SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue2Hepatic hemangioendothelioma in adultBarogenic rupture of the stomach author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

Print version ISSN 0100-6991On-line version ISSN 1809-4546

Rev. Col. Bras. Cir. vol.34 no.2 Rio de Janeiro Mar./Apr. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912007000200015 

RELATO DE CASO

 

Gravidez ovariana íntegra: tratamento cirúrgico videolaparoscópico

 

The intact ovarian pregnancy: videolaparoscopy surgical treatament

 

 

Sergio BigolinI; Djalma José Fagundes, TCBC-SPII; André Fernando DetoniIII; Henri Chaplin RivoireIV

IProfessor Assistente da Disciplina de Embriologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões-Campus Erechim (URI) – RS
IIProfessor Adjunto da Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP-EPM
IIIMédico Ginecologista, Erechim – RS
IVProfessor Adjunto da Disciplina de Técnica Cirúrgica e Chefe do Departamento de Cirurgia da Fundação Universidade do Rio Grande - FURG-RS

Endereço para correspondência

 

 


ABSTRACT

The intact ovarian pregnancy is an extremely rare condition. We report the case of a 34- years old woman case, nuliparus, with no previous clinical history of pelvic disease. An intact right ovarian pregnancy was diagnosed by a transvaginal ultrasonographic exam. A video-laparoscopy surgery was undertaken and only the ectopic tissue was removed. The authors discuss the effectiveness of the diagnostic tools and the surgical approach.

Key words: Pregnancy, ectopic; Pregnancy, tubal; Infertility; Laparoscopy.


 

 

INTRODUÇÃO

A gravidez ectópica rota é considerada uma urgência ginecológica, representando uma das principais complicações em gestações de primeiro trimestre. A gravidez ovariana íntegra, no entanto, constitui numa condição extremamente rara. Sua ocorrência é estimada 1/10.000 gestações uterinas e de 1/1000 gestações ectópicas1.

A gestação ovariana pode resultar de alterações da função de captação ovular, presentes nas fimbrias tubárias, e/ou processos aderenciais e inflamatórios, que impedem a mobilização tubária e sua adaptação sobre a área ovariana em que ocorre a ruptura folicular. Assim, apesar da presença de perviedade tubária, o óvulo fecundado permanece na superfície ou se aprofunda na estrutura ovariana. Segundo os critérios de Spiegelberg, uma gestação ovariana é caracterizada quando ocorre a presença de saco gestacional em topografia ovariana e parcialmente envolvido pelo parênquima ovariano, todo este conjunto ligado ao útero pelo ligamento útero-ovariano e a tuba contralateral íntegra.

Apresentamos um caso de uma paciente com gravidez ovariana íntegra, diagnosticada pelo exame ecográfico e que foi submetida a tratamento por meio de videocirurgia.

 

RELATO DO CASO

Paciente com idade de 34 anos, caucasiana, casada, nuligesta, com acompanhamento de rotina no Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Caridade de Erechim, RS no período de 30 de março de 2001 a 2 de junho de 2003. Apresentava ciclos regulares 30/4 dias. Fez uso contraceptivo com dispositivo intra-uterino (DIU) até junho de 2003 e após intercalou anticoncepcional oral com método natural de abstinência periódica, não apresentava história prévia de doenças tocoginecológicas.

Em março de 2003, no exame periódico de rotina, encontrava-se assintomática. A ecografia endovaginal foi normal, com DIU bem posicionado. Exame colpocitológico de padrão normal com flora vaginal habitual, não patogênica.

Em junho de 2003 foi retirado o DIU após cinco anos de uso, pois a paciente desejava engravidar. Retornou em 23 de outubro de 2003 com história de atraso menstrual, compatível com 7 – 8 semanas de gestação, apresentando discreto sangramento vaginal.

No exame físico apresentava dor discreta na região pélvica e ao exame especular apresentava pequeno sangramento pelo orifício cervical. O teste sorológico foi positivo para gravidez.

Consoante à história clínica, exame físico e laboratorial foi solicitada a ecografia endovaginal. Realizada no mesmo dia teve como resultado: útero 7,6 x 5,5 x 3,5 cm, volume 77ml, endométrio hiperecogênico com espessura de 0,5 cm. Ovário esquerdo normal, ovário direito aumentado de volume observando –se imagem compatível com saco gestacional e no seu interior imagem ecográfica compatível com embrião, porém com ausência de batimentos cardiofetais. Adicionalmente observou –se presença de imagem compatível com vesícula vitelínica.

Baseado nos achados clínicos, laboratoriais e ecográficos, optou-se pelo tratamento cirúrgico por meio de uma operação videolaparoscópica. A paciente foi devidamente esclarecida e assinou o termo de consentimento sobre as eventualidades do tratamento proposto.

Na videolaparoscopia, a revisão da cavidade não evidenciou nenhuma alteração, porém constatou-se pequena quantidade de sangue no fundo de saco posterior na região pélvica. O ovário direito apresentou-se aumentado de volume com identificação de uma massa escura, vinhosa de cerca de 6cm x 4cm (Figura1). Considerando o tamanho da lesão optou-se pela retirada da massa ovariana realizando uma ooforoplastia. O exame anátomo-patológico (macro e microscópico) do espécime operatório revelou a presença de tecido ovular infiltrado por tecido estranho compatível à gestação ectópica ovariana não rota (Figura 2), exame realizado no laboratório de Medicina Diagnóstica de Erechim, RS.

 

 

 

 

O pós-operatório evoluiu sem intercorrências, a paciente teve alta após 24 horas após o procedimento. O seguimento ambulatorial mostrou recuperação satisfatória. A paciente informou o retorno da atividade sexual após 15 dias do ato operatório. No momento faz uso de método contraceptivo de abstinência sexual periódica e pretende engravidar em um ano.

 

DISCUSSÃO

A gestação ectópica ocorre em cerca de 2% de todas as gestações nos EUA, contribuindo significativamente para o aumento da morbimortalidade materna1. Em Israel vem ocorrendo um aumento das gestações ectópicas ovarianas, tendo sido constatado 20 casos entre 1971 e 1989 contra 17 casos entre 1990 e 2000, representando 2,6% de todas as modalidades de gestações ectópicas2 .

A gravidez ovariana pode apresentar duas variedades: superficial com nidação sobre folículo roto e profunda com nidação no âmago do parênquima ovariano.

A gravidez ovariana pode resultar de alterações da função de captação ovular, presentes nas fímbrias tubárias, ou processos aderenciais ou inflamatórios que impedem a mobilização tubária. São referidos também como fatores de risco o uso de análogos do hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH), pílulas anticoncepcionais e DIU com progestágenos1-2.

A gravidez ovariana íntegra é um evento extremamente raro. Assim como a gravidez heterotópica, os procedimentos operatórios pélvicos, a doença inflamatória pélvica entre outros, são fatores de risco para implantação extra-uterina do concepto, pois alteram a mobilidade, a anatomia e o peristaltismo normal das tubas uterinas, com isto interferindo na captação ovular pelas fímbrias tubárias 1,3.

Foi observado que o quadro clínico de gravidez ovariana íntegra não difere das outras formas de gravidez ectópica. O diagnóstico depende da interpretação dos dados da anamnese, exame físico, sorologia, mas principalmente do exame de imagem: a ecografia. O nível sérico de gonadotrofina coriônica de 3400miliUI/mL foi inferior ao esperado para gestação de sete semanas que é de 6000 a 7000miliUI/mL, porém em gestação ectópica isto é condizente.

A espessura do endométrio encontrada foi de 0,5mm inferior ao esperado já que em simples fase progestagênica encontra-se endométrio de 10mm. Isto pode ser explicado pelo fato da paciente estar com sangramento, levando a descamação do endométrio.

O tratamento preconizado é cirúrgico conservador, ou seja, procura-se poupar a maior quantidade de tecido ovariano possível, retirando-se somente o volume correspondente ao tecido ectópico. A ooforectomia só se justifica quando o volume de tecido ectópico for extenso ou ocorrer dificuldade técnica (tecido ectópico firmemente aderido ao estroma ovariano, friabilidade do estroma ovariano, hemorragia de difícil controle) para extrair completamente o saco gestacional4.

Há relatos na literatura5 sobre a revisão de vários ensaios para tratamento da gravidez ectópica, mostrando que a possibilidade de resolução definitiva está na associação da conduta cirúrgica e doses múltiplas de metotrexate (indica-se quatro injeções endovenosas de metotrexate 1mg/Kg-1 e quatro intramuscular). Em uma série de 1626 laparoscopias conservadoras sem metotrexate para gestação ectópica o percentual de sucesso foi de 93%, com gravidez tópica posterior em 57% dos casos e ectópica posterior de 13%.

No caso relatado não se identificou nenhum fator predisponente que sugerisse alteração na função de captação ovular pela tuba uterina. Deste modo o tratamento operatório não foi complementado com nenhum outro procedimento medicamentoso, pois pareceu pequeno o risco de outra gestação ectópica no futuro.

Este relato de caso destaca a importância do exame ecográfico no primeiro trimestre de gestação, valorizando a presença de imagens incomuns no ovário. Destaca-se a videocirurgia com ooforoplastia como tratamento de escolha, por se tratar de procedimento minimamente invasivo preservando a integridade do ovário.

 

REFERÊNCIAS

1. Jha S, Haldar MK, Roberts LJ. Primary ovarian pregnancy with an intrauterine contraceptive device in situ. J Obstet Gynecol. 2002;22(1):104-5.         [ Links ]

2. Raziel A, Mordechai E, Schachter M, Friedler S, Pansky M, Ron-El R. A comparison of the incidence, presentation, and management of ovarian pregnancies between two periods of time. J Am Assoc Gynecol Laparosc. 2004;11(2):191-4.         [ Links ]

3. Reece EA, Petrie RH, Sirmans MF, Finster M, Todd WD. Combined intrauterine and extrauterine gestations: a review. Am J Obstet Gynecol. 1983;146(3):323-30.         [ Links ]

4. Rivoire HC, Castro MA, Raphael MA. Gestações extra e intra-uterina combinadas: um caso. Vittalle. 1991;5:43-9.         [ Links ]

5. Sergent F, Mauger-Tinlot F, Gravier A Verspyck E, Marpeau L. [Ovarian pregnancies: revaluation of diagnostic criteria]. J Gynecol Obstet Biol Reprod. 2002; 31(8):741-6.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Sergio Bigolin
Gineclínica – Centro Médico da Mulher
Rua: Av. Comandante Kraemer, 310
99700-000 – Erechim - RS
E-mail: bigolin@erechim.com.br
Fone: (54)3321- 4602

Recebido em 10/06/2005
Aceito para publicação em10/08/2005
Conflito de interesses: nenhum
Fonte de financiamento: nenhuma

 

 

Trabalho realizado no Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Caridade de Erechim – RS.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License