SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue4Ocorrência de Pythiella vernalis em Pythium aphanidermatum de cultura hidropônica de agrião no BrasilFusariose do abacaxizeiro no Pará author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Summa Phytopathologica

Print version ISSN 0100-5405

Summa phytopathol. vol.35 no.4 Botucatu Oct./Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-54052009000400013 

COMUNICAÇÕES/COMMUNICATIONS

 

Scytalidium lignicola em mandioca: ocorrência no Estado do Maranhão e reação de cultivares ao patógeno

 

 

Ilka Márcia Ribeiro de Souza SerraI, Gilson Soares da SilvaI, Fagner Silva NascimentoI, Luiz Kleber Ferreira LimaI

IUniversidade Estadual do Maranhão, Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade / Núcleo de Biotecnologia Agronômica, CEP 65041-970, São Luis/MA, E-mail: ilka.tt@gmail.com

 

 

A podridão radicular, causada principalmente, por Phytophthora sp. e Fusarium sp. é um dos fatores limitantes da produção de mandioca em algumas áreas da Região Norte e Nordeste. A doença é particularmente importante nos ecossistemas de Várzea e de Terra Firme dos Estados do Pará, Amazonas e Amapá. Estima-se, na Região Amazônica, perdas superiores a 50% na Várzea, podendo atingir até 30% em Terra Firme (Mattos et al., Sistemas de Produção, CNPMF, n.13, 2003). Em alguns casos, têm-se observado prejuízos totais, principalmente em plantios conduzidos em áreas constituídas de solos compactados e sujeitos a constantes encharcamentos. O fungo Scytalidium lignicola Pesante tem sido descrito também como um importante patógeno na cultura da mandioca causando a podridão negra em raízes e caule. A presença deste patógeno no Brasil foi verificada pela primeira vez no estado de Pernambuco e, em seguida, nos estados do Pará e de Alagoas (Laranjeira et al., Fitopatol. Bras. 19:466. 1994; Poltronieri et al., Fitopatol. Bras. 23:411. 1998; Muniz et al., Summa Phytopath. 25:156. 1999). Os objetivos do presente trabalho foram relatar a ocorrência da podridão negra em raízes de mandioca no estado do Maranhão e avaliar a reação de cultivares ao patógeno. O isolamento do fungo foi feito em meio de cultura BDA, a partir de raízes com sintomas de podridão (Figura 1A), provenientes de Brejo-MA. Testes de patogenicidade foram realizados em raízes de mandioca cv. Tatajuba em condições de laboratório à temperatura de 25oC. A reação de resistência das cultivares se deu com a inoculação do fungo em dez cultivares de mandioca (Anajazinho, Anajá da folha amarela, Branquinha, Cigana, Folha de mamão, Olho verde, Paruara, Pingo de ouro, Tatajuba e Tomazinha). Para tanto, raízes das diferentes cultivares foram desinfestadas com hipoclorito de sódio (3%) e, em seguidas, lavadas com água destilada e secas em papel toalha. A inoculação do fungo foi feita em raízes de mandioca com e sem ferimento, usando dois discos de cultura por raiz. As raízes permaneceram em câmara úmida durante 72 horas. A avaliação foi realizada sete dias após a inoculação, observando-se os sintomas decorrentes da ação de S. lignicola nas raízes. Em meio de BDA o fungo apresentou, inicialmente, colônia de cor branca, tornando-se escurecida após quatro dias de incubação (Figura 1B). As hifas apresentaram-se septadas, escuras, medindo em média 4,0-7,0µm de largura, e os conídios mostraram-se escuros, cilíndricos, esféricos ou sub-esfericos, lisos e a grande maioria sem septo, medindo 4,0-8,5 x 3,5-7,0µm de comprimento e largura, respectivamente. De acordo com as características morfológicas observadas o agente causal foi identificado como Scytalidium lignicola Pesante (Figura 3C e 3D) conforme descrição de Ellis (1971 Dematiaceous Hyphomycetes. CMI). Todas as cultivares testadas apresentaram suscetibilidade ao fungo, com sintomas de podridão negra, tanto com e sem ferimento, após dois dias da inoculação. Este é o primeiro relato da ocorrência de S. lignicola causando podridão negra em raízes de mandioca no Maranhão, doença que pode se tornar importante para o Estado. O isolado fúngico foi encaminhado para a Coleção de Fungos Fitopatogênicos "Profa. Maria Menezes" da UFRPE.

 


 

Clique para ampliar

 

 

Data de chegada: 31/10/2008
Aceito para publicação em: 15/06/2009