SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue2Ocorrência de infecção viral mista em pimentão no estado de São Paulo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Summa Phytopathologica

Print version ISSN 0100-5405

Summa phytopathol. vol.38 no.2 Botucatu Apr./June 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-54052012000200016 

COMUNICAÇÕES

 

Ceratocystis fimbriata causando murcha em atemóia na região de Botucatu-SP

 

 

Ana Carolina FirminoI, *; Hugo José Tozze JúniorII; Paula Nepomuceno CostaIII; Edson Luiz FurtadoI

IDepartamento de Produção Vegetal, Defesa Fitossanitaria, UNESP/FCA, Botucatu-SP (Bolsista Fapesp e CNPq)
IIDepartamento de Fitopatologia e Nematologia, ESALQ/FCA, Piracicaba-SP
IIIDepartamento de Engenharia Florestal, UNESP/FCA, Botucatu-SP

 

 

A atemóia é um híbrido Annona cherimola Mill. com A. squamosa L. e possui características importantes que são de interesse comercial, fazendo com que seu consumo esteja em franco crescimento. Atualmente, o principal mercado consumidor é o Estado de São Paulo, sendo que os frutos desta planta são destinados ao consumo in natura. Em 2009, na região de Botucatu/SP/Brasil, plantas de atemóia foram encontradas apresentando sintomas de murcha e seca. Estes sintomas normalmente são ocasionados por Ceratocystis spp. patógeno o qual vem causando problemas em muitas culturas de importância econômica. Esse fungo coloniza o sistema vascular (xilema), causando sintomas iniciais de perda de coloração das folhagens, murcha e, conseqüentemente, morte da planta. Fragmentos do caule de plantas com sintomas de seca foram coletados e colocados sobre isca de cenoura em câmara úmida e incubados a 25±2ºC sob fotoperíodo alternado. Após formação de peritécio, uma porção de massa contendo ascósporos foi transferida para meio MEA (Malte, extrato de levedura e agar) para formação de colônias, sendo incubado nas condições anteriores. Após 10 dias, observou-se na colônia a presença de peritécio escuro, globoso (tamanho médio de 208,40µm x 230,15 µm) e com rostro longo (tamanho médio de 942 µm). Os ascósporos apresentavam formato típico de "chapéu" com as dimensões médias de 5,52µm x 4,28 µm. Em relação às estruturas assexuadas foram observados aleuroconídios (tamanho médio de 10,20µm x 13,66 µm) e endoconídios cilíndricos (tamanho médio de 22,59µm x 3,43µm) (Figura 1). Não foram observados endoconídios doliformes. As características morfológicas indicam que o isolado do fungo obtido pertence à espécie Ceratocystis fimbriata. A região ITS-5.8S rDNAdo do isolado foi seqüenciada e essa apresentou 98% de similaridade com seqüências de um isolado de C. fimbriata CMW14797 (AY953382.1) do GenBank-NCBI. A inoculação do isolado nas plantas foi realizada com disco de meio MEA, colonizado pelo fungo (1 cm), com 10 dias de crescimento. O disco foi introduzido em um ferimento realizado no caule (15 cm acima do solo) de planta atemóia sadias com seis meses de idade. O local da inoculação foi envolvido por um algodão (umedecidos com água destilada esterilizada) e com filme plástico. Plantas também foram inoculadas somente com um disco de meio MEA, sem estar colonizado pelo fungo, como testemunha. As plantas inoculadas foram mantidas em casa-de-vegetação, com temperatura média de 28ºC. O sintoma de murcha causado por C. fimbriata foi observado 90 dias após inoculação e a morte das plantas 120 dias. O fungo foi isolado, novamente, do caule de atemóia com sintomas no meio MEA, confirmando ser ele o agente causal da doença. Assim, este é o primeiro relato de C. fimbriata em atemóia na região de Botucatu-SP-Brasil.

 

 

 

Data de chegada: 24/05/2012
Aceito para publicação em: 04/06/2012

 

 

* Autor para correspondência: Ana Carolina Firmino (anacarfir@gmail.com).