtido pela utilização de métodos genéticos, culturais e químicos. A utilização de ativadores químicos dos mecanismos de defesa é uma alternativa de controle induzido. Para avaliar o efeito na eficácia com a inclusão de Acibenzolar-S-Methyl (ASM) no programa de controle químico das doenças foliares na cultura da soja, um experimento foi instalado com as cultivares IAS 5, CD 201 e RS 10. O efeito do ASM foi avaliada isoladamente e em mistura com Difenoconazole aplicados nos estádios R3, R4 e R5.1 e o Azoxystrobin em R5.1. Os parâmetros avaliados foram a severidade das doenças de final de ciclo (DFC), desfolha, área foliar verde e rendimento de grãos. A inclusão de ASM nos programas de controle químico aumentou, na maioria dos casos, a eficácia dos fungicidas para todos os parâmetros avaliados, porém com variação entre as cultivares. Os melhores resultados foram obtidos com aplicações de Difenoconazole + ASM aplicado em R3 e R4, não sendo verificado efeito na eficácia do Azoxystrobin (R5.1). O incremento no rendimento das cultivares foi influenciado pela tolerância das cultivares as doenças, sendo positivo para as cultivares CD 201 e RS 10 com aplicação de ASM + Difenoconazole em R4.

Palavras-chave: Ativador químico, controle químico, resistência sistêmica adquirida.


ABSTRACT

The chemical control of foliar diseases in soybean can be achieved by using genetic, cultural and chemical practices. The use of activators of plant defense mechanisms is an alternative for disease control. An experiment was carried out with the cultivars 'IAS 5', 'CD 201' and 'RS 10' aiming to evaluate the efficacy of the inclusion of Acibenzolar-S-Methyl (ASM) to the chemical control program of foliar diseases in soybean. The effect of ASM was evaluated separately and mixture with Difenoconazol sprayed on to plants at the growth stages of R3, R4, R5. 1 Azoxystrobin was sprayed on R5.1. The variables evaluated were diseases severities at the end of the crop, desfoliation, green foliar area and yield. The inclusion of ASM to the chemical control program of foliar diseases increased the efficacy of the fungicides in most of the cases but with variations among cultivars. Best results were obtained with applications of Difenoconazol + ASM at R3 and R4 stages, but without efficacy when applied with Azoxystrobin at the R5.1 stages. Yield increase was affected by host tolerance to the diseases, but more evident on the cultivars 'CD 201' and 'RS 10' with application of ASM + Difenoconazol at the R4 stage.

Key-words: mechanisms of host defense, chemical control, systemic adquired resistance.


 

 

INTRODUÇÃO

As doenças foliares, causadas por fungos, podem comprometer até 20% do rendimento de grãos da cultura da soja (14), podendo chegar a valores superiores a 75% quando na presença da ferrugem asiática (15). As principais doenças são oídio (Microsphaera diffusa Cke. & P.k.), doenças de final de ciclo (Septoria glycines Hemmi, Cercospora kikuchii (Matsu & Tomoyasu) Gardner, Cercospora sojina Hara, Colletotrichum truncatun (Schewin) Andrus& W.D: Moore) e recentemente a ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi Sydow & P. Sydow.).

Apesar dos esforços na obtenção de cultivares resistentes, ainda não se pode abrir mão da proteção química com aplicação de fungicidas na parte aérea para o controle das doenças. Pesquisas têm sido realizadas na tentativa de buscar produtos que ativam mecanismos de defesa da planta, propiciando mais uma alternativa de controle.

Indução de resistência é definida como a ativação da capacidade da planta em se defender contra um amplo espectro de patógenos após estímulo apropriado. O resultado do aumento da resistência devido a um agente indutor, antes da infecção por um patógeno, é chamado de resistência sistêmica adquirida ou resistência sistêmica induzida (8). Ao contrário das interações gene-a-gene que governam a resistência genética específica, a chamada "resistência sistêmica adquirida" (SAR) não é específica e é expressa em toda a planta após ser induzida por um organismo patogênico ou não patogênico. A utilização de compostos ativadores da resposta SAR, provavelmente presente em todas as espécies de plantas, surge como uma nova alternativa no controle de doenças em plantas (3). Solorzano et al. (12), Li &Li (5) e Moraes (7) estudaram o modo de ação ao nível bioquímico dos produtos descritos como indutores de resistência. O caráter não-específico da indução da resistência propicia um aumento simultâneo no nível de resistência basal para muitos patógenos, o que pode ser benéfico sob condições de campo, onde múltiplos patógenos podem estar presentes (13).

O desenvolvimento mais recente neste campo dos ativadores de resistência de plantas está relacionado com a descoberta de um análogo funcional do ácido salicílico, o Acibenzolar-S-Methyl (ASM). O ácido salicílico promove nas células das plantas a produção de proteínas específicas relacionadas com a patogênese, tais como ß,1-3 glucanase e quitinase que são capazes de degradar a parede celular de fungos e bactérias patogênicos (1). Segundo Mckenzie (6), o ASM quando incluído como parte integral do programa de manejo de culturas, não melhora apenas o controle de doenças, mas aumenta o rendimento e diminui os níveis de doenças na pós-colheita. No Brasil, Kobayasti et al. (4) e Silva et al. (10) relataram a eficiência de ASM em controlar doenças bacterianas de difícil controle.

A eficiência de compostos como o ASM em controlar doenças fúngicas em culturas anuais, como no caso da soja é carente de informações. Para avaliar o efeito na eficácia de controle de doenças foliares com a inclusão de ASM no programa de controle químico destas e definir o seu posicionamento em termos de estádio de aplicação, realizou-se este trabalho.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido na safra 2002 - 2003, utilizando as cultivares IAS-5, Coodetec 201 (CD 201) e Fepagro RS-10 (RS 10), com manejo fitotécnico segundo as Indicações da Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul (9). O experimento foi instalado com um tratamento testemunha sem aplicação de fungicidas e um tratamento chamado controle total, que consistiu na pulverização quinzenal de diferentes ingredientes ativos a partir do estádio R1 (primeiro botão floral ao nível do quarto nó da haste principal), até R5.3.

O fungicida Difenoconazole (200 mL.ha-1) e o ativador de resistência de plantas ASM (50 g.ha-1) foram aplicados nos estádios R3 (final da floração), R4 (vagens com 2-4 cm no terço superior da planta sem grãos perceptíveis) e R5.1 (grãos perceptíveis ao tato a 10% da granação) isolados e em mistura. O fungicida Azoxystrobin (200 mL.ha-1) foi avaliado isoladamente e em mistura com ASM (50 g.ha-1) no estádio R5.1.

Os fungicidas foram aplicados com barra provida de 04 bicos do tipo leque (XR110015 TEEJET), acoplada a um pulverizador costal propelido a CO2 e regulado para uma pressão de trabalho de 30 lbs/pol2. A velocidade de caminhamento utilizada na aplicação dos fungicidas foi de 1 m.s-1 e o volume da calda ajustado para 120 L.ha-1. As parcelas experimentais apresentaram área total de 13,5 m2 (2,7 x 5,0m), sendo que todas as avaliações foram realizadas em área útil de 7,2 m2 (1,8 x 4,0m).

Os parâmetros avaliados foram a severidade das doenças de final de ciclo (DFC), área foliar verde, desfolha e rendimento de grãos (kg.ha-1). As avaliações de severidade das doenças foram realizadas vinte dias após a aplicação do último tratamento. Enquanto a área foliar verde e a desfolha foi avaliada no estádio R7. Não foi observado a sintomas de oídio e ferrugem asiática no experimento.

A severidade da doença foi obtida a partir da observação da porcentagem da área foliar das plantas com sintomas das DFC, em quatro pontos da área útil da parcela experimental, sendo considerado o terço superior e o terço inferior das plantas. Os componentes foliares, área foliar verde e desfolha foram determinados baseado na porcentagem de folhas remanescentes sobre as plantas.

Para determinação do rendimento, todas as plantas na área útil da unidade experimental foram cortadas e trilhadas com batedor estacionário marca Triton. O volume de grãos de cada parcela foi pesado e determinou-se a sua umidade, sendo convertida a 13%, para o cálculo do rendimento final.

O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso com quatro repetições. Para a análise dos dados foi utilizado o teste de comparação múltipla de Duncan (P<0,05).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O ASM aumentou a eficácia de controle das doenças foliares na cultura da soja, sendo influenciada pela cultivar e pelo momento da aplicação, com os melhores resultados obtidos nas pulverizações realizadas no estádio R3, quando ainda não havia sido constatado sintoma das doenças (Tabela 1).

 

 

Os dados obtidos (Tabela 1) mostram maior eficácia de controle (%) das doenças foliares para aplicação de ASM em mistura com Difenoconazole para todos os momentos de aplicação, quando comparado a aplicação isolada de Difenoconazole, exceto na cv RS 10 em R4 e R5.1. Entretanto, diferença significativa na severidade das DFC apenas foi verificada em aplicações realizadas em R3 e R4 na cv IAS 5 e R5.1 na cv RS 10. Este aumento na eficiência de controle, provavelmente, deve-se a ativação dos mecanismos de defesa da planta pelo ASM, reduzindo a progressão das DFC. A maior severidade das DFC verificada quando o ASM foi aplicado isolado nos estádios R3 e R4, exceto R4 na cv IAS 5, provavelmente seja devido à ineficácia de ação sobre o inóculo inicial.

A mistura de ASM com Azoxystrobin não aumentou a eficácia de controle, sendo a menor severidade das DFC observada quando o fungicida foi aplicado isolado. Provavelmente, este resultado seja devido aplicação tardia do ASM (R5.1), não havendo tempo hábil a planta para ativar os mecanismos de defesa de forma a influenciar o controle.

A associação de ASM com Difenoconazole proporcionou a preservação da área foliar verde na cv IAS 5, nas aplicações em R3 e R4, e na cv CD 201, para aplicações em R3, R4e R5.1. Na cv RS 10 foi verificado aumento na área foliar verde quando aplicado a mistura, porém sem diferença significativa da aplicação isolada de Difenoconazole. Redução significativa na desfolha foi verificada em aplicação realizada no estádio R3 e R4 das cultivares CD 201 e IAS 5, respectivamente (Tabela 2).

 

 

A aplicação de ASM isolada apresentou à maior desfolha, para maioria dos estádios aplicados e cultivares. Soares et al. (11) não encontraram efeito da aplicação de ASM isolado sobre o controle de Curtobacterium flaccumfaciens em feijão. Os dados apresentados evidenciam a necessidade da associação do ativador ASM a fungicidas, sendo que quando aplicado antes da visualização dos sintomas foi mais eficiente, provavelmente por ativar as defesas da planta antes do estabelecimento das relações patógeno-hospedeiro.

Analisando o rendimento de grãos (Tabela 3), a cv IAS 5 não mostrou diferença significativa entre os tratamentos testados, independente dos produtos e dos estádios de aplicação considerados, corroborando com Giordani & Balardin (2) que caracterizou esse germoplasma como tolerante ao complexo de doenças foliares da cultura da soja, conseqüentemente, de baixa resposta ao controle químico.

 

 

Na cv CD 201 as aplicações da mistura de ASM com Difenoconazole obtiveram ganhos superiores no rendimento de grãos, quando comparados ao Difenoconazole aplicado isoladamente, independente do estádio que foi realizada a pulverização, porem com diferença significativa apenas em R3, quando foi verificado incrementos no rendimento de grãos de 17,7%.

A aplicação da mistura de ASM com Difenoconazole nos estádios R3 e R4 na cv RS 10 apresentou os maiores rendimentos de grãos, não diferindo Difenoconazole, ASM + Difenoconazole e Azoxystrobin pulverizados em R5.1. O maior rendimento da mistura pulverizada em R3 e R4 quando comparada a aplicação isolada de Difenoconazole, provavelmente seja devido ao residual de proteção do fungicida isolado acabar antes das plantas finalizarem o enchimento de grãos, sendo que na mistura a indução de resistência pelo ASM compensou esta deficiência. Neste sentido, os dados apontam para maior beneficio do controle das DFC na cv RS 10 quando as aplicações foram realizadas entre os estádios R3 e R4, provavelmente por maximizar a proteção devido a redução do inóculo para a fase de enchimento de grãos.

Os resultados apresentaram o efeito da utilização de ASM associado a fungicidas, indicando que este produto pode aumentar a eficiência de controle das doenças foliares, quando aplicado antes do surgimento dos sintomas da doença.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

1. Col, D.L. The efficacy of Acibenzolar-S-Methyl, an inducer of systemic acquired resistence, against bacterial and fungal diseases of tobacco. Crop Protection, Oxford, v.18, p.267-273,1999.         [ Links ]

2. Giordani, R.F.; Balardin, R.S. Controle de oídio e doenças de final de ciclo na cultura da soja. Santa Maria: O autor, 2001. 57p.:il.         [ Links ]

3. Gullino, L.M.; Leroux, P.; Smith, C.M. Uses and challenges of novels compounds for plant disease control. Crop Protection, Guildford, v.19, p.1-11, 2000.         [ Links ]

4. Kobayasti, L.; Silva, L.H.C.P.; Campos, J.R.; Souza, R.M.; Rezende, M.L.V.; Castro, R.M. Efeito "in vitro" do indutor de resistência Acibenzolar-S-Methyl sobre bactérias patogênicas ao tomateiro. Fitopatologia. Brasileira, Brasilia, v.26, Supl., p. 293-293, 2001. (resumo)         [ Links ]

5. Li, B.J.; Li, F.Y. Changes in activities and electrophoretic patterns of peroxidase and polyphenoloxidases in cucumbers during infection with Cladosporium cucumerinum. Scientia Agricultura Sinica, China, v.31, p.86-88, 1998.         [ Links ]

6. Mckenzie, D. The development of Acibenzolar-S-Methyl (ASM) for use in crop management. Fitopatologia. Brasileira, Brasília, v.26, p.256-256, Supl., 2001. (Resumo)         [ Links ]

7. Moraes, M.G. Mecanismos de resistência sistêmica adquirida em plantas. Revisão Anual de Patologia de Plantas, Passo Fundo, v6, p.261-284, 1998.         [ Links ]

8. Ramamoorthy, V., Viswanathan, R., Raguchander, T., Prakassam, V., Samiyappan, R. Induction of systemic resistance by plant growth promoting Rhyzobacteria in crop plants against pests and diseases. Crop Protection, Oxford, v.20, n1, p.1-11, 2001.         [ Links ]

9. REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL (30.: 2002: Cruz Alta) Indicações técnicas para a cultura da soja no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina 2002/2003. Cruz Alta: Fepagro, 2002. 139p.         [ Links ]

10. Silva, L.H.C.P.; Campos, J.R.; Kobayasti, L.; Souza, R.M.; Rezende, M.L.V.; Castro, R.M. Efeito do Acibenzolar-S-Methyl (ASM) na proteção contra Ralstonia solanacearum em tomateiro. Fitopatologia. Brasileira, Brasília, v.26, p.294-295, Supl., 2001. (Resumo)         [ Links ]

11. Soares, R.M.; Maringoni, A.C.; Lima, G.P.P. Ineficiência de acibenzolar-S-methyl na indução de resistência de feijoeiro comum á murcha-de-Curtobacterium. Fitopatologia. Brasileira, Brasília, V.29, n.4, p.373-377, 2004.         [ Links ]

12. Solorzano, E.; Hernandez, S.; Fernandez, E.; Fernandez, A. Inducción sistémica de peroxidasas y polifenoloxidasas frente a Alternaria solani en tomate por acción del Na2PO4. Revista de Proteccion Vegetal, La Habana – Cuba, v.11, n 1, p.29-32, 1996.         [ Links ]

13. VAN LOON, L.C.; PIETERSE, C.M.J.; BAKKER, P.A.H.M.; GERAATS, B.P.M.; KNOESTER, M.; TON, J.; VAN WEES, S.C.M.. Systemically induced resistence in Arabidopsis. Fitopatologia. Brasileira, Brasília, v.26, p.254-254, Supl., 2001. (Resumo)         [ Links ]

14. Wrather, J.A.; Anderson, T.R.; Arsyad, D.M.; Gai, J.; Ploper, L.D.; Porta-Puglia, A; Ram, H.H.; Yorinori, J.T. Soybean disease losses estimates for the top 10 soybean producing countries in 1994. Plant Disease, St. Paul, v.81, p.107-110, 1997         [ Links ]

15. Yorinori, J. T. Ferrugem asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi): ocorrência no Brasil e estratégias de manejo. In: II Encontro brasileiro sobre doenças da cultura da soja. n.1, 2002, Passo Fundo: Aldeia Norte Editora, p.47-54. (Resumos de Palestras)         [ Links ]

 

 

Data de chegada: 19/03/2005. Aceito para publicação: 16/11/2005.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License