SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número1Sterilization of heat-labile culture plastic boxes using formaldehyde vapor índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Summa Phytopathologica

versão impressa ISSN 0100-5405

Summa phytopathol. vol.39 no.1 Botucatu jan./mar. 2013

https://doi.org/10.1590/S0100-54052013000100013 

COMUNICAÇÕES

 

Ocorrência de Sclerotium rolfsii em Rumex acetosa no Paraná

 

 

Gilmar FranzenerI*; Gabriela Silva MouraII; Cristiane Cláudia MeinerzIII; José Renato StangarlinIII

IUniversidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Av. Oscar da Silva Guedes, 01, CEP 85303-775, Laranjeiras do Sul, PR
IIUniversidade Estadual de Maringá (UEM), Av. Colombo, 5790, CEP 87020-200, Maringá, PR
IIIUniversidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Rua Pernambuco, 1777, Cx. P. 91, CEP 85960-000, Marechal Cândido Rondon, PR

 

 

Rumex acetosa L. é uma hortaliça herbácea geralmente conhecida pelo nome comum de azedinha-da-horta, ou apenas azedinha. Embora seja uma cultura pouco conhecida em grandes centros, é uma planta muito cultivada e consumida no interior, sendo muito comum a presença de algumas plantas em hortas familiares. R. acetosa pertence a família Polygonaceae e apresenta folhas verdes arredondadas, com consistência que lembra agrião. Nos últimos anos essa planta tem merecido maior atenção por suas propriedades nutricionais e medicinais. Alguns trabalhos mostraram que as folhas e, principalmente, raízes, são importantes fontes do anti-oxidante resveratrol. Nos meses de abril e maio de 2009, plantas de R. acetosa cultivadas em hortas na região oeste do estado do Paraná passaram a apresentar sintomas de murcha, estrangulamento na região do colo, bainha e pecíolos, acompanhado de amarelecimento e morte de folhas mais velhas. Ainda no campo foram observados na área lesionada sinais do patógeno representados por micélio branco e produção de escleródios (Figura 1A). O patógeno foi isolado em meio de cultivo BDA (Figura 1B) e identificado como Sclerotium rolfsii Sacc. Para tanto, foram tomados por base os caracteres morfológicos descritos para espécie, como escleródios arredondados de 0,5 a 1,5 mm de diâmetro, inicialmente claros, tornando-se marrom escuros, e micélio cotonoso de cor branca com células de 150 a 250 µm de comprimento por 2 a 9 µm de largura. Esse fungo já foi relatado em diversas espécies de plantas, incluindo dicotiledôneas, principalmente fabáceas e solanáceas, e monocotiledôneas. Para realizar o teste de patogenicidade foram preparadas mudas sadias cultivadas em vasos contendo solo esterilizado por autoclavagem. A inoculação foi realizada depositando-se junto ao colo de cada planta três discos de BDA contendo micélio e escleródios do fungo. Plantas testemunhas receberam discos contendo apenas BDA. Foram utilizadas 10 plantas inoculadas com o patógeno e 10 plantas testemunhas. Após a inoculação, as plantas foram mantidas em câmara úmida por 48 horas. Cinco dias após a inoculação foram observados sinais do patógeno no colo, bainhas e base dos pecíolos das plantas, com posterior estrangulamento na área afetada. Todas as plantas inoculadas com o patógeno manifestaram os sintomas. A partir de pecíolos lesionados foi realizado o re-isolamento do patógeno para completar os postulados de Koch. Este é o primeiro relato de S. rolfsii atacando plantas de R. acetosa no estado do Paraná, e, aparentemente, no Brasil.

 

 

Data de chegada: 15/02/2013.
Aceito para publicação em: 22/03/2013.

 

 

* Autor para correspondência: Gilmar Franzener (gilmar.franzener@uffs.edu.br)

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons