SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DO CONTRAFILÉ (m. L. dorsi) DE TOUROS JOVENS DA RAÇA NELORECOMPARAÇÃO DAS PROPRIEDADES REOLÓGICAS DA MASSA DE CACAU TORRADA CONVENCIONALMENTE E POR MICROONDAS índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Food Science and Technology

versión impresa ISSN 0101-2061versión On-line ISSN 1678-457X

Ciênc. Tecnol. Aliment. v. 18 n. 2 Campinas Mayo/Jul. 1998

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-20611998000200013 

TEOR DE VITAMINA C, ATIVIDADE DE ASCORBATO OXIDASE E PERFIL SENSORIAL DE MANGA (Mangífera índica L.) VAR. HADEN, DURANTE O AMADURECIMENTO1

 

Helena Maria A.B. CARDELLO2,*, Leonardo CARDELLO2

 

 


RESUMO

A composição química e bioquímica da manga, varia de acordo com as condições da cultura, variedade e estágio de maturação, geralmente contendo alto conteúdo de ácido ascórbico. Com o objetivo de estabelecer o papel da ascorbato oxidase [E.C.1.10.3.3], sobre os níveis de ácido ascórbico durante o processo de amadurecimento de manga (Mangífera índica L.) var. Haden, foram analisadas amostras da fruta correspondentes aos estágios verde maturo (zero) e armazenadas por 2, 4, 6, 8, 10, 12 e 14 dias a 20 ± 2oC. As amostras foram obtidas das polpas cortadas em pequenos cubos de aproximadamente 8 cm3 de 8 mangas com textura sem diferença significativa entre elas, medidas com auxílio de um penetrômetro Magness-Taylor. Em cada amostra foi determinada atividade de ascorbato oxidase para verificar sua participação em possíveis quedas de ácido ascórbico durante o amadurecimento das frutas. Também foram determinados periodicamente o teor de ácido ascórbico e o perfil sensorial durante o período de amadurecimento. A atividade enzimática foi determinada espectrofotometricamente a 245 nm 30oC, o ácido ascórbico foi analisado de acordo com a metodologia da AOAC modificada e a análise sensorial através de análise descritiva quantitativa. Os dados da análise sensorial foram analisados através de análise de variância (ANOVA), testes de médias de Tukey, análise de componentes principais e análise discriminante por passos. Durante o amadurecimento, a atividade da ascorbato oxidase aumentou e o teor de ácido ascórbico diminuiu, havendo significativa (p£0,05) correlação linear negativa (r=-0,98). Os termos descritores para a manga foram: sabor característico, aroma característico, acidez, adstringência, coloração amarela da polpa, doçura e suculência. O perfil sensorial apresentou significativa melhora com o amadurecimento. Todos os atributos sensoriais aumentaram significativamente (p£0,05) durante o amadurecimento das mangas, exceto acidez e adstringência.

Palavras-chave: manga; ascorbato oxidase; ácido ascórbico; análise sensorial.


SUMMARY

VITAMIN C, ASCORBATE OXIDASE ACTIVITY AND SENSORY PROFILE OF MANGO (Mangífera índica, L.), VAR. HADEN DURING RIPENING. The chemical and biochemical composition of mango, varies according to the cultivation conditions, variety and maturation state, generally containing a high level of ascorbic acid. In order to establish the correlation between the activity of the ascorbate oxidase [E.C.1.10.3.3], and ascorbic acid level in the ripening process of the Haden mango (Mangífera índica L.), sample of the fruits related to hard green stage (zero), 2, 4, 6, 8, 10, 12 and 14 days stored at 20 ± 2oC, were tested. The samples were obtained by cutting small cubes of 8 cm3 from pulps of 8 mangoes with texture without significant difference (p£0.05) at Magness-Taylor pressure tester scale. In each sample the activity of ascorbate oxidase was followed, in order to check its participation in possible substrate losses during the ripening fruits. The ascorbic acid level and sensory profile also was determined periodically during the ripening period. The enzymatic activity was spectrophotometrically determined at 245 nm and 30oC. The ascorbic acid was analyzed according modified AOAC methodology, and sensory analysis by descriptive quantitative analysis. Data were analyzed using correlation analysis, analysis of variance (ANOVA), Tukey's test, principal component analysis and stepwise discriminant analysis. During the ripening, the ascorbate oxidase activity increased (from 0 to 5.0 x 10-1 U/ml) and the ascorbic acid level decreased (from 209.3 mg to 110.0 mg per 100g of pulp), showing a significant (p£0.05) inverse linear correlation (r=-0.98). The descriptors terms for mangoes were: characteristic flavor, characteristic aroma, sourness, astringency, yellow coloration of pulp, sweetness and succulence. The sensory profile presented significant improvement during ripening. All sensory attributes increased significantly (p£0.05) except sourness and astringency, wich decreased during the ripening of mangoes.

Keywords: mango; ascorbate oxidase; ascorbic acid; sensory analysis.


 

 

1 — INTRODUÇÃO

A manga é uma das mais importantes frutas tropicais, sendo muito apreciada por seu sabor, aroma e coloração característicos e atraentes.

O Brasil é hoje, o segundo produtor mundial, sendo o Nordeste sua principal região produtora, apresentando grande diversidade de tipos e variedades, em contraste com as condições precárias de comercialização da fruta, com base no sistema de distribuição em feiras livres tradicionais [31].

Diversas variedades indianas melhoradas foram dispersas pelo mundo, das quais algumas são ainda conhecidas pelo seu nome de origem, tais como Alphonse, Sandrsha, Pairi, Mulgoba etc. Destas, algumas originaram muitas variedades novas, especialmente na Flórida, onde numerosas introduções de variedades da Índia foram feitas, mais especificamente, no começo do século XX. Hoje elas são mais universalmente cultivadas e conhecidas do que as respectivas variedades indianas genitoras, como é o caso específico da variedade Haden, introduzida em quase todos países que cultivam manga, e ainda uma das mais plantadas para comercialização.

A manga da variedade Haden é originária da variedade indiana Mulgoba, por cruzamento natural na Flórida, e fixada no Brasil por enxertia em 1910 no Brasil.

O valor vitamínico das mangas, fica circunscrito principalmente em torno de seu conteúdo de vitamina A (carotenóides), vitamina C (ácido ascórbico), e pequenas quantidades de vitaminas do complexo B [8].

A manga madura possui quantidade apreciável de vitamina C, chegando a conter 110 mg/100 gramas de material conforme a variedade [8].

Em razão da manga ser uma fruta sazonal e muito abundante em vários países, seria valioso tanto em termos econômicos como nutricionais, tornar viável um melhor aproveitamento da mesma, de maneira que sejam preservados tanto quanto possível, seus componentes naturais. Para isto, tornam-se importantes, estudos sobre as características e transformações físicas, químicas, bioquímicas e sensoriais da manga durante os estágios de amadurecimento, armazenamento e processamento, para a obtenção da melhoria da qualidade e aperfeiçoamento de sua industrialização.

A composição química da manga varia com as condições da cultura, variedade, estágio de maturação, e outros fatores, sendo constituída principalmente de água, carboidratos, ácidos orgânicos, sais minerais, proteínas, vitaminas e pigmentos.

Vários autores encontraram diminuição do ácido ascórbico durante o amadurecimento de mangas, de diferentes variedades [3, 12, 30].

A determinação do conteúdo de ácido ascórbico em vegetais é muito importante, pois além de seu papel fundamental na nutrição humana [14], sua degradação pode favorecer o escurecimento não enzimático [1], e causar aparecimento de sabor estranho [7]. Além disso, o ácido ascórbico é um importante indicador, pois sendo a vitamina mais termolábil, sua presença no alimento, indica que provavelmente os demais nutrientes também estão sendo preservados [6].

A ascorbato oxidase pode ser encontrada em vegetais como hortaliças, frutas e cereais diversos, podendo estar na forma solúvel ou ligada à parede celular [15].

MOSER & KANELLIS [20] observaram o aumento da atividade da ascorbato oxidase durante o amadurecimento em melões.

Vários estudos foram realizados para acompanhar a atividade de outras diferentes enzimas durante o amadurecimento de mangas, de diferentes variedades, e houve aumento da atividade de poligalacturonase [4, 11, 31], celulase [11], b-galactosidase e suas isoformas com atividade de galactanase [19], pectinesterase [4]. SELVARAJ & KUMAR [26] observaram o aumento de pectinesterase, poligalacturonase e celulase até a metade do estágio de amadurecimento de sete variedades de manga, e após este período, constataram o declínio da atividade destas mesmas enzimas.

Os testes sensoriais, os quais utilizam os órgãos dos sentidos humanos como" instrumentos", devem ser incluídos como garantia de qualidade por ser uma medida multidimensional integrada, que possui importantes vantagens, como por exemplo, determinar a aceitação de um produto por parte dos consumidores.

Enquanto alguns instrumentos são efetivos em detectar o surgimento de problemas durante a produção e armazenamento de alimentos, muitas vezes são incapazes de medir alterações perceptíveis que afetam a aceitação de um produto.

A análise descritiva quantitativa proporciona uma completa descrição de todas as propriedades sensoriais de um produto, representando um dos métodos mais completos e sofisticados para a caracterização sensorial de atributos importantes [27]. Tal análise possui inúmeras aplicações, sendo particularmente importante em testes de armazenamento de produtos para verificar possíveis alterações no decorrer do período, uma vez que por utilizar provadores selecionados e treinados de forma criteriosa e rigorosa, não necessita de um padrão para comparação entre amostras [27].

Estudos de caracterização sensorial são muito importantes no acompanhamento de amadurecimento de frutas, para acompanhar as mudanças que ocorrem, pois de acordo com MUÑOZ et al., [22], estudos desta natureza são capazes de detectar pequenas alterações perceptíveis sensorialmente, as quais muitas vezes não são detectadas através de outros procedimentos analíticos.

O objetivo do presente estudo, foi determinar a atividade da ascorbato oxidase e o teor de ácido ascórbico, verificar a correlação entre a atividade da referida enzima e o teor de vitamina C; e também traçar o perfil sensorial de manga Haden durante o amadurecimento.

 

2 — MATERIAL E MÉTODOS

2.1 - Material

Mangas (Mangífera índica L.) var. Haden, no estágio verde maturo, em completo desenvolvimento fisiológico, adquiridas em um produtor local (Araraquara, SP).

2.1.1 - Preparo das Amostras

As frutas foram colhidas em estágio verde maturo e imediatamente transportadas para o laboratório, onde foram selecionadas, lavadas com solução de hipoclorito de sódio 1,0% e armazenadas em câmara com umidade controlada, a 20 ±2oC, e assim mantidas durante o período de estudo. Amostras correspondentes aos estágios verde maturo (zero dias), 2, 4, 6, 8, 10, 12 e 14 dias de amadurecimento foram analisadas em relação à atividade de ascorbato oxidase, teor de ácido ascórbico e perfil sensorial. O estudo de aceitação da manga durante o amadurecimento definiu o tempo máximo de análises como 14 dias, uma vez que no 16o, ocorreu diminuição da aceitação em relação ao aroma, sabor e textura, indicando o início do período de senescência das frutas. Cada amostra foi obtida pela mistura das polpas de oito mangas escolhidas ao acaso. Para que o estágio de maturação fosse uniforme entre as frutas escolhidas, foi feita avaliação da textura das polpas com auxílio de um penetrômetro Magness-Taylor com quatro repetições. Os dados foram avaliados através de análise de variância e testes de médias de Tukey, e foram utilizadas as frutas que não apresentavam diferença significativa (p£0,05) de textura entre si. As polpas foram cortadas em pedaços cúbicos uniformes de cerca de 2 cm de aresta.

2.2 - Métodos

2.2.1 - Determinação de Ácido Ascórbico

As determinações de ácido ascórbico foram realizadas em triplicata, de acordo com a metodologia descrita pela AOAC [5], utilizando-se solução de ácido oxálico 2% para a extração, e adaptação da metodologia proposta por ROE & KUETHER [24].

2.2.2 - Determinação da Atividade de Ascorbato Oxidase

Amostras de manga "in natura" foram homogeneizadas em homogeneizador tipo Ultra-Turrax, com tampão acetato de sódio 20 mM, pH 5,5, contendo cloreto de sódio 150 mM. A relação tecido:tampão foi de 1:4, e após centrifugação a 20.000 x g por 20 minutos a 4oC, o sobrenadante foi utilizado como fonte de enzima [9].

A atividade enzimática foi determinada espectrofotometricamente de acordo com o método padronizado pela Divisão de Operações Bioquímicas da Toyobo, Co. LTD do Japão [29].

A mistura reacional foi constituída de 0,5 ml de solução de ácido ascórbico 1,0mM, 0,5 ml de solução de fosfato dibásico de sódio 10mM, pH 5,5, e 0,2 ml de extrato enzimático. A mistura foi incubada a 30oC, e após 5 minutos, a reação foi interrompida pela adição de 3,0 ml de ácido clorídrico 0,2 N, e a absorbância lida a 245nm em espectrofotômetro marca Varian 634, contra água.

O tubo controle (branco), foi preparado misturando-se primeiramente o substrato e o tampão com o ácido clorídrico, e por último a enzima.

Uma unidade de atividade de ascorbato oxidase foi definida como sendo a quantidade de enzima que catalisa a oxidação de um micromol de ácido ascórbico por minuto, nas condições descritas.

As condições ótimas de pH, temperatura e tampão extrator foram determinadas previamente para realização do estudo [9].

2.2.3 - Determinação de Acidez total Titulável e pH

As determinações de acidez total titulável e pH foram realizadas de acordo com a AOAC [5].

2.2.4 - Análise Sensorial

2.2.4.1- Análise Descritiva Quantitativa

Os provadores pré-selecionados iniciaram a Análise Descritiva Quantitativa com o levantamento dos termos descritivos para as mangas Haden nos diferentes estágios de maturação, através do método de rede de Kelly [21]. A análise Descritiva Quantitativa foi realizada de acordo com STONE et al. [28]. Foram então elaboradas as fichas de avaliação com escalas não estruturadas de 9 centímetros para cada atributo. Após a realização de testes, provadores com poder de discriminação entre amostras, verificado através dos valores de Famostra significativo para p£0,05, repetibilidade verificada através dos valores de Frepetição não significativo para p£0,30 e concordância com a equipe sensorial, foram selecionados para os testes definitivos [10].

As amostras foram servidas em cabines individuais aos provadores em pratos plásticos brancos codificados com algarismos de três dígitos, de forma monádica, com quatro repetições.

2.2.4.2 - Análise Estatística dos Dados

Os dados coletados na Análise Descritiva Quantitativa foram avaliados através de análise de variância ANOVA de dois fatores (amostra e provadores) com interação para cada atributo. Foi aplicado o teste de Tukey para comparação das médias das amostras. Foi realizada também, a Análise de Componentes Principais. Os resultados das médias foram apresentados de forma tabular e gráfica, e a análise dos componentes principais através de gráficos bidimensionais. Com os dados coletados, foi também aplicada a técnica estatística multivariada de Análise Discriminante por Passos [23] para ordenar os atributos da manga Haden segundo seu poder de discriminação, durante o período de amadurecimento.

As análises estatísticas foram realizadas através dos programas do pacote estatístico SAS [25].

 

3 — RESULTADOS E DISCUSSÃO

3.1 - Ácido Ascórbico e Ascorbato Oxidase

A quantidade de ácido ascórbico diminuiu consideravelmente com o amadurecimento da manga Haden, em contraste com a atividade da ascorbato oxidase, que aumentou significativamente durante o mesmo período (Figura 1).

 

18n2a154i102.GIF (8355 bytes)

FIGURA 1. Atividade de ascorbato oxidase e ácido ascórbico durante o período de amadurecimento.

 

Resultados semelhantes foram encontrados por AINA [3], GOFUR [12] e VINCI [30], que observaram a diminuição do ácido ascórbico durante o amadurecimento de mangas de outras variedades.

Estudos que acompanharam a atividade de outras enzimas durante o amadurecimento de mangas de outras variedades, também mostraram aumento de atividade de pectinesterase [2], poligalacturonase [3, 31], celulase [26], peroxidase [17] e b-galactosidase [19].

3.2 - Correlação entre Ácido Ascórbico e Ascorbato Oxidase

Houve correlação linear significativa negativa (p£0,05) entre a atividade de ascorbato oxidase e o teor de ácido ascórbico (r=-0,99) durante o amadurecimento de manga Haden, onde 98% da diminuição ocorrida no teor de ácido ascórbico, pode ser explicada pelo aumento da atividade de ascorbato oxidase. Estas variações podem ser equacionadas pela reta:

18n2a154i101.GIF (231 bytes)

Correlação negativa entre o teor de ácido ascórbico e a atividade da ascorbato-oxidase, também foi verificada MOSER & KANELLIS (20) durante o amadurecimento de melões.

3.3 - Acidez Total Titulável e pH

Conforme pode ser observado na Tabela 1, houve aumento do pH com concomintante redução da acidez total titulável de manga Haden durante o período de amadurecimento.

 

18n2a154t1.GIF (6790 bytes)

 

KUMAR et al. [16] também encontraram resultados semelhantes em mangas das variedades Fazli e Zardalu.

3.4 - Análise Sensorial

3.4.1 - Análise Descritiva Quantitativa

A partir da lista obtida através do método de rede [21], os atributos escolhidos em consenso pelos membros da equipe sensorial (pré-selecionada inicialmente), para a avaliação das amostras de manga Haden foram: sabor caraterístico, aroma característico, acidez, adstringência, coloração amarela, doçura e suculência.

Com eles foram montadas as fichas de avaliação. Os provadores foram treinados, através de várias sessões com as definições e referências para cada termo descritor.

Foram então realizados os testes definitivos.

A análise de variância dos resultados (fontes de variação: provador, amostra e interação entre amostra e provador), mostrou que houve diferença significativa (p£0,0001) entre as amostras em relação a todos os atributos.

A Tabela 2 contém os resultados das médias. Através da diferença mínima significativa (DMS) obtida através do teste de médias de Tukey (p£0,05), foi realizada a comparação entre as médias. De acordo com estes testes, numa mesma coluna, as médias marcadas com letras em comum não diferem entre si.

 

18n2a154t2.GIF (17781 bytes)

 

Os atributos suculência, doçura, sabor característico, aroma característico e coloração amarela da polpa aumentaram significativamente, enquanto adstringência e acidez diminuíram consideravelmente durante o amadurecimento das mangas. Após 2 e 4 dias de amadurecimento não houve diferença significativa (p£0,05) entre a suculência das amostras. Após 8 e 10 dias de amadurecimento, as amostras foram estatísticamente iguais em relação à a doçura, aroma característico e acidez.

Já o sabor característico e a adstringência não apresentaram diferença significativa entre as amostras após zero e 2 dias de amadurecimento, enquanto que a coloração amarela da polpa não apresentou diferença significativa entre as amostras após 6 e 8 dias de amadurecimento.

Os resultados das médias obtidas para os termos descritivos (suculência, doçura, aroma característico, sabor característico, coloração amarela da polpa, adstringência e acidez) encontram-se na Figura 2, que registra a melhora do perfil sensorial com o amadurecimento, ressaltando de forma gráfica os resultados da Tabela 2.

 

18n2a154i103.GIF (1315 bytes) 18n2a154i104.GIF (1495 bytes)
18n2a154i105.GIF (1422 bytes) 18n2a154i106.GIF (1682 bytes)
18n2a154i107.GIF (1492 bytes) 18n2a154i108.GIF (1532 bytes)
18n2a154i109.GIF (1512 bytes) 18n2a154i110.GIF (1466 bytes)

*Período de amadurecimento

FIGURA 2. Perfil sensorial de manga Haden durante o período de amadurecimento. SUC= suculência; DOC=doçura; SAB=sabor característico; ARO=aroma característico; AMA=coloração amarela; ADS=adstringência; ACI=acidez.

 

Através dos dados coletados, para cada amostra e provador, foi realizada a análise de componentes principais (ACP), e o resultado está representado na Figura 3.

 

18n2a154i111.GIF (8419 bytes)

FIGURA 3. Figura bidimensional da Análise dos Componentes Principais das amostras de manga durante o amadurecimento durante 14 dias. SUC= suculência; DOC=doçura; SAB=sabor característico; ARO=aroma característico; AMA=coloração amarela; ADS=adstringência; ACI=acidez.

 

Nesta figura, as configurações dos atributos sensoriais da manga durante o amadurecimento e a distribuição bidimensional dos mesmos foram representados.

Verifica-se que 98,41% da variação ocorrida entre as amostras foi explicada pelo primeiro eixo (Componente Principal 1).

Os Componentes Principais 1 e 2 explicaram juntos, 99,451% da variação ocorrida entre as amostras de manga Haden durante o período de 14 dias de amadurecimento.

Os atributos doçura, aroma característico, suculência e coloração amarela (positivamente) e acidez (negativamente), contribuíram com maior peso sobre a variabilidade associada ao primeiro eixo.

As amostras ficaram bem distintas umas das outras, marcadas pelas localizações bem definidas de cada uma no gráfico bidimensional.

O experimento apresentou ótima repetibilidade, evidenciada pelo agrupamento dos pontos representativos de cada amostra.

As mangas com zero e 2 dias de amadurecimento, ficaram caracterizadas pelos atributos acidez e adstringência. Já as amostras com 10, 12 e 14 dias de amadurecimento ficaram caracterizadas principalmente por doçura, sabor característico e suculência, (Figura 3), além de apresentarem correlação negativa com acidez e adstringência, (evidenciada pela posição oposta das amostras com esses vetores) indicando portanto que este período pós-colheita pode ser apontado como o mais adequado para consumo. Os resultados das médias estão apresentados na Tabela 2 e Figura 2.

Já as amostras com 4, 6, e 8 dias de amadurecimento ficaram caracterizadas por apresentarem características intermediárias de todos os atributos avaliados.

O resultado da Análise Discriminante por Passos, está expresso na Tabela 3. A segunda coluna relaciona os parâmetros em ordem decrescente de capacidade de discriminação entre as amostras.

 

18n2a154t3.GIF (16180 bytes)

 

Verifica-se de acordo com esta análise estatística multivariada, que a ordem de importância dos atributos da manga Haden durante o amadurecimento em discriminar as amostras é: sabor característico, doçura, adstringência, acidez, coloração amarela da polpa, suculência e aroma característico.

 

4 — CONCLUSÕES

- A atividade de ascorbato oxidase aumentou e o teor de ácido ascórbico diminuiu, apresentando alta correlação linear negativa durante o amadurecimento de manga Haden.

- A acidez da manga Haden diminuiu, ocorrendo aumento do pH durante seu amadurecimento.

- perfil sensorial da manga Haden apresentou melhora significativa durante o amadurecimento.

- Com base nos resultados dos atributos de qualidade, o período pós-colheita mais indicado para consumo da manga Haden, ficou compreendido entre 10 e 14 dias de amadurecimento, período no qual as amostras apresentaram-se com as maiores intensidades de sabor característico, doçura, coloração amarela da polpa, suculência e aroma característico, bem como menores intensidades de acidez e adstringência, coincidindo com o período em que o teor de vitamina C teve uma queda menos acentuada.

 

5 — REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] ABD ALLAH,M.A., ZAKI,M.S.A. Preservation of mango juice by freezing and canning.Lie Narung, v.18, p.207-16, 1974.

[2] ABU-SARRA, A.R., ABU-GOUKH, AA. Changes in pectinesterase, polygalacturonase, and cellulase activity during mango fruit ripening. J. Hort. Sci. v. 67, n. 4, p. 561-8. 1992.

[3] AINA, J.O. Physico-chemical changes in African mango (Irvingia gabonensis) during normal storage ripening. Food Chem. V. 36, n.3, p. 205-12, 1990.[

[4] AINA, J.O., OLADUNJOYE, O.O. Respiration, pectolytic activity and textural changes in ripening African mango (Irvingia gabonensis) fruits. J. Sci. Food Agric. V.63, n.4, p.451-4, 1993.

[5] ASSOCIATION OF OFFICIAL AGRICULTURAL CHEMISTS. Official methods of analysis of the AOAC. 13. ed. Washington, DC, 1984. p.627-845.

[6] BENDER, A.E. Food processing and nutrition. London: Academic Press, 1978. 243p.

[7] BERNHARDT, L.W. et al. Mudanças que ocorrem durante o armazenamento de frutas e hortaliças congeladas. Bol. Inst. Tecnol. Alim., v.16, p.9-34, 1979.

[8] BLEINROTH, E.W. Caracterização de variedades de manga para industrialização. Campinas: Instituto de Tecnologia de Alimentos, 1976. 78 p. (Instruções Técnicas n.13)

[9] CARDELLO,H.M.A.B, MORAES,M.A.C., CARDELLO,L. Ácido ascórbico e ascorbato oxidase em manga (Mangífera índica L.) var. Haden processada e congelada. Alim.Nutr. São Paulo, v.5, p.65-75, 1993/94.

[10] DAMÁSIO,M.H., COSTELL,E. Análisis sensorial descriptivo: Generación de descriptores y selección de catadores. Revista Agroquím. Tecnol. Aliment. v.31, n.2, p.165-78, 1991.

[11] EL-ZOGHBI, M. Biochemical changes in some tropical fruits during ripening. Food Chem. V.49, n.1, p.33-7, 1994.

[12] GOFUR, M.A., SHAFIQUE, M.Z., HELALI-ºH., IBRAHIM, M., RAHMAN, M.M., HAKIM, A. Effect of various factors on the vitamin C (ascorbic acid) content of some mango varieties grown in Rajshahi region. Bangladesh J. Scient. Ind. Res. V. 29, n.3, p. 163-71, 1994.

[13] GORGATTI NETTO, A. et al. Quality evaluation of frozen sliced mangoes in syrup. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF REFRIGERATION, 13, 1971, Washington. Proceedings. Washington, 1971. v.3, p.265-70.

[14] GUTHRIE, H.A. Introductory nutrition. 7. ed. St. Louis, Mosby, 1989. p.381-94.

[15] HALLAWAY, M. et al. A critical study of the intracelular distribuition of ascorbate oxidase and a comparison of the kinetics of the soluble and cell-wall enzyme. Phytochemistry, v.9, p. 935-44,1970.

[16] KUMAR, S., DAS, D.K., SINGH, A.K., PRASAD, U.S. Changes in non-volatile organic acid composition and pH during maturation and ripening of two mango cultivars. Indian J. Plant Physiol. v. 36, n.2, p.107-11, 1993.

[17] MARIN,M.A., CANO,M.P. Patterns of peroxidase in ripening mango (Mangifera indica L.) fruits. J. Food Sci. v.58 n.3, p.690-2, 1992.

[18] MEDINA, J.C. Cultura. In: MEDINA,J.C. et al. Manga:da cultura ao processamento e comercialização. Campinas: Instituto de Tecnologia de Alimentos, 1981.p.9-241.

[19] MOHD-ALI,Z., ARMUGAM,S., LAZAN,H. Beta-galactosidase and its significance in ripening mango fruit. Phytochemistry. V.38, n.5, p.1109-14, 1995.

[20] MOSER,O., KANELLIS,A.K. Ascorbate oxidase of Cucumis melo L. var. reticulatus: purification, characterization and antibody production. J. Exp. Botany. V.45, n. 275. P. 717-24, 1994.

[21] MOSKOWITZ, H.R. Product testing and sensory evaluation of foods. Westport: Food & Nutrition Press, 1983. 605 p.

[22] MUÑOZ, A.M., CIVILLE, G.V., CARR, B.T. Sensory evaluation in quality control. New York: Van Nostrand Reinhold, 1992. 240 p.

[23] POWERS, J.J., CENCIARELLI, S., SHINHOLSER,K. El uso de programas estadísticos generales en la evaluación de los resultados sensoriales. Rev. Agroquim. Tecnol. Alim., v. 24, p.469-84, 1984.

[24] ROE, J.H., KUETHER, C.A. The determination of ascorbic acid in whole blood and urine through the 2,4-dinitrophenylhidrazine derivative of dehydroascorbic acid. J. Biol. Chem., v.147, p.399-407, 1943.

[25] SAS Institute. SAS User's Guide: statistics. Cary, USA: SAS Inst., 1993.mango (Mangifera indica L.) fruit. J. Food Sci Technol. India. V.26, n.6, p.308-313, 1989.

[27] STONE,H., SIDEL,J. Sensory evaluation practices. 2ed. New York: Academic Press, 1993. 338 p.

[28] STONE,H., SIDEL,J., OLIVER,S., WOOLSEY,A., SINGLETON,R.C. Sensory evaluation by quantitative descriptive analysis. Food Technol., v.28, p. 24-34, 1974.

[29] TOYOBO ENZYMES. Ascorbato oxidase assay. Japan: Toyobo, 1984. p.1003.

[30] VINCI,G., BOTRE,F., MELE, G., RUGGIERI,G. Ascorbic acid in exotic fruits: a liquid chromatographyc investigation. Food Chem. V.53, n.2, p.211-14, 1995.

[31] YANRU,Z., PANDEY,M., PRASAD, N.K., SRIVASTAVA, G.C. Ripening associated changes in enzymes and respiratory activities in three varieties of mango (Mangifera indica L.). Indian J. Plant Physiol. v. 38, n.1, p.73-6, 1995.

 

1 Recebido para publicação em 12/02/98. Aceito para publicação em 0907/98.

2 Departamento de Alimentos e Nutrição— Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara — UNESP — Cx. Postal 502, CEP 14801-902, Araraquara, SP, Brasil. e-mail: cardhel@fcfar.unesp.br

* A quem a correspondência deve ser enviada.

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons