SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue1Report of the Brazilian Chronic Dialysis Census 2012Membranous glomerulonephritis: new insights in pathophysiology and therapeutic approach author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Nephrology

Print version ISSN 0101-2800

J. Bras. Nefrol. vol.36 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2014

http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20140010 

Artigos Originais

Alterações vasculares em rins de doadores falecidos retardam a recuperação da função do enxerto após o transplante renal

Igor Denizarde Bacelar Marques1 

Liliany Pinhel Repizo1 

Renato Pontelli1 

Flavio Jota de Paula1 

William Carlos Nahas1 

Daísa Silva Ribeiro David1 

Elias David Neto1 

Francine Brambate Carvalhinho Lemos1 

1Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

RESUMO

Objetivo:

Analisar as características do doador de múltiplos órgãos, incidência e duração da função retardada do enxerto (FRE), e seu impacto na função renal no primeiro ano após o transplante.

Métodos:

Foi realizado um estudo retrospectivo, unicêntrico, observacional, analisando os transplantes renais com doador falecido realizados em 2010 no nosso serviço.

Resultados:

A taxa de FRE foi de 68%, com mediana de duração de 12 dias (variação, 1-61 dias). Quarenta e quatro (38%) pacientes apresentaram FRE com 12 ou mais dias de duração (FRE prolongada). A idade média dos doadores foi de 43 ± 13 anos e 37% deles eram hipertensos. Em 59% dos doadores, a causa da morte foi acidente cerebrovascular, e o tempo de isquemia fria (TIF) médio foi de 23 ± 5 horas. Os receptores tinham idade média de 51 ± 15 anos, tempo em diálise de 43 meses (variação, 1-269) e 25% eram sensibilizados (PRA > 0%). No modelo de regressão logística multivariada, a presença de vasculopatia na biópsia de captação foi o único fator de risco independente para o desenvolvimento de FRE prolongada [OR 3,6 IC 95% (1,2-10,2), p = 0,02]. Os pacientes com FRE prolongada apresentaram pior função renal 1 ano após o transplante em comparação com os pacientes sem FRE (SCr 1,7 vs. 1,3 mg/dL, respectivamente, p = 0,03).

Conclusão:

A presença de vasculopatia na biópsia de captação foi identificada como fator de risco independente para o desenvolvimento de FRE prolongada. A FRE prolongada foi associada com pior função renal no 1º ano após o transplante.

Palavras-Chave: função retardada do enxerto; isquemia; reperfusão; transplante de rim

Introdução

A função retardada de enxerto (FRE) é uma complicação comum no transplante renal com doador falecido. Sua incidência varia entre 5% e 50% e usualmente é definida como a necessidade de diálise na primeira semana de transplante.1 Possui etiologia multifatorial, resultando da injúria isquêmica que ocorre antes e durante a captação do órgão, sendo agravada pelo processo de reperfusão. A ausência de uniformidade na definição, as diferentes práticas entre os centros e as características dos doadores utilizados justificam uma incidência tão variável.1-3

No Brasil, as taxas de FRE aproximam-se dos 50%-60%, valores bem acima dos encontrados atualmente nos centros europeus e norte-americanos.4-6 A demora na recuperação da função do enxerto resulta em prolongamento dos dias de internação, elevação de custos e maior risco de infecção hospitalar. Ainda mais, a FRE também está associada com maior risco de rejeição aguda, menor filtração glomerular e pior sobrevida do enxerto em longo prazo.7,8

O objetivo deste estudo foi analisar as características do doador e receptor que influenciam a incidência e intensidade da FRE, e seu impacto na função renal 1 ano após o transplante, um marcador da evolução do enxerto em longo prazo.9

Métodos

Foi realizado um estudo retrospectivo, unicêntrico, observacional, analisando os transplantes renais com doador falecido realizados em 2010 no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. De um total de 120 transplantes, cinco foram excluídos da análise por perdas durante a primeira semana de transplante. A FRE foi definida pela necessidade de diálise na primeira semana de transplante e a duração da FRE como o tempo em dias até a última sessão de diálise antes da alta hospitalar. Usando a mediana da duração da função retardada do enxerto, definimos como prolongada a função retardada do enxerto que teve duração igual ou superior a 12 dias.

Protocolos de imunossupressão

A imunossupressão de manutenção consistiu de tacrolimo (Prograft, Astellas Pharmaceuticals, Japão; dose inicial de 0,2 mg/kg/dia, com nível sérico no vale de 10-15 ng/mL nas primeiras semanas e 5-10 ng/mL a seguir), micofenolato sódico (Myfortic, Novartis Pharma, Basiléia, Suíça; dose de 1,440 mg/dia) e corticosteroides. Todos os pacientes receberam uma dose única de 500 mg de metilprednisolona IV no pré-operatório imediato seguida de prednisona 0,5 mg/kg/dia, com doses decrescentes até 5 mg-7,5 mg ao final do 2º mês de transplante.

As medicações imunossupressoras utilizadas como indução foram o antagonista do receptor de IL2, basiliximabe (Simulect Novartis Pharma) na dose de 20 mg nos dias 0 e 4 ou a timoglogulina (Genzyme, Boston, MA) na dose de 1-1,5 mg/kg/dia, ajustada pela contagem de linfócitos CD3 no sangue periférico, até um total de 6-7 mg/kg. Pacientes com alto risco de rejeição (PRA > 30%, retransplantes) ou de FRE (tempo de isquemia fria > 21h) recebiam indução com timoglobulina, com a introdução de inibidor de calcineurina postergada até o dia da última dose de antilinfocitário.

Análise estatística

Os dados descritivos foram expressos como médias ± desvios-padrão e medianas (intervalo interquartil ou variação), para variáveis com distribuição paramétrica e não paramétrica, respectivamente. A distribuição normal foi avaliada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov. Variáveis categóricas foram analisadas por qui-quadrado. O teste t de Student ou U de Mann-Whitney foram aplicados para comparação entre dois grupos. Comparações entre múltiplos grupos foram feitas pela análise de variância (ANOVA) ou pelo teste de Kruskal-Wallis.

Um modelo de regressão logística multivariada foi elaborado para avaliar os fatores de risco associados de forma independente com o desenvolvimento de FRE prolongada.

Significância estatística foi assumida para resultados de p < 0,05.

Resultados

Setenta e nove pacientes (68%) apresentaram FRE, com uma duração mediana de 12 dias (variação, 1-61). Destes, 44 (38%) apresentaram FRE prolongada (≥ 12 dias). As características demográficas dos doadores estão detalhadas na Tabela 1. A idade média dos doadores foi de 43 ± 13 anos, 37% eram hipertensos, 4% diabéticos e em 60% deles a causa de óbito foi acidente cerebrovascular. Noventa e três por cento utilizaram drogas vasoativas, 9% apresentaram parada cardiorrespiratória revertida e 19% permaneceram em UTI por mais de 7 dias. O sódio sérico médio foi de 161 ± 16 mL e a diurese diária média de 3.455 ± 2.926 mL. O tempo médio de isquemia fria foi de 23 ± 5 horas. Em todos os casos, a solução de perfusão utilizada foi Euro-Collins, sendo que em 52 (45%) pacientes os órgãos foram perfundidos também com a solução de Belzer. De acordo com os critérios da OPTN (Organ Procurement and Transplantation Network), 23% dos doadores eram considerados de critério expandido.

Tabela 1 Características demográficas dos doadores de rim 

Característica n (%)
Idade (anos) 43 ± 13
Hipertensão arterial 42 (37)
Diabetes 5 (4)
Causa de óbito  
Acidente cerebrovascular 69 (60)
Trauma cranioencefálico 39 (33)
Outras 7 (6)
SCr na captação > 1,5 mg/dL 57 (49)
Parada cardiorrespiratória revertida 10 (9)
Permanência prolongada em UTI (> 7 dias) 21 (19)
Uso de drogas vasoativas 102 (93)
Sódio sérico (mmol/L) 161 ± 16
Débito urinário diário (mL) 3455 ± 2926
Vasculopatia na biópsia de captaçãoa 21 (25)

Os dados estão expressos em forma de n (%) ou média ± desvio-padrão, a menos que especificado de outra forma;

aDados disponíveis de 85 pacientes.

As características demográficas dos receptores de transplante renal estão detalhadas na Tabela 2. Todos os pacientes receberam indução da imunossupressão, 46 (40%) com antagonistas do receptor de IL2 e 69 (60%) com antilinfocitários. Este achado se explica pela conduta médica do serviço na época, de utilizar timoglobulina como indução para todo paciente que fosse transplantado com rim com tempo de isquemia igual ou superior a 21 horas. O esquema inicial de imunossupressão de manutenção constituiu-se de prednisona, micofenolato sódico e tacrolimo em todos os casos. Episódios de rejeição aguda foram diagnosticados em 21 (18%) dos pacientes.

Tabela 2 Características demográficas dos receptores de transplante renal 

Característica n (%)
Idade (anos) 51 ± 15
Tempo em diálise em mesesa(mediana e variação) 43 (1-269)
Incompatibilidades HLA 2,5 ± 1,6
PRA > 0% 30 (26%)

Os dados estão expressos em forma de n (%) ou média ± desvio-padrão, a menos que especificado de outra forma;

apara os pacientes que estavam em diálise no momento do transplante. Cinco pacientes (4%) foram transplantados preemptivamente

A fim de avaliar possíveis diferenças entre os pacientes que tiveram função retardada do enxerto mais prolongada (tempo de recuperação ≥ 12 dias) e os demais, agrupamos os indivíduos em pacientes sem FRE, com FRE e com FRE prolongada. Os pacientes dos três grupos não diferiram com relação a alguns fatores relacionados às condições dos doadores, como presença de hipertensão ou diabetes, causa de óbito, uso de vasopressores no período da doação, parada cardiorrespiratória revertida e creatinina sérica no momento da doação. O tempo de isquemia fria, esquemas imunossupressores (indução e manutenção) e episódios de rejeição aguda também não foram diferentes entre os três grupos. No entanto, como mostra a Tabela 3, observamos que a idade do doador e do receptor, e o tempo de internação hospitalar foram maiores no grupo de pacientes com FRE prolongada. A presença de alterações vasculares nas biópsias renais dos doadores no momento da captação foi significantemente mais frequente entre os pacientes que tiveram o tempo de função retardada do enxerto prolongada, maior ou igual a 12 dias. Estas alterações vasculares foram avaliadas qualitativamente, e consistiam principalmente de artério e arterioloesclerose hialinas.

Tabela 3 Características basais dos pacientes sem fre, com fre e fre prolongada 

Característica Sem FRE FRE (< 12 dias) FRE prolongada p
n = 41 n = 35 n = 44
Idade do doador (anos) 38 ± 13 44 ± 12 46 ± 14 0,016
Idade do receptor (anos) 46 ± 15 54± 12 53 ± 16 0,049
Tempo em diálise (meses) 43 ± 41 58 ± 46 62 ± 51 0,44
Tempo de isquemia fria (h) 23 ± 4 23 ± 6 23 ± 5 0,95
Tempo de internação (dias), mediana (variação) 9 (5-45) 16 (8-77) 31 (13-77) < 0,0001
Vasculopatia na biópsia de captação 3 (11) 5 (19) 13 (41) 0,02

Os dados estão expressos em forma de n (%) ou média ± desvio-padrão, a menos que especificado de outra forma.

Quando avaliamos as variáveis estatisticamente significantes no modelo de regressão logística multivariada, verificamos que entre os fatores idade do doador e receptor, tempo em diálise, tempo de isquemia fria e alterações vasculares do enxerto, a presença de vasculopatia na biópsia de captação foi o único fator de risco independente para o desenvolvimento de FRE prolongada [OR 3,6 IC 95% (1,2-10,2), p= 0,02].

Os pacientes com FRE prolongada apresentaram uma pior função renal após um ano de transplante em comparação aos pacientes sem FRE (FRE prolongada: SCr 1,7 vs. Sem FRE: 1,3 mg/dL, p = 0,03. Figura 1).

Figura 1 Creatinina sérica 1 ano após o transplante renal dos pacientes sem FRE, com FRE e FRE prolongada. 

Discussão

Neste estudo foi observado que a presença de vasculopatia nas biópsias de enxerto renal pré-implantação foi um fator de risco independente para o desenvolvimento de FRE prolongada, aqui definida como a necessidade de diálise por 12 ou mais dias após o transplante. A intensidade da FRE afetou a função renal 1 ano após o transplante, um reconhecido marcador da evolução do enxerto em longo prazo.9

Alguns estudos sugeriram que a FRE não influenciava a sobrevida do enxerto caso não fosse acompanhada de rejeição aguda;2,10 entretanto, estes resultados são controversos, e há dados demonstrando que FRE e rejeição aguda afetam de forma independente a sobrevida do enxerto em curto e longo prazo, e que possuem um efeito aditivo.7,8 Além disso, alguns autores demonstraram que a duração da FRE, como um marcador de sua maior gravidade, afeta negativamente a sobrevida do enxerto.11,12 Giral et al. demonstraram que uma FRE com duração maior do que 6 dias determina menor sobrevida do enxerto, e que o uso de adrenalina, tempo de isquemia fria maior do que 16 horas e a idade do receptor acima de 55 anos foram associadas com FRE prolongada.11,13

Os fatores de risco para o desenvolvimento de FRE englobam aspectos relacionados ao doador, ao processo de morte encefálica e o dano de isquemia e reperfusão, e ao receptor.1,14 As características demográficas dos doadores de múltiplos órgãos está mudando, com maior presença de idade avançada, hipertensão e morte por acidente cerebrovascular. O uso de doadores limítrofes ou de critério expandido é uma tendência mundial frente à grande escassez de órgãos e da comprovada superioridade de transplantes com estes doadores em comparação com a diálise.15,16 Estes aspectos, aliados ao cuidado intensivo prestado ao doador antes e após a morte cerebral, como o uso de drogas vasoativas, ressuscitação cardiopulmonar e estadia prolongada em UTI, contribuem para elevadas taxas de FRE e para pior sobrevida do enxerto.13,17,18 No nosso caso, os doadores apresentavam indícios indiretos de depleção volêmica, como hipernatremia e poliúria, e aproximadamente metade deles apresentava creatinina sérica acima de 1,5 mg/dL no momento da captação. Além disso, em todos os casos foi utilizada a solução de perfusão Euro-Collins para a preservação dos órgãos, o que sabidamente contribui para uma maior incidência de FRE.19

A presença de lesões vasculares nas biópsias de tempo zero também está associada tanto com uma maior incidência de FRE quanto com pior sobrevida do enxerto.20,21 Di Paolo et al. analisaram 100 transplantes renais consecutivos com doador falecido e encontraram maior presença de lesões vasculares em pacientes com FRE. Além disso, a presença de hipertensão no doador e FRE determinaram pior sobrevida do enxerto em 1 ano de seguimento nos casos de órgãos com maior índice de lesões histológicas. Estes resultados são semelhantes aos encontrados no nosso estudo, que mostrou que certas características dos doadores determinam a presença e a intensidade da FRE, com efeitos deletérios na função do enxerto 1 ano após o transplante.

A presença de artério e arterioloesclerose nas biópsias de captação, geralmente relacionada com hipertensão de longa data e idade avançada dos doadores, parece ser um indicador de que determinado órgão é mais susceptível à lesão de isquemia e reperfusão, e que sua capacidade de autoproteção e regeneração frente a este insulto é menor, deixando sequelas irreversíveis. Em modelos experimentais, foi demonstrado que em resposta à isquemia renal são ativados mecanismos de proteção celular, incluindo rápida diminuição da atividade metabólica, além da transcrição de genes cujos produtos são citoprotetores ou ligados à regeneração celular. Em rins provenientes de doadores falecidos, a expressão de genes que codificam a resposta adaptativa do enxerto, como heme oxigenasse 1, VEGF e Bcl2 está diminuída quando comparada aos rins provenientes de doadores vivos.22 Esta expressão diminuída pode representar uma adaptação defeituosa contra o insulto isquêmico, que pode prejudicar a função do enxerto em curto e longo prazo.1

Conclusão

A gravidade da injúria de isquemia e reperfusão, que depende, entre outros aspectos, dos cuidados intensivos prestados ao doador falecido, pode, em órgãos susceptíveis, com lesões adquiridas pela idade e comorbidades, determinar lesões irreversíveis, com prejuízo à função do enxerto até 1 ano após o transplante renal.

Referências

1. Perico N, Cattaneo D, Sayegh MH, Remuzzi G. Delayed graft function in kidney transplantation. Lancet 2004;364:1814-27. PMID: 15541456 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(04)17406-0 [ Links ]

2. Troppmann C, Gillingham KJ, Benedetti E, Almond PS, Gruessner RW, Najarian JS, et al. Delayed graft function, acute rejection, and outcome after cadaver renal transplantation. The multivariate analysis. Transplantation 1995;59:962-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00007890-199504150-00007 [ Links ]

3. Yarlagadda SG, Coca SG, Garg AX, Doshi M, Poggio E, Marcus RJ, et al. Marked variation in the definition and diagnosis of delayed graft function: a systematic review. Nephrol Dial Transplant 2008;23:2995-3003. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/ndt/gfn158 [ Links ]

4. The Organ Procurement and Transplantation Network [Acessado em: 19 dezembro 2013]. Disponível em: http://optn.transplant.hrsa.gov/ [ Links ]

5. Moers C, Pirenne J, Paul A, Ploeg RJ.; Machine Preservation Trial Study Group. Machine perfusion or cold storage in deceased-donor kidney transplantation. N Engl J Med 2012;366:770-1. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJMc1111038 [ Links ]

6. Azevedo LS, Castro MC, Monteiro de Carvalho DB, d'Avila DO, Contieri F, Gonçalves RT, et al. Incidence of delayed graft function in cadaveric kidney transplants in Brazil: a multicenter analysis. Transplant Proc 2005;37:2746-7. PMID: 16182798 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.transproceed.2005.05.005 [ Links ]

7. Yarlagadda SG, Coca SG, Formica RN Jr, Poggio ED, Parikh CR. Association between delayed graft function and allograft and patient survival: a systematic review and meta-analysis. Nephrol Dial Transplant 2009;24:1039-47. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/ndt/gfn667 [ Links ]

8. Ojo AO, Wolfe RA, Held PJ, Port FK, Schmouder RL. Delayed graft function: risk factors and implications for renal allograft survival. Transplantation 1997;63:968-74. PMID: 9112349 DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00007890-199704150-00011 [ Links ]

9. Hariharan S, McBride MA, Cherikh WS, Tolleris CB, Bresnahan BA, Johnson CP. Post-transplant renal function in the first year predicts long-term kidney transplant survival. Kidney Int 2002;62:311-8. PMID: 12081593 DOI: http://dx.doi.org/10.1046/j.1523-1755.2002.00424.x [ Links ]

10. Boom H, Mallat MJ, de Fijter JW, Zwinderman AH, Paul LC. Delayed graft function influences renal function, but not survival. Kidney Int 2000;58:859-66. PMID: 11267296 DOI: http://dx.doi.org/10.1046/j.1523-1755.2000.00235.x [ Links ]

11. Giral-Classe M, Hourmant M, Cantarovich D, Dantal J, Blancho G, Daguin P, et al. Delayed graft function of more than six days strongly decreases long-term survival of transplanted kidneys. Kidney Int 1998;54:972-8. PMID: 9734625 DOI: http://dx.doi.org/10.1046/j.1523-1755.1998.00071.x [ Links ]

12. Domínguez J, Lira F, Rebolledo R, Troncoso P, Aravena C, Ortiz M, et al. Duration of delayed graft function is an important predictor of 1-year serum creatinine. Transplant Proc 2009;41:131-2. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.transproceed.2008.10.028 [ Links ]

13. Giral M, Bertola JP, Foucher Y, Villers D, Bironneau E, Blanloeil Y, et al. Effect of brain-dead donor resuscitation on delayed graft function: results of a monocentric analysis. Transplantation 2007;83:1174-81. PMID: 17496532 DOI: http://dx.doi.org/10.1097/01.tp.0000259935.82722.11 [ Links ]

14. Humar A, Ramcharan T, Kandaswamy R, Gillingham K, Payne WD, Matas AJ. Risk factors for slow graft function after kidney transplants: a multivariate analysis. Clin Transplant 2002;16:425-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1034/j.1399-0012.2002.02055.x [ Links ]

15. Port FK, Bragg-Gresham JL, Metzger RA, Dykstra DM, Gillespie BW, Young EW, et al. Donor characteristics associated with reduced graft survival: an approach to expanding the pool of kidney donors. Transplantation 2002;74:1281-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00007890-200211150-00014 [ Links ]

16. Wynn JJ, Alexander CE. Increasing organ donation and transplantation: the U.S. experience over the past decade. Transpl Int 2011;24:324-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1432-2277.2010.01201.x [ Links ]

17. Pessione F, Cohen S, Durand D, Hourmant M, Kessler M, Legendre C, et al. Multivariate analysis of donor risk factors for graft survival in kidney transplantation. Transplantation 2003;75:361-7. PMID: 12589160 DOI: http://dx.doi.org/10.1097/01.TP.0000044171.97375.61 [ Links ]

18. Lee S, Shin M, Kim E, Kim J, Moon J, Jung G, et al. Donor characteristics associated with reduced survival of transplanted kidney grafts in Korea. Transplant Proc 2010;42:778-81. PMID: 20430169 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.transproceed.2010.02.060 [ Links ]

19. Ploeg RJ, van Bockel JH, Langendijk PT, Groenewegen M, van der Woude FJ, Persijn GG, et al. Effect of preservation solution on results of cadaveric kidney transplantation. The European Multicentre Study Group. Lancet 1992;340:129-37. PMID: 1352564 DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0140-6736(92)93212-6 [ Links ]

20. Di Paolo S, Stallone G, Schena A, Infante B, Gesualdo L, Paolo Schena F. Hypertension is an independent predictor of delayed graft function and worse renal function only in kidneys with chronic pathological lesions. Transplantation 2002;73:623-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00007890-200202270-00026 [ Links ]

21. Pokorná E, Vítko S, Chadimová M, Schück O. Adverse effect of donor arteriolosclerosis on graft outcome after renal transplantation. Nephrol Dial Transplant 2000;15:705-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/ndt/15.5.705 [ Links ]

22. Lemos FB, Ijzermans JN, Zondervan PE, Peeters AM, van den Engel S, Mol WM, et al. Differential expression of heme oxygenase-1 and vascular endothelial growth factor in cadaveric and living donor kidneys after ischemia-reperfusion. J Am Soc Nephrol 2003;14:3278-87. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/01.ASN.0000098683.92538.66 [ Links ]

Recebido: 24 de Outubro de 2013; Aceito: 24 de Outubro de 2013

Correspondência para: Igor Denizarde Bacelar Marques. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, nº 255, 7º andar, sala 7036. São Paulo, SP, Brasil. CEP: 05403-900. E-mail: igordenizarde@usp.br. Tel: +55 (11) 26618089. Fax: +55 (11) 26617238.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.