SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 número4Panorama do câncer de mama em mulheres no norte do Tocantins - BrasilQual é a área de trabalho ideal na fixação de uma fratura da diáfise do fêmur com placa em ponte? Estudo multinacional transversal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

versão impressa ISSN 0100-6991versão On-line ISSN 1809-4546

Rev. Col. Bras. Cir. vol.44 no.4 Rio de Janeiro jul./ago. 2017

http://dx.doi.org/10.1590/0100-69912017004005 

ARTIGOS ORIGINAIS

Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de hiperidrose primária submetidos à simpatectomia videotoracoscópica

Sandoval Lage da Silva Sobrinho1  , ACBC-RJ

Rossano Kepler Alvim Fiorelli1  , TCBC-RJ

Maria Ribeiro Santos Morard1  , TCBC-RJ

1Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Departamento de Cirurgia Geral e Especializada, Mestrado Profissional em Técnicas Videoendoscópicas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

RESUMO

Objetivo:

avaliar a qualidade de vida de pacientes submetidos à simpatectomia por videotoracoscopia para tratamento de hiperidrose primária.

Métodos:

foram avaliados os pacientes submetidos à simpatectomia por videotoracoscopia para tratamento de hiperidrose primária pela equipe de cirurgia torácica do Hospital Universitário Gafrée e Guinle-UNIRIO entre julho de 2004 e agosto de 2013. Foi aplicado um questionário sobre qualidade de vida relacionada à hiperidrose desde o pré-operatório até um ano após a operação.

Resultados:

o questionário foi aplicado em 122 pacientes com média de idade de 25 anos, sendo 57% mulheres. Quanto à severidade da hiperidrose primária, 83% dos pacientes referiam como pouco tolerável ou intolerável, associada com grande limitação da qualidade de vida, sendo esta pobre ou muito pobre em 82% dos casos. No pós operatório a hiperidrose compensatória ocorreu em 78% dos pacientes, entretanto foi considerada como imperceptível ou pouco perceptível por 85% destes pacientes, classificando-a como aceitável. Em 15% dos pacientes a hiperidrose compensatória foi classificada como perturbadora.

Conclusão:

a simpatectomia videotoracoscópica melhora a qualidade de vida dos pacientes com hiperidrose primária. A hiperidrose compensatória transitória ocorreu na maioria dos pacientes, mas não alterou de maneira significativa a melhora da qualidade de vida.

Descritores: Hiperidrose; Simpatectomia; Qualidade de Vida

INTRODUÇÃO

A hiperidrose é definida como uma condição patológica de excessiva sudorese em quantidade superior à necessária para a termo-regulação e pode ser classificada em primária e secundária1. A hiperidrose primária não tem uma origem conhecida e está associada à hiperatividade do sistema nervoso simpático. Já a hiperidrose secundária pode ser causada por uma infecção, uso de drogas antidepressivas, alterações neurológicas, estresse, obesidade e diabetes1. A hiperidrose primária, geralmente, se apresenta de maneira simétrica e afeta, principalmente, as axilas, as palmas das mãos a face e as plantas dos pés2. Pode causar uma diminuição da qualidade de vida, comprometendo as atividades diárias, sociais e físicas e podendo acarretar também prejuízos psicológicos3.

Na procura em melhorar a qualidade de vida dos portadores de hiperidrose, vários tipos de tratamentos foram desenvolvidos, dentre estes paliativos ou definitivos, clínicos e cirúrgicos2. Mas em uma grande parte dessas terapêuticas há um índice de falhas que pode trazer complicações3. Entre os tratamentos paliativos encontramos o uso de antiperspirantes, iontoforese, drogas anticolinérgicas e injeções locais com toxina botulínica4,5. A simpatectomia videotoracoscópica é um método invasivo para o tratamento definitivo, destinado para pacientes que apresentam hiperidrose primária, através do bloqueio dos ramos torácicos simpáticos. É fundamental avaliar a qualidade de vida em pacientes submetidos à simpatectomia vídeotoracoscópica nos períodos anterior e posterior ao procedimento cirúrgico, pois a hiperidrose compensatória é um distúrbio frequentemente encontrado após a cirurgia6.

Esse estudo procurou avaliar a qualidade de vida relacionada à hiperidrose antes e após a realização da simpatectomia por videotoracoscopia considerando a satisfação dos pacientes com a operação, o surgimento de hiperidrose compensatória e a qualidade de vida.

MÉTODOS

A pesquisa foi realizada no Hospital Universitário Gaffrée Guinle - UNIRIO, com pacientes que foram submetidos à simpatectomia videotoracoscópica para tratamento de hiperidrose primária pela equipe de cirurgia torácica. Foram avaliados 122 pacientes operados no período entre julho de 2004 até agosto de 2013. A técnica utilizada foi a simpaticotomia (secção do nervo com eletrocoagulação) em níveis T3 e T4, sempre pela mesma equipe de cirurgiões. Os dados coletados incluíram idade, sexo, profissão, tempo de pós-operatório e ocorrência de hiperidrose compensatória. Além disso, os pacientes foram questionados quanto ao seu grau de satisfação e se repetiriam a cirurgia. Foi aplicado um questionário que aborda a qualidade de vida relacionada à hiperidrose antes e após a realização do procedimento cirúrgico com o estabelecimento de um escore. A variação possível nesse escore é de 0 a 10 pontos. Quando a hiperidrose compensatória esteve presente, foi classificada em tolerável, pouco tolerável ou intolerável.

RESULTADOS

A casuística constou de 122 pacientes que foram submetidos à entrevista com aplicação do questionário. A média de idade foi de 25 anos, e quanto ao gênero, houve 57% de mulheres. O período de avaliação dos pacientes foi até 12 meses. Em 35,1% dos pacientes observou-se hiperidrose em um segmento corporal, enquanto em 64,9% comprometimento de mais de um segmento corporal, conforme demonstrado na tabela 1.

Tabela 1 Localização da hiperidrose. 

Localização n %
Facial 22 18
Axilar 78 64
Palmar 84 69
Plantar 18 15

Quanto a severidade da hiperidrose primária, 83% referiam como pouco tolerável ou intolerável associada com grande limitação da qualidade de vida, sendo esta pobre ou muito pobre em 82% dos casos (Tabelas 2 e 3).

Tabela 2 everidade da hiperidrose primária. 

Severidade N %
I- Minha transpiração nunca se notava e nunca interferia em minhas atividades diárias 2 1,6
II- Minha transpiração era tolerável, e eventualmente interferia em minhas atividades diárias 20 16,3
III- Minha transpiração era apenas tolerável, e frequentemente interferia em minhas atividades diárias 44 36,1
IV- Minha transpiração era intolerável, e sempre interferia em minhas atividades diárias 56 45,9

Tabela 3 ualidade de vida pré-operatória. 

Condição n %
Excelente 0 0
Muito bom 4 3,2
Bom 18 14,8
Pobre 66 54,1
Muito pobre 34 27,9

A hiperidrose compensatória ocorreu em 78 % dos pacientes, afetando mais de um segmento corporal em 83% dos casos. Em 29,5 % dos casos foi considerada como leve (grau I), em 55,7% moderada (grau II) e em 14,7% como severa [(grau IV) (Tabela 4)].

Tabela 4 Comparação do grau de severidade da hiperidrose. 

Grau de severidade Pré-operatório N Pré-operatório % Pós-operatório n Pós-operatório %
I 2 1,6 36 29,5
II 20 16,3 68 55,7
III 44 36,1 8 6,5
IV 56 45,9 10 8,2

Em relação ao grau de satisfação 88,4% dos casos ficaram contentes com os resultados da cirurgia (Tabela 5).

Tabela 5 Grau de satisfação no pós-operatório. 

Grau de satisfação n %
Totalmente satisfeito 18 14,7
Bastante satisfeito 62 50,8
Satisfeito 28 22,9
Insatisfeito 8 6.5
Bastante insatisfeito 6 4,9

Nevralgia intercostal transitória, ocorreu em 42 (34,4%) pacientes; houve dois casos (1,63%) de pneumotórax residual resolvidos com drenagem fechada por 24 horas; um paciente (0,81%) apresentou paresia de membro superior, com melhora gradual durante o acompanhamento ambulatorial; e sete pacientes (5,73%) apresentaram hipoestesia regional.

DISCUSSÃO

A hiperidrose primária é uma condição que interfere negativamente nos aspectos emocional, social e profissional do paciente, causando prejuízo na qualidade de vida. Uma vez diagnosticada, ela deve ser adequadamente tratada por apresentar um profundo impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes e por ser causa de isolamento social e afastamento de atividades laborais e de lazer. A simpatectomia por videotoracoscopia permite o acesso seguro e minimamente invasivo. São citadas na literatura complicações como pneumotórax residual, hemotórax e a síndrome de Claude Bernard Horner7,8. Um dos objetivos principais no tratamento desta doença é a melhoria da qualidade de vida, sendo o aspecto psicossocial da vida dos pacientes relevante ao se estabelecer a estratégia terapêutica. Em 1998 Telaranta9 abordou o tema qualidade de vida após a simpatectomia torácica endoscópica em uma série consecutiva de 51 pacientes, considerando o procedimento cirúrgico como uma alternativa promissora para a terapia conservadora nos portadores de hiperidrose com fobia social10. Igualmente outros autores11-13 abordaram o tema utilizando diferentes instrumentos de mensuração como o Dermatology Life Quality Index (DLQI)14, o Hyperhidrosis Disease Severity Scale (HDSS)15,e o questionário Ribas-Milanez16 demonstrando melhoria na qualidade de vida em 85 a 95% dos pacientes operados com esta técnica. No presente estudo, foi utilizado o questionário elaborado por Fiorelli et al.17 para avaliação pré e pós-operatória com objetivo de mensurar os resultados e complicações do procedimento cirúrgico, assim como foi utilizado um instrumento de avaliação da qualidade de vida, também desenvolvido por estes autores.

Sobre a melhora da qualidade de vida e sua sustentação ao longo do tempo, Wolosker et al.18 avaliaram 453 pacientes quanto à qualidade de vida após a simpatectomia videotoracoscópica, sendo a avaliação feita 30 dias após a operação e cinco anos depois. Esta pesquisa concluiu que a melhora da qualidade de vida é imediata após a simpatectomia e se sustenta até o quinto ano. Ademais mostrou que 30 dias após a operação, 90,9% dos pacientes referiram melhora, 6% relataram estar na mesma condição prévia à operação e 3,1% disseram ter piorado. Após cinco anos, 90,3% relataram melhora, 6% referiram estar na mesma condição prévia e 3,7% descreveram ter piorado, não apresentando uma diferença estatisticamente significante pelo tempo de pós-operatório. O nosso estudo mostrou que 88,4% dos pacientes ficaram satisfeitos, 6,5% ficaram parcialmente satisfeitos e somente 4,9% dos participantes afirmaram estar insatisfeitos com o desfecho do tratamento.

Resultados semelhantes foram encontrados por Kaufmann et al.19, em que 80,2% dos pacientes ficaram plenamente satisfeitos, 10,3% parcialmente satisfeitos e 9,5% ficaram insatisfeitos com o resultado do tratamento. Em relação aos efeitos adversos do tratamento cirúrgico, a hiperidrose compensatória transitória é um dos mais frequentes na simpatectomia vídeotoracoscópica. Baroncello et al.6 num questionário aplicado em 51 pacientes com média de idade de 32,4 anos, sendo 45 mulheres e seis homens, observou que a hiperidrose compensatória ocorreu em 84,3% dos pacientes. Nós observamos a ocorrência da hiperidrose compensatória em 78% dos pacientes. Embora a hiperidrose compensatória transitória tenha ocorrido na maioria dos pacientes, julgamos que esta não contraindica o tratamento pois não influenciou de maneira significativa a melhora da qualidade de vida.

A análise do nosso material nos permitiu confirmar que a simpatectomia por videotoracoscopia melhorou a qualidade de vida dos pacientes com hiperidrose primária.

Fonte de financiamento: nenhuma.

REFERÊNCIAS

1 Lear W, Kessler E, Solish N, Glaser DA. An epidemiological study of hyperhidrosis. Dermatol Surg. 2007;33(1 Spec No.): S69-75. [ Links ]

2 Cerfolio RJ, Campos JR, Bryant AS, Connery CP, Miller DL, DeCamp MM, et al. The Society of Thoracic Surgeons Expert Consensus for the surgical treatment of hyperhidrosis. Ann Thorac Surg. 2011;91(5):1642- 8 [ Links ]

3 Ruchinskas RA, Narayan RK, Meagher RJ, Furukawa S. The relationship of psychopathology and hyperhidrosis. Br J Dermatol. 2002;147(4):733-5. [ Links ]

4 Lowe N, Campanati A, Bodokh I, Cliff S, Jaen P , Kreyden O, et al. The place of botulinum toxin type A in the treatment of focal hyperhidrosis. Br J Dermatol; 2004;151(6):1115-22. [ Links ]

5 Andrade PC, Flores GP, Uscello JF, Miot HA, Morsoleto MJ. Use of iontophoresis or phonophoresis for delivering on a botulinum toxin A in the treatment of palmar hyperhidrosis: a report on four cases. An Bras Dermatol. 2011;86(6):1243-6. [ Links ]

6 Baroncello JB, Baroncello LRZ, Schneider EGF, Martins GG. Avaliação da qualidade de vida antes e após simpatectomia por vídeotoracoscopia para tratamento de hiperidrose primária. Rev Col Bras Cir. 2014;41(5):325-30 [ Links ]

7 Andrade Filho LO, Kuzniec S, Wolosker N, Yazbek G, Kauffman P, Milanez de Campos JR. Technical difficulties and complications of sympathectomy in the treatment of hyperhidrosis: an analysis of 1731 Cases. Ann Vasc Surg. 2013; 27(4):447-53 [ Links ]

8 Atkinson JL, Fode-Thomas NC, Fealey RD, Eisenach JH, Goerss SJ. Endoscopic transthoracic limited sympathotomy for palmar-plantar hyperhidrosis: outcomes and complications during a 10-year period. Mayo Clin Proc. 2011; 86(8): 721-9. Erratum in: Mayo Clin Proc. 2011;86(11):1126. [ Links ]

9 Telaranta T. Treatment of social phobia by endoscopic thoracic sympathicotomy. Eur J Surg. 1998;Suppl (580):27-32. [ Links ]

10 Sayeed R, Nyamekye I, Ghauri AS, Poskitt KR. Quality of life after transthoracic endoscopic sympathectomy for upper limb hyperhidrosis. Eur J Surg 1998;Suppl (580):39-42. [ Links ]

11 Loscertales J, Arroyo Tristán A, Congregado Loscertales M, Jimenéz Merchán R, Girón Arjona JC, Arenas Linares C, et al. Tratamiento de la hiperhidrosis palmar por simpatectomía torácica. Resultados inmediatos y calidad de vida postoperatoria. Arch Bronconeumol. 2004;40(2):67-71. [ Links ]

12 Abtahi-Naeini B, Naeini FF, Adibi N, Pourazizi M. Quality of life in patients with primary axillary hyperhidrosis before and after treatment with fractionated microneedle radiofrequency. J Res Med Sci. 2015;20(7):631-5. [ Links ]

13 Hamm H. Impact of hyperhidrosis on quality of life and its assessment. Dermatol Clin. 2014;32(4):467-76. [ Links ]

14 British Association of Dermatologists. The Dermatology Life Quality Index [Internet]. London: BAD; 2014. Available from: http://www.bad.org.uk/shared/get-file.ashx?itemtype=document&id=1653Links ]

15 International Hyperhidrosis Society. Hyperhidrosis Disease Severity Scale [Internet]. Quakertown (PA): International Hyperhidrosis Society​; 2014. Available from: http://www.sweathelp.org/pdf/HDSS.pdfLinks ]

16 Milanez de Campos JR, Kauffman P, Werebe EC, Andrade Filho LO, Kuzniek S, Wolosker N, et al. Questionnaire of quality of life in patients with primary hyperhidrosis. J Pneumol. 2003;29(4):178-81. [ Links ]

17 Fiorelli RKA, Elliot LG, Alvarenga RMPA, Morard MRS, Almeida CRA, Fiorelli SKA, et al. Avaliação do impacto na qualidade de vida de pacientes portadores de hiperidrose primária submetidos à simpatectomia videotoracoscópica Meta: Avaliação. 2011;3(7):1-24. [ Links ]

18 Wolosker N, Campos JR, Kauffman P, Oliveira LA, Munia MA, Jatene FB. Evaluation of quality of life over time among 453 patients with hyperhidrosis submitted to endoscopic thoracic sympathectomy. J Vasc Surg. 2012;55(1):154-6. [ Links ]

19 Kauffman P, Campos JRM, Wolosker N, Kuzniec S, Jatene FB, Leão PP. Simpatectomia cervicotorácica videotoracoscópica: experiência de 8 anos. J Vasc Bras. 2003;2(2):98-104. [ Links ]

Recebido: 08 de Fevereiro de 2017; Aceito: 30 de Março de 2017

Endereço para correspondência: Rossano Kepler Alvim Fiorelli E-mail: fiorellirossano@hotmail.com lavodnas90@gmail.com

Conflito de interesse: nenhum.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.