SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue1Teratosphaeria nubilosa affecting commercial plantations of Eucalyptus globulus in South and Southeast of Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Summa Phytopathologica

Print version ISSN 0100-5405

Summa phytopathol. vol.38 no.1 Botucatu Jan./Mar. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-54052012000100001 

OBITUÁRIO

 

Marly Vicente: *17/08/1936 +12/02/2012

 

 

 

É com muito pesar que informamos o falecimento da Dra. Marly de Felice Vicente, no último domingo, dia 12 de fevereiro.

Bióloga e doutora em Fisiologia Vegetal pela Universidade de São Paulo, fez sua brilhante carreira científica no Instituto Biológico como pesquisadora e chefe da Seção de Virologia Fitopatológica deste Instituto. Por mais de trinta anos orientou diversos estagiários, bolsistas, pós-graduandos e profissionais na área de Fitovirologia. Foi grande incentivadora do aperfeiçoamento profissional de seus funcionários. Era amada e respeitada por seus colaboradores pela generosidade e eficiência administrativa e no gerenciamento da pesquisa. Mesmo depois de sua aposentadoria, na década de 1990, continuou em atividade como bolsista do CNPq e coordenadora de projetos financiados pela FAPESP. Além de vasta publicação científica em revistas nacionais e internacionais, deixou inúmeros amigos e colegas que irão sempre lembrar seu sorriso amigo, sua alegria, seu amor pelo trabalho e seu entusiasmo pela vida e pela ciência.

 


 

 

Charles Frederick Robbs: *18/01/1920 +03/01/2012)

 

 

 

Nasceu em 18 de janeiro de 1920, em uma pequena casa na praia de Olinda, Pernambuco. Seu pai Frederick Robbs era inglês e sua mãe Judith Dantas Robbs, embora nascida em Belém do Pará, foi criada no Ceará. Por isto, foi registrado com dupla nacionalidade: brasileira e inglesa.

Em 1943, já no último ano do curso de Agronomia da saudosa Escola Nacional de Agronomia (ENA), foi convidado pelo Prof. Verlande Duarte Silveira para ser monitor da Cadeira de Fitopatologia e Microbiologia Agrícola. Em 1944, foi indicado pelo Professor Catedrático Heitor Grillo para ocupar o cargo de Professor Assistente de Fitopatologia. A partir dessa época, enveredou pela fitossanidade, de forma pioneira e auto-didática, passando a dedicar-se especialmente ao estudo das bactérias fitopatogênicas, até tornar-se o mais destacado especialista brasileiro nessa área de pesquisa. Ainda em 1944, teve a felicidade de conhecer Haydée dos Santos Guimarães, com quem casou-se em 1º de fevereiro de 1947 e teve seus quatro filhos: Paschoal Robbs, Regina Maria, Carlos Frederico e Francisco Carlos.

Em decorrência da monografia apresentada ao final do Curso de Fitossanitarista da ENA, em 1945, sob o título: "Contribuição ao estudo das bactérias que atacam plantas no Brasil", obteve do Ministério da Educação equivalência ao título de Mestre em Ciências. A referida monografia reuniu três capítulos: 1) "Contribuição ao estudo da podridão negra das crucíferas"; 2) "Considerações sobre insetos possivelmente transmissores de doenças bacterianas" e 3) "Lista preliminar das bactérias fitopatogênicas observadas no Brasil". Esses fatos foram decisivos para itensificar o entusiasmo e dar continuidade às pesquisas do Prof. Robbs em Fitobacteriologia. No ano 1967, obteve a Livre Docência e, em decorrência do concurso prestado, titulou-se Doutor em Fitopatologia e Microbiologia Agrícola, em 1970.

Destaca-se como suas principais atividades profissionais, as seguintes: Professor da Escola Nacional de Agronomia (Atual UFRRJ) até 1985. O Prof. Robbs aposentou-se da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRuralRJ), mas continuou suas pesquisas na EMBRAPA em Jaguariúna - São Paulo, na área de controle biológico de pragas e doenças. Participou, ainda, como orientador e palestrante de programas de pós-graduação na ESALQ-USP, no Instituto Biológico de São Paulo, no Instituto Agronômico de Campinas, na Universidade de Brasília, na EMBRAPA/Alimentos (CTAA). Por último, colaborou com o Curso de Pós-Graduação em Fitotecnia da UFRRJ.

 

Elaborado pelo João Sebastião de Paula Araújo.

 


 

 

Richard D. Berger

 

 

Dr. Richard D. Berger, Emeritus Professor of Plant Pathologyat the University of Florida (UF), passed away on December 22, 2011, after a long illness. His colleagues and former students remember him as a friendly, quiet and dedicated researcher and teacher, with a unique sense of humor and a tremendous historical knowledge of the development of epidemiological concepts and applications. Dr. Berger voiced and published many original, innovative and sometimes controversial ideas about temporal and spatial dynamics of plant diseases. He trained six M.S. and eight PhD students the principles and practice of plant disease epidemiology in addition to teaching an introductory course in Plant Disease Control and a course in Epidemiology at the graduate level.

Dr. Berger was born in Pennsylvania in 1934, grew up on a farm, and received his B.S. degree from Kutztown State College, PA, in 1955. He then served in the U.S. Army as research assistant doing research on rice blast in the biological warfare laboratories in Frederick, MD. There, he developed an interest in and understanding of plant disease epidemiology, so that he continued with graduate studies in Plant Pathology at the University of Wisconsin, where he earned the PhD degree in 1962. His first position in Plant Pathology was that of Extension Plant Pathologist at the Pennsylvania State University. Next, he became assistant and later associate professor at the Everglades Research and Education Center of UF in Belle Glade, Fl. In 1976, he and his family moved to the main campus of UF in Gainesville, Fl., where he taught the epidemiology course, maintained a successful research program, and mentored graduate students for many years. An interest unrelated to epidemiology was his fascination of Cercospora taxonomy. For a few years, Dr. Berger was also the interim Department Chair for the Department of Plant Pathology.

Dr. Berger retired in 2003, but continued to teach epidemiology until 2006.

Dr. Berger wasan activemember of the American Phytopathological Society, servingas Chair or member of the Epidemiology, the IPM and the Crop Loss Committees. He was also a member of the Florida State Horticultural Society and of the American Peanut Research and Education Association. He was Senior and Associate Editor of Phytopathology, Assigning and Senior Editor of Plant Disease, Associate Editor of Phytoprotection, and served on the Editorial Committee of the Annual Review of Phytopathology.

He attended numerous scientific meetings world wide and was a regular participantin the International Epidemiology Workshops. He also gave many invited presentations at various conferences. Dr. Berger spent several study leaves abroad, among others in the Netherlands, Brazil, Puerto Rico and Mexico. For these tremendous contributions Dr. Berger received two awards from horticultural organizations in Florida and two awards (Campbell award and Fellow award) from the American Phytopathological Society.

 

Ariena van Bruggen, Prof. of Plant Disease Epidemiology, Dept. of Plant Pathology and Emerging Pathogens Institute, University of Florida, Gainesville, FL 32611
www.plantpath.ifas.ufl.edu