SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 número2Sintomas atípicos de podridão negra em folha de repolhoOcorrência de Phytophthora nicotianae em mamoneira (Ricinus communis L.) no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Summa Phytopathologica

versão impressa ISSN 0100-5405

Summa phytopathol. vol.42 no.2 Botucatu abr./jun. 2016

https://doi.org/10.1590/0100-5405/213 

Comunicações

Efeito de fosfito de potássio e de fungicidas no controle da cercosporiose (Cercospora beticola) da beterraba

Leandro Luiz Marcuzzo1 

Tatiana da Silva Duarte2 

Antonio João Rosa Neto1 

Felipe Hoffmann1 

1Instituto Federal Catarinense – IFC/Campus Rio do Sul, CP 441, 89.163-356, Rio do Sul, SC

2Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Faculdade de Agronomia, Departamento de horticultura e silvicultura, CP 15.100, 91540-000, Porto Alegre, RS.


A principal doença da cultura da beterraba é a cercosporiose causada por Cercospora beticola. Os sintomas característicos da doença são manchas circulares com margem purpúrea e centro claro e à medida que evolui acaba ficando com tonalidade acinzentada. Após a necrose do tecido afetado a folha fica perfurada. O aumento das lesões e da área lesionada leva à senescência da folha e a uma diminuição da área foliar fotossintética, que conseqüente diminui a produtividade. A resistência genética esta entre os métodos de controle, porém, em trabalho realizado por Marcuzzo et al. (Horticultura brasileira, v.33, n.1, p.106-109, 2015) não verificaram resistência à cercoporiose entre os principais genótipos comercializados no Brasil. Mediante a isso, o controle químico através de fungicidas é a principal medida de controle da doença utilizada a campo pelo produtor, principalmente os de ação sistêmica (Filgueira, novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças, 2007). Apesar de registrados no ministério da agricultura não se conhece a eficácia dos produtos que são utilizados em condição de campo. Atualmente o uso de indutores de resistência como fosfito de potássio tem proporcionado controle para diversas doenças e culturas (Cavalcanti et al. Indução de resistência em plantas a patógenos e insetos, 2005), mas não se conhece o efeito deste para a cercosporiose da beterraba. Mediante a esse aspecto, esse trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de fosfito de potássio e também de sua mistura com fungicidas comerciais no controle da cercoporiose da beterraba. O experimento foi instalado na Epagri, Estação Experimental de Ituporanga (Região do Alto Vale do Itajaí, SC) em 2014/2015 (semeadura em 01/12/2014 e colheita em 19/03/2015) utilizando-se o híbrido Boro. O delineamento utilizado foi em blocos casualizados com quatro repetições e doze tratamentos constituídos na dose comercial de: azoxistrobina+difenoconazole (400 mL.ha-1); azoxistrobina (130 g.100L-1); oxicloreto de cobre+mancozebe (200 g.100L-1); mancozebe (3 kg.ha-1); difenoconazole (40 mL.100L-1); Tebuconazole (1 L.ha-1); fosfito de potássio (200 mL.100L-1)+(oxicloreto de cobre+mancozebe); fosfito de potássio+tebuconazole; fosfito de potássio+azoxistrobina; fosfito de potássio+mancozebe; fosfito de potássio e testemunha pulverizada com água.. A semeadura foi realizada manualmente, sendo que cada unidade experimental continha 2,25 m2 (1,5m x 1,5m), dividida em 5 linhas com espaçamento de 30 cm entre linhas e 10 cm entre plantas, contendo um total de 75 plantas. As aplicações dos fungicidas e água foram realizadas semanalmente a partir da semeadura através de pulverizador portátil de compressão prévia sob pressão contínua de 40 lbs/pol2 e vazão de 400 litros.ha-1. Semanalmente após a emergência foi avaliada a severidade da cercosporiose em dez plantas marcadas aleatoriamente dentro de cada repetição com auxílio de escala diagramática (May de Mio et al., Scientia agraria, n.1, p.331-337, 2008). Os dados de severidade foram integralizados e calculados pela área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD) através da fórmula: AACPD = ∑ [(y1+y2)/2]*(t2-t1), onde y1 e y2 que refere-se a duas avaliações sucessivas da intensidade da doença realizadas nos tempos t1 e t2, respectivamente (Campbell & Madden, Introduction to plant disease epidemiology, 1990). Avaliou-se a taxa de infecção proposta por Vanderplank (Plant disease: epidemics and control, 1963). Na colheita, as plantas avaliadas foram pesadas e convertidas para produtividade em kg.ha-1. As médias obtidas da AACPD, severidade final (%), taxa de infecção (r) e da produtividade (kg.ha-1) foram submetidos à análise estatística pelo software SASM-Agri (Canteri et al., Revista brasileira de agrocomputação, v.1, n.1, p.18-24, 2001) para constatar o efeito dos tratamentos. Verificou-se que o tebuconazole apresentou menor valor integralizado (7,38) na AACPD, mas não diferiu estatisticamente de oxicloreto de cobre+mancozeb (9,49) (Tabela 1). O uso isolado de fosfito de potássio também não diferiu na AACPD em relação ao tebuconazole e também quando misturado com oxicloreto de cobre+mancozeb e mancozebe. O uso isolado de mancozebe e a mistura de fosfito de potássio com tebuconazole não apresentaram diferença de controle da doença quanto a AACPD e foi semelhante à testemunha (Tabela 1). Quanto à severidade final, mancozebe apresentou a maior severidade (4,15%) e a menor severidade foi verificada com uso de azoxistrobina+difenoconazole (0,68%) (Tabela 1). O controle químico influencia diretamente na taxa de infecção (Zadoks & Schein, Epidemiology and plant disease management, 1979) e nesse trabalho verificou-se que difenoconazole, oxicloreto de cobre+mancozeb e azoxistrobina+difenoconazole apresentaram estatisticamente a menor taxa de infecção, enquanto que fosfito de potássio+tebuconazole apresentou a maior taxa (0,12) (Tabela 1). Anesiadis et al. (Journal of Phytopathology, v.151, n.12, p.647–651, 2003) constataram que o uso de difeconazole apresentou resultados semelhantes a azoxistrobina no controle da doença em beterraba açucareira na Grécia, confirmando com os resultados desse trabalho. Secor et al. (Plant disease, v.94, n.11, p.1272-1782, 2010) descrevem que azoxistrobina, mancozebe e tebuconazole são fungicidas eficientes e comumente utilizados em Minessota e Dakota do Norte nos Estados Unidos da América para o controle da cercosporiose em beterraba açucareira. Felipini et al. (Tropical plant pathology, v.40, n.3, p.176-183, 2015) avaliando o efeito de acibenzolar-S-methyl como indutor de resistência verificou que a beterraba teve severidade de 1,3 % quando aplicado em sete dias, coincidindo com os resultados aqui encontrados (1,09%), comprovando também que o fosfito de potássio tem efeito de indução de resistência contra a cercoporiose na beterraba. A produtividade não foi significativa entre os tratamentos, provavelmente devido à baixa ocorrência da doença na testemunha (3,88), porém o uso de fosfito de potássio+(oxicloreto de cobre+mancozebe) teve a maior produtividade (53.42 kg.ha-1) comparado aos demais tratamentos (Tabela 1), possivelmente devido o efeito de incremento de produção pelo efeito nutricional do fosfito de potássio. Mediante aos resultados obtidos para as condições de avaliação, o fungicida sistêmico tebuconazole e o preventivo oxicloreto de cobre+mancozebe foram superiores e o uso de fosfito de potássio isolado tem a mesma eficiência de controle dos fungicidas, podendo ser utilizado também em mistura com mancozebe ou mancozebe+oxicloreto de cobre no controle da cercoporiose da beterraba na região do Alto Vale do Itajaí, SC.

Tabela 1 Valores da área abaixo da curva do progresso da doença (AACPD), severidade final (%), taxa de infecção (r) e produtividade (Kg.ha-1) na avaliação de fungicidas com e sem fosfito de potássio no controle da cercosporiose da beterraba. Epagri/E.E Ituporanga 2014/2015 

Tratamentos AACPD Severidade final r Produtividade (Kg.ha-1)
Azoxistrobina+difenoconazole 15,72 ab 0,68 c 0,05 b 44.88ns
Azoxistrobina 13,74 ab 2,17 abc 0,09 ab 47.48
Oxicloreto de cobre+mancozebe 9,49 b 1,18 bc 0,06 b 47.14
Mancozebe 30,85 a 4,15 a 0,10 ab 49.74
Difenoconazole 16,95 ab 1,11 bc 0,06 b 43.87
Tebuconazole 7,38 b 1,24 bc 0,06 ab 48.28
Fosfito de potássio+(Ox. cobre+mancozebe) 9,51 b 1,19 bc 0,06 ab 53.42
Fosfito de potássio+tebuconazole 29,24 a 3,20 ab 0,12 a 43.51
Fosfito de potássio+azoxistrobina 21,29 ab 1,84 abc 0,08 ab 46.78
Fosfito de potássio+mancozebe 10,65 b 2,00 abc 0,07 ab 45.90
Fosfito de potássio 9,65 b 1,09 bc 0,08 ab 43.32
Testemunha (água) 30,10 a 3,88 a 0,10 ab 48.81
C.V (%) 40,72 47,72 28,34 17,19

Médias seguidas de mesma letra não diferem pelo teste de Tukey 5%; ns-não significativo; C.V-coeficiente de variação.

Agradecimento

Ao CNPq e à FAPESC (chamada pública do acordo de cooperação CNPq + FAPESC –Repensa) pelo apoio financeiro recebido para condução deste trabalho e pela concessão de bolsas ATP – B.

Recebido: 19 de Outubro de 2015; Aceito: 21 de Janeiro de 2016

Leandro Luiz Marcuzzo (marcuzzo@ifc-riodosul.edu.br)

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.