SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue10Impacto da Ação Educativa sobre a Taxa de Abandono do Serviço de Esterilidade Conjugal da UNICAMPIsoformas de Prolactina no Fluido Folicular de Pacientes Submetidas a FIV author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Print version ISSN 0100-7203On-line version ISSN 1806-9339

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.22 no.10 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032000001000012 

Resumo de Tese

Avaliação Clínica e Urodinâmica de Mulheres com Instabilidade Vesical Antes e Após Eletro-estimulação Funcional do Assoalho Pélvico

 

Autora: Raquel Martins Arruda
Orientadora: Prof. Dr. Manoel João Batista Castello Girão

 

Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo- Escola Paulista de Medicina para obtenção do Título de Mestre em Ginecologia em 15 de junho de 2000.

 

 

Selecionamos 29 mulheres com diagnóstico de instablidade vesical. Avaliamos de forma subjetiva e objetiva (estudo urodinâmico), os efeitos da eletro-estimulação funcional do assoalho pélvico no tratamento desta afecção. As pacientes submeteram-se a duas sessões semanais de eletro-estimulação vaginal, cada uma durando vinte minutos, por período de três meses consecutivos. A intensidade da corrente variou de 10 a 100 mA, de acordo com a tolerância de cada paciente. A freqüência utilizada foi de 20 Hz e a duração do pulso foi de 1 mseg. Após o tratamento, 75,85% das pacientes consideravam-se curadas ou melhoradas e apenas 24,13% delas se sentiam insatisfeitas com a terapia empregada. Pelo estudo urodinâmico observamos que em 34,5% das cistometrias houve cura objetiva após a terapia empregada, melhora em 27,6% dos casos, e, em 37,9%, o exame permaneceu inalterado. Com relação à urgência miccional, 41,4% das pacientes que apresentavam este sintoma antes do tratamento referiram desaparecimento do mesmo após a eletro-estimulação. Neste estudo, notamos ainda diminuição gradativa do número de episódios de perda urinária. Na avaliação urodinâmica, houve aumento significativo das capacidades cistométrica máxima e no primeiro desejo miccional bem como do volume urinário após a eletroterapia. Concluímos que a eletro-estimulação funcional do assoalho é efetiva no tratamento de mulheres com instabilidade vesical. As modificações clínicas e urodinâmicas foram evidentes. Trata-se de uma forma de tratamento simples, eficaz e com pequena incidência de efeitos colaterais.

Palavras-chave: Eletro-estimulação. Incontinência urinária de esforço.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License