SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue7Peso, volume e densidade absoluta de placentas de gestantes diabéticas, hipertensas e de baixo nível socioeconômico e a repercussão no resultado perinatalAnsiedade e depressão associadas ao diagnóstico de Diabetes mellitus gestacional author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Print version ISSN 0100-7203On-line version ISSN 1806-9339

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.25 no.7 Rio de Janeiro Aug. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032003000700016 

RESUMO DE TESE

 

A gestante adolescente e seu parceiro: características do relacionamento do casal e aceitação da gravidez

 

 

Autor: Alberto Mantovani Abeche
Orientador: Prof.Dr. Edison Capp

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós Graduação em Medicina: Departamento de Clínica Médica _ Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 15 de outubro de 2002

 

 

OBJETIVOS: avaliar as características da gestante e seu parceiro, planejamento desta gestação e a forma pela qual foi recebida pelo casal, correlacionando estes dados com o fato deste ser ou não o primeiro parceiro da adolescente e com a situação de morarem juntos.
MÉTODOS: neste estudo transversal foram entrevistadas 309 gestantes com idade entre 11 e 19 anos, aplicando-se um questionário padronizado abordando características da gestante adolescente e seu parceiro, aceitação e intencionalidade da gravidez atual. Utilizou-se o teste t de Student e o teste exato de Fisher para a análise estatística.
RESULTADOS: os parceiros das gestantes adolescentes apresentaram, em média, idade 4 anos superior à delas. A gestação foi planejada em 22% dos casos. 61,1% das pacientes engravidaram de primeiros parceiros e 53,4% dos casais moravam juntos no momento da entrevista. Houve melhor aceitação da gravidez no grupo de pacientes que engravidaram de primeiros parceiros (84,1% x 69% - p: 0,003). Quando a paciente e seu parceiro moravam juntos, observou-se maior freqüência de gestações planejadas (32,1% x 10,7% - p<0,001) e bem aceitas por ela (83% x 66,4% - p<0,001) e seu companheiro (89,7% x 64,2% - p<0,001).
CONCLUSÕES: a gestação na adolescência não é invariavelmente fruto de falha na contracepção ou na orientação anticoncepcional. Há um número expressivo de gestações planejadas ou bem recebidas pelo casal, principalmente quando se trata do primeiro parceiro da adolescente ou de casais morando juntos.

Palavras-chave: Adolescência. Gravidez normal. Planejamento familiar.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License