SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue2Estimation of effective grain thermal properties in a fixed bed dryerStudy of process variables on the kinetics of the osmotic dehydration of melon author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Food Science and Technology

Print version ISSN 0101-2061On-line version ISSN 1678-457X

Ciênc. Tecnol. Aliment. vol.24 no.2 Campinas Apr./June 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-20612004000200020 

Determinação dos teores de cobre em diferentes extratos de hortaliças do tipo A e B

 

Determination of copper in differents extracts in samples of A and B vegetables

 

 

Édira Castello Branco de AndradeI,*; Anderson Junger TeodoroI; Iracema TakaseII

IDepartamento de Tecnologia dos Alimentos, Escola de Nutrição, UNI-RIO, UNIVERSIDADE DO RIO DE JANEIRO, Rua Xavier Sigaud nº 290, prédio II, 3º andar, Urca, Rio de janeiro, CEP 22290-180, Email: ediracba@unirio.br
IIDepartamento de Química Analítica, UFRJ

 

 


RESUMO

Amostras de hortaliças dos tipos A e B foram analisadas quanto ao teor total de cobre através de espectroscopia de absorção atômica em chama, e o método de extração seqüencial foi aplicado com os seguintes extratores: solução de CaCl21,0M; solução de ácido acético 0,1M; solução de ácido acético 0,5M / acetato de amônio 5% [pH=5,0]; solução de NaOH 0,1M e solução de HCl 0,5M. Na análise da rejeição de resultados foi aplicado o teste de Grubbs e na comparação dos dados o teste t de Student foi utilizado. Em média 25,4% do teor total de cobre foram extraídos com solução de CaCl2 1,0M, sendo o máximo de 50,5% e o mínimo de 8,3%. Em média 14,8% do teor total de cobre, sendo que 32,6% e 6,4%, máximo e mínimo respectivamente, foram extraídos com solução de ácido acético 0,1M. Com relação ao uso de solução de ácido acético 0,5M / acetato de amônio 5% [pH=5,0], o mínimo extraído obteve valor de 6,2% e o máximo 27,6%, com média de 13,7%. O extrator de NaOH 0,1M foi o que teve menor extração, cerca de 10,5% e com extrator de HCl 0,5M a extração foi em média de 12,6%. A fração extraída de cobre nas amostras foi de no mínimo 34,5% e no máximo 100%. Observa-se que para a maioria das amostras, o cobre se encontra sob a forma de, no mínimo, 6 espécies químicas distintas.

Palavras-chave: cobre; extração seqüencial; biodisponibilidade.


SUMMARY

Total copper content analysed in samples of A and B vegetables through atomic flame absorption spectroscopy and sequential extraction were performed by using the following extractants: CaCl21.0M solution; acetic acid 0.1M; acetic acic 0.5M / ammonium acetate 5% solution [pH = 5.0]; NaOH 0.1M solution and HCl 0.5M solution. For evaluation of the results Grubbs test and Student test were used. On average 25.4% of total copper were extracted in CaCl2 1.0M solution with a maximum extraction of 50.5% and a minimum of 8.3%. On average 14.8% of the total amount of copper, a maximum of 32.6% and a minimum of 64% were extracted in acetic acid 0.1M solution. Using acetic acid 0.5M / ammonum acetate 5% [pH = 5.0] solution, the minimum extracted was 6.2% and the maximum 27.6% with 13.75% as average. The less effective extractant was NaOH 0.1M (10.5%) and HCl 0.5M extractant which had anaverage of 12.6% of extraction. The copper extracted was present at least in of six different chemical species.

Keywords: copper; sequential extraction; bioavailability.


 

 

1 – INTRODUÇÃO

Os minerais constituem um grupo de elementos largamente distribuídos na natureza e que exercem papel dos mais importantes em diversas funções e setores do organismo. Eles atuam tanto na forma iônica quanto como constituintes de compostos (enzimas, hormônios, secreções e proteínas do tecido orgânico) [9, 26].

Dentre os vários minerais existentes destaca-se o cobre, classificado como microelemento essencial ou elemento-traço e que exerce funções essenciais ao organismo [26].

O cobre é um microelemento de número atômico 29 e peso atômico de 63,55 e essencial para diversas funções como: mobilização do ferro para a síntese de hemoglobina e componente de várias enzimas, como citocromo C-oxidase, superóxido dismutase, monoamino-oxidase, etc... [9, 26]. O cobre é absorvido na proporção de 40 a 50% da ingestão oral, no estômago e duodeno proximal por transporte ativo junto a aminoácidos ou por difusão. Uma vez absorvido é transportado para o fígado, ligado à albumina e transcupreína, incorporando-se então a ceruloplasmina e várias metaloenzimas, que permite o transporte do cobre para os tecidos extra-hepáticos [9].

A excreção é feita via fecal e, em maior teor pela bile, assim como a urina e o suor. Sua deficiência provoca anemia, leucopenia, neutropenia, hiperucemia, retardo no crescimento; enquanto que sua toxicidade provoca diarréia, náusea, vômitos, cirrose, anemia e bronquite [9, 26].

Existem várias interações entre vitaminas e minerais e o conhecimento destas, permite um maior controle de algumas variáveis, para uma melhor utilização do nutriente. As interações físico-químicas entre nutrientes incluem: adsorção e formação de complexos e precipitação, com influência da estabilidade de ambos, interferindo na biodisponibilidade dos metais [7, 8, 20].

A biodisponibilidade do cobre está comprometida com o excesso de vitamina C e do zinco, ambos diminuem o processo de absorção do cobre [6, 7, 9, 26].

Vale ressaltar que em relação à forma química dos elementos traço, a mais disponível é a forma de compostos orgânicos em relação aos sais [10, 25].

Através da determinação do teor total do metal ingerido, não é possível medir o quanto deste metal será absorvido. Entretanto através da técnica de especiação dos metais, que é definida como a determinação da concentração das formas físico-químicas individuais dos elementos que, em conjunto, constitua a concentração total do mesmo na amostra, podemos ter novos dados para prever sua absorção [10, 19, 25].

Para a especiação em amostras sólidas, inicialmente deve ser aplicado um método de extração seqüencial ou seletivo. Um elemento pode estar presente em um sólido sob a forma de espécies adsorvidas na superfície, co-precipitadas, ocluidos ou compostos de coordenação. A maioria dos esquemas de extração seqüencial inclui diferentes grupos de extratores, já que ela se baseia na progressão de extratores fracos, como a água, até um extrator forte, como um ácido concentrado [10, 12, 19, 25].

Os primeiros extratores da extração seqüencial geralmente são aqueles com propriedades de troca iônica, deslocando íons de sítios iônicos específicos, sendo representados por soluções iônicas, como o cloreto de magnésio e de cálcio e nitrato de sódio. Em seguida, são utilizados extratores com propriedades de dissolução de carbonatos, já que metais ligados a carbonatos são sensíveis à variação de pH. Estes são representados por soluções tampão de ácido/acetato de amônia pH = 5,0. Os extratores com propriedades de redução ácida continuam o processo de extração e promovem a dissolução de oxihidratos de ferro e manganês, tendo como exemplo a solução diluída de ácido acético. Por fim, dois últimos tipos de extratores são utilizados: primeiro aqueles que enfraquecem a ligação do metal com compostos orgânicos e sulfetos, representados por soluções ácidas de peróxido de hidrogênio, soluções de hidróxido de sódio pH = 12,0 e ácido clorídrico pH = 2,0, pois permitem a degradação da matéria orgânica, por hidrólise ou oxidação, facilitando a liberação dos metais; e, por último são utilizados os extratores que promovem a dissolução dos silicatos e minerais, representados por ácidos fortes. Um método de especiação ideal é definido como aquele que pode fornecer informações desejáveis, sem alterar a amostra original em momento algum [11, 12, 17, 18, 19, 21, 22, 23, 24, 25].

As hortaliças podem ser classificadas segundo o teor de glicídios onde as do tipo A contém até 5% de glicídios, as do tipo B 10% e as do tipo C até 20% do teor em glicídios [16].

Este trabalho tem como objetivo promover a extração seqüencial e análise de cobre em hortaliças do tipo A e B.

 

2 – MATERIAL E MÉTODOS

2.1 – Amostras

As amostras analisadas foram: hortaliças do tipo A – abobrinha-verde, agrião, bertalha, brócolis, chicória, espinafre e tomate; hortaliças do tipo B -abóbora, abóbora-moranga, beterraba, cebola, cenoura, couve, couve-flor, ervilha, jiló, nabo, pimentão, quiabo, repolho e vagem.

2.2 – Tratamento das amostras

As amostras foram fracionadas e parte retirada para determinação da umidade através do processo de perda de substâncias voláteis em estufa a 105ºC, sendo o restante dessecado na mesma temperatura até total secagem. As amostras secas após homogeneização foram calcinadas a 550ºC por um período mínimo de 2 horas. As cinzas foram dissolvidas em HCl 2,0M e transferidas quantitativamente para balão volumétrico de 25mL [5].

2.3 – Extração seqüencial

Foram utilizados cerca de 5g de amostra seca e cada amostra passou por processo de extração seqüencial. Os extratores utilizados foram: solução de CaCl2 1,0M; solução de ácido acético 0,1M; solução de ácido acético 0,5M / acetato de amônio 5% [pH=5,0]; solução de NaOH 0,1M e solução de HCl 0,5M. Cada extrator esteve em contato com a amostra durante 1 hora, sendo depois filtrado, e este utilizado para determinação do teor total de cobre.

· Determinação do teor total de cobre – o teor total de cobre nas amostras foi determinado através da espectrometria de absorção atômica em chama [5].

· Tratamento estatístico – na análise da rejeição de resultados foi aplicado o teste de Grubs e o teste t de Student foi usado [14].

· Garantia da qualidade – os processos de extração seqüencial, determinação de umidade e de determinação dos teores totais de cobre foram feitos em triplicata. O aparelho de absorção atômica foi sempre previamente calibrado com solução analítica do respectivo metal.

 

3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados obtidos são apresentados a seguir. Na Tabela 1 encontram-se os teores de umidade e de cobre nas amostras analisadas. Os dados foram tratados estatisticamente aplicando o teste de Grubs, nível de confiança 95%, não houve dados rejeitados. Em média, as hortaliças do tipo A apresentaram 0,09mg% de cobre e as hortaliças do tipo B 0,08mg%. Comparando esses valores com os obtidos por ANDRADE et al. [1], na análise destes metais em frutas; em hortaliças do tipo C [2]; em cereais crus e processados [3]; e em leguminosas cruas e processadas [4], constata-se que em relação ao cobre, as hortaliças A e B possuem um teor total médio menor do que frutas, cereais, hortaliças C e leguminosas, já que estes apresentam teores médios de cobre de 0,13mg%, 0,21mg%, 0,24mg% e 0,89mg%, respectivamente.

 

 

Estima-se com a "Ingestão Dietética Diária Considerada Segura e Adequada" (ESADDI – Estimate and Adequate Daily Dietary Intake) para o cobre 1,5 a 3,0mg/dia [13, 15]. Considerando que o teor médio de cobre nas amostras de hortaliças dos tipos A e B foi de 0,085mg%, 100g destes alimentos que corresponde a porção usualmente ingerida dos mesmos, pode fornecer cerca de 5,7% do valor da RDA.

A Tabela 2 apresenta os teores de cobre extraídos pelo método de extração seqüencial. Os dados foram tratados estatisticamente aplicando o teste de Grubs, nível de confiança 95%, não foi rejeitado nenhum resultado. A fração correspondente ao extrator I representa a fração com propriedades de troca iônica, deslocando sítios iônicos específicos, ou seja, é uma fração facilmente solúvel [19, 22, 25]. Em média 25,4% foram extraídos do total de cobre encontrado nas hortaliças, sendo o máximo de 50,5% e o mínimo de 8,3%. Vale ressaltar as amostras de couve-flor e bertalha que apresentaram extração de 50% do teor total de cobre.

 

 

No caso do extrator II, que possui propriedades de redução ácida e promove dissolução dos oxihidratos de ferro e manganês [11, 18], a fração extraída possui uma solubilidade média de 14,8%, sendo 32,6% e 6,4%, o máximo e o mínimo extraídos, respectivamente. Observa-se que as amostras de abóbora, abobrinha-verde, agrião, bertalha, brócolis, chicória, couve-flor, espinafre, jiló, nabo, pimentão, repolho e tomate, apresentaram cerca de 50% da extração pelo extrator I. Aplicando-se o teste t de Student, intervalo de confiança 95% observa-se que as amostras de abóbora-moranga, beterraba, cebola, cenoura, couve, ervilha, quiabo e vagem tiveram o cobre extraído com o extrator II, em igual proporção do extrator I.

Com relação ao extrator III, a fração extraída corresponde a fração carbonatada que sofre alta variação de pH [11,18]. O mínimo extraído foi de 6,2% e o máximo 27,6% com média de 13,7%. Observa-se que com exceção das amostras de bertalha, cenoura, couve-flor, jiló e vagem, as demais apresentaram teor de cobre extraído similar ao teor extraído com o extrator II, ao aplicar o teste t de Student, intervalo de confiança 95%.

As frações extraídas pelos extratores IV e V, que enfraquecem ligações do metal com compostos orgânicos [11, 18], representaram em média 10,5% e 12,6% do teor total de cobre das amostras. Aplicando o teste t de Student, intervalo de confiança 95%, observa-se que exceto as amostras de abóbora, abóbora-moranga, agrião, bertalha, couve-flor, couve, ervilha, jiló e vagem as demais amostras apresentaram teor similar de cobre extraído com os extratores IV e V.

A Figura 1 apresenta os teores de cobre extraídos durante o processo de extração seqüencial em hortaliças do tipo A. Observa-se que todas as amostras apresentaram maior extração com o extrator I, e o comportamento frente aos diferentes extratores foi similar.

 

 

A Figura 2 mostra os teores de cobre extraídos pelo processo de extração seqüencial em hortaliças do tipo B. Comparando estas amostras com as hortaliças do tipo A verifica-se que o comportamento frente aos diferentes extratores é bem distinto. Considerando que a maioria das amostras apresenta, no mínimo, seis espécies químicas distintas de cobre, as extraídas pelos extratores I, II, III, IV e V e a fração não extraída, acredita-se que para avaliar a biodisponibilidade deste metal nestas amostras o estudo deva ser para cada amostra específica, em função dos diferentes comportamentos frente aos extratores.

 

 

A Tabela 3 mostra os teores totais de cobre nas amostras in natura e na fração total obtida pelo somatório dos teores de cobre extraídos durante o processo de extração seqüencial. Aplicando o teste t de student, intervalo de confiança 95%, observa-se que 8 amostras apresentaram extração total do teor de cobre. As amostras de brócolis, tomate e vagem tiveram extração superior a 70% do teor total de cobre. Abobrinha-verde, agrião, beterraba, chicória, nabo, pimentão e repolho apresentaram extração superior a 50% do teor total de cobre. Quiabo e espinafre apresentaram extração superior a 35% do teor de cobre. A Figura 3 apresenta o percentual de cobre total extraído das amostras. Observa-se que a extração de cobre das amostras de abóbora, bertalha, cebola, cenoura, couve, couve-flor, ervilha e jiló foi considerada 100% após os dados terem sido tratados estatisticamente com teste t de student, intervalo de confiança 95%.

 

 

 

 

4 – CONCLUSÕES

A partir dos resultados, observa-se que para a maioria das amostras, o cobre se encontra sob a forma de, no mínimo, 6 espécies químicas distintas, a extraída em cada um dos extratores I, II, III, IV e V e a fração não extraída. Estudos que permitam a identificação dos compostos extraídos pelos diferentes extratos utilizados poderão ser de grande valia para avaliação da biodisponibilidade do cobre.

 

5 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] ANDRADE, E.C.B.; ASSIS, A.S.; FERREIRA, F.N.; MELLO, V.S.; TAKASE, I. Determinação dos teores de cobre e zinco em frutas, ANAIS, XVIII CBCTA, ISBN 85-89123-1-4, 2002.         [ Links ]

[2] ANDRADE, E.C.B.; BARROS, A.M.; ASSIS, A.S.; FERREIRA, F.N.; MELLO, V.S.; TAKASE, I. Avaliação dos teores de cobre e zinco em hortaliças C cruas e após processamento térmico em meio salino e aquoso, ANAIS, XVIII CBCTA, ISBN 85-89123-01-4, 2002.         [ Links ]

[3] ANDRADE, E.C.B.; BARROS, A.M.; MAGALHÃES, A.C.P.; CASTRO, L.L.S.; TAKASE, I. Avaliação da biodisponibilidade de cobre e zinco em cereais crus e processados termicamente em meio aquoso e salino. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, v. 17, n. 3, p. 79-82, 2002.         [ Links ]

[4] ANDRADE, E.C.B.; DRADE, E.C.B.; BARROS, A.M.; MAGALHÃES, A.C.P.; CASTRO, L.L.S.; TAKASE, I. Avaliação dos teores de cobre e zinco em leguminosas cruas e após processamento térmico em meio salino e aquoso, ANAIS, XVIII CBCTA, ISBN 85-89123-01-4, 2002.         [ Links ]

[5] AOAC, OFFICIAL METHODS OF ANALYSIS. Association of official analytical Chemists, 40ª ed, USA, 1984.         [ Links ]

[6] BARCELOUX, D.G. Copper. Journal of Toxicology Clinical Toxicology, v. 37, n. 2 p. 217-30, 1999.         [ Links ]

[7] COZZOLINO, S.M.F. Biodisponibilidade de Minerais. Revista Nutrição. Campinas, p. 87-98, jul.-dez., 1997.         [ Links ]

[8] FAIRWEATHER-TAIT, S.J. Bioavaibility of dietary minerals. Biochemical Society Transactions Colchester, v. 24, n. 3, p. 775-780, 1996.         [ Links ]

[9] FRANCO, G. Tabela de Composição de Alimentos. 9ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 1999.         [ Links ]

[10] GALLARDO-LARA, F.; AZCON, M.; QUESADA, J.L.; POLO, A. Phytoavaibility and Extractability of Copper and Zinc in Calcareous Soil Amended with Composted Urban Wastes. Journal of Environmental Science and Health, B, v. 34, p. 1049-1064, 1999.         [ Links ]

[11] GLEYZES, C.; TELLIER, S.; ASTRUC, M. et al. Fractionation studies of trace elements in contaminated Soils and sediments: a review of sequential extraction procedures Trends in Analytical Chemistry, v. 21, n. 6-7, 2002.         [ Links ]

[12] IPOLY, J.; BRUNORI, C.; CREMISINI, C.; FODOR, P.; MACALUSO, L.; MORABITO, R. Evaluation of performance of time saving extraction devices in the BCR-three-step sequential extraction procedure. Journal Environmtal Monitoring, aug, v. 4, n. 4, p. 541-8, 2002.         [ Links ]

[13] MAHAN, L. KATHELEEN, KRAUSE, MARIE Alimentos, Nutrição & Dietoterapia, São Paulo: Rocca, 9ª ed., 1998.         [ Links ]

[14] MILLER, J.; MILLER, J. Statistics and chemometrics for analytical chemistry, 4th ed., Inglaterra, Prentice Hall, 2001.         [ Links ]

[15] OMS, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Elementos Traço na Nutrição e Saúde. São Paulo: Roca, 1998.         [ Links ]

[16] ORNELLAS, L. H. Técnica Dietética Seleção e Preparo de Alimentos, 3ª ed, Rio de Janeiro: Julio C Reis Livraria, 1974.         [ Links ]

[17] PÉREZ-CID, B., LAVILLA, I., BENDICHO, C. Speeding up of three-stage sequential extraction method for metal speciation using focused ultrasound, Analytica Chimica Acta, n. 360, p. 35-41, 1998.         [ Links ]

[18] QIAN, J.; WANG, Z.; SHAN, X.; TU, Q.; WEN, B.; CHEN, B. Evaluation of plant availability of soil trace metals by chemical Fractionation d multiple regression analysis, Environmental Pollution, v. 91, n. 3, p. 309-315, 1996.         [ Links ]

[19] RAMOS, L.; Gonzales, M.T.; HERNANDEZ, L.M.; Sequential Extraction of Copper, Lead, Cadmium, and Zinc in Sediments from Ebro River [Spain]: Relationship with Levels Detected in Earthworms. Bulletin of Environmental Contamination and toxicology, v. 62, n. 3, p. 301-308, 1999.         [ Links ]

[20] SANDSTORM, B. Micronutrientes interactions:effects on absorption and bioavaibility. The British Journal of Nutrition,May, 85 Suppl 2:S181-5, 2001         [ Links ]

[21] SANZ-MEDEL, A. Trace element analytical speciation in biological systems: importance, challenges and trens. Spectrochimica Acta Part B, n. 53, p. 197-211, 1998.         [ Links ]

[22] SCHEINOST, A.C.; KRETZSCHMAE, R.; PFISTER, S.; ROBERTS, D.R. Combine selective sequential extraction, X-ray absorption spectroscopy, and principal components analysis in soil. Environmental Science & Techonology, dec, v. 1, n. 36, 2002.         [ Links ]

[23] SCHRAMEL, O.; MICHALKE, B.; KETTRUP, A. Study of the copper distribution in contaminated soils of hop fields by single and sequential extraction procedures. Science Total Environmental, dec, v. 18, n. 263, p. 11-22, 2000.         [ Links ]

[24] SHIOWATANA, J.; TANTIDANAI, N.; NOOKABKAEW, S.; NACAPRICHA, D. A novel continuous flow sequential extraction procedure for metal speciation in solids. Journal of Environmtal Quality, jul-aug, n. 30; 2001.         [ Links ]

[25] VULKAN, R.; MINGELGRIN, U.; BEN-ASHER, J.; FRENKEL, H. Copper and zinc speciation in the solution of a soil-sludge mixture. Journal of Environmental Quality, v. 31, n. 1, p. 193-203, jan.-feb., 2002.         [ Links ]

[26] WAITZBERG, D.L. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. 3ª ed., São Paulo: Editora Atheneu, p. 131-134, 2002.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 18/06/2003
Aceito para publicação em 12/05/2004 (001153)

 

 

* A quem a correspondência deve ser enviada.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License