SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue9Colposcoppic aspects and prevalence of intra-epithelial neoplasia in HIV-infected women at the Tropical Medicine Foundation at Amazonas/ FMTAMBreast cancer: body image and female aging author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Print version ISSN 0100-7203On-line version ISSN 1806-9339

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.28 no.9 Rio de Janeiro Sept. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032006000900012 

RESUMO DE TESE

 

Misoprostol sublingual versus vaginal para indução do parto

 

Sublingual versus vaginal misoprostol for induction of labor

 

 

Autor: Francisco Edson de Lucena Feitosa
Orientador: Prof.Dr. Renato Passini Júnior

Tese de Doutorado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, em 12 de dezembro de 2005.

 

 

OBJETIVO: comparar a eficácia e segurança da utilização do misoprostol sublingual versus vaginal na indução do parto a termo.
MÉTODOS: realizou-se um ensaio clínico controlado, randomizado e duplo-cego, no período de 1º. de junho de 2004 a 30 de março de 2005. Para atingir diferença mínima entre os grupos de 20%, erro alfa de 5% e um poder (1 - ß) de 80%, foram randomizadas 150 gestantes, das quais 75 receberam 25mcg de misoprostol sublingual e placebo vaginal a cada 6 horas e 75 receberam 25mcg de misoprostol vaginal e placebo sublingual a cada 6 horas. O desfecho primário avaliado foi freqüência de parto vaginal. A análise estatística utilizou o teste qui-quadrado de associação, teste exato de Fisher e de Mann-Whitney, calculando-se a razão de risco com intervalo de confiança de 95%. Utilizou-se nível de significância de 5%.
RESULTADOS: os grupos do misoprostol sublingual e vaginal foram similares e comparáveis. A proporção de partos vaginais foi de 57,3% no grupo sublingual e 69,3% no grupo vaginal (RR = 1,2; IC9 5% = 0,8-1,8). A média de intervalo de tempo entre a indução e o parto foi de 18h e 48minutos no grupo sublingual (SL) e 18h e 15 minutos no grupo vaginal (V). Não houve diferença significante na freqüência de partos vaginais após uma única dose de misoprostol, no número de gestantes que necessitaram de quatro doses de misoprostol, na freqüência de falha de indução, na necessidade de utilização de ocitocinan, na freqüência de taquissistolia, na presença de mecônio intraparto e nos resultados neonatais.
CONCLUSÃO: o misoprostol sublingual (25mcg a cada 6 horas) foi tão eficaz e seguro quanto à mesma dose do misoprostol vaginal para indução do parto.

Palavras-chave: Misoprostol; Trabalho de parto; Trabalho de parto induzido; prostaglandinas

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License