SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue6Surgical and non-surgical treatment of vaginal agenesis: analysis of a series of casesExtrauterine leiomyomata presenting with sepsis requiring hemicolectomy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Print version ISSN 0100-7203

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.34 no.6 Rio de Janeiro June 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032012000600007 

ARTIGO ORIGINAL

 

Endometriose profunda infiltrativa: distribuição anatômica e tratamento cirúrgico

 

Deep infiltrating endometriosis: anatomical distribution and surgical treatment

 

 

William KondoI; Reitan RibeiroII; Carlos TrippiaIII; Monica Tessmann ZomerI

IHospital Vita Batel e Centro Médico-Hospitalar Sugisawa - Curitiba (PR), Brasil
IIHospital Vita Batel - Curitiba (PR), Brasil
IIIHospital Nossa Senhora das Graças - Curitiba (PR), Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Avaliar a distribuição anatômica das lesões de endometriose profunda infiltrativa (EPI) em uma amostra de mulheres do Sul do Brasil.
MÉTODOS: Foi conduzida uma análise prospectiva das mulheres submetidas a tratamento cirúrgico de EPI durante o período entre janeiro de 2010 e janeiro de 2012. As lesões foram classificadas em oito localizações principais, da menos para a mais grave: ligamento redondo, serosa uterina anterior/reflexão peritonial vesicouterina, ligamento uterossacro, região retrocervical, vagina, bexiga, intestino e ureter. O número e a localização das lesões de EPI foram estudados para cada paciente de acordo com os critérios acima e, também, de acordo com o acometimento isolado ou múltiplo. A análise estatística foi conduzida com o programa Statistica versão 8.0. Os valores p<0,05 foram considerados estatisticamente significativos.
RESULTADOS: Durante o período de estudo, um total de 143 mulheres apresentaram 577 lesões de EPI: ligamento uterossacro (n=239; 41,4%), retrocervical (n=91; 15,7%), vagina (n=50; 8,7%), ligamento redondo (n=50; 8,7%), septo vesicouterino (n=41; 7,1%), bexiga (n=12; 2,1%), intestino (n=83; 14,4%), ureter (n=11; 1,9%). Doença multifocal foi observada na maioria das pacientes (p<0,0001), sendo que o número médio de lesões por paciente foi de 4. Endometrioma foi identificado em 57 mulheres (39,9%). Sessenta e cinco pacientes (45,4%) apresentaram infiltração intestinal comprovada histologicamente, totalizando 83 lesões assim distribuídas: apêndice (n=7), ceco (n=1) e retossigmoide (n=75). O número médio de lesões intestinais por paciente foi de 1,3.
CONCLUSÕES: a EPI tem um padrão de distribuição multifocal, o que tem importância fundamental quando se define o tratamento cirúrgico completo da doença.

Palavras-chave: Endometriose/cirurgia, Laparoscopia


ABSTRACT

PURPOSE: To evaluate the anatomical distribution of deep infiltrating endometriosis (DIE) lesions in a sample of women from the South of Brazil.
METHODS: A prospective study was conducted on women undergoing surgical treatment for DIE from January 2010 to January 2012. The lesions were classified according to eight main locations, from least serious to worst: round ligament, anterior uterine serosa/vesicouterine peitoneal reflection, utero-sacral ligament, retrocervical area, vagina, bladder, intestine, ureter. The number and location of the DIE lesions were studied for each patient according to the above-mentioned criteria and also according to uni- or multifocality. The statistical analysis was performed using Statistica version 8.0. The values p<0.05 were considered statistically significant.
RESULTS: During the study period, a total of 143 women presented 577 DIE lesions: uterosacral ligament (n=239; 41.4%), retrocervical (n=91; 15.7%), vagina (n=50; 8.7%), round ligament (n=50; 8,7%), vesico-uterine septum (n=41; 7.1%), bladder (n=12; 2.1%), and intestine (n=83; 14.4%), ureter (n=11; 1.9%). Multifocal disease was observed in the majority of patients (p<0.0001), and the mean number of DIE lesions per patient was 4. Ovarian endometrioma was present in 57 women (39.9%). Sixty-five patients (45.4%) presented intestinal infiltration on histological examination. A total of 83 DIE intestinal lesions were distributed as follows: appendix (n=7), cecum (n=1) and rectosigmoid (n=75). The mean number of intestinal lesions per patient was 1.3.
CONCLUSIONS: DIE has a multifocal pattern of distribution, a fact of fundamental importance for the definition of the complete surgical treatment of the disease.

Keywords: Endometriosis/surgery, Laparoscopy


 

 

Introdução

A endometriose é uma doença caracterizada pelo crescimento de tecido endometrial em áreas fora da cavidade endometrial. O local mais comumente afetado pela doença é a cavidade pélvica, mas implantes endometrióticos extrapélvicos têm sido ocasionalmente descritos na literatura1. A forma profunda infiltrativa da doença corresponde àquela lesão que infiltra a superfície peritonial em mais do que 5 mm de profundidade2, podendo haver acometimento de órgãos adjacentes, como os ligamentos uterinos, o intestino, a bexiga e/ou os ureteres.

A prevalência de endometriose nas mulheres em idade reprodutiva é estimada em 10%3. Em mulheres com dor pélvica crônica, essa prevalência pode chegar a até 82%4,5 e, naquelas submetidas a investigação por infertilidade, a até 20 a 50%6-8. A exata incidência de endometriose profunda infiltrativa (EPI), na população geral, não é conhecida, mas se estima que deve afetar cerca de 20% do total de mulheres portadoras de endometriose9.

Alguns autores têm estudado a distribuição anatômica das lesões de EPI com o objetivo de tentar entender melhor a patogênese da doença10-12. Outros correlacionam a topografia das lesões de EPI com o tratamento cirúrgico, recomendando um procedimento cirúrgico específico para cada localização específica da lesão13. De um modo geral, o que se observa é um padrão assimétrico de distribuição das lesões de EPI, sendo mais frequentemente observadas no compartimento pélvico posterior e do lado esquerdo da pelve14. Recentemente, um estudo15 avaliou 410 lesões confirmadas de EPI em 134 mulheres submetidas a tratamento cirúrgico e as lesões estavam distribuídas da seguinte forma: 39,7% no intestino, 32,2% nos ligamentos uterossacros, 19,5% na vagina, 5,4% na bexiga e 3,2% no ureter. O número médio de lesões profundas por paciente foi de 3,1±2,1. A grande maioria desses estudos são europeus10-15 e a literatura nacional ainda carece desse tipo de publicação.

O objetivo deste artigo é avaliar a distribuição anatômica das lesões de EPI em uma amostra de mulheres do Sul do Brasil.

 

Métodos

Foi realizado um estudo prospectivo, avaliando mulheres portadoras de EPI, operadas por um único ginecologista, em um serviço privado no Sul do Brasil, no período compreendido entre janeiro de 2010 e janeiro de 2012. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital Vita Batel e o Termo de Consentimento Livre e Informado foi obtido de todas as pacientes no momento da indicação do procedimento cirúrgico.

Os critérios de inclusão para o estudo foram: mulheres submetidas a tratamento cirúrgico completo de EPI em decorrência de dor pélvica, associada ou não a infertilidade, com diagnóstico anatomopatológico confirmando a doença. Foram incluidas todas as pacientes atendidas no período.

O diagnóstico de EPI foi suspeitado no pré-operatório durante a anamnese e o exame físico. O mapeamento da doença foi realizado por um único radiologista utilizando ultrassonografia e/ou ressonância nuclear magnética, seguindo os protocolos já previamente publicados na literatura16, com o objetivo de melhor planejar o procedimento cirúrgico laparoscópico.

Para cada paciente os dados demográficos coletados foram idade e índice de massa corporal (IMC). A história pregressa relacionada à endometriose foi avaliada, indagando as pacientes quanto ao uso prévio de tratamento hormonal para controle de sintomas dolorosos e número de cirurgias prévias para tratamento de endometriose.

As pacientes foram questionadas com relação à presença dos seguintes sintomas dolorosos pré-operatórios: dismenorreia, dispareunia de profundidade, dor pélvica não cíclica, sintomas intestinais e urinários cíclicos. O parâmetro laboratorial obtido em todas as pacientes foi a dosagem sérica do Ca-125 (valor de referência normal até 35 U/ml).

Durante o procedimento cirúrgico, as lesões de EPI foram classificadas em oito localizações principais: ligamento redondo (lesão que infiltra o ligamento redondo, uni ou bilateralmente)16,17, serosa uterina anterior/reflexão peritonial vesicouterina (lesão que se localiza no compartimento pélvico anterior na linha mediana, infiltrando a serosa uterina anterior e a reflexão peritonial vesicouterina, sem comprometimento da bexiga)16,18, bexiga (lesão que infiltra a muscular própria da bexiga)19, ligamento uterossacro (lesão que infiltra o ligamento uterossacro, uni ou bilateralmente)16, região retrocervical (lesão que infiltra a região retrocervical)16,18,20, vagina (lesão que infiltra o fórnice vaginal posterior e que é palpável ao toque vaginal intraoperatório, necessitando de ressecção do fórnice vaginal posterior)21, intestino (lesão que infiltra a muscular própria intestinal)13 e ureter (lesão que infiltra a parede ureteral - endometriose ureteral intrínseca - ou que promove compressão ureteral externa, causando obstrução ureteral - endometriose ureteral extrínseca)22. A presença de endometrioma ovariano associado também foi avaliada. Apenas as lesões com confirmação histológica de EPI foram incluídas na análise.

Cada procedimento cirúrgico específico para o tratamento das diferentes localizações das lesões de EPI foi registrado. Após a cirurgia, o estágio da doença e o escore da revised American Fertility Society (AFSr) foram obtidos para todas as pacientes.

Quando uma paciente apresentou múltiplas lesões de EPI, ela foi classificada de acordo com a categoria correspondente à lesão principal mais grave. As lesões foram classificadas de acordo com a gravidade, da menos grave para a mais grave, da seguinte forma: ligamento redondo (LR), serosa uterina anterior/reflexão peritonial vesicouterina (SUA), ligamento uterossacro (LUS), região retrocervical (R), vagina (V), bexiga (B), intestino (I) e ureter (U). Por exemplo, uma paciente apresentando uma lesão em LR associada com infiltração de B foi classificada como estando no grupo B. A lesão de EPI foi definida como isolada quando não esteve associada com nenhuma outra das sete localizações. As lesões de LR, SUA e B foram classificadas como estando no compartimento pélvico anterior, as lesões de LUS, R, V, I e U como compartimento pélvico posterior e as lesões de ceco e apêndice como compartimento abdominal.

A localização das lesões de EPI foi estudada para cada paciente de acordo com os critérios acima (LR, SUA, LUS, R, V, B, U e I) e também de acordo com o acometimento isolado ou múltiplo.

A análise estatística foi realizada a fim de comparar os oito grupos de lesões, utilizando-se o programa Statistica versão 8.0. A comparação foi realizada utilizando-se os testes de Kruskal-Wallis e χ2, quando necessário. Os valores de p<0,05 foram considerados significativos.

 

Resultados

Durante o período de estudo, 143 pacientes foram submetidas a tratamento cirúrgico de endometriose profunda. As características das pacientes estão descritas na Tabela 123. A média da idade da população estudada foi de 35,5 anos e o IMC médio foi de 23,7 kg/m2. Por ordem de frequência, os sintomas dolorosos pré-operatórios foram: dismenorreia (99,3%), sintomas gastrointestinais cíclicos (55,2%), dispareunia (51%), dor pélvica não cíclica (37,1%) e sintomas urinários cíclicos (9,8%).

 

 

A distribuição das pacientes de acordo com a classificação de gravidade das lesões principais de EPI foi a seguinte: LR (0%), SUA (1,4%; n=2), LUS (28%; n=40), R (14%; n=20), V (7,7%; n=11), B (3,5%; n=5), I (39,1%; n=56) e U (6,3%; n=9) (Tabela 2). Essas 143 mulheres apresentaram 577 lesões de EPI comprovadas histologicamente, assim distribuídas por ordem de frequência: LUS (n=239; 41,4%), R (n=91; 15,7%), V (n=50; 8,7%), LR (n=50; 8,7%), SUA (n=41; 7,1%), B (n=12; 2,1%), I (n=83; 14,4%), U (n=11; 1,9%). O número médio de lesões profundas por paciente foi de 4,0±2,2 (1-10). Cinquenta e sete mulheres (39,9%) tiveram endometrioma associado à lesão profunda, sendo unilateral à esquerda em 20 casos, unilateral à direita em 22 casos e bilateral em 15 casos. Cento e três lesões (17,8%) acometeram o compartimento pélvico anterior, 466 (80,8%) o compartimento pélvico posterior e 8 (1,4%) o compartimento abdominal.

A Tabela 3 mostra algumas características específicas de acordo com a distribuição anatômica das lesões principais. Não houve diferença entre os grupos comparando a idade das pacientes e o valor do Ca-125 pré-operatório. O escore da rAFS foi maior nos grupos SUA, I e U (p=0,0007). As lesões localizadas em SUA, LUS e R foram únicas em 100, 50 e 15% dos casos, respectivamente. Nos casos restantes, múltiplas lesões de EPI foram encontradas na mesma paciente (p<0,0001). O número de lesões associadas aumentou progressivamente de acordo com a gravidade das lesões (p<0,0001). A presença de endometrioma não esteve relacionada a nenhum tipo específico de lesão de EPI.

Sessenta e cinco pacientes (45,4%) apresentaram infiltração intestinal comprovada histologicamente (56 classificadas como grupo I e 9 como grupo U), totalizando 83 lesões assim distribuídas: apêndice (n=7), ceco (n=1) e retossigmoide (n=75). O número médio de lesões intestinais por paciente foi de 1,3±0,6 (1-3). Treze das 65 pacientes com endometriose intestinal (20%) apresentaram lesão multifocal no intestino. O trato urinário foi acometido em 14,1% das pacientes, sendo a bexiga em 8,4% e o ureter em 6,3% dos casos.

Todas as pacientes foram operadas por laparoscopia (Tabela 4). No compartimento pélvico anterior, as lesões de LR e de septo vésico-uterino foram tratadas com ressecção do ligamento comprometido e ressecção do nódulo infiltrativo de septo vesicouterino, respectivamente. As lesões de bexiga foram tratadas com cistectomia parcial em oito casos e cistectomia parcial extramucosa em quatro casos.

 

 

No compartimento pélvico posterior e abdominal, as lesões de LUS, R e V foram tratadas com ressecção de ligamento uterossacro, ressecção da região retrocevical e ressecção do fórnice vaginal posterior, respectivamente. As lesões intestinais foram tratadas da seguinte forma: apendicectomia (n=7), ressecção e sutura de implante em ceco (n=1), shaving retal (n=44), mucosal skinning (n=1), ressecção em disco da parede anterior do reto (n=5) e ressecção segmentar intestinal com ileostomia protetora (n=2) ou ressecção segmentar intestinal (n=10). As lesões de ureter foram manejadas com ureterólise em 2 casos, ureterólise associada a passagem de catéter duplo J em 5 casos, nefrectomia em 2 casos e reimplante ureteral em 2 casos. No caso de necessidade de passagem de cateter duplo J após a ureterólise, esse foi removido 30 dias após o procedimento cirúrgico inicial.

 

Discussão

Assim como previamente publicado13-15, nosso trabalho mostra que as lesões de EPI têm uma tendência de ser multifocal, de afetar preferencialmente o compartimento pélvico posterior e de comprometer o intestino em uma grande parcela das pacientes.

O conhecimento da distribuição anatômica das lesões de EPI da população que está sendo tratada é de extrema importância para que se possa planejar melhor os procedimentos cirúrgicos. De acordo com nosso estudo, o número médio de lesões profundas por paciente foi de 4. Das pacientes operadas, 45,4% eram portadoras de EPI com acometimento intestinal, 8,4% com acometimento de bexiga e 6,3% com infiltração de ureter. Esses achados são semelhantes aos de estudos previamente publicados na literatura que mostram a presença de comprometimento intestinal, vesical e ureteral em 56, 5,4 e 6,7% das pacientes com EPI, respectivamente15.

Parece haver uma predisposição das lesões de EPI pelo lado esquerdo da pelve. Em alguns estudos que avaliaram a distribuição anatômica das lesões de EPI, o ligamento uterossacro esquerdo foi acometido em 64,5% dos casos11, o ureter esquerdo em 64%10 e o lado esquerdo do trato intestinal baixo em 74%12. Existe ainda uma predisposição pelo compartimento pélvico posterior (93,4%) comparado com o anterior (6,6%)14; esse padrão preferencial de distribuição também foi observado em nosso estudo.

Todas essas observações são argumentos a favor da teoria de regurgitação e da importância do padrão de fluxo peritonial na patogênese da EPI. Com a mulher na posição ereta, sob o efeito da gravidade, o refluxo de sangue menstrual acumula no fundo de saco de Douglas, que é a porção mais inferior da cavidade abdominopélvica. O efeito gravitacional também explica a maior incidência de lesões pélvicas do que abdominais e por que as lesões intestinais são mais frequentes no reto e retossigmoide. A maior incidência de lesões no compartimento pélvico posterior ocorre, provavelmente, devido ao fato de o limite inferior do fundo de saco vesicouterino ser mais alto do que o limite inferior do fundo de saco de Douglas14.

Recentemente, um estudo descreveu a distribuição das lesões de EPI intestinais da seguinte forma: reto em 96%, sigmoide em 38,7%, íleo em 22,7%, ceco em 10,7%, apêndice em 10,7% e omento em 4% das pacientes. A presença de comprometimento multifocal intestinal foi de 54,7%15, um pouco acima da observada em nosso estudo (20%).

Como o objetivo principal do tratamento cirúrgico é o de remover completamente todas as lesões profundas, a localização das lesões de EPI dita a escolha da técnica cirúrgica específica em cada caso; no caso de doença multifocal, vários procedimentos cirúrgicos devem ser associados13.

A técnica cirúrgica detalhada para a abordagem das diferentes lesões de EPI já está descrita na literatura24. Resumidamente, no compartimento pélvico anterior, podemos nos deparar com implantes profundos de endometriose acometendo os ligamentos redondos, o septo vesicouterino e a bexiga. Na presença de infiltração isolada do ligamento redondo, esse deve ser ressecado17. A infiltração da serosa uterina anterior/reflexão peritonial vesicouterina pode ou não acometer a parede da bexiga. Na ausência de comprometimento vesical, procede-se a ressecção da área acometida pela doença com o cuidado de não lesar a parede da bexiga durante essa dissecção. Nos casos de infiltração profunda da bexiga, impõe-se a ressecção da parede vesical25, que pode ser realizada de forma extramucosa (nos casos de infiltração até a camada muscular, poupando a mucosa)25,26 ou espessura total16,19.

No compartimento pélvico posterior, as lesões podem infiltrar os ligamentos uterossacros, a região retrocervical, o fórnice vaginal posterior, o septo retovaginal e o retossigmoide. Nos casos de lesões laterais infiltrando o ligamento uterossacro, este deve ser ressecado27,28. É importante se lembrar de que essas lesões necessitam de ureterólise, na grande maioria das vezes, devido ao processo inflamatório que a doença promove na proximidade do ureter29. As lesões localizadas na linha mediana (região retrocervical) podem acometer os ligamentos uterossacros quando são volumosas. Nesse caso, tanto a região retrocervical, quanto os ligamentos uterossacros devem ser removidos. No intraoperatório, um toque vaginal deve ser realizado guiado por laparoscopia para definir a presença ou não de infiltração do fórnice vaginal posterior pela doença. No caso de lesão palpável ao toque vaginal, a ressecção da porção superior da parede vaginal posterior é essencial21. Na presença de um nódulo retrocervical com diâmetro maior ou igual a 3 cm o risco de comprometimento ureteral é de 11%30; portanto, nesses casos a ureterólise também deve ser realizada. As lesões que infiltram o septo retovaginal são menos frequentes e não observamos nenhum caso desse tipo de lesão em nossa série.

As lesões de endometriose intestinal são aquelas que infiltram pelo menos a camada muscular da parede intestinal13. Alguns detalhes obtidos nos exames de imagem pré-operatórios são importantes quando se programa o tratamento cirúrgico das pacientes portadoras de EPI intestinal: multifocalidade, distância da lesão à borda anal, tamanho da lesão, porcentagem da circunferência intestinal acometida e profundidade de infiltração da lesão16,18,31. Com esses dados se pode programar a intervenção sobre a endometriose intestinal optando-se por um shaving retal, mucosal skinning, ressecção em disco ou ressecção segmentar. Nos casos de infiltração do apêndice, este deve ser removido.

A endometriose ureteral pode ser extrínseca ou intrínseca22. O tratamento do quadro de obstrução utereral em decorrência da EPI inicialmente é realizado com uma tentativa de ureterólise, com ou sem necessidade de passagem de cateter duplo J. Nos casos de persistência da dilatação após a ureterólise, impõe-se o reimplante ureteral ou a ressecção segmentar do ureter comprometido. Nos casos em que a cintilografia renal pré-operatória demonstra o não funcionamento do rim acometido, a nefrectomia deve ser realizada.

Todas essas técnicas devem ser combinadas quando há presença de comprometimento multifocal pela endometriose. Como a multifocalidade é uma das principais características das lesões de EPI, esse parâmetro é essencial para que se decida a estratégia cirúrgica, uma vez que a ressecção completa das lesões em um único procedimento é o objetivo principal do tratamento cirúrgico.

 

Referências

1. Pritts EA, Taylor RN. An evidence-based evaluation of endometriosis-associated infertility. Endocrinol Metab Clin North Am. 2003;32(3):653-67.         [ Links ]

2. Cornillie FJ, Oosterlynck D, Lauweryns JM, Koninckx PR. Deeply infiltrating pelvic endometriosis: histology and clinical significance. Fertil Steril. 1990;53(6):978-83.         [ Links ]

3. Eskenazi B, Warner ML. Epidemiology of endometriosis. Obstet Gynecol Clin North Am. 1997;24(2):235-58.         [ Links ]

4. Carter JE. Combined hysteroscopic and laparoscopic findings in patients with chronic pelvic pain. J Am Assoc Gynecol Laparosc. 1994;2(1):43-7.         [ Links ]

5. Laufer MR, Goitein L, Bush M, Cramer DW, Emans SJ. Prevalence of endometriosis in adolescent girls with chronic pelvic pain not responding to conventional therapy. J Pediatr Adolesc Gynecol. 1997;10(4):199-202.         [ Links ]

6. Strathy JH, Molgaard CA, Coulam CB, Melton LJ 3rd. Endometriosis and infertility: a laparoscopic study of endometriosis among fertile and infertile women. Fertil Steril. 1982;38(6):667-72.         [ Links ]

7. Verkauf BS. Incidence, symptoms, and signs of endometriosis in fertile and infertile women. J Fla Med Assoc. 1987;74(9):671-5.         [ Links ]

8. Mahmood TA, Templeton A. Prevalence and genesis of endometriosis. Hum Reprod. 1991;6(4):544-9.         [ Links ]

9. Chapron C, Dubuisson JB, Fritel X, Fernandez B, Poncelet C, Béguin S, et al. Operative management of deep endometriosis infiltrating the uterosacral ligaments. J Am Assoc Gynecol Laparosc. 1999;6(1):31-7.         [ Links ]

10. Vercellini P, Pisacreta A, Pesole A, Vicentini S, Stellato G, Crosignani PG. Is ureteral endometriosis an asymmetric disease? BJOG. 2000;107(4):559-61.         [ Links ]

11. Chapron C, Fauconnier A, Dubuisson JB, Vieira M, Bonte H, Vacher-Lavenu MC. Does deep endometriosis infiltrating the uterosacral ligaments present an asymmetric lateral distribution? BJOG. 2001;108(10):1021-4.         [ Links ]

12. Vercellini P, Chapron C, Fedele L, Gattei U, Daguati R, Crosignani PG. Evidence for asymmetric distribution of lower intestinal tract endometriosis. BJOG. 2004;111(11):1213-7.         [ Links ]

13. Chapron C, Fauconnier A, Vieira M, Barakat H, Dousset B, Pansini V, et al. Anatomical distribution of deeply infiltrating endometriosis: surgical implications and proposition for a classification. Hum Reprod. 2003;18(1):157-61.         [ Links ]

14. Chapron C, Chopin N, Borghese B, Foulot H, Dousset B, Vacher-Lavenu MC, et al. Deeply infiltrating endometriosis: pathogenetic implications of the anatomical distribution. Hum Reprod. 2006;21(7):1839-45.         [ Links ]

15. Piketty M, Chopin N, Dousset B, Millischer-Bellaische AE, Roseau G, Leconte M, et al. Preoperative work-up for patients with deeply infiltrating endometriosis: transvaginal ultrasonography must definitely be the first-line imaging examination. Hum Reprod. 2009;24(3):602-7.         [ Links ]

16. Kondo W, Zomer MT, Pinto EP, Ribeiro R, Ribeiro MFC, Trippia CR, et al. Deep infiltrating endometriosis: imaging features and laparoscopic correlation. J Endometriosis. 2011;3(4):197-212.         [ Links ]

17. Crispi CP, de Souza CA, Oliveira MA, Dibi RP, Cardeman L, Sato H, et al. Endometriosis of the round ligament of the uterus. J Minim Invasive Gynecol. 2012;19(1):46-51.         [ Links ]

18. Chamié LP, Pereira RM, Zanatta A, Serafini PC. Transvaginal US after bowel preparation for deeply infiltrating endometriosis: protocol, imaging appearances, and laparoscopic correlation. Radiographics. 2010;30(5):1235-49.         [ Links ]

19. Chapron C, Dubuisson JB. Laparoscopic management of bladder endometriosis. Acta Obstet Gynecol Scand. 1999;78(10):887-90.         [ Links ]

20. Chamié LP, Blasbalg R, Pereira RM, Warmbrand G, Serafini PC. Findings of pelvic endometriosis at transvaginal US, MR imaging, and laparoscopy. Radiographics. 2011;31(4):E77-100.         [ Links ]

21. Matsuzaki S, Houlle C, Botchorishvili R, Pouly JL, Mage G, Canis M. Excision of the posterior vaginal fornix is necessary to ensure complete resection of rectovaginal endometriotic nodules of more than 2 cm in size. Fertil Steril. 2009;91(4 Suppl):1314-5.         [ Links ]

22. Ghezzi F, Cromi A, Bergamini V, Bolis P. Management of ureteral endometriosis: areas of controversy. Curr Opin Obstet Gynecol. 2007;19(4):319-24.         [ Links ]

23. Revised American Fertility Society classification of endometriosis: 1985. Fertil Steril. 1985;43(3):351-2.         [ Links ]

24. Kondo W, Zomer MT, Charles L, Canis M. Surgical treatment of deep endometriosis by laparoscopy. In: Terzic H, editor. Laparoscopy: new developments, procedures and risks. Hauppauge: Nova Biomedical. In press 2012.         [ Links ]

25. Gabriel B, Nassif J, Trompoukis P, Barata S, Wattiez A. Prevalence and management of urinary tract endometriosis: a clinical case series. Urology. 2011;78(6):1269-74.         [ Links ]

26. Prager M, Wilson T, Krüger K, Ebert AD. Laparoscopic extramucosal partial bladder resection in a patient with symptomatic deep-infiltrating endometriosis of the bladder. J Minim Invasive Gynecol. 2012;19(1):113-7.         [ Links ]

27. Kondo W, Bourdel N, Tamburro S, Cavoli D, Jardon K, Rabischong B, et al. Complications after surgery for deeply infiltrating pelvic endometriosis. BJOG. 2011;118(3):292-8.         [ Links ]

28. Chapron C, Dubuisson JB, Fritel X, Fernandez B, Poncelet C, Béguin S, et al. Operative management of deep endometriosis infiltrating the uterosacral ligaments. J Am Assoc Gynecol Laparosc. 1999;6(1):31-7.         [ Links ]

29. Chapron C, Jacob S, Dubuisson JB, Vieira M, Liaras E, Fauconnier A. Laparoscopically assisted vaginal management of deep endometriosis infiltrating the rectovaginal septum. Acta Obstet Gynecol Scand. 2001;80(4):349-54.         [ Links ]

30. Donnez J, Nisolle M, Squifflet J. Ureteral endometriosis: a complication of rectovaginal endometriotic (adenomyotic) nodules. Fertil Steril. 2002;77(1):32-7.         [ Links ]

31. Gonçalves MO, Podgaec S, Dias JA Jr, Gonzalez M, Abrão MS. Transvaginal ultrasonography with bowel preparation is able to predict the number of lesions and rectosigmoid layers affected in cases of deep endometriosis, defining surgical strategy. Hum Reprod. 2010;25(3):665-71.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
William Kondo
Centro Médico Hospitalar Sugisawa
Avenida Iguaçu 1236, sala 114
CEP: 80250-190 Curitiba (PR), Brasil

Recebido 26/03/2012
Aceito com modificações 30/04/2012
Conflito de interesses: não há.

 

 

Trabalho realizado no Hospital Vita Batel - Curitiba (PR), Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License