SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue4Three cases of curricular innovation in the recent perspective (1964-1988) of the Brazilian Medical Education: an appraisal of a retrospect based on the review of documentsInterest of medical students in scientific production in public health author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Educação Médica

Print version ISSN 0100-5502

Rev. bras. educ. med. vol.38 no.4 Rio de Janeiro Oct./Dec. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022014000400012 

PESQUISA

 

Software interativo: ecocardiografia na avaliaçao da hipertensao arterial

 

Interactive software: echocardiogram in assessing high blood pressure

 

 

Fábio Abdalla SegamarchiI; Fernando Antonio de AlmeidaI; Suzana Guimaraes MoraesI

IPontifícia Universidade Católica de São Paulo, Sorocaba, SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A hipertensao arterial é uma doença muito prevalente, evoluindo com lesoes em órgaos-alvo, alta morbidade e mortalidade. A avaliaçao das repercussoes cardíacas pela ecocardiografia tem papel importante na conduçao clínica dos indivíduos hipertensos, e suas imagens podem ser utilizadas como ferramenta para o ensino.
OBJETIVOS: Desenvolver e avaliar um software, construído com base em imagens ecocardiográficas, abordando de forma ilustrativa e interativa a estrutura e funçao cardíacas normais,bem como as alteraçoes induzidas pela hipertensao arterial.
MÉTODOS: Foram selecionadas imagens ecocardiográficas de indivíduos normais e com comprometimento cardíaco determinado pela hipertensao (hipertrofia ventricular esquerda, miocardiopatia dilatada e infarto do miocárdio). Com estas imagens foi construído um software no programa multimídia Flash, que foi avaliado por estudantes de Medicina (n=38) e Enfermagem (n=18), também submetidos a pré- e pós-teste.
RESULTADOS: Os alunos consideraram o software útil, atraente e adequado as atuais metodologias educacionais proativas,promovendo ganho de conhecimento na compreensao do comprometimento cardíaco na hipertensao arterial. Conclusao: O software foi bem avaliado e considerado útil na aquisiçao de conhecimento numa área específica mais prevalente do comprometimento da saúde do adulto.

Palavras-chave: Hipertensao; Ecocardiografia; Educaçao em Saúde; Software; Educaçao Médica.


ABSTRACT

Hypertension is a very prevalent disease that causes lesions in target organs, high morbidity and mortality. Assessing the cardiac effects of hypertension through echocardiogram plays an important role in the clinical management of the condition and these images can be used for teaching. Objectives: To develop and evaluate a software, built from echocardiographic images, addressing illustratively and interactively normal cardiac structure and function as well as lesions induced by hypertension. Methods: Echocardiographic images from normal subjects and patients with cardiac involvement induced by hypertension (left ventricular hypertrophy, dilated cardiomyopathy and myocardial infarction) were selected. With these images a software was built in Flash multimedia that was evaluated by student doctors (n=38) and student nurses (n=18), who also underwent pre- and post-testing. Results: The students considered the software useful, attractive and appropriate to current proactive educational methodologies, promoting knowledge acquisition in the understanding of cardiac involvement in hypertension. Conclusion: The software was evaluated positively and considered useful for gaining knowledge in a specific but prevalent area of adult health impairment.

Keywords: Hypertension; Echocardiogram; Health Education; Software; Medical Education.


 

 

INTRODUÇAO

A hipertensao arterial é uma doença de alta prevalencia, que acomete 35% da populaçao brasileira acima dos 40 anos. Quando nao tratada de maneira adequada, tem importante repercussao na qualidade de vida dos indivíduos acometidos1. A hipertensao arterial é causa de lesoes em órgaos-alvo, como o cérebro (acidente vascular encefálico), o coraçao (hipertrofia miocárdica, infarto do miocárdio e, como via final, a miocardiopatia dilatada), as artérias de extremidades, os vasos da retina (até cegueira) e os rins (insuficiencia renal crônica)1-8.

A hipertrofia ventricular esquerda (HVE )induzida pela hipertensao arterial é um fator independente de risco cardiovascular5,6. A ocorrencia de eventos como insuficiencia cardíaca, doença coronária, insuficiencia renal e acidente vascular encefálico é maior em pacientes hipertensos com HVE quando comparados aos demais hipertensos, estando também relacionada ao aumento de arritmias e morte súbita, proporcional ao grau de hipertrofia5,6.Além disso, independentemente da presença de HVE, as alteraçoes da funçao diastólica podem ser consideradas algumas das anormalidades mais precoces da disfunçao miocárdica5.Já o infarto do miocárdio, com consequente necrose, pode evoluir com diferentes níveis de sequela e limitaçao funcional, chegando a restriçoes importantes da capacidade física9.

Na última década, as doenças cardiovasculares foram a terceira causa de internaçao no Sistema Único de Saúde (SUS) e a primeira causa de gastos com saúde1,10,11.O controle adequado da pressao arterial em indivíduos hipertensos é a principal estratégia para prevençao das complicaçoes cardiovasculares da doença6,12,13,14. Entretanto, em levantamento de 14 estudos populacionais realizados no Brasil entre 1992 e 2009, observaram-se baixos níveis de controle da pressao arterial, apenas 19,6%6.

Do ponto de vista da educaçao nas profissoes da saúde, as diretrizes curriculares nacionais de 2001 para os cursos de graduaçao em Medicina, Enfermagem e Nutriçao reforçam e estimulam a formaçao de profissionais que sejam capazes de atender de forma adequada a demanda local e regional do SUS, particularmente na Atençao Primária, local de atendimento preferencial dos indivíduos portadores de hipertensao arterial15-18. Preconizam que o eixo do desenvolvimento curricular atenda "as necessidades de saúde mais frequentes, referidas pela comunidade e identificadas pelo setor saúde, utilizando metodologias que privilegiem a participaçao ativa do aluno na construçao do conhecimento e a integraçao entre os conteúdos, além de estimular a interaçao entre o ensino, a pesquisa e a extensao/assistencia" (p.14)15-18.

Assim, o entendimento da fisiopatologia e das repercussoes causadas pela hipertensao arterial irá influenciar e modificar as condutas adotadas por profissionais de saúde, melhorando o prognóstico dos pacientes a quem prestam assistencia. Para isso, além do suporte para a formaçao do profissional, o constante avanço tecnológico vem auxiliando a medicina por meio de métodos diagnósticos e de tratamento, oferecendo ferramentas de trabalho que podem ser relevantes para a formaçao de profissionais capacitados.

A educaçao deve ser vista como um processo contínuo de busca de novos conhecimentos, algo vivo e em constante transformaçao. Nao devemos temer a tecnologia, mas te-la como uma aliada que pode tornar a transmissao e a aquisiçao de conhecimentos mais fáceis, rápidas e eficientes, desde que utilizada corretamente e em benefício dos melhores interesses para o ser humano19.

A utilizaçao de imagens cuja qualidade melhora dia a dia é uma importante estratégia educacional e vem se tornando uma ferramenta indispensável a medida que a disponibilidade tecnológica na área da comunicaçao vem se expandindo e se democratizando19. Neste contexto, a ecocardiografia é uma destas importantes ferramentas de avaliaçao cardíaca. Seus recursos vem sendo aprimorados a cada dia, partindo da ecocardiografia unidimensional, o modo M, passando para a bidimensional, o efeito Doppler, o Doppler colorido, chegando hoje as imagens tridimensionais20. A ecocardiografia transtorácica, indicada para a maioria dos pacientes,é um método nao invasivo e sem riscos, porém a ecocardiografia transesofágica e a ecocardiografia com estresse farmacológico tem risco, mas suas indicaçoes sao muito específicas20.

Utilizar a ecocardiografia como um instrumento de auxílio na formaçao de alunos de graduaçao das áreas de saúde pode ajudar na compreensao do funcionamento do coraçao normal, das fases do ciclo cardíaco,da abertura das valvas, das conexoes dos vasos sanguíneos e das cavidades cardíacas e suas eventuais alteraçoes. Parâmetros anatômicos e funcionais podem ser mais bem entendidos com a utilizaçao de imagens, demonstraçao dos fluxos, análises qualitativas e quantitativas do coraçao normal ou comprometido por qualquer afecçao primária ou secundária e, em particular, nas lesoes cardíacas provocadas pela hipertensao arterial21.

Assim, o presente projeto teve como objetivo desenvolver e avaliar um software construído com imagens ecocardiográficas, abordando de forma ilustrativa e interativa a estrutura e funçao cardíacas normais e as alteraçoes que ocorrem em pacientes portadores de hipertensao arterial.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Inicialmente foi elaborado um roteiro de tópicos para o ensino das complicaçoes cardíacas associadas a hipertensao arterial para estudantes da área da saúde. Estes tópicos deveriam ser abordados por um software construído com base numa biblioteca eletrônica de imagens digitais estáticas e em vídeos da anatomia cardíaca normal e alterada. Além da estrutura e funçao cardíacas normais, que serviam sempre como referencia para as imagens alteradas pela hipertensao arterial, foi estabelecido que os seguintes tópicos deveriam ser abordados: HVE, miocardiopatia dilatada com insuficiencia cardíaca e infarto do miocárdio. Para isso, foram criados pequenos casos clínicos típicos que abordam cada uma destas complicaçoes.

Eis o exemplo de caso clínico criado para ilustrar a miocardiopatia dilatada: Milton tem 74 anos, é portador de hipertensao arterial há 20 anos, tratando-se sempre de forma irregular. Tem queixa de edema de membros inferiores, dispneia aos mínimos esforços, e no exame físico observa-se estase jugular pulsátil bilateral e presença de terceira bulha. Relata ainda que na sua radiografia de tórax já tinha sido observado "aumento do coraçao". O exame ecocardiográfico foi solicitado para avaliaçao funcional cardíaca.

Desenvolvimento do software

Para facilitar a correlaçao com as imagens ecocardiográficas, foram utilizadas imagens macroscópicas de coraçoes normais e com alteraçoes patológicas relacionadas a hipertensao arterial, cedidas pelos Laboratórios de Anatomia e Anatomia Patológica da Faculdade de Ciencias Médicas e da Saúde da PUC-SP. Foi criado também um storyboard constituído por desenhos feitos a mao livre. Estes esboços contem todas as informaçoes gráficas e visuais,tais como posicionamento e tamanho de figuras, esquemas, vídeos, legendas e botoes de açao.

Foram selecionadas imagens ecocardiográficas estáticas e em movimento de coraçoes com morfologia e funçao normais e alteradas, omitindo a identificaçao do paciente para garantir o anonimato e confidencialidade dos dados.As imagens foram adquiridas na sequencia sistemática de cortes realizados na prática clínica, sincronizadas com a monitorizaçao eletrocardiográfica. Foram utilizados recursos do modo M para a aquisiçao de parâmetros das estruturas cardíacas, tais como: tamanho, espessura, massa e desempenho contrátil (fraçao de ejeçao). A fraçao de ejeçao foi calculada pelo método de Teicholtz19. A avaliaçao da fraçao de ejeçao foi complementada com um método bidimensional (Simpson) nas projeçoes de quatro e de duas câmaras22. A massa do ventrículo esquerdo foi calculada pela fórmula preconizada pela Sociedade Americana de Ecocardiografia21,23,24. Ainda na projeçao em quatro câmaras, foi realizado o estudo com Doppler pulsátil, contínuo e colorido, para análise das valvas e suas possíveis disfunçoes e análise da funçao diastólica22,24.

O software foi desenvolvido no autor de multimídia Flashâ, que permite a elaboraçao de animaçoes e simulaçoes em linguagem vetorial, resultando em arquivos compactos, que podem ser disponibilizados através da web ou em mídias ópticas e magnéticas. O software agrupa as imagens, textos e filmes subdivididos nos temas propostos, pareando imagens controles (normais) com patológicas, e associados a casos clínicos típicos que ilustram o cotidiano da prática clínica e as queixas comuns dos pacientes. A versao final do software está disponível no seguinte endereço da web:http://www.hainfotec.net.br/ecocardio.

Avaliaçao do software

Para a avaliaçao, o programa foi instalado na rede de computadores do Laboratório de Informática e da Biblioteca da PUC-SP, campus Sorocaba. Foram convidados a avaliar o material estudantes dos cursos de Medicina(segundo ao quarto ano) e Enfermagem (terceiro ano) da PUC-SP.Antes de iniciarem a navegaçao pelo software,os alunos responderam a um pré-teste, constituído por cinco perguntas abertas, associado a duas linhas que tinham a dimensao exata de cem milímetros, onde o aluno assinalava o ponto em que acreditava estar o seu nível de conhecimento sobre as patologias abordadas. Ao término do manuseio do software, os alunos responderam o pós-teste (identico ao pré-teste), para reavaliaçao cognitiva. A autoavaliaçao do conhecimento prévio (pré-teste) e no pós-teste foi quantificada medindo-se as linhas em milímetros, e isto correspondeu ao que os alunos consideraram como o conhecimento sobre o assunto. Além da autoavaliaçao do conhecimento, foram propostas cinco questoes objetivas abertas, identicas no pré-teste e pós-teste, corrigidas por um avaliador independente.

Para avaliar a qualidade do software e de seu conteúdo, os usuários responderam a um instrumento fechado de percepçao, caracterizado por um documento impresso, constituído de 18 asserçoes dispostas aleatoriamente e abrangendo quatro dimensoes:eficiencia da metodologia, disponibilidade do software,qualidade do software e importância da metodologia da formaçao profissional.

Os usuários deveriam "concordar plenamente", "concordar", ser "indiferente", "discordar" ou "discordar plenamente", conforme a escala de Likert22. Esse questionário também continha um campo aberto onde o usuário era estimulado a relatar sua impressao sobre aspectos positivos e negativos do software utilizado, assim como a fazer comentários, críticas e sugestoes que julgasse importantes25-28.

Consideraçoes éticas

O projeto do estudo e o termo de consentimento livre e esclarecido foram aprovados pelo Comite de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciencias Médicas e da Saúde da Pontifícia Universidade Católica de Sao Paulo (PUC-SP), protocolo CAAE – 0128.0.154.000-11.

Análise estatística

Na avaliaçao cognitiva, as notas atribuídas a todas as questoes abertas foram de 0 a 1,e a soma final proporcional para valores de 0 a 100. Os valores atribuídos a autoavaliaçao do conhecimento (linhas de 100 milímetros) de cada tema, assim como os valores das correçoes das questoes abertas tiveram distribuiçao normal, permitindo fazer a análise dos valores como variável contínua, comparando-os de forma pareada (pré- e pós-teste) pelo teste "t" de Student.

Na avaliaçao das asserçoes (escala de Likert), foram calculadas a média e desvio padrao das asserçoes, somando-se as pontuaçoes obtidas em cada asserçao validada e dividindo-se pelo total dos respondentes. A análise de validade das asserçoes foi realizada por meio do cálculo do coeficiente de correlaçao (r) para cada asserçao, que foi obtido pela seguinte fórmula:

 

 

O valor de corte recomendado para o cálculo da correlaçao linear envolvendo a pontuaçao na asserçao e o total de pontos no instrumento, por respondente, é de r³ 0,3025. Foram aceitas correlaçoes positivas no intervalo de moderada a alta correlaçao (de 0,30 a 1,00), tendo em vista que a mediçao de percepçoes nao necessita do rigor estatístico de se ter perfeita correlaçao entre as variáveis envolvidas.

Para a análise das dimensoes do conhecimento, foram calculadas as médias e desvios padroes das dimensoes, somando-se as pontuaçoes obtidas de todas as asserçoes validadas em cada dimensao e dividindo-se pelo total de asserçoes. O gráfico das asserçoes foi elaborado com as médias atitudinais das asserçoes distribuídas por intervalos. Como as pontuaçoes das asserçoes, neste caso, podem assumir intervalos de 1 a 5, o gráfico foi dividido em tres áreas iguais, que foram denominadas zonas. Os aspectos negativos foram ilustrados pelas pontuaçoes mais baixas. Entao, quanto menor a pontuaçao, mais crítica é a situaçao. Desta forma,segundo o intervalo das médias: 1,00 a 2,33 corresponde a zona de perigo; 2,34 a 3,67, a zona de alerta; e 3,68 a 5,0 corresponde a zona de conforto.

Os dados qualitativos foram obtidos pelas informaçoes ou opinioes descritas no campo aberto do instrumento de percepçao e foram usados para complementar e/ou ilustrar os dados quantitativos.

 

RESULTADOS

O software

Para elaboraçao do software, foram adquiridas 94 imagens e 38 vídeos ecocardiográficos. Salienta-se que nao houve qualquer forma de manipulaçao das imagens que pudessem interferir nos resultados. Foram definidas 63 telas, divididas em quatro temas: coraçao normal, hipertrofia de ventrículo esquerdo, miocardiopatia dilatada e infarto do miocárdio. O software inicia-se com uma tela de apresentaçao com o título ¨Ecocardiografia Interativa¨ e uma pequena explanaçao do conteúdo que será abordado, seguida pela apresentaçao dos autores e instituiçao onde o projeto foi desenvolvido. A seguir, outra tela explica ao usuário como usar os botoes de navegaçao e o encaminha ao menu principal, onde poderá acessar o material sobre o coraçao normal ou sobre as tres condiçoes patológicas.

Ao acessar o botao "coraçao normal", o usuário iniciará uma navegaçao através de um exame ecocardiográfico normal,que tem por objetivo ajudá-lo a entender novos conceitos ou aperfeiçoar seus conhecimentos sobre os diferentes recursos do exame e os principais planos de projeçao utilizados durante o exame. Já ao clicar em uma das patologias, o usuário verá uma tela inicial com foto macroscópica da patologia e breve texto explicativo, seguido pelas imagens do exame relativo a essa patologia. Em algumas telas, o usuário ainda terá a possibilidade de abrir uma nova janela, dentro da tela principal, com tabelas de valores de referencia dos parâmetros medidos ou pequenas explicaçoes, definiçoes e conceitos.

As imagens ecocardiográficas foram colocadas na sequencia da realizaçao habitual dos exames ecocardiográficos, partindo da posiçao paraesternal longitudinal e transverso, o modo M com suas medidas, seguido pelas projeçoes de quatro, duas e, conforme o interesse, cinco câmaras, com as análises dos fluxos sanguíneos transvalvares. Foram mantidas nas mesmas projeçoes imagens de referencia (exames normais) ao lado das imagens da patologia discutida, facilitando a detecçao das alteraçoes descritas.

Para que o software fosse motivador, durante o seu desenvolvimento houve a preocupaçao como aspecto visual e a interatividade. O cuidado com o aspecto visual foi em relaçao ao tamanho da tela, cores, posiçao dos botoes de controle, padronizaçao da disposiçao das imagens, entre outros fatores que pudessem influenciar a aceitaçao e o entendimento. Já na interatividade, foram desenvolvidos botoes que permitem ao usuário avançar ou retroceder por todo o programa e um terceiro botao, que permite retornar a uma tela principal com os tópicos, de onde podem ser acessados diretamente. Durante a navegaçao, existem algumas palavras em destaque (negrito vermelho) que, ao se passar o mouse sobre elas, indicam na imagem, com setas, a estrutura descrita ou alteraçoes pertinentes ao quadro clínico ou ainda os valores de referencia e alterados para parâmetros calculados durante o exame.

Avaliaçao do software

Participaram da avaliaçao do software38 alunos do curso de Medicina, sendo 11 do segundo ano, 12 do terceiro e 15 do quarto ano. Além destes, participaram também18 alunos do terceiro ano do curso de Enfermagem, num total de 56 alunos.

A análise da avaliaçao cognitiva, comparando os resultados do pré- e do pós-teste, evidenciou progresso dos alunos de ambos os cursos, em todas as questoes abordadas. A Tabela 1 mostra a comparaçao, antes e depois da manipulaçao do software, das respostas de autoavaliaçao de conhecimento sobre a estrutura no coraçao normal (pergunta 1) e sobre o comprometimento cardíaco na hipertensao arterial (pergunta 2), indicadas na linha contínua (de 0 a 100) pelos alunos dos cursos de Medicina e Enfermagem. Observe-se que, independentemente do curso,todos tiveram ganho de conhecimento na autoavaliaçao.

 

 

A Tabela 2 apresenta o desempenho dos alunos dos cursos de Enfermagem e Medicina (segundo, terceiro e quarto anos) nas questoes abertas,corrigidas por um pesquisador independente, empregando como referencia um roteiro pré-elaborado. Na questao 3, é possível observar que todos tiveram ganho de conhecimento, porém somente os alunos de Enfermagem com significância estatística. Na questao 4, todos tiveram ganho de conhecimento, sendo que os alunos de Enfermagem e do terceiro e quarto anos de Medicina com significância estatística. Nas questoes 5 e 6, todos tiveram ganho de conhecimento com significância estatística. É interessante observar que nas questoes 5 e 6 o conhecimento prévio dos alunos era baixo, porém, como se tratava de questoes muito técnicas, este resultado era esperado.Na questao 7, todos tiveram ganho de conhecimento, exceto o quarto ano de Medicina, mas apenas o segundo ano de Medicina com significância estatística.Quando analisamos ano a ano o conjunto de questoes, observamos que em todos houve ganho significativo de conhecimento.

Após a análise das asserçoes contidas no instrumento de percepçao e avaliaçao do software, com o cálculo do coeficiente de correlaçao linear (r), foram validadas 16 das 18 asserçoes inicialmente propostas (Tabela 3). Apenas as asserçoes validadas foram usadas na análise subsequente.

A Tabela 3 apresenta as médias e desvio padrao das 18 asserçoes apresentadas aos alunos. Entre as asserçoes, apenas duas nao foram validadas (r<0,30) e ambas se referiam a maneira de disponibilizar o software aos interessados. Nessa tabela é possível observar ainda que todas as asserçoes validadas se localizam na área de conforto, ou seja, no terço superior da avaliaçao (valores > 3,67).

O Gráfico 1 mostra que a análise das assertivas por dimensoes também revelou que todas se localizam na área de conforto (entre 3,67 e 5,0), ressaltando a qualidade e eficiencia do material didático e da metodologia empregada para o entendimento das repercussoes cardiológicas decorrentes da hipertensao arterial através das imagens estáticas e dinâmicas da ecocardiografia.

 

No campo aberto para observaçoes, houve muitos comentáriospositivos e elogiosos a metodologia empregada, ressaltando a importância da construçao do software e seu emprego no apoio educacional para estudantes da área da saúde. Foram também feitas sugestoes de aprimoramento e/ou complementaçao do software. A título de ilustraçao, reproduzimos algumas dessasobservaçoes:"um instrumento que pode favorecer nosso conhecimento, pois é bastante completo e de ótima qualidade";"acho que só tem a acrescentar para o aprendizado e deve se expandir para que abranja outros sistemas";"software de fácil utilizaçao,que proporciona bom aprendizado;apresentaçao clara com imagens que ajudam a entender o tema".

A análise do conteúdo descrito no campo aberto também permitiu identificar possíveis melhorias que poderao ser implementadas futuramente no software, tendo em vista que a linguagem vetorial proporciona constante atualizaçao do material. Esta etapa também valorizou a opiniao dos usuários.

 

DISCUSSAO

O desenvolvimento do computador pessoal e o processo de informatizaçao ocasionaram uma verdadeira revoluçao no armazenamento de grande quantidade de dados em espaços cada vez menores ou mesmo virtuais e, quando feitos de maneira adequada, tornaram mais ágil e eficiente a realizaçao de processos operacionais19,29. Outra mudança ainda maior ocorreu quando o computador se uniu aos meios de comunicaçao, utilizando a rede mundial de comunicaçao (web). Duas das consequencias foram o aumento na velocidade de transmissao e aquisiçao de novos conhecimentos (matéria-prima da educaçao) e um modo mais dinâmico e eficiente de trabalhar as informaçoes, sem qualquer forma de discriminaçao19,29,30.

Neste novo cenário, a educaçao convencional começou a ser questionada e pressionada no sentido de mudar as formas de transmitir e criar conhecimentos19. Mesmo grandes universidades consagradas iniciaram processos de reavaliaçao e mudanças nos métodos de ensino-aprendizagem, pois os profissionais formados já nao atendiam as expectativas de mercado ou, no caso da saúde, as necessidades da populaçao16,31.As formas tradicionais de ensino nao conseguem mais acompanhar a quantidade de novas informaçoes que surgem diariamente. Neste ponto, as novas tecnologias da educaçao podem ajudar, nao só facilitando o acesso aos novos conhecimentos, mas também como ferramentas que podem auxiliar no processo ensino-aprendizagem, tornando-o mais eficiente e atraente19,32. De nenhum modo é descartada a figura do professor, isto aumenta seu grau de responsabilidade, pois ele necessita se adequar as novas tecnologias e estar em constante atualizaçao29,33.

Estas novas tecnologias podem utilizar ambientes virtuais, simuladores e softwares, que podem ser adaptados a prática educacional de forma geral (exemplo: banco de dados ou editores de texto) ou desenvolvidos com conteúdos e objetivos específicos29,32,33,34,35.Estas ferramentas já vem sendo utilizadas em várias áreas do processo ensino-aprendizagem e em várias áreas da saúde30. Existem trabalhos na área de Ginecologia e Obstetrícia que usam programas de computador para melhorar as habilidades dos alunos de Medicina no acompanhamento da gestaçao com a ultrassonografia, com boa avaliaçao dos resultados36. A ecocardiografia já foi comparada com outros laboratórios do curso de Medicina, sendo utilizada para demonstrar adaptaçoes do sistema cardiovascular frente ao exercício em indivíduos saudáveis, com resultados bastante favoráveis e boa aceitaçao pelos alunos37,38.

O software desenvolvido neste projeto permite a interaçao dos alunos com o programa, ou seja, o aprendizado interativo e com autonomia, cujo principal benefício é o respeito ao ritmo de aprendizado de cada usuário. Da maneira como foi idealizado, o software permite a visualizaçao de imagens normais e a comparaçao das consequencias estruturais e funcionais em estados patológicos, relacionando-as a situaçoes frequentemente encontradas na prática clínica. Muitas vezes, o aluno ou o profissional aprendiz tem dificuldade em entender (e o professor ou tutor de demonstrar) as lesoes cardíacas e suas repercussoes clínicas. Neste sentido, as imagens do software facilitam o entendimento e a demonstraçao das alteraçoes funcionais e, mais importante, respeitam o grau de interesse, a escolha do momento mais oportuno para estudar e o ritmo de aprendizado de cada um. Além disso, tem potencial para alcançar um grande número de usuários e ser uma alternativa para as instalaçoes físicas limitadas de algumas instituiçoes de ensino, em particular os laboratórios experimentais.

O projeto teve como objetivo desenvolver um software educativo para alunos e profissionais da saúde a partir de imagens ecocardiográficas geradas no trabalho do dia a dia de um médico e mantidas em um banco de dados próprio. Só foi possível transpor o desafio inicial de transformar estas imagens e vídeos em um software interativo graças a disponibilidade de programas que permitiram sua execuçao. A criatividade dos autores, porém, foi indispensável a transformaçao das imagens em software e também fundamental para tornar o material atraente e motivador, transformando-o numa ferramenta útil para o ensino-aprendizagem das complicaçoes cardíacas da hipertensao arterial.

A estratégia de utilizar casos clínicos comuns na prática clínica como elementos motivadores foi francamente favorável, na avaliaçao dos alunos. As avaliaçoes de autopercepçao do instrumento de ensino-aprendizagem, bem como os relatos registrados ou informais dos alunos que o testaram foram muito apreciativos. Já discutimos em parte estes achados por ocasiao da apresentaçao dos resultados destas avaliaçoes, mas vale a pena ressaltar e complementar a discussao de alguns aspectos.

Embora todas as assertivas estivessem dentro da janela de uma avaliaçao positiva (área de conforto), ficamos com a impressao de que o conteúdo didático foi realmente excessivo, particularmente em se tratando de uma única ocasiao de manuseio. Assim, sugerimos trabalhar o material em mais de um momento, para que o aprendiz usuário possa aproveitá-lo em toda a sua potencialidade. Nao nos surpreendeu também que a assertiva"o software acrescenta pouco aquilo já visto em sala de aula" tenha tido avaliaçao inferior a das demais, pois este é um material complementar ao estudo-aprendizagem e nao dispensa os momentos didáticos "tradicionais".

Com relaçao as avaliaçoes somativas formais, ficou claro que a manipulaçao do software promoveu um evidente acréscimo de conhecimento para os alunos do segundo ao quarto ano do curso de Medicina e do terceiro ano do curso de Enfermagem. A utilizaçao do software também permitiu a introduçao de conceitos habitualmente nao vistos em sala de aula e que foram amplamente entendidos pelos alunos. Um exemplo disso é a "disfunçao diastólica", que ocorre na hipertrofia ventricular esquerda, na maioria das vezes secundária a hipertensao arterial5,39. Praticamente nenhum aluno conhecia este conceito no momento do pré-teste e 90% o dominavam no pós-teste. O mesmo ocorreu em relaçao ao conceito de efeito Doppler e a estimativa da massa do ventrículo esquerdo através do exame. Poucos tinham estes conceitos no pré-teste e boa parte os adquiriu com a manipulaçao do material educativo.

 

CONCLUSOES

Podemos concluir que foi alcançado o objetivo de construir um software para auxiliar na compreensao da estrutura e fisiologia cardíacas normais, assim como do comprometimento miocárdico na hipertensao arterial. O software foi testado por um grupo de estudantes de Medicina e Enfermagem que o avaliaram positivamente e o consideraram uma estratégia de ensino atraente e adequada as novas metodologias educacionais.

Entretanto, o real valor desta ferramenta educacional só poderá ser avaliado após ampla utilizaçao por alunos e profissionais das diferentes áreas da saúde aos quais o conhecimento veiculado possa ser útil. Caso seu valor se confirme, vemos com grande interesse a possibilidade de utilizar metodologia semelhante em um leque de outras condiçoes fisiológicas e patológicas, tanto na área da Cardiologia, como de outros órgaos e sistemas.

 

AGRADECIMENTOS

Nossos especiais agradecimentos a Profa. Dra. Vera Lúcia Nascimento Blaia D’Ávila, por sua colaboraçao e expertise,e que, como pesquisadora independente, realizou a correçao das questoes abertas da avaliaçao do software.Agradecemos aos alunos que participaram da avaliaçao do software com interesse e disposiçao de colaborar no aperfeiçoamento do material educativo.

 

 

CONTRIBUIÇÃO DOS AUTORES

Fábio Abdalla Segamarchi produziu todo o material ecocardiográfico, escreveu o projeto, produziu o software e escreveu o texto final. Fernando Antonio de Almeida co-orientou todo o projeto desde a concepção até a revisão do texto final. Suzana Guimarães Moraes orientou todo o projeto, a construção do software e revisou o texto.

 

CONFLITO DE INTERESSES

Os autores declaram não haver conflitos de interesse de qualquer natureza.

 

REFERENCIAS

1. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Sociedade Brasileira de Hipertensao. Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensao. Arq Bras Cardiol. 2010; 95 (1 supl.1):1-51.         [ Links ]

2. Amodeu C. Hipertensao arterial: prognóstico e epidemiologia. In: Timerman A, César LAM, editores. Manual de cardiologia SOCESP. Sao Paulo: Atheneu; 2000. p. 307-9.         [ Links ]

3. Almeida FA, Rodrigues CIS. Hipertensao Arterial Primária. In: Riella MC, editor. Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. cap. 35, p. 665-706.         [ Links ]

4. Kaplan NM, Victor RG. Hipertensao clínica de Kaplan. 10.ed. Porto Alegre: Artmed; 2012. cap. 4, p. 144-85: Hipertensao primária: história natural e avaliaçao.         [ Links ]

5. Campana EMG, Pizzi OL, Brandao AA, Magalhaes MEC, Pozzan R, Freitas EV, Brandao AP. Acometimento cardíaco na hipertensao arterial. In: Amodeu C, Brandao AA, Nobre F, Fuchs FD, editores. Hipertensao. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2012. p.173-80.         [ Links ]

6. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Departamento de Hipertensao Arterial. I Posicionamento Brasileiro Sobre Hipertensao Arterial Resistente. Rev Bras Hipertens. 2012; 19(2):33-41.         [ Links ]

7. Rolande DMS, Fantini JP, Cardinalli Neto A, Cordeiro JA, Bestetti RB. Determinantes prognósticos de pacientes com insuficiencia cardíaca sistólica crônica secundária a hipertensao arterial sistemica. Arq Bras Cardiol. 2012; 98(1):76-83.         [ Links ]

8. Victor RG. Systemic hypertension: mechanisms and diagnosis. In: Bonow RO, Mann DL, Zipes DP, Libby P, Braunwald E, editor. Braunwald’s heart disease: a textbook of cardiovascular medicine. 9a ed. Philadelphia: Elsevier; 2012. v. I, chap. 45, p. 935-54.         [ Links ]

9. Stefanini E, Ramos RF. Infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST: avaliaçao clínica e laboratorial. In: Nobre F, Serrano Jr CV, editores. Tratado de cardiologia SOCESP. Barueri: Manole; 2005. p. 650-61.         [ Links ]

10. Ramos RB, Fabri Jr J, Mansur AP. A insuficiencia cardíaca no Brasil e no mundo e avaliaçao de sua influencia socioecônomica. In: Nobre F, Serrano Jr CV, editores. Tratado de Cardiologia SOCESP.Barueri: Manole; 2005. p. 733-42.         [ Links ]

11. Brasil. Ministério da Saúde. Estatísticas de saúde [Internet]. Brasília, DF: MS; 2010 [acesso em 12 set. 2011]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2010/matriz.htm?saude=http%3A%2F%2Ftabnet.datasus.gov.br%2Fcgi%2Fidb2010%2Fmatriz.htm&botaook=OK&obj=http%3A%2F%2Ftabnet.datasus.gov.br%2Fcgi%2Fidb2010%2Fmatriz.htm#mort.         [ Links ]

12. Laurenti R. Mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil. In: Nobre F, Serrano Jr CV, editores. Tratado de Cardiologia SOCESP. Barueri: Manole; 2005. p. 16-21.         [ Links ]

13. Lotufo PA. Epidemiologia da hipertensao arterial no Brasil. In: Nobre F, Serrano Jr CV, editores. Tratado de cardiologia SOCESP. Barueri: Manole; 2005. p. 395-404.         [ Links ]

14. Plano de Reorganizaçao da Atençao a Hipertensao Arterial e ao Diabetes Mellitus (HiperDia) [Internet]. [acesso em 24 nov. 2012]. Disponível em: http://hiperdia.datasus.gov.br/.         [ Links ]

15. Brasil. Ministério da Educaçao. Conselho Nacional de Educaçao. Parecer CNE/CES n? 1133/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduaçao em Medicina, Enfermagem e Nutriçao. Diário Oficial da Uniao [Internet], 03 out. 2001 [acesso em 24 nov. 2012], seçao 1E, p. 131. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf.         [ Links ]

16. Souza PA, Zeferino AMB, Da Ros MA. Currículo integrado: entre o discurso e a prática. Rev Bras Educ Méd. 2011; 35(1):20-5.         [ Links ]

17. Lampert JB, Costa NMSC, Perim GL, Abdalla IG, Aguilar-da-Silva RH, Stella RCR. Tendencias de mudanças em um grupo de escolas médicas brasileiras. Rev Bras Educ Méd. 2009 ; 33(1):19-34.         [ Links ]

18. Gomes AP, Rego S. Transformaçao da educaçao médica: é possível formar um novo médico a partir de mudanças no método de ensino-aprendizagem? Rev Bras Educ Méd. 2011; 35(4):557-66.         [ Links ]

19. Dowbor L. Tecnologias do conhecimento: os desafios da educaçao [Internet]. 2001 [atualizado em 2011] [acesso em 21 nov. 2012]. Disponível em: http://dowbor.org/2001/01/tecnologias-do-conhecimento-os-desafios-da-educacao.html/.         [ Links ]

20. Morcef FAP. Ecocardiografia uni-bidimensional, transesofágica e Doppler. 2a ed.Rio de Janeiro: Revinter; 2001. cap. 1, p. 1-44: Princípios físicos e instrumentais.         [ Links ]

21. Barbosa MM, Nunes MCP, Campos Filho O, Camarozano A, Rabischoffsky A, Maciel BC, et al.; Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes das Indicaçoes da Ecocardiografia. Arq Bras Cardiol. 2009; 93(6supl.3):e265-e302.         [ Links ]

22. Ferreira LDC. Avaliaçao da funçao sistólica ventricular. In: Silva CES, editor. Ecocardiografia: princípios e aplicaçoes clínicas. 2.ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2012. v. I, cap. 20, p. 365-87.         [ Links ]

23. Pena JLB. Ecocardiograma na hipertensao arterial sistemica. In: Silva CES, editor. Ecocardiografia: princípios e aplicaçoes clínicas. 2.ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2012. v. I, cap. 37, p. 755-69.         [ Links ]

24. Connolly HM, OH JK. Echocardiography. In: Bonow RO, Mann DL, Zipes DP, Libby P, Braunwald E, editor. Braunwald’s heart disease: A textbook of cardiovascular medicine. 9a ed. Philadelphia: Elsevier; 2012. v. I, chap. 15, p. 200-76.         [ Links ]

25. Likert R. The method of constructing an attitude scale. New York: Wiley; 1967.         [ Links ]

26. Carmichael SW, Pawlina W. Animated PowerPoint as a tool to teach Anatomy. Anat Rec (New Anat). 2000; 261:83-8.         [ Links ]

27. Chen MY, Boehme JM, Schwarz DL, Liebkemann WD, Bartholmai BJ, Wolfman NT. Radiographic anatomy: multimedia interactive instructional software on CD-ROM. Am J Roentgenol. 1999; 173:1181-4.         [ Links ]

28. Leong SK. Back to basics. Clin Anat. 1999;12:422-6.         [ Links ]

29. Jucá SCS. A relevância dos softwares educativos na educaçao profissional. Cienc Cogn. 2006; 8:22-8.         [ Links ]

30. Preger CM. Educaçao médica continuada a distância em endocrinologia e metabologia. Arq Bras Endocrinol Metab. 2005; 49(4):584-95.         [ Links ]

31. Aguiar AC. Implementando as novas diretrizes curriculares para a educaçao médica: o que nos ensina o caso de Harvard? Interface (Botucatu). 2001;5(8):161-6.         [ Links ]

32. Lopes MVO, Araujo TL. Avaliaçao de alunos e professores acerca do software "Sinais Vitais". Rev Esc Enferm USP. 2004;38(4):438-47.         [ Links ]

33. Zem-Mascarenhas SH, Cassiani SHBI. Desenvolvimento e avaliaçao de um software educacional para o ensino de enfermagem pediátrica. Rev Latino-Am Enferm. 2001;9(6):13-8.         [ Links ]

34. Melo FNP, Damasceno MMC. A construçao de um software educativo sobre ausculta dos sons respiratórios. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(4):563-9.         [ Links ]

35. Machado LS, Moraes RM, Nunes FLS, Costa RMEM. Serious games baseados em realidade virtual para educaçao médica. Rev Bras Educ Med. 2011;35(2):254-62.         [ Links ]

36. Amesse LS, Callendar E, Pfaff-Amesse T, Duke J, Herbert WNP. Evaluation of computer-aided strategies for teaching medical students prenatal ultrasound diagnostic skills. Med Educ [Serial Online].2008; 13:13.         [ Links ]

37. Brunner M, Moeslinger T, Spieckermann, PG. Echocardiography for teaching cardiac physiology in practical student courses. Adv Physiol Educ. 1995;13:S2-9.         [ Links ]

38. Song S, Burleson BD, Passo S, Messina EJ, Levine N, Thompson CI, et al. Cardiac structure and function in humans: a new cardiovascular physiology laboratory. Adv Physiol Educ. 2009; 33:221-9.         [ Links ]

39. Souza ACS. Avaliaçao da funçao diastólica do ventrículo esquerdo. In: Silva CES, editor. Ecocardiografia: princípios e aplicaçoes clínicas. 2.ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2012. v. I, cap. 21, p. 393-415.         [ Links ]

 

ENDEREÇO PARA CORRESPONDENCIA
Fábio Abdalla Segamarchi
Pontifícia Universidade Católica de Sao Paulo
Faculdade de Ciencias Médicas e da Saúde
Rua Joubert Wey, 290
Jardim Vergueiro – Sorocaba
CEP 18030-070 – SP
E-mail: abmarchi@ig.com.br

Recebido em: 17/06/2013
Reencaminhado em: 03/02/2014
Reencaminhado em: 18/06/2014
Aprovado em: 31/08/2014

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License