SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue4Scytalidium lignicola em mandioca: ocorrência no Estado do Maranhão e reação de cultivares ao patógenoConstatação de Graphiola phoenicis em tamareira no estado de São Paulo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Summa Phytopathologica

Print version ISSN 0100-5405

Summa phytopathol. vol.35 no.4 Botucatu Oct./Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-54052009000400014 

COMUNICAÇÕES/COMMUNICATIONS

 

Fusariose do abacaxizeiro no Pará

 

 

Jaqueline Rosemeire VerzignassiI, Maria de Fátima SantosII, Aristóteles Pires de MatosIII, Ruth Linda BenchimolI, Luiz S. PoltronieriI

IEmbrapa Gado de Corte, Rodovia BR 262, km 4, Caixa Postal 154, CEP 79002-970, Campo Grande, MS, E-mail: Jaqueline@cnpgc.embrapa.br
IIAgência de Defesa Agropecuária do Pará, Belém, PA
IIIEmbrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, Cruz das Almas, BA

 

 

O abacaxizeiro (Ananas comosus (L.) Merrill) é uma espécie tropical de grande interesse econômico para o Pará. Em 2004, o Estado produziu 315.428 mil frutos de abacaxi, seguido pela Paraíba (268.106 mil frutos), Minas Gerais (219.137 mil frutos) e Bahia (117.973 mil frutos). Em 2005, tornou-se o segundo maior produtor, com 268.808 mil frutos, superado pela Paraíba, com 325.612 mil frutos. Em 2006 tornou-se o maior produtor brasileiro, com área colhida de 14.062 ha, produção de 353.773 mil frutos e rendimento médio de 25.158 frutos por hectare.

Em diferentes localidades do Estado do Pará foram coletados frutos de abacaxi, da cultivar "Pérola", com sintomas de apodrecimento, com ou sem exsudação de goma pelos frutilhos, bem como mudas (filhotes), pedúnculos dos frutos, caules, folhas e raízes de plantas apresentando lesões e apodrecimento, com ou sem exsudação de goma (figuras 1 e 2). As amostras foram coletadas em áreas de produção comercial nos municípios de Floresta do Araguaia, Salvaterra, Capitão Poço, Castanhal, Conceição do Araguaia, Nova Timboteua, Peixe Boi e Cachoeira do Arari e encaminhadas ao Laboratório de Fitopatologia da Embrapa Amazônia Oriental para a diagnose do agente causal.

 

 

Da interface entre o tecido lesionado e sadio de todas as partes vegetais procedeu-se isolamentos. Para tanto, pequenas porções de tecido foram plaqueadas em meio de cultura BDA (batata-dextrose-ágar, 26ºC, fotoperíodo de 12h). Os isolados obtidos foram multiplicados em BDA e, após três dias do isolamento, foram observadas colônias fúngicas, de crescimento rasteiro e hialino, tornando-se branco e cotonoso, com microconídios em falsa cabeça, o que permitiu a identificação como Fusarium subglutinans (BOOTH, K.J. The Genus Fusarium. Kew: Commonwealth Mycological Institute. 1971. 237p.), agente causal da fusariose do abacaxizeiro.

Tomou-se frutos sadios de abacaxi da mesma cultivar, previamente desinfestados e inoculou-se com os isolados provenientes de frutos sintomáticos. Os frutos foram perfurados com vasador de rolha e discos de micélio + meio de cultura (BDA) dos isolados foram inseridos nos orifícios, os quais foram fechados com a parte retirada pelo vasador. Na testemunha, inseriu-se apenas discos de meio de cultura. Os frutos foram submetidos à câmara úmida por dois dias.

Quatro dias após a inoculação, verificou-se sintomas similares aos observados nos frutos das áreas de cultivo, comprovando-se a patogenicidade do fungo. Efetuou-se o reisolamento a partir das lesões formadas e obteve-se colônias idênticas às obtidas quando do isolamento inicial.

Este é o primeiro relato de fusariose (Fusarium subglutinans) no Estado do Pará. Até o momento o patógeno foi constatado nos municípios de Floresta do Araguaia, Salvaterra, Capitão Poço, Castanhal, Conceição do Araguaia, Nova Timboteua, Peixe Boi e Cachoeira do Arari.

 

 

Data de chegada: 10/07/2007
Aceito para publicação em: 08/04/2008