SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 issue4Hemophagocytic lymphohistiocytosis, a rare condition in renal transplant - a case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Nephrology

Print version ISSN 0101-2800On-line version ISSN 2175-8239

J. Bras. Nefrol. vol.40 no.4 São Paulo Out./Dec. 2018  Epub Oct 18, 2018

http://dx.doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-2018-0172 

Carta para o editor

Espessura da artéria carótida em pacientes obesos com insuficiência renal crônica

Vitorino Modesto dos Santos1 

1Universidade Católica de Brasília, Hospital da Forças Armadas, Brasília, DF, Brasil.

Recentemente foi publicado um estudo de El-Masrya SA et al.1 a respeito da avaliação da espessura da íntima-média (EIM) da carótida em pacientes obesos com insuficiência renal crônica (IRC). Os autores avaliaram 118 pacientes egípcios com idades entre 30 e 60 anos classificados em três grupos: I) 45 pacientes obesos com insuficiência renal crônica (IRC); II) 39 sujeitos não obesos com IRC; e III) 34 indivíduos obesos sem IRC incluídos no grupo de controle. Foram observadas diferenças marcantes relacionadas ao índice de massa corporal (IMC) e ao perfil lipídico entre os grupos. O grupo de indivíduos obesos sem IRC apresentou valores mais elevados de IMC, circunferência abdominal, colesterol total e lipoproteínas de baixa densidade (LDL). Medidas ultrassonográficas da EIM da carótida revelaram resultados superiores ao intervalo normal em todos os grupos, particularmente no grupo de indivíduos obesos sem IRC (I: 0,11 ± 0,03 mm; II: 0,09 ± 0,02 mm; e III: 0,172 ± 0,28 mm). Os autores também descreveram uma forte correlação entre EIM carotídea e circunferência abdominal, mas as correlações da EIM da carótida com IMC e perfil lipídico não foram significativas.1 Os autores concluíram que a elevação da EIM carotídea estava mais relacionada à obesidade do que à IRC. O artigo enfatiza ainda que tal relação foi mais significativa com obesidade central do que com perfil lipídico.1 Embora o paratormônio (PTH) não tenha sido avaliado em tal estudo, podemos comparar esses dados com os achados de outro estudo sobre EIM da carótida em pacientes com IRC e hiperparatireoidismo secundário.2

Costa AF et al. avaliaram 14 pacientes com idades entre 18 e 65 anos classificados em dois grupos: I) sete indivíduos com PTH < 200 pg/mL; e II) sete pacientes com PTH > 500 pg/mL.2 O exame ultrassonográfico revelou placas de calcificação nas carótidas de 42,86% dos pacientes do grupo I (níveis mais baixos de PTH) e em 71,43% dos pacientes do grupo II. Não houve correlação significativa entre PTH e EIM da carótida (I: 0,8 ± 0,2; II: 0,9 ± 0,1 mm). Devemos ressaltar que houve diferenças significativas de idade (p = 0,04) e níveis de colesterol LDL (p = 0,03) entre pacientes com e sem espessamento da parede carotídea por placas de calcificação. Não houve diferença significativa entre os grupos em relação ao tempo em diálise, fator que pode produzir efeitos significativos sobre a espessura da carótida.2

Os autores egípcios e brasileiros enfatizam o papel da IRC na mortalidade cardiovascular, que pode ser até 20 vezes maior do que na população geral.1,2 Com base nos dados aqui apresentados, outros estudos prospectivos devem ser realizados com números maiores de pacientes e painéis mais amplos de exames laboratoriais.

References

1 El-Masrya SA, Mohamed HA, Enaite AM, Ali MM, Ibrahim IA. Carotid intima-media thickness assessment in obese patients with chronic renal failure [Internet]. J Arab Soc Med Res 2018 [cited 2018 Jul 20];13:18-24. Available from: http://www.new.asmr.eg.netLinks ]

2 Costa AF, Barufaldi F, Silveira MA, dos Santos VM, Menezes P de L. Association of PTH and carotid thickness in patients with chronic kidney failure and secondary hyperparathyroidism. J Bras Nefrol 2014;2014:315-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20140045Links ]

Recebido: 06 de Agosto de 2018; Aceito: 15 de Agosto de 2018

Correspondência para: Vitorino Modesto dos Santos. E-mail: vitorinomodesto@gmail.com

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.