SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue4Fetal triploidy associated with low levels of unconjugated estriol and beta-subunit in maternal serumPerfil psicossocial de adolescentes de Botucatu: interação com ginecolgistas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Print version ISSN 0100-7203On-line version ISSN 1806-9339

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.21 no.4 Rio de Janeiro May 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72031999000400010 

Resumo de Tese

Perfil Biofísico Fetal na Ruptura Prematura das Membranas

 

Autor: Vardeli Alves de Moraes
Orientadora: Profa. Dra. Anna Maria Bertini

 

Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-graduação em Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, em 8/2/99.

 

 

Objetivo: Avaliar as modificações decorrentes da ruptura prematura das membranas (RPM) com relação às variáveis biofísicas fetais comparando-as às encontradas em gestantes com membranas íntegras. No grupo com RPM foi analisado, ainda, a associação das variáveis biofísicas com os índices de APGAR no 1o e 5o minutos e com a presença ou não de corioamnionite clínica e infecção neonatal.
Pacientes e Métodos: Foram realizados 112 perfis biofísicos fetais (PBF) em 60 gestantes com RPM entre a 28o e a 40o semana de gestação, sendo que apenas o último PBF foi analisado. Os cardiotocogramas foram classificados como de padrão normal ou de padrão patológico (Bertini et al., 1983). O índice de líquido amniótico (ILA) foi avaliado de acordo com critérios descritos por Moore & Cayle (1990). Os movimentos corpóreos fetais (MCF), os movimentos respiratórios fetais (MRF) e o tônus fetal foram analisados de acordo com os critérios de Manning et al. (1980).
Resultados e Conclusões: A RPM diminui a reatividade fetal, não interfere nos MCF, diminui a freqüência dos MRF, não determina modificações no tônus fetal e diminui consideravelmente o ILA. A presença dos MRF e dos MCF associaram-se mais significativamente com a ausência de corioamnionite e infecção neonatal do que a ausência dos mesmos em indicar a infecção materno-fetal. Todos os casos de corioamnionite e de infecção neonatal associaram-se com ILA abaixo do 5o percentil. A cardiotocografia anteparto correlacionou-se tanto com a corioamnionite quanto com a infecção neonatal. O PBF associou-se com o índice de APGAR no 5o minuto, sugerindo que à medida que as variáveis biofísicas tornam-se comprometidas, há piora progressiva das condições de vitalidade fetal intra-útero.

Palavras-chave: Vitalidade fetal. Ruptura prematura das membranas. Infecção neonatal. Corioamnionite.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License