SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue4Zenker's diverticulumCarcinoma after liver transplantation author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

Print version ISSN 0100-6991On-line version ISSN 1809-4546

Rev. Col. Bras. Cir. vol.28 no.4 Rio de Janeiro July/Aug. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912001000400013 

RELATOS DE CASOS

 

Microgastria
Congenital microgastria

 

 

Nilton Crepaldi VicenteI; Ana Paula Campos-Melro, RCBC-SPII; Cirilo Pardo Meo Muraro, TCBC-SPIII

IMédico Chefe do Serviço de Cirurgia Pediátrica do HMCP-PUC-Campinas
IIMédica do Serviço de Cirurgia Pediátrica do HMCP-PUC-Campinas
IIIProfessor Titular de Clínica Cirúrgica da PUC-Campinas

Endereço para correspondência

 

 


ABSTRACT

The authors report a case of an one-year-old girl with growth retardation, vomiting, aspiration pneumonias and malnutrition presenting gastroesopheal reflux and microgastria. The child was underwent a double lumen Roux-en-Y jejunal reservoir (Hunt-Lawrence pouch). This treatment improved nutritional status and growth. No others anomalies were detected. Congenital microgastria is a rare anomaly which is usually associated with other malformations. The authors reviewed the literature and recommend the gastric augmentation for the treatment for microgastria.

Key words: Microgastria, Gastroesophageal reflux, Hunt-Lawrence pouch.


 

 

INTRODUÇÃO

A microgastria congênita representa uma anomalia rara e freqüentemente está associada a outras alterações como asplenia, má rotação intestinal, e mal formações renais, cardiopulmonares e esqueléticas, ânus imperfurado, fístula traqueoesofágica e outras. O primeiro caso foi descrito em 1894 por Dide e, até o momento, existem apenas 40 casos relatados na literatura2. A microgastria resulta da falência do desenvolvimento do mesogástrio dorsal durante a quinta semana de vida intra-uterina, formando um estômago pequeno tubular sem diferenciação entre fundo, corpo e antro. Clinicamente, a criança portadora desta malformação apresenta-se com vômitos recorrentes, desnutrição, pneumonias aspirativas de repetição e falência do desenvolvimento pôndero-estatural. O tratamento pode ser clínico (dietas fracionadas, sonda nasoenteral) ou cirúrgico através da ampliação gástrica, transformando o estômago em um reservatório com íleo1.

Os autores relatam o caso de uma criança portadora de microgastria como anomalia isolada e analisam a cirurgia de ampliação do estômago com íleo como tratamento de escolha.

 

RELATO DO CASO

Criança do sexo feminino, de um ano e quatro meses, de raça negra. Encaminhada ao serviço de Cirurgia Pediátrica com quadro clínico de broncoespasmo e refluxo gastroesofágico (RGE). Durante a anamnese foram relatados seis episódios de pneumonia, vômitos recorrentes pós-prandiais, chiado no peito persistente e deficiência de crescimento. Estava em acompanhamento ambulatorial (Centro de Saúde) tratando irregularmente o refluxo gastroesofágico com cisaprida. Ao exame físico: criança em regular estado geral, descorada, hidratada, taquidispnéica, afebril, acianótica, desnutrida grau III (marasmática). FC – 100, FR – 40, afebril, peso 5.200 gramas, estatura de 67cm. Aparelho cardiorrespiratório: murmúrio vesicular simétrico, com sibilos e roncos disseminados. Abdome e genitais sem alterações. Solicitada radiografia contrastada de esôfago, estômago e duodeno (EED) com pesquisa de RGE, que revelou esôfago dilatado com segmento estenótico em sua porção distal, concêntrico e associado a espessamento das pregas; estômago tubular, fusiforme na linha média com redução global de suas dimensões e presença de RGE grau III persistente, sem sinais de aspiração brônquica ou nasofaringe (Figura 1). Hemograma com 4x106/uL glóbulos vermelhos, hemoglobina de 7,0 /dl e série branca sem alterações.

 

 

Endoscopia digestiva alta (EDA) mostrou esôfago com volume e distensibilidade preservados, com mucosa endoscopicamente normal, sem estenose; estômago com distensibilidade preservada, pequeno volume e hipotonia do cárdia. As biópsias em 1/3 distal do esôfago apresentavam-se com hiperplasia epitelial, expansão da camada basal, hemorragia focal e congestão vascular (esofagite crônica); estômago com discreta congestão capilar. A ultra-sonografia de abdome total não apresentava alterações.

A criança foi submetida à laparotomia mediana supra-umbilical e evidenciada a presença de estômago de pequenas dimensões, medindo cerca de 5cm de extensão e 3cm de largura. Nenhuma outra anomalia foi encontrada. Realizada gastrostomia na grande curvatura e ampliação gástrica através de anastomose com alça jejunal em J invertido medindo 7cm, formando um reservatório à Y de Roux — Técnica de Hunt-Lawrence (Figura 2–A). A criança evoluiu bem, tendo sido iniciada dieta oral no 5º dia PO e alta no 13º dia .

 

 

No acompanhamento pós-operatório foi avaliado o ganho de peso, a estatura, a aceitação alimentar, as alterações pós-alimentares (dumping), crises de broncoespasmo, pneumonia e solicitado exame contrastado do EED. A criança apresentou ganho de peso (5.300g) e crescimento estatural (13cm) gradativo. No início ( até 3º mês PO) apresentou episódios esporádicos de sudorese e vômitos pós-alimentares, com melhora espontânea. Até a presente data (14º mês PO) a criança apresentou uma internação por quadro de broncoespasmo. No exame radiográfico de controle (março/99) observou-se diminuição da dilatação esofágica, ausência de RGE e bolsa jejunal ampla com bom esvaziamento do contraste (Figura 2-B). EDA (junho/99) sem alterações.

A cintilografia gástrica (junho/99) com estudo do esvaziamento mostrou presença de refluxo gastroesofágico até terço distal do esôfago de quatro segundos de duração e esvaziamento gástrico em 30 minutos.

 

DISCUSSÃO

A microgastria é uma anomalia congênita rara especialmente quando se apresenta como entidade isolada2. Acredita–se que esta malformação resulte de uma alteração no desenvolvimento normal do intestino primitivo. O estômago origina-se de uma dilatação do intestino primitivo na 4ªsemana da embriogênese e, na 5ªsemana, alcança seu contorno e forma normais1,3. No mesmo momento, ocorre diferenciação do mesogástrio dorsal para a formação do baço. É comum a associação entre microgastria e asplenia, porque ambas são derivadas do mesogástrio dorsal. A presença de outras malformações tais como renais, musculoesqueléticas, cardíacas, traqueoesofágicas, do trato gastrointestinal e vertebrais, é atribuída a uma alteração ou dano precoce durante o desenvolvimento do mesoderma, provavelmente em torno da 5ªsemana de vida intra-uterina. No entanto, a etiologia é desconhecida. De 40 casos relatados na literatura apenas dois não apresentavam outras anomalias associadas2.

O quadro clínico da microgastria caracteriza-se por vômitos recorrentes, retardo do crescimento, desnutrição e pneumonias aspirativas1. Pode também apresentar-se como crises de cianose, síndrome do estresse respiratório e intolerância alimentar nos recém-nascidos. O diagnóstico é facilmente feito pela radiografia contrastada de esôfogo-estômago e duodeno, onde se observa estômago pequeno, de forma tubular ou sacular, na linha média, com RGE intenso devido à incompetência da cárdia e esôfago dilatado secundário ao refluxo1. Neifeld et al.3 mostraram que, após o tratamento cirúrgico, o esôfago adquire tamanho normal, assim como a peristalse e a atividade do esfíncter inferior do esôfago. Este aumento do esôfago é considerado compensatório devido à ausência do reservatório gástrico. No período pré-natal, o diagnóstico pode ser suspeitado pela ausência ou a presença de pequeno estômago e poliidrâmnio na ultra-sonografia2.

O tratamento da microgastria varia de acordo com o grau de acometimento1. Em pacientes com microgastria leve, o tratamento conservador com dieta fracionada, várias vezes, ao dia pode trazer algum resultado. No entanto, nos casos mais graves o tratamento cirúrgico é o de escolha. Gastrostomia, jejunostomia e gastroenteroanastomose foram utilizadas com sucesso limitado1-3. Em 1980, Neifeld et al. utilizaram a bolsa jejunal com duplo lúmen à Y de Roux, conhecida como bolsa de Hunt-Lawrence, para criar um reservatório gástrico em paciente com microgastria,1,4,5. A bolsa jejunal aumenta o tamanho do estômago, permitindo a resolução do refluxo gastroesofágico e das alterações esofágicas. A maioria dos pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico com a bolsa de Hunt-Lawrence apresentou algum retardo no ganho de peso e desenvolvimento estatural em grau moderado, secundariamente aos danos causados pelos problemas nutricionais precoces. No entanto, esses pacientes apresentaram melhora do desenvolvimento pondo-estatural, parada dos vômitos e dos episódios de pneumonia. São necessários cuidados no pós-operatório, tais como iniciar com dieta fracionada, avaliar a presença de dumping e administração de vitamina B12 mensalmente1.

Nos casos em que se confirma o diagnóstico de microgastria, o tratamento inicial pode ser conservador com dieta fracionada. Nos casos de insucesso, o tratamento cirúrgico precoce deve ser realizado para permitir o desenvolvimento pondo-estatural adequado e evitar as complicações (pneumonias aspirativas, desnutrição grave etc.).

 

REFERÊNCIAS

1. Kroes EJ, Festen C. Congenital microgastria: a case report and review of literature. Pediatr Surg Int 1998, 13: 416-418.         [ Links ]

2. Ramos CT, Moss RL, Musemeche CA. Microgastria as an Isolated Anomaly. J Pediatr Surg 1996, 31(10):1445-47.         [ Links ]

3. Neifeld JP, Berman WF et al. Management of Congenital Microgastria with a Jejunal Reservoir Pouch. J Pediatr Surg 1980, 15(6):882-884.         [ Links ]

4. Hunt CJ. Constrution of food pouch from segment of jejunum as substitute for stomach in total gastrectomy. Arch Surg 1952, 64:601-608.         [ Links ]

5. Lawrence W. Reservoir Constrution after Total Gastrectomy: An Instructive Case. Ann Surg 1962, 155:191-198.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dra. Ana Paula Campos-Melro
Rua: Rafael Sales, 145/31
13070-020 — Campinas-SP
E-mail: cmelro@uol.com.br

Recebido em 20/3/2000
Aceito para publicação em 18/1/2001

 

 

Trabalho realizado no Serviço de Cirurgia Pediátrica e Disciplina de Moléstias do Aparelho Digestivo I do Hospital e Maternidade Celso Pierro da Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC-Campinas-SP.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License