SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número6Tratamento cirúrgico da hipertensão arterial secundária com origem na glândula supra-renalPseudo-aneurisma arterial pós-transplante renal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

versão impressa ISSN 0100-6991versão On-line ISSN 1809-4546

Rev. Col. Bras. Cir. v.33 n.6 Rio de Janeiro nov./dez. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912006000600015 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

 

A produção científica e a ética em pesquisa

 

Scientific papers outcome and research ethics

 

 

Luiz Carlos Duarte de Miranda, ACBC-RJ

Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina- UFRJ

Endereço para correspondência

 

 

As pesquisas científicas que envolvem a participação de indivíduos em seus protocolos, não raro se defrontam com dilemas de ordem ética, cuja solução requer uma reflexão cuidadosa, apoiada por preceitos já estabelecidos por resoluções e bom senso por parte dos pesquisadores.

O conhecimento mínimo em relação aos preceitos das Resoluções em vigor, não só dinamiza o processo de aprovação junto aos comitês de ética, bem como fortalece o conteúdo humano do protocolo que se pretende desenvolver.

As resoluções vêm sendo aprimoradas ao longo dos tempos, recebendo novos conceitos em função das necessidades de cada época, fazendo-nos perceber que se trata de um processo dinâmico, passível de reformulações e aquisições. Conhecendo um pouco de sua evolução, entendemos melhor o âmago de sua estrutura, que, na verdade, é a essência da preservação do bem estar e da dignidade da nossa espécie.

O primeiro conjunto de diretrizes para pesquisa em humanos, aceito pela comunidade científica, data de 1833, publicado por William Beaumont, onde se destacaram: um texto onde o sujeito da pesquisa manifestaria o seu consentimento voluntário, ainda, uma adequação metodológica do projeto de pesquisa e a condição imutável de liberdade para sair da pesquisa 1.

A primeira condenação judicial por realizar pesquisa "sem autorização antecipada", data de 1880, quando a corte da cidade de Bergen, na Noruega, condenou o doutor Gerhardt A. Hansen. Naquela ocasião o Dr. Hansen inoculou um líquido de uma ferida nos olhos de uma anciã, querendo comprovar a fácil transmissão daquela moléstia (lepra), mas não colheu o seu consentimento prévio, e foi condenado à prisão 2.

Em 1947, em conseqüência das atrocidades cometidas na Segunda Grande Guerra, foi elaborada a Declaração de Nuremberg, cujos dez princípios passaram a determinar as orientações éticas para experimentos com humanos. Nela, além de considerar o consentimento voluntário do sujeito da pesquisa como absolutamente essencial, condicionou o estudo a um desenho cientificamente sólido (com experimentos prévios em animais), e a necessidade de que fosse conduzido por indivíduos "qualificados", com a expressa preocupação de "não fazer mal", e declarar os riscos e benefícios esperados para aquela experiência 2.

Em 1964, surge a Declaração de Helsinque estabelecendo duas novas exigências: 1) Formular um Protocolo da pesquisa e 2) Submetê-lo a um Comitê de Ética. De 1964 até o ano 2000 (Edimburgo) esta Declaração já foi modificada por 5 vezes.

A Regulamentação Brasileira de Ética em Pesquisa em Seres Humanos data de 1996, quando em 10 de outubro o então ministro de Saúde, Prof. Dr. Adib Jatene, assinou a Resolução 196/96, que veio para atualizar as Resoluções 1246/88 do Conselho Federal de Medicina e a 01/88 do Conselho Nacional de Saúde. A partir daquela data, novas resoluções foram incluídas, destacando-se a 240/97 estabelecendo a obrigatoriedade de um representante dos USUÁRIOS nos Comitês de Ética em Pesquisa (CEP); ainda: 251/97 estabelecendo regras para experiências com novos fármacos; a 292/99 organizando as pesquisas que têm coordenação multicêntrica e internacional; a 303/00 estipulando os conceitos válidos para estudos que envolvem a reprodução humana; a 304/00 para com as pesquisas que utilizam povos indígenas e a 340/ 04 para os estudos incluindo genética humana 1,3.

A resolução 196/96 tem um texto muito prático e abrangente, estabelece a composição dos comitês (multidisciplinaridade; atribuições; organização; mandato, etc.), cria a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – CONEP, que regulamenta no âmbito nacional as pesquisas de temas como SIDA, genética e reprodução humana, e novos fármacos.

Em 2001 estabeleceu-se o Sistema de Informação Nacional sobre Ética em Pesquisa (SISNEP) onde estão cadastrados todos os projetos que deram entrada em um CEP já oficializado. Esses projetos podem ser localizados em: www.saude.gov.br/sisnep/pesquisador.

Os CEP estão preparados para orientar na confecção do projeto de pesquisa e na elaboração de um termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) que estejam de acordo com a Resolução 196/96.

O avanço da produção científica brasileira catalogado pela base de dados da ISI (Institute for Scientific Information ) revela um crescimento expressivo. Na década de 60 foram publicados em média 52 artigos/ano; em 1970 foram 64 artigos (0,019% da produção mundial). Em 2001 a produção brasileira catalogada naquela base de dados foi de 10.555 artigos completos, 76 vezes maior do que a produção média mundial. A partir de então, ocupamos posição destacada no ranking da produção científica mundial, como 18º da lista (os EUA em 1º respondem por 34% da produção mundial.

Neste contexto inclui-se o desempenho científico das áreas médica e biomédica. No período entre 1997 e 2001 a pesquisa em medicina produziu 7.365 artigos, 23º lugar no mundo e a 3ª na produção interna, representando 16% do total dos artigos indexados na base ISI, com um índice qualitativo de 52,8% de artigos citados e 2,8 de índice de impacto na área médica; se incluídas as sub áreas (biomédicas) o índice de impacto sobe para 3,3 mas, mesmo assim, ainda muito abaixo dos parâmetros mundiais da área (8,0).

A capacidade instalada no nosso país corresponde, segundo o censo de 2002 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) , a aproximadamente 15 mil grupos de pesquisa, 68 mil pesquisadores, 43 mil com Doutorado, cerca de 1800 programas de Pós Graduação com 30 mil docentes-Doutores, com 100 mil alunos matriculados. (www.capes.gov.br)

Estes dados apontam para um ritmo de crescimento na capacidade e qualificação de novos pesquisadores, mas ainda são insuficientes para a competição já estabelecida rumo ao desenvolvimento científico e tecnológico, estando muito aquém dos índices necessários para uma contribuição no desenvolvimento social e econômico.

A capacitação de Comitês de Ética em Pesquisa deve ser encarada como instrumento fundamental para o desenvolvimento/ competição na área biomédica do nosso país. Assim, cabe às instituições de pesquisa promover a evolução dos comitês, absolutamente fundamentais na estratégia para o avanço científico e tecnológico, e também enriquecer os programas de Pós Graduação com conhecimentos relativos aos conceitos estabelecidos para a pesquisa ética.

Após 6 anos de experiência no CEP – Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) – UFRJ, dos quais 3 como coordenador do Comitê, podemos afirmar que é uma atividade importantíssima para os que têm o perfil voltado para o ensino e a pesquisa. Como membro do Comitê senti as dificuldades que enfrentam os pesquisadores frente à confecção dos protocolos, para adequá-los às Resoluções, a fim de que sejam elaborados os seus projetos que culminarão com a defesa de tese e a publicação em periódicos de valor.

Não raras são as ocasiões em que o comitê sugere alterações na metodização, tornando-a viável, capaz de produzir resultados com consistência.

Na responsabilidade de coordenador procuramos uniformizar, entre os membros do comitê, os critérios para análise dos protocolos porque a profissão ou área de atuação do autor ,na maioria das vezes, não coincide com o tema do trabalho enviado. A elaboração de um roteiro baseado nas Resoluções torna as análises mais uniformes. Assim, um projeto de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Dermatologia, por exemplo, poderá ser analisado por um membro da Enfermagem, da Nutrição, por um Sociólogo ou por um Teólogo, que conhecendo a resolução 196/96 e seguindo os critérios para análise do protocolo e do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), emitirá um parecer que será discutido na reunião ordinária.

Um capítulo que merece maior consideração, sem dúvida, é o que se refere ao TCLE. Este, na verdade, se constitui um acordo entre o pesquisador e o sujeito da pesquisa, o voluntário. Neste acordo firmado estarão incluídas todas as cláusulas de proteção mútua, tornando-o um elemento de "defesa" bilateral (pesquisador e voluntário).

Portanto, o TCLE deverá ter uma linguagem absolutamente acessível ao leigo, não comportando expressões cuja complexidade possa criar dúvida; assim, por exemplo, dizer que "está prevista uma venóclise", deverá ser substituído por "uma injeção na veia do braço que vai aspirar o sangue, no volume de mais ou menos uma colher de sopa". Parece primário, mas é assim que deve ser feito.

Ainda, o TCLE deverá ter uma boa introdução, explicando o motivo do trabalho, o motivo do convite àquela pessoa, o porquê dela estar sendo convidada e, assim sendo, poderá ou não aceitar e depois desistir, sem que isso a prejudique em relação ao tratamento que faz ou ao que pretenda fazer. Não há como não falar dos riscos e benefícios, de forma ampla e clara. É necessário que sejam descritos em detalhes todos os procedimentos previstos e assegurar um meio de contato (telefone) em caso de dúvida. Enfim, ainda vários outros elementos importantes irão compor este verdadeiro "contrato de participação" e é absolutamente fundamental que o trabalho só tenha início após a aprovação pelo CEP, e assim, só incluir pessoas que assinaram o TCLE.

No CEP-HUCFF- UFRJ passam em média 280 a 300 projetos novos por ano, vários deles oriundos de Pós-Graduações (60%) e de outros centros de pesquisa, por vezes internacionais, dando oportunidade para o intercâmbio de conhecimentos e novas tecnologias. Estes, por sua vez, irão gerar futuros documentos (relatórios, relatos de eventos adversos, emendas, extensões) que estarão sendo monitorizados e analisados pelo CEP.

Portanto, a qualificação de CEP, se constitui num objetivo estratégico nas Unidades de Ensino e Pesquisa, e o coração de cada um deles está na equipe de membros, que lhe conferem alma. O gabarito do CEP estará diretamente relacionado à eficiência de seus membros, cujo caráter de voluntariado e multidisciplinaridade lhes confere autonomia absoluta para desempenhar suas funções.

 

REFERÊNCIAS

1. BRASIL. Ministério da Saúde. Capacitação para Comitês de Ética em Pesquisa. Comunicação e Educação em Saúde, 2006 . Série F, vol. 1 e 2.

2. França, G. Comentários ao Código de Ética Médica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000. p. 200-4 (Declaração de Helsinque II) p. 223 (Declaração de Nuremberg).

3. Beecher, H. Ethics and Clinical Research. N Engl J Med. 1966; 274(24): 1354-1360.

 

 

Endereço para correspondência
Luiz Carlos Duarte de Miranda
Rua Visconde de Pirajá, 55/2111
22410-003 - Rio de Janeiro - RJ
E-mail: lmiranda@hucff.ufrj.br

Recebido em 15/10/2006
Aceito para publicação em 20/11/2006
Conflito de interesses: nenhum
Fonte de financiamento: nenhuma

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons