SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 número5A cirurgia robótica. Uma realidade entre nós índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

versão impressa ISSN 0100-6991versão On-line ISSN 1809-4546

Rev. Col. Bras. Cir. vol.42 no.5 Rio de Janeiro set./out. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/0100-69912015005001 

Editorial

Relato de caso baseado em evidência

CARLOS ALBERTO GUIMARÃES1 

1. Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Casos clínicos são apresentados diariamente em vários lugares: em rondas diárias nas enfermarias, em seminários, em congressos, em revistas médicas e em convenções. Relatos de casos clínicos nas revistas médicas representam um esforço científico comparável a pesquisas observacionais ou experimentais. Se o relato for bom, sua publicação deve ser incentivada sem hesitação1.

Os relatos de caso podem originar outros estudos - eles podem servir para criar uma hipótese que é posta à prova usando pesquisas sistematizadas. Mas, relatos de caso podem gerar evidência?2.

Os relatos de casos clínicos desempenham um papel no presente e no futuro da Medicina Baseada em Evidências (MBE)? Sim, os relatos de casos clínicos certamente desempenham um papel no presente e o futuro da MBE. Em termos de MBE, um relato de caso clínico pode ser visto de dois ângulos diferentes: 1) é uma fonte de evidência, e 2) uma abordagem baseada em evidência é necessária na interpretação do caso e na sua condução clínica. O primeiro ângulo leva ao desenvolvimento de um "relato de caso baseado em evidência". No que diz respeito ao segundo ângulo, foi demonstrado como a evidência disponível pode e deve ser usada em um caso particular de qualquer doença1.

Enquanto os médicos são instados a usar a evidência mais atualizada para oferecer aos pacientes o melhor tratamento, na verdade, fazê-lo em pacientes individuais é difícil. A literatura está mal organizada, geralmente é de má qualidade e irrelevante para a prática clínica. As informações mais relevantes e válidas podem basear-se grupos altamente selecionados de pacientes com pouca semelhança com o paciente que você tem na sua frente3.

Para auxiliar os leitores a desenvolver a arte cada vez mais necessária de utilizar as evidências na prática clínica, o British Medical Journal lançou um novo tipo de artigo em 1998 - o relato de caso baseado em evidência4.

Os relatos de casos baseados em evidência tentam mostrar como a evidência pode ser aplicada em todas as fases do atendimento ao paciente. As informações obtidas com os estudos de coorte sobre a frequência das diferentes condições podem sugerir o diagnóstico mais provável. As decisões sobre quais testes diagnósticos empregar podem ser guiadas por informações sobre a sensibilidade e especificidade de diferentes testes. As decisões sobre quais intervenções utilizar podem ser obtidas a partir de ensaios clínicos randomizados e revisões sistemáticas que estudam a eficácia e a segurança. As informações sobre eventos adversos em longo prazo ou raros podem ser conseguidas com estudos bem desenhados de coorte ou de caso-controle3.

Os relatos de casos têm sido muito utilizados para comunicar novos achados e para dar impacto educacional para os artigos de revisão. Relatos de casos baseados em evidência não se propõem a reportar novos achados. Eles se prestam a ilustrar um processo. Aos autores desses relatos está sendo solicitado fazer uma abordagem agora familiar aos alunos de avaliação crítica - definição da questão clínica; busca na literatura por estudos de relevância quanto ao desenho e à qualidade e avaliação crítica dos resultados3.

Neste número, é reportado, salvo engano, o primeiro relato de caso baseado em evidência publicado por uma revista brasileira, o qual é intitulado "Relato de caso baseado em evidência: agenesia ou pseudoagenesia do pâncreas dorsal".

REFERENCES

1. Jenicek M. Clinical Case Reporting in Evidence-Based Medicine. 2nd ed. London: Arnold; 2001. [ Links ]

2. Achenbach S, Einstein AJ, Ferencik M. How much evidence is in a case report? A road trip of scientific evidence, including skeptics, Ockham's razor, Hume's Fork, and Karl R. Popper [editorial]. J Cardiovasc Comput Tomogr. 2015;9(4):267-9. [ Links ]

3. Godlee F. Applying research evidence to individual patients. Evidence based case reports will help [editorial] . BMJ. 1998;316(7145):1621-2. [ Links ]

4. Glasziou P. Twenty year cough in a non-smoker. BMJ. 1998;30:316(7145):1660-1. [ Links ]

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.